* Menino de 2 anos obrigado a se transformar em menina: uma tortura documentada.

2ewc__sygw4vio_vorzifw___-p5_teb5u-otjpjciwf6xnul1_yro6bfjmoqcycoednr8r2buh_2t6czpesd2h6ww2l

Dois gêmeos e um futuro de dor

Uma grande alegria tomou conta da família Reimer em 22 de agosto de 1965, data em que nasceram os gêmeos homozigotos Bruce e Brian, dois lindos meninos idênticos que, como todos os bebês, vieram ao mundo com o ar inocente de quem nem imagina as aventuras, alegrias e dores que teriam que enfrentar na vida.
 
Ninguém, naquele momento, podia vislumbrar o futuro doloroso e terrível que esperava os dois pequenos recém-nascidos de Winnipeg, no Canadá.
 
O que arruinaria a vida dos dois irmãos seria um erro cirúrgico grotesco, digno dos piores casos de negligência médica, além da intervenção devastadora de um médico louco, mais interessado em realizar seus devaneios científicos do que em garantir o bem-estar dos seus pacientes: o psicólogo e sexólogo neozelandês John William Money.
 
Um erro trágico

Cerca de sete meses depois do nascimento, os gêmeos foram diagnosticados com fimose, o que uma pequena operação poderia resolver sem quaisquer problemas. O que era para ser uma simples cirurgia de circuncisão virou tragédia quando, por erro do médico ou por mau funcionamento do cauterizador, o órgão sexual do pequeno Bruce foi queimado e ficou comprometido irremediavelmente. Foi assim que o pequeno garoto perdeu o uso do pênis e começou a trilhar o seu doloroso calvário.
 
O encontro com o monstro

Desesperados com a situação de Bruce, os pais acabaram topando naquele momento com o fundador da chamada “teoria do gênero”, o Dr. John William Money (sim, seu sobrenome, em inglês, significa exatamente isso: “Dinheiro”). Em fevereiro de 1967, os pais dos gêmeos viram o médico participando de um programa de televisão. O psicólogo se apresentava como um verdadeiro astro, um pioneiro do campo da mudança de sexo e um dos primeiros a cunhar a diferenciação entre “gênero” e “sexo biológico”: o Dr. Money afirmava, com pretensões de rigor científico, que a cultura e a educação poderiam imprimir no indivíduo um projeto diferente do estabelecido pela natureza.
 
Em outras palavras: enquanto a natureza definiria o chamado sexo biológico, quem decidiria o gênero seria a própria pessoa, que poderia “criá-lo” prescindindo do patrimônio sexual genético, através de cirurgias, tratamentos hormonais e, principalmente, de uma reeducação social e cultural para “consolidar” o “gênero” escolhido. Depois de cuidar de pessoas hermafroditas, Money começou a fazer experimentações das suas teorias mediante a realização de cirurgias de mudança de sexo. Ele se tornou o especialista número um na “reconfiguração sexual” e abriu a primeira clínica do mundo dedicada a esse tipo de intervenção.
 
Uma ideia doentia

Desesperados com o futuro de Bruce e impressionados com a confiança exibida pelo Dr. Money, os pais do bebê mutilado decidiram procurar o médico e confiar o caso dos gêmeos à “experiência” dele.
 
A necessidade de ajuda do casal Ron e Janet coincidiu com a necessidade de novas experiências e de realização profissional do Dr. Money, que não perdeu a grande oportunidade de pôr as suas teorias em prática no pobre Bruce.
 
Money sugeriu uma “reconfiguração sexual” e começou a “trabalhar” no bebê (que tinha dois anos de idade!). Primeiro, mudou o nome de Bruce para Brenda. Depois, começou um tratamento hormonal. Finalmente, impôs a Bruce/Brenda uma vida de menina, com o uso de roupas, brinquedos e comportamentos femininos. Em julho de 1967, Bruce foi operado: o Dr. Money construiu cirurgicamente no menino uma vagina rudimentar. Foi assim que o corpo do pequeno Bruce (de dois anos!) foi transformado em um corpo feminino. O médico também decidiu encontrar os gêmeos uma vez por ano para avaliar o andamento da sua experiência. Anos mais tarde, foi o próprio Bruce quem afirmou: “Aquilo foi como uma lavagem cerebral” (“Bruce, Brenda e David”, edição italiana, Ed. San Paolo, 2014).

