Se há 50 anos você se encontrasse em uma das pequenas localidades do interior da Holanda, dificilmente poderia se perder. A única coisa que você precisava fazer era olhar para cima, encontrar a torre da igreja, e você sempre encontraria o caminho de volta. Porque a igreja – literalmente – estava no coração da localidade.

Nas comunidades rurais, a igreja também era um ponto central da vida. A missa dominical, as festas católicas, os casamentos e os funerais: a igreja era o lugar onde todos se encontravam e compartilhavam as notícias do dia. O pároco, assim como outros voluntários da igreja, visitavam regularmente os idosos, e os concertos que o coro da igreja dava eram frequentados por muitos dos moradores.

As coisas mudaram

Em muitas localidades holandesas, a igreja ainda pode ser encontrada no coração do vilarejo, o bar local ainda tem muitos visitantes, e dentro e em volta da escola de Ensino Fundamental católica as vozes de crianças brincando ainda podem ser ouvidas. Mas, se você falar com os moradores, perceberá rapidamente que muitas das suas comunidades mudaram rapidamente na última década.

A igreja não é mais o ponto central de encontro da comunidade. Muitas vezes ela até fechou as suas portas, devido ao número decrescente de fiéis. Aqueles que ainda frequentam a igreja geralmente são velhos; a geração mais jovem não sente mais a necessidade de ir à missa dominical.

Na era de ouro do catolicismo holandês, a situação era completamente diferente. Nos anos 1960, 55% dos 2,7 milhões de católicos holandeses ainda iam à missa regularmente, segundo o centro de pesquisa holandês KASKI.

O número de fiéis tem diminuído desde então. No ano 2000, em média, 439.000 católicos foram à igreja durante os fins de semana. Em 2017, esse número caiu para 157.900 pessoas: apenas 6% de todos os católicos holandeses.

Fechamento de igrejas

Ao longo das últimas décadas, muitas igrejas na Holanda foram fechadas, devido à diminuição do número de participantes, aos altos custos de manutenção e à falta de padres. Mesmo assim, essa é apenas a ponta do iceberg.

Em uma entrevista a um jornal local no ano passado, o cardeal holandês Wim Eijkpreviu que, na Arquidiocese de Utrecht, 285 igrejas precisavam ser fechadas, o que significa que, no ano de 2030, apenas 15 igrejas ainda estarão abertas na arquidiocese.

Joris Kregting, um pesquisador do KASKI, também prevê que as dioceses prosseguirão muito mais rapidamente com o fechamento de igrejas. Ele discorda, no entanto, com a previsão de Eijk, pensando que o processo será um pouco mais lento.

“Não podemos dizer exatamente quais igrejas serão fechadas, não temos uma previsão dos números anuais das diferentes paróquias, mas, se se observarmos o número de igrejas fechando e o número de fiéis, achamos que se pode esperar razoavelmente que, em 2030, apenas 45 igrejas estarão abertas na arquidiocese de Utrecht”, disse Kregting.

Diferenças entre dioceses

De acordo com Kregting, nem todas as dioceses holandesas fecharão suas igrejas no mesmo ritmo. Ele acha que uma razão importante para isso são as políticas diferentes em cada diocese. A Arquidiocese de Utrecht e a Diocese de Den Bosch (no sul; no papel, a maior diocese da Holanda em termos de população) são as principais representantes do processo de fechamento de igrejas.

“Já está claro onde as igrejas fecharão rapidamente. Algumas dioceses decidiram por um extenso processo de fusão de paróquias, enquanto outras estão olhando mais para a cooperação entre paróquias”, explicou Kregting em entrevista à Katholiek Nieuwsblad.

Outra razão importante para essas políticas diferentes, segundo Kregting, é a situação financeira das paróquias em cada diocese. Na Diocese de Roermond, no sul, por exemplo, as igrejas não estão sendo fechadas tão rapidamente, porque a Igreja ainda é culturalmente importante para muitas pessoas.

“Na Holanda, as pessoas ainda tendem a dar mais dinheiro para a Igreja do que para outras instituições. Esse pode ser um fator importante ao decidir manter uma igreja aberta por mais algum tempo”, disse Kregting.

