Blog do Carmadélio

* “Eneagrama”. Psicologia e/ou misticismo “new age”?

Fonte: Estevão Bettencourt

Que é?

Em síntese: A temática do eneagrama apresenta dois aspectos bem distintos: o psicológico e o “místico”. O aspecto psicológico tem o valor que os psicólogos julguem dever atribuir-lhe. Não o discutimos neste artigo.

O aspecto místico é inconsistente; pode ser dissociado do aspecto científico ou psicológico. O fato de que correntes de pensamento utilizaram o símbolo da estrela de nove pontas e desenvolveram suas idéias religiosas em conexão com esta imagem, não depõe necessariamente contra tal figura e muito menos depõe contra o sistema psicológico correlativo.

Nova Era, como amálgama de concepções diversas e heterogêneas, pode incluir em seu leque o símbolo do eneagrama e as idéias esotéricas ou panteístas que lhe são associadas pelos “místicos”. Neste caso, o eneagrama se torna inaceitável para o cristão, na medida em que possa sugerir ou incutir panteísmo, magia, reencarnação… Todavia mesmo então o aspecto psicológico conserva a validade que os cientistas lhe atribuem.

* * *

O Eneagrama é um sistema de psicologia que procura fazer que as pessoas compreendam a si mesmas e compreendam as outras; para tanto, indica nove (ennéas) tipos (grámmata, em grego) de personalidade; num desses tipos cada indivíduo se enquadra com maior ou menor precisão. Embora seja um produto de pura psicologia, o eneagrama tem sido associado a concepções religiosas e “místicas” que, aos olhos de alguns observadores, tornam o eneagrama espúrio ou suspeito de conivência com a Nova Era.

Examinemos um e outro dos aspectos do eneagrama valendo-nos, para o aspecto psicológico, da obra de Helen Palmer: eneagrama. Ed.Paulinas 1993 (citado como HP).

1. QUE DIZEM OS PSICÓLOGOS?

“O eneagrama é um antigo ensinamento sufi, que descreve nove tipos diferentes de personalidade e suas inter-relações… Esse ensinamento pode-nos ajudar a identificar nosso próprio tipo e a lidar com nossos problemas, a compreender nossos colegas de trabalho, pessoas amadas, familiares e amigos” (HP, p.23).

Ensina a encarar os hábitos que geralmente são considerados meramente neuróticos, como pontos de acesso, em potencial, para estados superiores de consciência. Supõe-se que o indivíduo possa e deva evoluir para graus de personalidade mais perfeita, de modo que as tendências neuróticas podem ser vistas como mestres e bons amigos que levam o indivíduo à próxima fase do seu desenvolvimento.

A representação dos nove tipos de personalidade se faz mediante uma estrela de nove pontas envolvida dentro de um círculo. Cada ponta corresponde a um tipo de personalidade: 1) O Perfeccionista: 2) O Dador; 3) O Desempenhador; 4) O Romântico Trágico; 5) O Observador; 6) O Advogado do Diabo; 7) O Epicurista; 8-O Patrão; 9) O Mediador

TIPOS DE PERSONALIDADE

Cada um desses números pode também representar uma paixão; 1) Raiva; 2) Orgulho; 3) Engano; 4) Inveja; 5) Avareza; 6) Medo; 7) Gula; 8-Luxúria; 9) Preguiça.

Eis a descrição de cada tipo de personalidade:

1) O Perfeccionista é crítico de si e dos outros. Sente-se superior aos demais. Adia as suas decisões por medo de cometer um erro. Usa muito os verbos dever e precisar.

2) O Dador é empenhado em satisfazer às necessidades alheias. Tem muitos eu; mostra um eu diferente a cada bom amigo. Procura ser amado e apreciado, tornando-se até indispensável a outra pessoa. É agressivamente sedutor.

3) O Desempenhador é competitivo, obcecado pela imagem do vencedor. Procura ser estimado por causa dos serviços que presta; pode parecer mais produtivo do que de fato é. Sujeito a trabalhar em excesso e, por isto, sofrer do coração, de pressão alta. É impaciente com aqueles que querem trabalhar em ritmo mais lento.

4) O Romântico Trágico é atraído pelo inacessível; o ideal nunca é o aqui e agora. Trágico, triste, sensível, concentrado na perda de um amigo ou num amor ausente.