O mundo aplaude enquanto Bruce enfrenta um drama solitário

Em 1972, num livro intitulado “Man&Woman, Boy&Girl”, o Dr. Money expôs, com orgulho e triunfalismo, os resultados das suas experimentações com seres humanos: ele teria conseguido criar, “com sucesso”, uma identidade feminina em um bebê nascido com o sexo masculino. Money fornecia com isto a suposta “prova conclusiva” de que “um indivíduo não nasce homem nem mulher: torna-se” (pág. 95*).
 
Seus estudos e experimentos atraíram a atenção e os aplausos do mundo acadêmico e da imprensa não especializada: o mundo admirava as “descobertas sensacionais” do Dr. Money; vários setores progressistas, como o movimento feminista e os círculos homossexuais, acreditaram ter achado uma base científica para as suas “lutas pela libertação do esquema tradicional de masculino e feminino” estabelecido pela natureza.
 
Por trás de todo esse aparente sucesso, porém, o drama vivido por Bruce/Brenda desmentia os resultados alardeados pelo Dr. Money. Brenda se comportava como menino. Sentia-se desconfortável nas roupas femininas. Queria brincar com os brinquedos do irmão. Sua voz era masculina. Continuava fazendo xixi em pé. Com o passar dos anos, percebia que era diferente, que algo “nela” era estranho, que havia algo que não tinham lhe contado. Seu irmão Brian, ao falar de Brenda, viria a declarar: “Quando eu digo que não havia nada de feminino em Brenda, eu quero dizer exatamente isso: nada” (pág. 81*).
 
A situação se agravou e a verdade emergiu. De nada serviram os conselhos de Money: a situação de Bruce/Brenda continuou a piorar. Os encontros entre o Dr. Money e seu pequeno paciente foram se tornando cada vez mais invasivos (págs. 107-126*): o médico adotava um linguajar sexualmente explícito, usava imagens e filmes pornográficos e até mesmo simulava relações sexuais (!). Os gêmeos eram obrigados a se despir, para compararem os corpos um do outro. O médico propôs que os pais fizessem visitas psiquiátricas e diagnosticou que Brenda sofria de depressão: ele afirmou que Brenda tinha tendências bissexuais ou homossexuais, já que sentia atração por mulheres. Money aconselhou os pais dos gêmeos a praticarem o nudismo em casa e em clubes de naturismo.
 
Quando Bruce/Brenda tinha 12 anos, começou o bombardeio hormonal para desenvolver nele os caracteres femininos, mas o menino, além de rejeitar a medicação, começou a comer desesperadamente para tentar disfarçar os quadris e os seios que começavam a crescer (págs. 159-161*). Em 1978, depois que Money organizou um encontro de Brenda com um transexual, o adolescente, que já sofria de surtos de pânico e ansiedade e dava indícios de tender ao suicídio, decidiu acabar com as sessões e com os testes e ameaçou se matar se fosse forçado a se encontrar novamente com o Dr. Money (págs. 169-172*).
 
“Eu quero voltar a ser homem”

Os pais de Bruce/Brenda finalmente revelaram a ele o segredo. Depois de ouvir a verdade sobre a sua história, Bruce/Brenda decidiu voltar a ser como a natureza o tinha feito: um homem.
 
Diversas operações reconstituíram os seus órgãos sexuais e eliminaram os seus seios. Ele mudou novamente de nome: em 1980, Brian começou uma nova vida com o nome de David.
 
David se casou e, com a esposa, Jane, adotou filhos. Durante toda a vida, porém, ele carregou consigo os conflitos internos e as feridas atrozes que aquela triste infância lhe tinha imposto.
 
Mártires da ideologia de gênero

No dia 5 de maio de 2004, David tirou a própria vida, disparando-se um tiro enquanto dirigia seu carro.
 
O estopim da tragédia foi a morte repentina do irmão, Brian, encontrado morto em seu apartamento na primavera de 2002, depois de tomar uma mistura letal de antidepressivos e álcool. A depressão fizera Brian perder o emprego, separar-se da mulher e refugiar-se na bebida.

A tragédia deu fim à vida dos gêmeos de Winnipeg, imolados no altar da teoria de gênero, usados como cobaias para os experimentos macabros do Dr. Money e para a sua batalha sócio-política, vítimas inocentes de uma ideologia que, hoje, em pleno 2014, está de volta à moda e é promovida como modelo por políticos, professores e doutores da nossa sociedade.
 
