Desta terça (28) até quinta-feira (30), o Vaticano, centro espiritual e político da Igreja Católica, sedia um evento inusitado, se considerarmos seus princípios. Trata-se da Understanding Unbelief, apresentada como a maior conferência mundial sobre ateísmo. O programa, financiado pela Fundação John Templeton, é organizado por quatro instituições acadêmicas, todas do Reino Unido. Na coordenação está a Universidade de Kent. E colaboram as universidades Conventry, Queen’s e de Saint Mary. 

Este evento não se realizaria no Vaticano se não fosse por uma efeméride: trata-se do 50º aniversário de uma conferência semelhante realizada no Vaticano”, afirmou à BBC News Brasil o antropólogo Jonathan Lanman, diretor do Instituto de Cognição e Cultura e professor da Universidade Queen’s Belfast, um dos organizadores do evento, Ele contou que um dos pesquisadores entrou em contato com o Vaticano e então “eles concordaram em revisitar os temas da ‘incredulidade'”.

A conferência de 1969, a primeira do gênero sobre o tema, ocorreu como consequência da abertura provocada pelo Concílio Vaticano II, ocorrido de 1962 a 1965.  O papa Paulo 6º (1897-1978) era um entusiasta do diálogo com outros cristãos, judeus e adeptos de outras religiões. E também criou um secretariado próprio para ouvir a quem chamava de “descrentes” – segundo suas palavras, o ateísmo era “um dos assuntos mais sérios de nosso tempo”

O evento desta semana tem a chancela do Pontifício Conselho para a Cultura, dicastério criado em 1982 pelo papa João Paulo 2º (1920-2005)

Há 50 anos, a primeira conferência foi, segundo o sociólogo Rocco Caporale (1927-2008), que escreveu um livro sobre ela (‘The Culture of Unbelief: Studies and Proceedings From the First International Symposium on Belief Held at Rome’), uma primeira oportunidade para que a Igreja pudesse debater várias questões da “cultura da não-crença” e sobre como estudá-la. Caporale relata que uma das principais percepções dos participantes do simpósio de 1969 foi a de que “o crer e o não crer são uma completa terra incógnita”. Mas dessa vez, o pesquisadores poderão se debruçar sobre os dados de um estudo realizado pelas universidades britânicas de Kent, Conventry, Queen’s e Saint Mary. Trata-se de uma pesquisa conduzida em seis países sobre o que é ser ateu hoje. No total, foram entrevistadas 6,6 mil pessoas – seguindo criteriosa amostragem científica – do Brasil, Estados Unidos, Reino Unido, China, Japão e Dinamarca. O relatório, que será publicado nesta terça (28), trouxe oito pontos-chave para entender o fenômeno da não-crença no mundo:

Ateus – aqueles que não acreditam em Deus – e agnósticos – os que não sabem se existe Deus ou não, mas não acreditam que haja uma maneira de descobrir – não são homogêneos. Eles aparecem em grupos diferentes nos países pesquisados. “Por conseguinte, há muitas maneiras de ser incrédulo”, pontua o documento. 

Em todos os seis países, a maioria dos que não acreditam em Deus se identifica como “sem religião”. Na hora de se autorrotularem, os incrédulos que preferem ser chamados de “ateu” ou “agnóstico” não são a maioria. Muitos classificam-se como “humanistas”, “pensadores livres”, “céticos” ou “seculares”.

Os ateus do Brasil e da China são os menos convencidos de que sua crença sobre a não-existência de Deus está correta. Não crer em Deus não significa necessariamente não acreditar em outros fenômenos sobrenaturais, ainda que os ateus sejam mais céticos em relação a estes do que as populações gerais. Entre os ateus, o percentual de pessoas que acham que o universo é “em última instância, sem sentido” é maior do que no restante da população. Mas, ainda assim, em número muito inferior ao de metade dos pertencentes ao grupo.