5) O Observador mantém distância em relação aos outros. Defende a sua privacidade, e evita envolver-se. Sente-se esgotado por compromissos e pelas necessidades alheias. É desligado de pessoas, sentimentos e coisas.

6) O Advogado do Diabo é medroso, atormentado pela dúvida. Receia tomar iniciativas, porque isto pode levar a disputas. Identifica-se com os injustiçados; é antiautoritário.

7) O Epicurista é o diletante, amante volúvel, superficial, aventureiro; gosta de comer bem. É pouco dado a compromissos, pois prefere manter as opções em aberto. Geralmente alegre, estimula o ambiente. Inicia empreendimentos, mas não costuma acompanhá-los até o fim.

8- O Patrão é extremamente protetor. Toma a defesa de si mesmo e dos amigos combativos; assume o controle; não receia brigar. Tem suas manifestações de raiva e de força, mas respeita oponentes que resistam e lutem.

9) O Mediador é excessivamente ambivalente. Considera todos os pontos de vista. Substitui os próprios desejos pelos desejos alheios e deixa objetivos concretos para atender a atividades não essenciais. Conhece as necessidades alheias melhor do que as próprias. Tende ao devaneio.

Até aqui fala a psicologia, sem tocar em filosofia ou religião.

O eneagrama, na medida em que é esta classificação, fica no plano das ciências experimentais; há de ser discutido entre psicólogos. Acontece, porém, que se lhe atribuem conotações de ordem “mística”, que o tornam controvertido em âmbito mais amplo, ou seja, em ambientes filosófico-religiosos.


A “MÍSTICA” do eneagrama


A imagem da Estrela de nove pontas, que representam os nove tipos de personalidade, era utilizada pelos muçulmanos sufistas, que professam concepções esotéricas. –

E que é o sufismo?


O sufismo (do árabe suf, pano de lã, túnica, que os primeiros sufistas usavam por ascese) é uma corrente de espiritualidade muçulmana que no século X começou a se opor ao racionalismo e ao formalismo jurídico de alguns mestres. Teve origem na Pérsia, onde sofreu a influência das escolas filosóficas e religiosas que durante séculos antes do Islã ali se confrontaram, tais como o neoplatonismo, o hinduísmo, o Cristianismo e o maniqueísmo.

O sufismo assim construído procura cultivar o amor a Deus e a contemplação até o êxtase mediante a ascese e a purificação do coração. Tal escola de espiritualidade não deixa de ter seus aspectos esotéricos e fantasiosos, que lhe valeram suspeitas e desconfiança da parte de outras correntes. A Sra. Dorothy Ranaghan, por exemplo, afirma que “o sufismo contemporâneo se tornou um misto de panteísmo, magia e racionalismo, com crença em telepatia, televiagens, premonição, transmigraçãode almas e negação de um Deus pessoal” (texto citado por Ralph Rath, Nova Era, um Perigo para os Católicos. Ed. Louva a Deus, Rio de Janeiro, pp. 174s).

Há também quem diga que o eneagrama corresponde à Arvore da Vida da Cabala; cf. HP, p.31.

O que o Ocidente sabe de esotérico sobre o eneagrama, se deve a George Ivanovtch Gurdjieff, ocultista americano, que viveu na Rússia de 1877 a 1947. Segundo dizem, Gurdjieff teve grande influência sobre o movimento dito New Age (Nova Era).

Observa Dorothy Ranaghan: “Os escritos de Gurdjieff são cheios de descrições de influências planetárias, corpos astrais, clarividência, experiências telepáticas e explicações do verdadeiro significado de interesses ocultos como kindalini e Taro”. Para Gurdjieff, o eneagrama tem poderes secretos não particularmente aliados à tipologia da personalidade. ” é um símbolo universal”, acreditava Gurdjieff. “Todo conhecimento pode ser incluído nele e, com a ajuda dele, ser interpretado” (textos transcritos da citada obra de Ralph Rath, pp.174s).