Um livro incômodo

Foi graças ao empenho do jornalista canadense John Colapinto (Toronto, 1958) que a verdadeira história dos gêmeos Reimer foi revelada ao público sem fantasias nem vícios ideológicos, pela primeira vez, num artigo publicado em 1998 pela revista “Rolling Stone”, trinta anos depois do início da tragédia.

O artigo provocou celeuma no mundo todo porque contava uma versão da história diferente da versão “oficial” do Dr. Money. Antes disso, porém, o Dr. Milton Diamond já tinha demonstrado o fracasso da experiência feita com Bruce, num artigo especializado publicado na revista “Archives of Pediatrics and Adolescent Medicine”.

Todos os detalhes da história de Bruce foram recopilados e apresentados a um público mais amplo através do livro “As Nature Made Him” (“Do jeito que a natureza o fez”), publicado por John Colapinto em 2000.
O livro é um documento essencial para o debate sobre a ideologia do gênero, ressuscitada com força nos nossos dias.

(*) As referências de páginas mencionadas ao longo deste artigo vêm da tradução italiana do livro de John Colapinto, “As Nature Made Him” (na Itália, “Bruce, Brenda e David”, pela Editora San Paolo, 2014). 

Aleteia

Veja vídeo em espanhol sobre essa experiência horrenda, com imagens históricas.

 

***

Para entender como funciona essa ideologia, seguem aqui alguns dos seus principais “mandamentos”, princípios sem os quais toda a farsa desmorona e não se pode ir adiante no processo revolucionário.

I. Não há diferenças entre homens e mulheres

A finalidade original dos “estudos de gênero” ( gender studies) nos anos 60 era afirmar a absoluta igualdade entre homem e mulher, a fim de libertar e emancipar esta última da “discriminação”. Era preciso negar a distinção entre masculino e feminino, contestando, por exemplo, a existência de profissões tipicamente masculinas e outras tipicamente femininas, além de negar as especificidades dos papéis materno e paterno na educação dos filhos. Para a ideologia de gênero, homem e mulher são intercambiáveis em qualquer função. A importância do papel da mulher, particularmente no âmbito familiar, não passaria de uma convenção social e de uma opressão histórico-cultural, da qual ela se deveria libertar.

Curiosamente, um dos países com as mais altas taxas de “igualdade de gênero”, a Noruega, sempre viu a engenharia civil repleta de homens e a enfermagem repleta de mulheres, não obstante os múltiplos esforços educacionais para incutir na cabeça dos jovens que não há nada de diferente entre os sexos. Foi o que observou o documentário Hjernevask (“Lavagem Cerebral”), exibido pelo comediante nórdico Harald Eia. Há alguns anos, ele gravou um documentário expondo ao ridículo os “estudos de gênero”.

II. O sexo biológico é modificável

A ideologia de gênero vê o sexo biológico como um dado transitório e maleável, que pode ser tranquilamente transformado pela escolha de um “gênero” diferente, não importando a idade em que a pessoa se encontre. Comportamentos como a transexualidade são encorajados e vistos como demonstração de liberdade e emancipação individuais. ( Embora, na verdade, não seja nada disso.)

A própria definição de ser humano, ainda que a nível burocrático, passa a ir além dos dois sexos biológicos universalmente reconhecidos (masculino e feminino), adaptando-se a infinitas e fantasiosas nuances de gênero. As redes sociais já se adequaram a essa ditadura ideológica. No formulário de cadastro do Facebook, por exemplo, constam 56 diferentes formas de uma pessoa definir a própria sexualidade. Enquanto isso, as legislações de alguns países afora já reconheceram, além dos sexos masculino e feminino, um fantasmagórico gênero “neutro”.

III. Família natural? Um estereótipo.

Para os ideólogos de gênero, a família natural, composta por pai, mãe e filhos, não passa de um estereótipo cultural baseado na antiga opressão do homem sobre a mulher – agora superada pela liberação sexual feminina e pelas várias definições abstratas de gênero. Superado o esquema homem-mulher, até mesmo a ideia tradicional de família vem abaixo. O plural passa a ser obrigatório: não existe mais “a” família, mas “as” famílias, que incluem todo agregado social fundado sobre um conceito genérico de “amor”. Entram na lista, obviamente, até mesmo os relacionamentos chamados “poliafetivos”, que constituem o mais novo objeto de reivindicações políticas e sociais.