Quando confrontados com questões relacionadas a, segundo o relatório, “valores morais objetivos, dignidade humana e direitos correlatos, além do valor profundo da natureza”, as posições dos ateus são semelhantes ao do restante da população. Por fim, quando perguntados sobre quais são os valores mais importantes da vida, houve uma “concordância extraordinariamente alta entre incrédulos e populações gerais”.

Da mesma maneira que nem todos os que se descrevem como “sem religião” são ateus – muitos cultivam uma espiritualidade própria – a pesquisa mostrou que nem todos os ateus são “sem religião”. No caso do Brasil, por exemplo, 73% dos incrédulos se identificam como “sem religião”, enquanto 18% se dizem cristãos. Na Dinamarca, 63% dos ateus se dizem “sem religião” – 28% são cristãos. A explicação para isso pode ser por conta da tradição familiar. Com exceção dos chineses e dos japoneses, a maioria dos ateus entrevistados disseram que romperam uma religião de família – é o caso de 85% dos incrédulos brasileiros e 74% dos norte-americanos.. Em todos os países ouvidos, a grande maioria dos ateus veio de famílias cristãs (79% dos brasileiros, 63% dos norte-americanos, 60% dos dinamarqueses). A questão dos rótulos também traz variações – muitas vezes motivadas por receio de preconceitos. 

Para os chineses desse grupo, 20% se dizem ateus e 18% racionalistas. Japoneses, britânicos e dinamarqueses preferem ser classificados como “não-religiosos” (34% e 27% e 17%, respectivamente) e norte-americanos se definem como “agnósticos” (26%). Já no grupo dos que afirmam que “Deus não existe” – tecnicamente ateus – 30% dos brasileiros se autodenominam ateus, 14% sem religião. Situação semelhante aparece na pesquisa realizada com norte-americanos – 39% assumem-se ateus. E entre os chineses, há um equilíbrio entre os que preferem ser chamados de racionalistas, ateus e livres-pensadores (respectivamente com 22%, 21% e 19%). 

A crença na ciência como o melhor modelo para atingir o conhecimento apareceu como homogênea entre crentes e incrédulos em todos os países aferidos, exceto Brasil e Estados Unidos. No caso brasileiro, os métodos científicos são considerados o melhor caminho para 71% dos não-crentes – contra 43% da população em geral. Entre os norte-americanos, o número é de 70% entre os incrédulos e despenca para apenas 33% da população em geral. “Essas descobertas mostram de uma vez por todas que a imagem pública do ateu é, na melhor das hipóteses, uma simplificação. E, na pior das hipóteses, uma caricatura bruta”, ressalta Lois Lee, pesquisadora de estudos religiosos da Universidade de Kent , “Em vez de confiar em suposições sobre o que significa ser ateu, podemos agora trabalhar com uma compreensão real das diferentes visões de mundo que a população ateísta inclui. As implicações para a política pública e social são substanciais .” “Nossos dados vão de encontro a estereótipos comuns sobre os incrédulos”, afirma Lanman. “Uma visão comum é que os incrédulos não teriam um senso de moralidade e propósito objetivos, nutrindo um conjunto de valores muito diferente do restante da população. Nossa pesquisa mostra que nada disso é verdade.

Fonte Original UOL

Humildade deriva da palavra humus, terra, não só porque é humilde o homem que se reconhece terra, mas também porque a humildade é a terra fértil onde se cultivam as demais virtudes.1

A importância da humildade para avançar na amizade com Deus é expressa em diversos versículos bíblicos e também por muitos santos. Embora saibamos da importância desta virtude humana para avançar na vida espiritual, dificilmente refletimos se estamos trilhando, de fato, um caminho que leva à humildade. Neste texto, mostrarei cinco tipos de falsa humildade para que, a partir delas, possamos meditar se estamos ou não sendo humildes.

No paraíso há alguns que não foram mártires, nem contemplativos, nem virgens, mas não há nenhum que não tenha sido humilde.