As concepções filosófico-religiosas que vêm assim associadas ao eneagrama são devidas a premissas pessoais e subjetivas. Derivam-se, em grande parte, da “mística dos números” ou do hábito de atribuir valor qualitativo a certos números – coisa arbitrária, visto que os números como tais são qualitativamente neutros. Eis como Helen Palmer, em estilo relativamente sóbrio, propõe esse “misticismo” dos números:

“A estrela de nove pontas mapeia a relação entre duas leis fundamentais do misticismo: a lei do Três (trindade), que identifica as três forças presentes no início de um evento, e a lei do Sete (oitava), que governa as fases de implementação desse evento, à medida que se desenrola no mundo físico.

A lei do Três é representada pelo triângulo interno do eneagrama O triângulo transmite a idéia da necessidade de três forças para a criação, em vez das duas visíveis: causa e efeito. Este conceito está preservado na trindade cristã do Pai, do Filho e do Espírito Santo, e nas três forças divinas da criação no hinduísmo, as chamadas Brahma, Vishnu e Shiva.

Estas três forças também poderiam ser chamadas criativa, destrutiva e preservadora, ou ainda, ativa, receptiva e reconciliadora. Gurdjieff, uma fonte básica do sistema do eneagrama. as chamava simplesmente força Um, força Dois e força Três, e foi sua a observação de que a humanidade era cega para essa terceira força” (ob. cit., p.59).

O raciocínio nos diz que 1) o simbolismo dos números é algo de arbitrário; o número 13, para uns, é de mau agouro, ao passo que, para outros, é alvissareiro ou de bons presagios (); e 2) dado que o simbolismo se fundamente em alguma semelhança, nenhum número, como também nenhuma figura geométrica, emite energia criadora ou destruidora. Em conseqüência, não há por que temer a presença de símbolos, diagramas e gráficos; como tais, nada podem fazer; está claro, porém, que, se alguém se deixa sugestionar por pretensa eficácia desses sinais, está sujeito a se prejudicar, porque está condicionado para se sentir débil, perseguido, condenado… O símbolo, porém, como tal não possui virtude nem benéfica nem maléfica.

Estes dados permitem passar a uma CONCLUSÃO

A temática do eneagrama apresenta dois aspectos bem distintos: o psicológico e o “místico”. O aspecto psicológico tem o valor que os psicólogos julguem dever atribuir-lhe. Não o discutimos aqui.

O aspecto “místico” é inconsistente; pode ser dissociado do aspecto científico ou psicológico. O fato de que correntes de pensamento utilizaram o símbolo da estrela de nove pontas e desenvolveram suas idéias religiosas em conexão com essa imagem não depõe necessariamente contra tal figura e muito menos depõe contra o sistema psicológico correlativo.

Nova Era, como amálgama de concepções diversas e heterogêneas, pode incluir em seu leque o símbolo do eneagrama e as idéias esotéricas ou panteístas que lhe são associadas. Neste caso, o eneagrama se torna inaceitável para o cristão, na medida em que possa sugerir ou incluir panteísmo, magia, reencarnação…



Cf. PR 27/1960, pp.91-99 e Curso sobre Ocultismo da Escola “Mater Ecclesiae”, Módulo 20. Para citar um caso apenas, mencionamos o dos Estados Unidos da América: o número 13 era ali de bom agouro, porque Inicialmente eram treze os Estados que constituíam a união norte-americana; além disto, o lema da união consta de treze letras (e pluribus unum); a águia norte-americana está revestida de treze penas em cada asa; Jorge Washington hasteou o estandarte republicano com uma salva de treze tiros. E pluribus unum = de muitos faz-se um só.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio, postaram comentários que não cumprem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seguir

    1. CARÍSSIMO ALIAN,

      Sabemos que isso acontece, mas não nos compete julgar as pessoas.Também não podemos falar em nome da Igreja. Publicamos o artigo para a reflexão de muitas pessoas que nos escrevem pedindo alguma orientação.

      Alguns gostam, outros não gostam e como não existe nenhum pronunciamento oficial da Igreja a esse respeito, sugerimos que as pessoas pesquisem antes de participar. A informação acima amadurece nossa posição e nos dá dados novos.

  1. Muito legal!

    Eu ainda cheguei a fazer o primeiro e segundo módulos com profissionais católicos. Foi uma experiência e tanta. Principalmente na importância que eles dão aos fundamentos religiosos. Todos os métodos de trabalho da personalidade são baseados em fundamentos bíblicos. Isso me ajudou muito. É também um caminho de auto conhecimento. Mesmo sabendo que, hoje, para mim, a melhor via para atingir o autoconhecimento é a vida de oração pessoal, existem verdades que somam muito no eneagrama.

