* Ateu Richard Dawkins afirma que a religião “roubou” a Bíblia. Como é?

O cientista britânico e líder ateu Richard Dawkins (foto), 70, disse que não deveria ser permitido à religião sequestrar uma herança de grande valor cultural, que é a Bíblia. A afirmação foi feita em resposta ao deputado trabalhista Frank Field, que quis saber o que a Bíblia significa para ele.

Para Dawkins, a Bíblia é uma obra literária de interesse histórico cujo conteúdo foi usurpado pela religião, que faz uma leitura pobre dos textos, literal.

Dawkins, que é autor do best-seller ‘Deus – um Delírio’, disse que quem não sabe nada sobre os deuses gregos não “consegue apreciar a literatura inglesa”, que inclui a Bíblia. Em outro exemplo, disse que para gostar das músicas de Wagner é preciso saber alguma coisa sobre os deuses nórdicos.

O deputado Field é presidente da fundação responsável pela Bíblia King James, uma tradução por iniciativa da Igreja Anglicana que está completando 400 anos. É a Bíblia mais vendida no idioma inglês.

Não é a primeira vez que Dawkins elogia a Bíblia como obra de ficção. Mas agora, por ter afirmado que a religião se apropriou desse patrimônio cultural, ele foi alvo de críticas irônicas na imprensa britânica e blogs de cristãos.

Para um desses blogs, o Anglican Samizdat, Dawkins disse um absurdo, porque, se não fosse a religião, os textos bíblicos não teriam sido preservados até hoje.

Ele quer a cristandade sem o cristianismo, quer o avanço Ocidental, mas não o alicerce de moralidade que dá sustentação a essa civilização”, anotou.

“Se alguém está tentando roubar a Bíblia, é Dawkins.

http://www.anglicansamizdat.net/wordpress/richard-dawkins/richard-dawkins-thinks-religion-is-hijacking-the-bible/

15 thoughts on “* Ateu Richard Dawkins afirma que a religião “roubou” a Bíblia. Como é?

  1. Dawkins sempre se perde nos próprios argumentos superficiais e desprovidos de qualquer base científica!!

    Típico de pessoas como ele, que falam das Coisas sem conhecer!!

    É um pobre leigo, que se acha o Homem mais inteligente do Mundo!!!

    E, ainda tem gente indo na ondinha dele!!!

    Vai estudar um pouquinho Dawkins!!

  2. Dawkins qer apenas aparecer com opinioes mal fundamentadas e falhas! Seu livros sao fracos, auto ajuda pra ateu inseguro! Shalom!!!

  3. Boa tarde
    Obrigado Carmadelio

    Mandar Dawkins ir estudar e de uma pretensão sem tamanho. O renomado zoologista Richard Dawkins e um homem de ciência respeitadíssimo no meio acadêmico.O que talvez não concordem com Dawkins,é o fato de sua militância para tentar retirar da humanidade o titulo que ela pretensiosamente carrega de ápice da criação. Afinal de contas o que faz o ser humano acreditar que o fato de morar num grão de de rocha e metal, num braço de uma galaxia que e somente uma entre 100 bilhões de outras, e esse grão abrigar umas 10 milhões de especies e uma, somente uma , nesse caso o homo sapiens ser considerado o cume da criaçao??

    • Caríssimo Tadeu,

      Embora pareça surpreendente, é isso mesmo!
      Somos amados pelo criador do universo e embora estejamos “num braço de uma galaxia” somos isso!!
      Você está incluso nesse privilégio, é amado por Deus e embora seja mais um entre 6 bilhões de Habitantes, acredite, você é único!

  4. Mandar Dawkins estudar no assunto em que ele se mostra um ignorante de marca, não é nem de longe uma pretensão.

    Dawkins pode até ser um luminar na sua área – zoologia – e um razoável (não mais do que isso, sorry) divulgador de ciência (quando, de fato, é de ciência que ele trata). O problema se dá quando ele enverga seu fanatismo ateísta, estúpido e intolerante, e se mete a discorrer de coisas que devia, ao menos, procurar conhecer para delas falar com propriedade. É a esse ignorante fanático, não ao cientista e escritor de assuntos científicos, que se manda, muito corretamente, estudar.

