* Nasce 1º bebê brasileiro “selecionado geneticamente” para curar a irmã. O que a Igreja pensa disso?


Fernanda BassetteO Estado de S. Paulo.

Nasceu sábado passado o primeiro bebê brasileiro selecionado geneticamente em laboratório de modo a não carregar genes doentes e ser totalmente compatível com a irmã – que sofre de talassemia major, uma doença rara do sangue que, se não for tratada corretamente, pode levar à morte.

Maria Clara Reginato Cunha, de apenas 4 dias, nasceu no Hospital São Luiz para salvar a vida de Maria Vitória, que tem 5 anos e convive com transfusões sanguíneas a cada três semanas e toma uma medicação diária para reduzir o ferro no organismo desde os 5 meses.

Nos pacientes com talassemia major – a mais grave e a que realmente precisa de tratamento -, a medula óssea produz menos glóbulos vermelhos e, consequentemente, não consegue fabricar sangue na frequência necessária, podendo causar anemias graves. No Brasil, são pouco mais de 700 pessoas com a doença.

Técnica

Selecionar embriões saudáveis para tentar salvar a vida de outro filho doente não é novidade – esse procedimento é feito no mundo todo desde a década de 1990. A novidade, neste caso, é que além de não carregar genes da talassemia major, o embrião selecionado (Maria Clara) também é 100% compatível com Maria Vitória, o que vai facilitar a realização de um transplante de sangue de cordão umbilical.

Segundo o geneticista Ciro Dresh Martinhago, a técnica usada para identificar os genes doentes e também a possível compatibilidade é a mesma – de biologia molecular -, mas exige mais conhecimento específico no caso de analisar a compatibilidade.

“A gente coleta uma única célula do embrião para fazer a análise molecular. Ao todo, verificamos 11 regiões do DNA da célula, sendo 2 relacionadas ao gene alterado e 9 relacionadas à compatibilidade, que é mais complexa”, explica o médico, diretor da RDO Diagnósticos e responsável pela análise genética.

De acordo com ele, as chances de um casal gerar embriões que sejam compatíveis e não carreguem o gene doente são de apenas 18% – daí a importância da ciência nesses casos.

Além disso, a dificuldade de realizar a técnica e a falta de profissionais experientes nessa área são alguns dos motivos que fazem o método ser pouco usado. O primeiro caso de seleção de embrião 100% compatível no mundo aconteceu em 2004.

Decisão

Antes de decidir fazer a fertilização, o casal Jênyce Carla Reginato Cunha Eduardo Cunha entrou em contato com pelo menos 30 médicos do Brasil e do exterior. Na primeira tentativa, os seis embriões gerados no processo de fertilização foram descartados ou porque tinham a doença ou porque eram incompatíveis com Maria Vitória.

Na segunda tentativa, o casal conseguiu produzir dez embriões, dos quais apenas um não tinha a doença e era 100% compatível. Um segundo embrião compatível tinha apenas traços da doença (ela não se manifesta) e também foi implantado na mãe.

“Concluímos 90% do nosso objetivo. Os 10% que faltam são o transplante, que vamos deixar nas mãos de Deus. Se não tivéssemos persistência, fé e coragem, não estaríamos aqui”, diz a mãe.

A coleta das células do cordão foi feita pela equipe do Hospital Sírio-Libanês, onde será feito o transplante. “Há outros relatos na literatura e tem tudo para dar certo. Vamos esperar alguns meses porque, se não der certo com o cordão, nós podemos coletar a medula do bebê”, explicou o hematologista Vanderson Rocha.

Merula Anargyrou Steagall, presidente da Associação Brasileira de Talassemia (Abrasta), diz que a entidade está comemorando a conquista. “É uma porta que se abre e representa uma esperança para outras doenças genéticas e não apenas para a talassemia. Agora, vamos acompanhar os resultados.”

Artur Dzik, presidente da Sociedade Brasileira de Reprodução Humana, também considera o nascimento de Maria Clara uma conquista. “É mais um avanço da ciência na área da medicina reprodutiva que só veio para o bem. É uma forma de medicina preventiva.”

Na Espanha, nasce o 2º bebê gerado com a mesma técnica

Na Espanha, em um hospital de Sevilha, nasceu no sábado o segundo bebê do país selecionado geneticamente para salvar um irmão. A menina Estrella deverá doar medula óssea para seu irmão Antonio, que sofre de aplasia (problema na medula óssea). A cirurgia não tem data marcada.

A lei que permite a seleção de embriões compatíveis com filhos doentes foi aprovada na Espanha em 2006, atraindo críticas da Igreja Católica. O primeiro bebê geneticamente selecionado para esse fim no país nasceu no mesmo hospital, o Virgen del Rocío, em 2008.