Questões complexas e difíceis surgem em uma localidade quando se fala em fechar a igreja local. Qual é a melhor decisão: restaurar a igreja, demoli-la, vendê-la ou talvez remodelá-la e transformá-la em um centro comunitário? Quem vai pagar? E o que acontecerá com o prédio, no fim das contas?

De acordo com uma pesquisa recente realizada pelo jornal holandês Trouw, uma em cada cinco igrejas holandesas – tanto protestantes quanto católicas – não são mais usadas como igreja. Muitas delas foram remodeladas e transformadas em um centro cultural ou comunitário, ou ainda transformadas em apartamentos.

Pesquisa da Katholiek Nieuwsblad

Que efeitos o fechamento de uma igreja tem em uma localidade? A vida católica nesses vilarejos está desaparecendo junto com a igreja? E quais são as consequências do fechamento de uma igreja para as tradições da localidade, o envolvimento dos voluntários e a solidariedade entre os moradores?

Ainda há muito que não sabemos sobre isso. Portanto, a Katholiek Nieuwsblad está atualmente realizando uma extensa pesquisa, com o apoio financeiro do Dutch Journalism Fund. Realizando entrevistas com especialistas e acadêmicos, pesquisando dados e fazendo documentários curtos em localidades onde as igrejas fecharão em breve, a revista católica holandesa está tentando oferecer uma imagem mais clara de um problema crescente entre os holandeses e a comunidade católica internaciona

A reportagem é de Michiel van de Kamp, publicada por Katholiek Nieuwsblad/Crux.

Agência RBS por Ticiano Osório

Nossos filhos vão ser felizes? Nossos filhos estarão prontos para encarar o mundo? Estamos sendo bons pais? “A última geração de pais criou uma ideia que é a pior ideia: meus filhos não vão passar pelo que passei”, comenta o psicólogo, escritor e palestrante, Rossandro Klinjey, autor do livro Help! Me Eduque, voltado a pais, mães e responsáveis. “Mesmo com boas intenções, não vão evitar que os filhos tenham frustrações”, reforça ele. E isso – frustrar-se – é bom e importante, como conta ele, no bate-papo feito a seguir:

O título de sua palestra é “Numa era de incertezas, o mais importante é ser feliz”. O senhor acredita que podemos ser felizes? Existe receita?

Bom, receita de felicidade é o primeiro mito a ser desconstruído: não existe. Então a primeira coisa que a gente tem, na tentativa de construir a felicidade, é não querer ver a felicidade como dizem para a gente que ela é: padronizada, estandardizada. Existe um modo particular de viver isso. E uma coisa é essencial: para ser feliz, a gente tem de aprender a ser infeliz também. A gente não consegue mais suportar tédio, pausas, hiatos psicológicos e angústia. Hoje, parte da infelicidade é a busca de felicidade constante. Virou um traço de loucura essa ideia de que a gente tem de escrever um happy end o tempo inteiro. Na verdade, a vida tem alternâncias profundas. A maturidade lhe dá condições de ver que essas alternâncias têm de ser vividas e não devem ser evitadas.

Essa valorização da felicidade não pode passar a impressão de que a frustração é um empecilho, e não algo essencial para a maturidade, para o crescimento pessoal?

Parece que frustração não pode existir. Isso tem dado origem a uma geração de pessoas incapazes, que vão se frustrar no futuro porque os pais querem que elas sejam felizes o tempo inteiro. Em geral, a gente cria imunidade a vírus na infância, mas essas pessoas não criaram imunidade psíquica contra as frustrações. Quando chega na fase adulta elas viram autoimunes e então se matam. O indivíduo está tão vulnerável e inapto a viver as experiências comuns da vida, como o fim do namoro, não passar num concurso, não entrar no vestibular que você sonhou. Você cria alternativas, novas possibilidades, a gente adia, mas as pessoas, às vezes, se matam.

As pessoas estão cometendo mais suicídios?

Há um aumento na frequência de suicídios. No ano passado, arredondando, as mortes por violência urbana, ataques terroristas e guerras mataram menos do que o suicídio. É mais fácil morrer em casa do que em Bagdá ou comprando crack na Grande Porto Alegre. Isso significa que a gente teve um abandono da interioridade, começou a ter uma existência externa, plastificada, como a música do Radiohead (Fake Plastic Trees). A gente deixou de buscar essa interioridade, na busca de carpe diem constante e frenesi constante.