    No mais, uma das coisas que mais acho irônicas em pessoas deslumbradas com a ciência, via Dawkins, Stephen Hawking ou Carl Sagan, é a inconsistência que elas compartilham com seus adorados autores, sem perceber que muito dos que eles escreveram/escrevem, versando sobre assunto diferente de suas áreas, apenas transmitem suas idiosssincrasias, seus preconceitos, suas noções primárias, por vezes tolas, tudo sob a presunção de quem se acha capaz de comentar sobre qualquer coisa, graças à “deusa” ciência.

    Uma das idéias de Sagan, por exemplo, contida na introdução de seu famoso “Cosmos”, é a de que não se deve fazer uma escala de importância no Universo em função do tamanho das coisas. Nessa linha, está bem longe de um verdadeiro espírito científico quem reporta-se a um planeta como um reles “grão de rocha e metal”. Mas muito mais equivocado é misturar essa idéia, fundamentalmente materialista, com a concepção RELIGIOSA do homem como centro da Criação. Essa tentativa ateísta de ridicularizar a posição religiosa acaba esbarrando na própria neutralidade que defendem em relação à significância das coisas no Universo, que no diapasão de Sagan implicaria no máximo em aquiescer que o homem não seria o centro do Universo, mas tampouco seria uma mísera criatura dentre milhões de espécies vivendo num mísero grão de rocha e metal.

    Outro ponto que os ateus, cientificistas em particular, são incapazes de compreender é o sentido das afirmações religiosas. É plenamente aceitável que alguém afirme não acreditar no conteúdo de uma fé religiosa e essa posição deve ser respeitada. Mas falta consideração e respeito com a crença, segundo a qual o homem é o norte da Criação. Vale observar que nenhum dos dois lados, se confrontados do ponto de vista estritamente científico, poderia demonstrar com certeza suas posições. Pode um ateu, por exemplo, afirmar convictamente que o homem não é o centro do Universo? O próprio Sagan, descrente à sua maneira, rejeitava essas manifestações arrogantes de ateus que berravam aos quatro cantos “verdades” que não poderiam provar. Uma boa autocrítica, embora, infelizmente, não assimilada pelos seus adoradores deslumbrados com a ciência.

  5. E tem mais Tadeu, apesar de toda a grandiosidade da criação (galáxias, planetas, estrelas, animais incontáveis, o que é de uma beleza exuberante mesmo), nenhum destes seres é consciente de si mesmo, no sentido de reconhecer-se como ser existente, nem muito menos reconhecer a criação enquanto tal. Só o homem, no mundo visível, é capaz de conhecer, por conta de ser dotado de razão, e também de amar. E por este conhecimento da criação e das suas perfeições todo homem é capaz de chegar ao conhecimento do Seus Criador. Está aí a dignidade do ser humano.

  6. Quem quiser pode até menosprezar o valor de tudo que existe, mas o fato inegável cientificamente, filosoficamente, logicamente e quaisquer outros “mentes”, de que a espécie humana é o ápice de todas as que existem é querer forçar uma falta de senso.
    Procure saber do mais inteligente dos macacos, a maior das baleias, a menor das bactérias, ou qualquer outro ser o que eles poderiam fazer em matéria de existência que seja comparável ao que o homem pode?
    E não venha dizer algo do tipo:
    “As plantas e algas produzem o oxigênio, sem o qual nenhuma espécie sobreviveria, logo são mais importantes do que o homem, estão no ápice”

    Mesmo? E por acaso elas tem alguma escolha sobre aquilo que fazem? Somente a espécie humana escolhe o próprio caminho, isso pode ser uma benção ou uma maldição dependendo dessas escolhas, mas de ambas as formas é um privilégio único entre tudo o que conhecemos. 100 bilhões de galáxias em nossas cabeças não possuem valor maior do que o paralelepípedo de nossas calçadas se não houver um homem para disto impregná-las, da mesma forma não fazem a mínima diferença para as demais espécies desta terra, ou será que o “castor perde seu tempo pensando em como a atmosfera de júpiter poderia das pistas sobre a origem do universo?”