***

O nascimento  significou a “destruição de outras vidas, as dos seus próprios irmãos”,  a intervenção médica é moralmente suspeita. A Igreja, portanto não concorda.

Leia mais..

***

BEBÊS DESIGNER: SELEÇÃO GENÉTICA TAKES OFF

Com suporte nos dois lados do espectro político

Dificilmente passa uma semana sem algum anúncio de avanços da genética. No meio deste pressões de desenvolvimento científico estão a crescer a praticar eugenia, seja por eliminar nascituros vistos como inferiores ou procurando maneiras de melhorar a qualidade da próxima geração.

Um exemplo recente dessa mentalidade era um ensaio publicado em 05 de fevereiro o jornal The Guardian por Johnjoe McFadden, leitor em microbiologia molecular na Universidade de Surrey. Segundo McFadden, a menos que abraçar a engenharia genética, que se tornará uma espécie de doentes e debilitados.

Seu raciocínio baseia-se na teoria darwinista da seleção natural. Durante milhões de anos, explica ele, o forte ter sobrevivido enquanto o pereceram fraco, e isso “nos tornou os animais bem sucedidos que somos hoje.” O problema hoje é que a Medicina moderna permite que as falhas genéticas para sobreviver e reproduzir-se e, enquanto estamos agora mais saudável do que no passado, nosso estoque genético não está melhorando.

A resposta, de acordo com McFadden, é abraçar a nova tecnologia que permitirá que o código genético humano para ser modificado, e isto significa que podemos evitar a degeneração.

Lote 28
Outra forma de “melhorar” a raça humana é, por reprodução seletiva. O Telegraph  analisou a vida de Doron Blake, um dos primeiros bebês de designer da América.Doron, agora na universidade em Portland, Oregon, foi concebida usando esperma selecionados especialmente destinado a dar-lhe um QI Mensa-grade, e um gênio da música, ciência e arte visual.

Em parte, este projeto tem sido bem sucedida. Em seus exames escolares marcou o máximo possível em matemática, e ele toca piano, violão e sitar com facilidade. Ele sabe sobre suas origens desde que ele tinha 5 anos, a idade em que ele teve um último teste de QI. ”Foi cerca de 180, não tenho certeza”, disse Doron. No entanto, ele teve dificuldades emocionais e sofre um gaguejo. Ele também considera a ciência chato, seu tema é a religião.

Doron foi concebido como parte de um projeto no repositório para Escolha Germinal, uma instituição fundada no sul da Califórnia, em 1980, conhecido também como o banco de esperma Genius. Seu pai só foi conhecido como Lote 28. O fundador da clínica, Robert Graham, fundou o centro, a fim de ajudar a raça humana, melhorando a sua herança genética.

A idéia era reunir o esperma dos melhores intelectos do mundo – ganhadores do prêmio Nobel, professores, grandes artistas e músicos – e oferecê-lo às mulheres interessados ​​em dar à luz a bebês que pode crescer até ser gênios. Entre os primeiros doadores, eo único a anunciar suas intenções, foi o físico e prêmio Nobel William Shockley, que proclamou abertamente uma crença de que os negros são geneticamente inferiores aos brancos.

Doron mãe, Afton Blake, é um psicólogo de Nova Era e hippie unreconstructed que nunca se casou, e ela estava entre os primeiros clientes da clínica. Doron foi o segundo de 230 bebês a ser concebido.

Triagem de embriões

Outra forma de praticar a eugenia é, eliminando aqueles considerados inferiores. The New Zealand Herald em 22 de janeiro descreveu um projeto para fazer isso recebeu recentemente aprovação oficial. Dr. Bert Stewart de Auckland Fertilidade Associates diz que a autorização foi concedida pelo Ministério da Saúde do comitê de ética para um estudo de viabilidade de um programa que vai exibir os embriões defeituosos antes do nascimento.

Ele diz que o programa verifica os cromossomos em células embrionárias para filtrar defeituosos embriões que não são susceptíveis de desenvolver em bebês, ou tornar-se bebês com graves anomalias do desenvolvimento. Stewart diz que o programa vai fazer uma diferença enorme para os casais que tentam ter filhos através de fecundação in vitro.

Cientistas britânicos, por sua vez, desenvolveram um teste que permite aos médicos embriões tela para baixa inteligência. O Sunday Times informou 26 de novembro que o kit de teste pode identificar uma série de defeitos genéticos conhecidos para levar a dificuldades de aprendizagem. O kit foi adaptado para uso pelos médicos nos Estados Unidos e Espanha sobre as famílias que suspeitam ter um risco herdado de um defeito. Usando técnicas de proveta do bebê, os médicos, em seguida, selecione apenas os embriões perfeitos para ser devolvido para o útero.