Em uma entrevista, o senhor falou que, de 30 anos para cá, uma geração de pais começou a fazer um retrospecto de sua infância, muitas vezes pobre e cheia de privações, e, na crença de que poderia fazer algo melhor para seus filhos, virou o fio, deixando de se preocupar com limites, disciplina, respeito. Qual é o resultado disso?

Existe uma busca infantil desenfreada que é preconizada por uma sociedade que prega sempre o prazer, nunca a dor. A última geração de pais criou uma ideia que é a pior ideia: meus filhos não vão passar pelo que passei. Mesmo com boas intenções, não vão evitar que os filhos tenham frustrações. Eles têm como base o amor, é um sentimento bom o que está por trás, mas o resultado é catastrófico, porque a educação não é só o desejo, mas o que se concretiza. O sofrimento e a frustração têm caráter pedagógico, para que o indivíduo saiba lidar com isso durante a vida.

Ao mesmo tempo em que privamos nossos filhos do não e da frustração, fundamentais para seu desenvolvimento, enchemos suas agendas de tarefas e aulinhas, em um processo que o pediatra Daniel Becker chama de adultização, talvez pensando em prepará-los para as demandas da vida adulta. É um paradoxo, não?

O que a gente deveria cuidar muito, que era o desenvolvimento moral e emocional, a gente abandonou, e o que a gente não deveria encher tanto, que são as atividades, a gente está fazendo. Crianças de seis anos já são educadas pelos pais para serem um PhD em Harvard. Têm de estudar caratê, línguas, balé, xadrez etc. Uma geração sonhou em fazer isso, mas não podia pagar. Agora que podem, pagam para o filho fazer. Isso é um fato. Outro fato é que realmente está muito competitivo o mundo, para passar no Enem, com conteúdo demais e pouca profundidade. Cadernos demais e enormes, aulas no sábado, simulado no domingo de manhã etc. O modelo brasileiro não é funcional. Há um incremento de crianças e adolescentes suicidas porque não vêm suportando essa carga. Os pais têm responsabilidade de deter isso.

Perto de 1 milhão de visualizações, um vídeo seu tem como título “Filhos precisam entender que a casa não é deles”. Pode falar um pouco sobre isso?

Há famílias em que os pais têm a porta trancada e os filhos a porta aberta, e há outras em que os pais têm a porta aberta, e os filhos, a porta trancada. E não está dando certo, porque a privacidade é para quem paga as contas. A regra é essa. Quando digo isso, parece meio duro. Mas a criança tem de ser vigiada, cuidada. Não se pode dar privacidade a uma criança. Ao adolescente, este tem de conquistar aos poucos a privacidade. Você tem de fazer isso porque isso é cuidar.

Enquanto você é politicamente correto e não mexe nas gavetas e no computador do filho, do outro lado do meio social há hackers que conseguem violar computadores até de ministros, imagina o que podem fazer com o computador de um adolescente. Há muitos casos de pedofilia. Hoje, não basta o filho ter chegado em casa, sem riscos, que bom, acabou o perigo. Não: o computador oferece um risco muito maior do que andar na rua à 1h. Os riscos são diferentes, há um leque maior de riscos, o que exige dos pais um repertório de cuidado muito diferente do que os nossos pais tinham para lidar com isso.

Qual é a solução?

A gente não vai colocar uma redoma, mas tem de criar critérios. A princípio, a criança não deve ter celular, mas, se ela tiver, não pode dormir com ele, não pode falar a noite toda, porque não vai dormir bem, não vai acordar bem, não vai aprender etc.

O que podemos fazer em nome de um futuro melhor para nossos filhos?

Primeiro, a gente tem de entender que o mundo mudou e a gente não pode voltar com aquela educação que nossos pais nos deram. Isso é um mito. Mas precisamos entender que há coisas do passado que devem voltar. Temos de manter o que conquistamos, por exemplo, a participação maior do pai na casa, um diálogo entre pais e filhos… Mas, ao mesmo tempo, precisamos recompor o espaço da disciplina, do respeito e da ordem, porque elas são e sempre foram essenciais na formatação do psiquismo humano. Precisamos desses elementos na infância para formar um ego saudável, capaz de suportar o mundo como ele é.