    Uma árvore pode produzir oxigênio, e um homem pode escolher onde plantá-la, e até mesmo cortá-la se assim o desejar. Um leão pode fazer um homem em pedaços, no entanto nós fazemos estes e elefantes e baleias fazerem piruetas apenas para nosso próprio divertimento. Nós voamos sem asas, nadamos sem nadadeiras, construimos no subterrâneo sem garras para escavar, e por vezes até descobrimos como curar alguns males provocados por seres além de nossa visão. Por mais magníficas capacidades que qualquer outra criatura possua, nada se compara a isso.

    Mas apesar de tudo isso, existem alguns fatos que se sobrepõem até mesmo a nós. Não é por nossa vontade ou capacidade ou poder, que nenhuma dessas coisas existem. Nem é por nossa escolha que estamos nesse patamar. Para muitos isso tudo tem um motivo, e para muitos esse motivo é o Deus Criador. E justamente para estes existe(ou pelo menos deve existir) um reconhecimento de responsabilidade para com o privilégio recebido e com tudo aquilo que lhes foi submetido, em relação àquele de onde todas essas coisas derivam, isto é: se existe um designio em sermos dessa forma, a melhor maneira de saber qual é, é conhecermos daquele que isso designou. O que me relembra algumas palavras do Papa quando disse que algumas das questões existênciais da humanidade como: quem somos, de onde viemos e para onde vamos, só encontram resposta e sentido pleno na religião.

    “Não se vendem cinco pardais por dois asses? E, entretanto, nem um só deles passa despercebido diante de Deus.
    Até os cabelos da vossa cabeça estão todos contados. Não temais, pois. Mais valor tendes vós do que numerosos pardais.” (Lc 12,6-7)

    Vinde Senhor Jesus!

  7. boa noite

    obrigado Carmadelio por mais uma vez permitir a livre expressão de opiniões em seu blog
    Stephen Jay Gould, biólogo evolucionista americano afirmava o seguinte: “”Se as nossas observações contradizem as escrituras devemos repensar estas ultimas: o mundo natural não mente”". Nos nos sentimos muitas vezes desconfortáveis em relação aos dados observados na natureza em relação as nossas origens.As observações astronômicas a cada dia são um golpe certeiro em nosso pensar geocêntrico.A física e a cosmologia conseguem descrever com detalhes de microssegundos o que aconteceu nos primeiros minutos do universo, e nos torna capazes de prever sua evolução futura.A física quântica nos mostra que a nossa noção de realidade, passado e futuro podem ser frutos de uma ilusão milenar.A biologia com Darwin retirou de nossos pés o pedestal de cume da criação ao estreitar nossa semelhanças anatômicas, moleculares e genéticas com todos os seres da natureza.Alguns religiosos parecem ficar amedrontados com a possibilidade de não haver mais espaço pra a a ação de Deus na natureza, face ao avanço da ciência na capacidade de dar ao homem respostas para as questões existenciais.Acho sinceramente que os que se comportam assim dão um testemunho muito frágil de sua fé. Afinal, não esqueçam que um admirável homem polonês pelo qual tenho profundo respeito, foi um dos responsáveis pela abertura do pensamento da igreja ao dialogo com a ciência.

    • ” A biologia com Darwin retirou de nossos pés o pedestal de cume da criação ao estreitar nossa semelhanças anatômicas, moleculares e genéticas com todos os seres da natureza”.

      Caríssimo Tadeu, pelo contrário, nossas semelhanças anatômicas, moleculares, etc CONSTATAM nossa origem comum e REAFIRMAM um criador, REFORÇANDO o senso comum de que não somos frutos de uma casualidade. No entanto, apesar de nossas semelhanças com o criado, somos únicos e especiais; mais do que criaturas, somos filhos!

      Penso que acreditar em Darwin de forma genérica não ofende nossa fé, desde que ele – que Deus o tenha!- conseguisse dizer como tudo começou de forma tão complexa sem ter uma origem inteligente e seus defensores respondessem a TODOS os Elos perdidos do suposto processo evolutivo.