Alguns especialistas rejeitar este método, temendo que ele cria uma mentalidade que rejeita os bebês com menor inteligência. ”Há uma necessidade urgente de regulamentação do que constitui um uso legítimo desse tipo de diagnóstico genético”, disse Richard Nicholson, editor do Bulletin of Medical Ethics. ”Baixo QI não é risco de vida. Este é um passo significativo no sentido de eugenia”.

Já existem indícios de que em alguns círculos com um baixo QI já é visto como alguém fora marcação como subumanas. O serviço de notícias conservador informou que 15 de janeiro, durante um episódio sobre a parentalidade, talk-show Bill Maher disse que os cães e as crianças deficientes mentais eram comparáveis.

O show, que foi ao ar 11 de janeiro, contou com um painel de quatro pessoas que discutiram as responsabilidades parentais. Em um ponto, Maher disse a um visitante que tinha dois cães, mas sem filhos, e acrescentou: “Eu sempre disse que se eu tivesse duas crianças retardadas, eu seria um herói, e ainda os cães, que são praticamente o mesma coisa – o que “? Maher continuou caracterizando crianças mentalmente retardadas como “doce”, “amar” e “tipo, mas não mentalmente avançar em tudo …. Os cães são como crianças retardadas.”

Eugenia defendida

Em um nível mais intelectual, a eugenia está desfrutando de popularidade renovada. Na edição de inverno da revista The Public Interest, editor-executivo Adam Wolfson disse que de acordo com o fundador da sociobiologia, professor de Harvard, Edward O. Wilson, dentro de algumas décadas, vamos entrar numa era de “evolução volitivo”, tendo ganho a capacidade para “alterar não só a anatomia e inteligência das espécies, mas também as emoções e impulso criativo que compõem a essência da natureza humana.”

Vozes influentes, observou Wolfson, têm apoiado a esta evolução de engenharia, entre eles o especialista em ética Ronald Dworkin. Em seu último livro, “virtude soberana”, Dworkin decorre um imperativo eugênica de princípios do liberalismo da igualdade e da autonomia. Quanto ao princípio da igualdade, Dworkin afirma que “é objectivamente importante que qualquer vida humana, uma vez iniciada, ter sucesso em vez de falhar – de que o potencial de que a vida ser realizado, em vez de desperdiçado – e que esta é igualmente objetivamente importante no caso de cada vida humana “. E que respeita ao princípio do liberalismo de autonomia, Dworkin sustenta que uma pessoa “tem o direito de tomar as decisões fundamentais que definem, para ele, que uma vida bem sucedida seria.” Tomados em conjunto, estes dois princípios mandato liberal, em vista de Dworkin, uma nova eugenia.

Não é apenas liberais que apóiam a eugenia, observado Wolfson. A Razão revista libertária ea revisão conservadora Nacional tem dois artigos prazo endossando a nova eugenia. Isto é devido à influência do individualismo dentro de alguns círculos conservadores, uma mentalidade que aprova o direito de todos a fazer suas próprias escolhas privadas.

Wolfson diz que a nossa visão do homem está saturado com as categorias tecnológicas de pensamento. É hora de uma visão mais arredondada da pessoa humana, baseada no humanismo cristão, que irá apresentar argumentos convincentes para rejeitar a nova onda de eugenia.

3 thoughts on “* Nasce 1º bebê brasileiro “selecionado geneticamente” para curar a irmã. O que a Igreja pensa disso?

  1. Seleção genética… isso me lembra Matrix: Nós não nascemos mais, somos cultivados, Morpheu conta isso para o Neo e depois a cena mostra aqueles campos cheios de úteros artificiais gerando bebês de profeta

    Engenharia genética deveria cuidar dos problemas, não cometer assassinato em massa… o que falta a eles é a compreensão de que os embriões já estão, afinal, se eles não interferissem nasceria um bebê dali

  2. Repugnante,
    Se estes pais ou cientistas realmente estivessem interessados em salvar uma criança, não teriam MATADO dezenas no processo, nem mesmo que nenhum tivesse sido assassinado, o simples fato de se conceber um filho não pela sua existência ou por amor, mas unicamente como um “remédio” qualquer, utilitário, objeto?
    Tem gente que não merecia mesmo estar vivo, mas ao contrário deles que isso fazem, não sou eu quem vou julgar(afinal o julgamento já está feito e são vocês mesmos depravados). Maldita eugenia imunda e “legal”, até os cientificistas têm que admitir um fato: o ser humano não evolui e sim INVOLUI a cada dia.

    Vinde Senhor Jesus!

Deixe um comentário