Santo Agostinho Roscelli

1- A humildade racionalista

Uma das formas de se alcançar a humildade (humana) é a razão. Basta observar a realidade, analisando o próprio passado, por exemplo, e perceberemos todas as vezes em que erramos, fomos fracos, insuficientes… Embora possa produzir bons frutos, a humildade puramente racionalista não é o bastante pois, por não estar fundada na fé, não consegue compreender a humildade dos santos que se alegraram ante a humilhação para imitar a Nosso Senhor!

2- A humildade encolhida ou pusilânime

Sabe aquela pessoa que se recusa a exercer qualquer tipo de autoridade achando que isso é humildade?  pais que não impõe limites aos filhos para não serem “autoritários”, chefes que não dão ordens e deixam os subalternos à deriva. Estes são exemplos de humildade encolhida. Este tipo de falsa humildade impede, por temos da vaidade, de obrar a virtude e fazer grandes obras e é especialmente prejudicial àqueles que devem exercer alguma autoridade.

3- A humildade puramente exterior

É o tipo de falsa humildade conhecida por farisaísmo, ou de aparência, pois nada tem de interior, de virtuoso.

Poucas almas escapam ao erro de ter por humildade as manifestações puramente externas desta virtude. Jesus corrigia severamente aos fariseus, os quais se acreditavam humildes porque se prostravam nas ruas, sem renunciar à convicção de sua própria superioridade nem ao menosprezo dos demais (…) Dizer que não valemos nada, mostrar-nos corteses com o próximo, adotar na igreja uma atitude arrependida… a isto chamamos humildade 2.

Beaudenom, L.

Este tipo falso virtuoso se ofende muito quando contrariado ou levemente ofendido e fala de si mesmo muitas vezes quando conversa. Um bom exercício aqui é anotar quantas vezes fala de si mesmo nas conversas ao longo do dia e como se sente quando contrariado!

Vejamos como nos esclarece São Francisco de Sales:

Muitas vezes dizemos que não somos nada, que somos a própria miséria e a sucata do mundo, mas nos incomodaria muito que nos tomassem ao pé da letra e se fizesse público o que temos dito (…).

As palavras de autodesprezo, se não saem de um coração cheio de cordialidade e convencido de sua própria miséria, são a flor mais refinada da vaidade, já que é raro que quem as profere nelas crê, ou deseje realmente que que nelas creiam aqueles que a escutam.

São Francisco de Sales

Quantas vezes não falamos mal de nós mesmos apenas para ganhar alguns elogios? É tamanha nossa vaidade que preferimos falar mal de nós mesmos para sermos notados do que ficar em silêncio e sermos esquecidos!

4- A humildade superficial

É aquela que não brota de convicções profundas senão que confunde humildade por “admiração de humildade”. Por notar que os santos desprezavam a si mesmos tenta imitá-lo, mas sem entender a raiz desta virtude acaba sendo algo superficial e, portanto, inconstante.

5- A humildade de ilusão

É comum nos temperamentos com grande imaginação. Geralmente são pessoas que admiram esta virtude, a desejam e a amam, contudo consideram como adquirida uma virtude que só existem em sua imaginação. Vivem um sonho de humildade!

São facilmente acordadas através de uma sacudida causada por uma humilhação real e sensível que os acorda para seu enorme amor próprio!

Você não é tão humilde quanto pensava, não é?

Se chegou ao final deste texto e descobriu que se encaixa em muitos dos perfis de falsos humildes descritos, o objetivo do texto foi alcançado!

A humildade é a base do edifício da santidade pois “Deus resiste aos orgulhosos e dá sua graça aos humildes” (São Tiago. 4:6) portanto trabalhemos arduamente para crescermos em humildade e não desanimemos pois é a batalha de uma vida!


Referências

  1. Fuentes, Ángel Miguel. Naturaleza y Educación de la Humildade. San Rafael: EDIVE, 2011.
  2. Beaudenom, L., Formação na humildade.