Filmes indicados pelo Vaticano

Em 1995, pelo centésimo aniversário do cinema, o Conselho Pontifício para as Comunicações Sociais editou uma relação de 45 filmes que possuem especial importância em matérias religiosas, artísticas ou morais.

É importante destacar que os filmes das categorias Arte ou Valores podem conter aspectos religiosos, mas necessariamente não significa que o Vaticano tenha endossado seu conteúdo. Se fosse assim, tais filmes estariam na categoria Religião.

Vale dizer também que os filmes da categoria Arte são apresentados pelo seu trabalho artístico, e devem ser encarados por este aspecto. Se fossem pelo seu conteúdo moral, com certeza estariam na categoria Valores.

E é bom deixar claro que o fato de um filme estar classificado na categoria Valores que se esteja endossando todas as ideias morais de cada filme, mas com certeza pelo menos um.

Todos os filmes devem ser vistos de forma madura, em especial na fé católica. Essa lista apresentada vem a confirmar a proposta do Projeções da Fé, pois temos aqui a pretensão de analisar e indicar filmes dentro de uma visão consciente, analisando cada obra e mostrando onde se adequam ou não aos preceitos que um cristão quer viver. O detalhe importante é que tudo isso será feito sem que se tenha uma visão pré-concebida de que “tudo é do capeta” ou “como isso não existe pode assistir”.

Enfim, vamos à lista dos filmes. Escolha um (ou mais) e busque na locadora. Não vão se arrepender.

RELIGIÃO

A Paixão (La Passion) – Ferdinand Zecca (França, 1903).

A Paixão de Joana d’Arc (The Passion of Joan of Darc) – Carl Dreyer (França, 1928).

O Senhor Vicente (Monsieur Vicent) – Maurice Cloche (França, 1947).

As Flores de São Francisco (Flowers of St. Francis) – Roberto Rossellini (Itália, 1950).

Ordet/O Mundo (Ordet/The World) – Carl Dreyer (Dinamarca, 1955).

Ben-Hur (Ben-Hur) – William Wyler (Estados Unidos, 1959).

O Nazareno (Nazarin) – Luis Bunuel (México, 1959).

O Evangelho segundo São Mateus (The Gospel According to St. Mathew) – Pier Paolo Pasolini (Itália, 1964).

Um Homem para todos os Tempos (A Man for All Seasons) – Fred Zinnemann (Inglaterra, 1966).

Andrei Rublev (Andrei Rublev) – Andrei Tarkovsky (União Soviética, 1966).

O Sacrifício (The Sacrifice) – Andrei Tarkovsky (Suécia/França, 1986).

A Missão – Roland Joffe (Inglaterra, 1986)

A Festa de Babete (Babette’s Feast) – Gabriel Axel (Dinamarca, 1987).

Francisco (Francesco) – Liliana Cavani (Itália, 1988).

ARTE 

Nosferatu (Nosferatu) – F. W. Murnau (Alemanha, 1922).

Metrópolis (Metropolis) – Fritz Lang (Alemanha, 1927).

Napoleão (Napoleon) – Abel Gance (França, 1927).

A Pequena Garota (Little Women) – George Cukor (Estados Unidos, 1933).

Tempos Modernos (Modern Times) – Charles Chaplin (Estados Unidos, 1936).

A Grande Ilusão (Grand Illusion) – Jean Renoir (França, 1937).

A Diligência (Stagecoach) – John Ford (Estados Unidos, 1939).

O Mágico de Oz (The Wizard of Oz) – Victor Fleming (Estados Unidos, 1939).  – já analisado no PdF –

Fantasia (Fantasia) – Walt Disney (Estados Unidos, 1940).

Cidadão Kane (Citizen Kane) – Orson Welles (Estados Unidos, 1941).

The Lavender Hill Mob (The Lavender Hill Mob) – Charles Chrichton (Inglaterra, 1951).

A Estrada (La Strada) – Federico Fellini (Itália, 1954).

8 1/2 (8 1/2) – Federico Fellini (Itália, 1963).

O Leopardo (The Leopard) – Luchino Visconti (Itália, 1963).

2001: Uma Odisséia no Espaço (2001: A Space Oddessy) – Stanley Kubrick (Inglaterra, 1968).

VALORES 

Intolerância (Intolerance) – D. W. Giffith (Estados Unidos, 1916).

Cidade Aberta (Open City) – Roberto Rossellini (Itália, 1945).

A Felicidade não se Compra (It’s a Wonderful Life) – Frank Capra (Estados Unidos, 1947)

O Ladrão de Bicicletas (The Bicycle Thief) – Vittorio Di Sica (Itália, 1948).

Na Área da Praia (On the Waterfront) – Elia Kazan (Estados Unidos, 1954).

A Harpa da Birmânia (The Burmese Harp) – Kon Ichikawa (Japão, 1956).

Morangos Selvagens (Wild Strawberries) – Ingmar Bergman (Suécia, 1957).

O Sétimo Selo (The Seventh Seal) – Ingmar Bergman (Suécia, 1957).

Dersu Uzala (Dersu Uzala) – Akira Kurosawa (União Soviética/Japão, 1975).

A Árvore de Wooden Clogs (The Tree of Wooden Clogs) – Ermanno Olmi (Itália, 1978).

Carruagens de Fogo (Chariots of Fire) – Hugh Hudson (Inglaterra, 1981).

Gandhi (Gandhi) – Richard Attenborough (Inglaterra, 1982).

Adeus, Meninos (Au Revoir les Enfants) – Louis Malle (França, 1987).

O Decálogo (Dekalog) – Krzystof Kieslowski (Polônia, 1988).

A Lista de Schindler (Schindler’s List) – Steven Spielberg (Estados Unidos, 1993).

EXCELENTE

2 thoughts on “Filmes indicados pelo Vaticano

Deixe um comentário