Da Holanda, por exemplo, vem o curioso caso de Jaco e Sjoerd, Daantje e Dewi, dois pares homossexuais que decidiram formar, os quatro, uma só “família”. Ambos os “casais” já têm os seus relacionamentos registrados no civil, mas, agora, anseiam pelo reconhecimento de um “quinteto amoroso”. Tudo porque Jaco e Sjoerd decidiram compartilhar a sua “união” com outro homossexual, Sean. Agora, Daantje está esperando um filho de inseminação artificial e quer ver os seus parceiros como pais da criança. “Cinco genitores com iguais direitos e deveres, divididos em duas famílias”, ela diz. “São essas as condições do contrato que todos nós assinamos e submetemos ao cartório.”

Cinco_Holanda_Blog

Foto: Vice Netherlands

Há quem diga que isso representa o avanço da humanidade – só se for no processo de destruição da família.

IV. “Dessexualizar” a paternidade

Se a família natural não passa de um estereótipo, a consequência inevitável é a dessexuação da paternidade. Os filhos deixam de ser frutos da relação sexual entre um homem e uma mulher para serem gerados artificialmente por qualquer grupo social. Promove-se a fecundação in vitro e sustentam-se práticas objetivamente brutais, como a da “barriga de aluguel”.

Falar do direito de uma criança ser educada por um pai e uma mãe é considerado ofensivo. Os homossexuais não só passam a ter o “direito” de adoção, como as suas relações são alçadas à categoria de “modelo”, não obstante as sérias e abalizadas objeções de quem viveu na pele o drama de ser criado por pares do mesmo sexo:

“A maior parte das crianças criadas por ‘pais gays’ tem dificuldades com sua identidade sexual, está se recuperando de abusos emocionais, lutando contra o vício nas drogas, ou estão tão feridas por sua infância, que lhes falta a estabilidade de vir a público e encarar os ataques de um lobby gay cada vez mais totalitário, que recusa a admitir que haja algo errado em tudo isso.”

V. Conquistar as escolas e a mídia

Para realizar a sua “colonização ideológica” – como denunciou o Papa Francisco –, um passo importante no avanço da agenda de gênero é conquistar os ambientes de educação e de comunicação: as escolas e a mídia. É decisivo para esses ideólogos conseguir o dinheiro público para entrar nos institutos escolares e formar as mentes de gerações e mais gerações de jovens e crianças na sua cartilha. Cursos e seminários sobre a “igualdade de gênero” ou a “homofobia” não passam, pois, de Cavalos de Troia, cuidadosamente introduzidos nas escolas e nas universidades para modelar e (de)formar as almas dos mais frágeis.

Ao mesmo tempo, ocupando papéis-chave nos meios de comunicação, os ideólogos de gênero visam influenciar mais massivamente a opinião pública, enunciando os seus princípios como uma ideia avançada de liberdade e descrevendo os seus opositores como retrógrados perigosos, que, motivados por pura maldade, querem limitar a liberdade dos outros. Descrições maniqueístas desse tipo estão espalhadas em toda a sociedade ocidental: constituem uma característica do plano de ação da ideologia de gênero, que pretende criar ícones homossexuais e transexuais, em oposição à ainda resistente opinião pública. Quem discorda é abertamente intimidado e atacado em sua liberdade de expressão. Daí a necessidade de criar leis criminais para punir os adversários e acabar com a objeção de consciência, promovendo, por outro lado, o linchamento midiático de quem não se adequa à nova ditadura ideológica.

*

Resistir pressupõe, em primeiro lugar, conhecer os princípios que regem essa “colonização ideológica” ainda em curso. Será realmente verdade que a ideologia de gênero não existe? Cada um, observados os fatos, pode julgar por si só. A realidade pode ser admitida ou negada. Podemos permanecer de pé e enfrentar com coragem a batalha que está por vir ou, ao contrário, podemos fingir que nada está acontecendo, ficar de braços cruzados e deixar que a caravana passe. A escolha é individual. Cada um deve escolher se quer deixar para os seus filhos um mundo construído sobre a verdade, ou sobre a falsidade de uma ideologia.

Com informações de Tempi.it | Por Equipe CNP

2 thoughts on “* Menino de 2 anos obrigado a se transformar em menina: uma tortura documentada.

    • Mas esse artigo é importante por, entre outras coisas, mostrar a verdadeira história desses gêmeos vítimas da ideologia. É a verdade pura e simples.

Deixe um comentário