Ao abrir mão disso com o sonho de fazer uma família mais feliz do que fomos quando crianças, o que conseguimos? Temos a geração mais suicida, mais drogada, mais consumista, mais ingrata da história humana. Ou seja: os planos não deram certo. Devemos entrar em processo de culpa? Não. Não adianta. Você precisa fazer o que chamo de reintegração de posse afetiva. Recupere o terreno que você perdeu. Enquanto seu filho está sob sua irradiação psicológica e financeira, você tem poder de determinar, de orientar, de normatizar as coisas. Uma criança quer pegar na mão do pai ou da mãe quando vai atravessar a rua sem se preocupar para onde olha, porque sabe que alguém está levando-a. Deixar seu filho sozinho na internet, deixar ir para o shopping sozinho ainda no início da pré-adolescência é tão arriscado quanto dizer para uma criança de dois anos atravessar sozinha a rua. Durante muito tempo, temos de pegar na mão, até que eles possam caminhar com os próprios passos.

Como equilibrar as coisas? Como evitar a sensação de que estamos podando, tirando autonomia?

Vamos imaginar que eu não consiga o equilíbrio. Bem, entre uma educação mais rígida e uma mais liberal, a mais rígida é mais funcional. Uma educação rígida pode gerar trauma, mas geram pessoas funcionais que pagam terapia para resolver. Uma educação libertária demais pode gerar pessoas inviáveis. Não é uma regra. Mas é muito mais fácil que dê errado porque você deu ao indivíduo escolhas que ele não podia fazer. Tem famílias em que a criança escolhe o carro da casa! Isso gera estresse. Se para a gente já gera estresse, imagina para a criança, que na verdade tem de brincar? Ela é empoderada, o que para o ego dela provoca satisfação, mas por outro lado é esmagador, porque terá de decidir coisas para as quais ela não tem maturidade.

Passando agora para a vida adulta, quais são os temas mais urgentes a serem abordados?

Prioritariamente, perdão. Porque a base dos transtornos dos relacionamentos, de casamento, de trabalho, entre familiares, é a incapacidade que a gente tem de entender que as pessoas não são perfeitas, elas nos machucam e nós também as machucamos. Para poder viver uma vida saudável, a gente precisa estar com disposição emocional para perdoar sempre. O que quer dizer que eu preciso olhar para o outro de forma global, e não apenas a parte do erro. Relacionamento não é fotografia, é um filme que vai andando. Mágoa é a fotografia de um momento. Pessoas maduras veem o filme. Elas ficam chateadas, mas sabem que a coisa continua. Precisamos, também, ter espaço para nossa interioridade. Nós nos abandonamos. Não paramos para refletir porque estou triste, o que aconteceu que estou tão brabo. A gente simplesmente bebe uma, vai para a balada, assiste à Netflix, toma um remédio para dormir, não reflete e tenta mudar condutas e comportamentos. E precisamos nos reconectar como pessoas. As tecnologias estão nos tornando próximos virtuais, mas distantes dos reais. Há pessoas que moram na mesma casa mas estão se abandonando.

A maior queixa dos adolescentes hoje é “meus pais não me escutam”. Eles só gritam. A família deve recuperar aquele espaço de sentar sem nada competindo com a atenção. Nem telefone, nem Netflix nem nada, para dialogar, perguntar como foi o dia. Você pode criar isso. Uma amiga minha criou o dia do taco (o prato mexicano), uma vez por semana. Era a única atividade da noite. Ela contou que, na primeira noite, houve um estranhamento, “a gente não sabia o que conversar”. Depois de 15 minutos, nos quais a crise de abstinência de celular passou, eles se reencontraram, porque eram uma família. Havia uma história construída juntos. E terminaram a noite muito mais tarde do que costumavam, brincando. Os filhos que no início reagiam à noite do taco começaram a cobrar: amanhã tem noite do taco! Um dia, sobrou taco e a mãe sugeriu para a filha levar de lanche. “Mãe, eu não gosto de taco”, ela respondeu. Mas então por que você sempre cobra para gente fazer? “Eu cobro o dia de a gente estar junto”, ela respondeu.

Fonte Original: Sempre Família