  2. não entendo como estou sendo orientada pela comunidade Shalom Q. O MÉTODO DO ENEAGRAMA NÃO É ACETÁVEL PELO CRISTÃO SE NA PRÓPRIA COMUNIDADE(CONDOMÍNIO ESPIRITUAL UIRAPURÚ)FOI SEDE DO LANÇAMENTO DESSE LÍVRO?

    1. CARÍSSIMA DARINETE,

      A comunidade Shalom que você se refere é uma OUTRA comunidade, de origem portuguesa, com um carisma diferente.

      O Condomínio espiritual é um condomínio de várias realidades eclesiais, autônomas e com carismas variados.Nossa comunidade faz parte deste condomínio, apenas isso.
      Nossa comunidade foi fundada em Fortaleza por Moysés Azevedo e não tem o eneagrama como caminho de auto conhecimento, embora respeite quem assim o faça.

      O Eneagrama está longe de ser um consenso dentro da Igreja e por isso publicamos o artigo com o objetivo de apoiar irmãos em busca de maiores esclarecimentos sobre o tema.

  3. GOSTARIA DE FAZER MAIS OUTRAS PERGUNTAS:O ENEAGRAMA ESTAR DE ACORDO C/O CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA? MESMO NÃO SENDO USADO NA NOSSA COMUNIDADE,SE EU UTILIZAR ESSE MÉTODO,ESTAREI DESOBEDECENDO A COMUNIDADE? OBG.PELA ATENÇÃO.

    1. CARÍSSIMA DARINETE,

      Existem posições divergentes sobre o Eneagrama dentro da Igreja, não creio que seja pecado utilizá-lo, cada pessoa é livre para usar, caso julgue que deve.

      Não conheço nenhuma posição oficial da Igreja sobre isso, conheço opiniões de pessoas da Igreja, para sim e para o não.
      Não sei qual é a posição de sua comunidade, mas se ela de forma clara não aceita o eneagrama, você- como membro dela- deve seguir essa orientação e não deve procurar o Eneagrama como caminho de auto conhecimento, claro!

  4. Irmãos em Cristo, PAX!
    O eneagrama como ferramenta psicológica é de grande valor para o autoconhecimento. Pelo menos para mim, foi a forma que mais me ajudou a me compreender e saber lidar com meus defeitos para que virem qualidades.
    Precisamos saber separar o joio do trigo, pois muitas pessoas incutem o misticismo no meio,mas não é por isso que o mesmo perde seu valor.
    Inclusive uma monja beneditina, Suzanne Zuercher, escreveu uma abordagem bíblica do Eneagrama muito interessante, em seu livro A espiritualidade do Eneagrama.
    Deus abençoe e Maria passe sempre a frente!

  5. Faço parte do Projeto Família da Comunidade Shalom de Fortaleza há 21 anos. Recebi recentemente uma mensagem no WhatsApp afirmando que o “emoji” das palmas das mãos unidas não deveria ser usado pelos cristãos porque no Japão significa tal, tal e tal, sendo usado também pelos místicos e tal. Ora, isso é usado amplamente na nossa liturgia e muitos mártires morreram desta maneira (com as mãos atadas por cordas) e virou, também, símbolo de obediência a Deus até a morte. Existe, ainda, um objeto dos muçulmanos muito parecido com nosso terço, o masbaha, e, da mesma forma, o japamala, usado pelos budistas, todos usados como auxílio à contagem numérica, mas com finalidades totalmente diferentes. O que quero dizer com tudo isso? Que gosto muito de você Carmadélio, para mim, um dos maiores palestrantes, filósofos, doutrinadores, pensadores, evangelizadores, do Brasil, mas neste caso, permita-me discordar: penso que desaconselharmos toda a ciência do eneagrama, por causa de um único símbolo, é focar a simbologia, em vez da essência.

    1. CARÍSSIMO ENIO,

      O artigo, no meu entendimento, não FICA no símbolo, mas PARTE dele para fundamentar a reflexão da essência. Os símbolos não são neutros, eles tentam expressar de forma sintética e estética seus valores subjacentes. É o caso aqui! Abraço.