      Apesar disso a teoria de Darwin merece respeito mas precisa ainda preencher muitas lacunas para ser afirmada com a VERDADE definitiva.E mesmo que seja, não vejo como não continuar a exclamar diante do criado, da natureza e de todos os seres vivos: ” Vi as belezas da terra e minha alma sonhou com o céu!” ( Sta Teresinha)

  8. Caro Tadeu,

    1 – “As observações astronômicas a cada dia são um golpe certeiro em nosso pensar geocêntrico”

    Discordo francamente de você. Acompanho quase cotidianamente as notícias de astronomia em sites como os das revistas Sky enad Telescope, Astronomy, Spaceflight Now, e portais como os da NASA e da ESA e faço parte de um grupo de discussão sobre astronomia no Yahoo, por onde recebo quase diariamente novas da área.

    Não vejo em nenhuma dessas notícias, muito menos nos conhecimentos já consolidados, qualquer coisa que aponte para uma diminuição do papel do homem na Criação, especialmente em afronta à concepção religiosa dessa centralidade.

    Aliás, quem está em dia com a Astronomia e, mais particularmente, a Cosmologia, sabe que uma das propostas para a interpretação de hipóteses e dados sobre o Universo reside no Princípio Antrópico, do qual pode-se, sem problema, discordar, mas não há como refutá-lo em absoluto.

    2 – “A física e a cosmologia conseguem descrever com detalhes de microssegundos o que aconteceu nos primeiros minutos do universo, e nos torna capazes de prever sua evolução futura”

    Quem lhe disse isto? Hawking, Sagan, Dawkins?

    Primeiro: o que há sobre a origem do Universo físico visível (importante frisar esta delimitação) ainda está no campo especulativo, por mais que um ou outro cientista advogue ares de certeza em relação ao Big Bang, por exemplo. Afinal, há gente muito boa que não concorda, tipo Halton Arp, o popular “Chip”, o cobrão da astronomia das radiogaláxias e galáxias com núcleo ativo, vale dizer, objetos que remontam a uma época bem próxima da atribuída ao Big Bang.

    Segundo: não, Tadeu. Nada disso nos torna “capazes de prever” a evolução futura (sic) do Universo. Podemos, no máximo, especular sobre isso, conforme o modelo cosmológico adotado. Daí a assumir um desses modelos como a descrição fidedigna da realidade, são outros quinhentos.

    3 – “A física quântica nos mostra que a nossa noção de realidade, passado e futuro podem ser frutos de uma ilusão milenar”

    What!? Rapaz, reflita seriamente sobre suas fontes de divulgação científica. A física – incluindo todos os seus departamentos, tal qual a física quântica – nada pode inferir quanto a “ilusões milenares”. A própria palavra “ilusão” requer muuuuuita cautela, em se tratando de fenômeno físico. Será adequado considerar “ilusão” a posição de um objeto, dito “em repouso”? Ora, ainda que em movimento não uniforme ele pode ser considerado em repouso, dependendo do referencial.

    4 – O Carmadélio já replicou – muito bem – no tocante à “biologia com Darwin”.

    5 – “Alguns religiosos parecem ficar amedrontados com a possibilidade de não haver mais espaço pra a a ação de Deus na natureza, face ao avanço da ciência na capacidade de dar ao homem respostas para as questões existenciais.”

    De fato, ainda subsistem os que depositam sua fé no chamado Deus das lacunas, porém vejo cada vez mais crentes evitando essa armadilha. Deus é transcendente a tudo, incluindo o mundo físico com seus fenômenos e suas leis. Quase toda a conciliação da fé com as descobertas científicas depende de ambos os lados entenderem essa particularidade.

    Quanto a essa crença de que a ciência dá ao homem respostas para as questões existenciais, aí vai muito do grau de cientificismo, de deslumbramento de quem está em contato com as descobertas científicas. Pessoalmente, considero imaturo pensar que essas descobertas propiciam respostas no sentido de resolver completamente as dúvidas existenciais humanas. Quem pensa assim, parece-me inevitavelmente limitado, ingênuo, por vezes infantil, às vezes até ironicamente, não científico.

    6 – “não esqueçam que um admirável homem polonês pelo qual tenho profundo respeito, foi um dos responsáveis pela abertura do pensamento da igreja ao dialogo com a ciência”

    Se você está se referindo a Copérnico e o seu modelo heliocêntrico, lamento informar, mas ele não abriu coisa alguma, simplesmente porque na época (até meados do séc. XVII) ainda sequer se tinha definido o que era ciência. Em segundo lugar, a Igreja já estava “aberta” a um debate dessas questões, que se estendeu por toda a Baixa Idade Média, no seio das universidades recém-criadas. Desse debate foram vozes, dentre outros,os frades Guilherme de Occam (o da “navalha”), Jean Buridan e até cardeais como Nicolau de Cusa. Como assevera um físico ateu, Yoav Ben-Dov, em seu Convite à Física, o modelo copernicano apenas culminou o que já era há muito discutido. A grande revolução do cônego polonês, com certeza, foi mostrar ser possível um tratamento matemático da (então) hipótese heliocêntrica. No mais, o De Revolutionibus não sofreu nenhuma “perseguição” da Igreja até ele ser usado por um certo cientista pisano para engendrar considerações teológicas.

  9. bom dia

    obrigado Carmadelio pela oportunidade de mais uma vez poder manisfestar minha opinião

    Sinceramente, como um filosofo afirmou no passado que “”aprender e saber as coisas que mais nos convém”".Analisando algumas opiniões acima,posso perceber a veracidade das palavras do filosofo.Grande parte das pessoas critica Darwin sem nunca ter estudado a teoria darwiniana.A verdade e que muitas vezes, repito isso, religiosos muito inseguros em relação as suas crenças, ficam na espreita de alguma lacuna na ciência que possa ser preenchida com a presença do sobrenatural. Não e por que não se tem resposta de algo que ainda não foi devidamente explicado que devemos dar de ombros e dizer : foi DEUS quem fez.A ciência não se faz assim.Se a ciência não consegue resolver um dado problema , quem garante que a resposta vira da teologia? A teoria da evolução das especies por meio da seleção natural e a mais elegante de todo as as descobertas cientificas dos últimos anos. Ela da respostas logicas que contrariam o senso comum quanto ao problema da complexidade da vida pois usa o tempo geológico a seu favor para produzir, via seleção natural,a variedade de formas de vida como conhecemos hoje.A natureza usa o tempo geológico de maneira inteligente e paciente pra “”quebrar”‘ em pequenas partes o problema da complexidade.E verdade que falta explicação para o problema da origem da vida em si mesma , mas a pergunta e: faremos desse problema o ultimo refugio pra o sobrenatural?? ou devemos buscar respostas sensatas e logicas e racionais como fazem os homens de ciência? a grande questão que muitos religiosos evitam e a seguinte:Se a teoria da evolução das especies retira a mão do criador da natureza qual e o papel dele então? ou admitimos que ele acompanhou e tentou vários projetos através do processo tentativa-erro cateterísticos da evolução ( os museus de historia natural estão repletos desses projetos que não deram certo em forma de fosseis nosso corpo ainda carrega erros de construção em nossos genes e estruturas) ,ou ele “”deu a partida e abandonou o seu projeto a sorte e esteve ocupado com outras questões.Esse é o problema que atormentou ate mesmo o próprio Darwin.Aceito que me acusem de ingenuidade, infantilidade e outras coisas do gênero se quiserem, mas o que fica difícil admitir e que existe tanta esquiva intelectual do problema inquietante como a explicação de nossas origens, por meio de uma observação logica e racional da questão de nossas origens. Prezado Carmadelio, muito obrigado por mais uma vez permitir a livre expressão de opiniões em seu blog. Isso contribui em muito para o busca e conhecimento da verdade.
    abraço cordial

  10. BOM DIA

    Prezado Eduardo Araujo.

    quanto ao dado do “admirável homem polonês” a que me referi em um comentário, eu falava do papa JOÃO PAULO II. Eu não escondo de ninguém que tenho admiração pela forma de dialogo que ele usava pra com os mais diversos campos da sociedade. Sempre o achei sensato. Nunca permiti que meu ateísmo deixasse de ver nele a pessoa admirável que ele era.Li muitas de suas encíclicas as tenho guardadas comigo ate hoje.

  11. “A física quântica nos mostra que a nossa noção de realidade, passado e futuro podem ser frutos de uma ilusão milenar.”

    Poderia me dizer o que quis dizer com ilusão milenar?

Deixe um comentário