* Conheça os dois princípios morais falsos capazes de destruir nossa civilização.

5c6da04f-3b35-40d6-b280-771163b75432

A teoria moral vigente hoje no autodenominado “mundo civilizado”, especialmente entre os mais jovens, mas sem
se limitar a eles, pode ser chamada de liberalismo moral.

Essa teoria é composta, basicamente, por dois princípios:

o Princípio da Liberdade Pessoal Absoluta, que considera moralmente permissível toda e qualquer conduta, desde que ela não cause um mal direto a quem não consentiu nessa conduta;

– o Princípio da Tolerância Absoluta, que nos obriga a tolerar toda e qualquer conduta dos outros, desde que essa conduta não cause um mal direto a quem não consentiu nela.

Essa teoria vem sendo praticada ao longo dos últimos cinquenta anos para justificar muitos comportamentos antes considerados imorais: sexo antes do casamento, coabitação entre solteiros, filhos fora do casamento, aborto, práticas homossexuais, casamento entre pessoas do mesmo sexo e suicídio assistido por médicos, entre outros exemplos.

Algumas dessas condutas são condenáveis até mesmo pelos “princípios” do próprio liberalismo moral (que finge que não percebe as próprias contradições). O aborto, por exemplo, provoca um mal direto, nada menos que letal, contra alguém que não consentiu nele: o feto. Mas os campeões de aborto contornam esta “pequena dificuldade” negando que o feto seja um ser humano. Essa negação se baseia, é evidente, em tentativas forçadas, ilógicas e anticientíficas de argumentar que um ser humano vivo não é um ser humano vivo. Ou, pior ainda, em pura e simples desonestidade e manipulação proposital. E tem funcionado: para milhões de liberais morais que aprovam o aborto, essa pseudociência tem sido psicologicamente eficaz.

A adoção generalizada do liberalismo moral no ocidente, ao longo do último meio século, implica a rejeição de uma moralidade tradicional anterior: a moral cristã, que, por exemplo, defende a alegria da entrega mútua e exclusiva entre dois cônjuges, um homem e uma mulher, comprometidos em matrimônio sólido até que a morte os separe, mantendo-se abertos à vida e à sua proteção desde a concepção até o fim natural. É dessa proposta positiva, madura e civilizatória de vida e família que surgem as posturas claras da moral cristã quanto à sexualidade, ao aborto, à eutanásia, ao adultério, etc. Não são meras e aleatórias “proibições antiquadas”. E quando se rejeita a moral cristã, rejeita-se, logicamente, o próprio cristianismo.

Muita gente defende a teoria moral liberalista e ainda assim se considera cristã, tanto entre católicos quanto entre protestantes. É uma forma bastarda de cristianismo. É um pseudocristianismo que deixou de lado muito da bagagem cristã, tanto doutrinal quanto moral. É o tipo de abordagem religiosa que vem sendo chamada de “cristianismo liberal ou progressista”, uma espécie de meio do caminho entre o cristianismo e o ateísmo prático.

Quando se trata de moralidade, este cristianismo bastardo tenta combinar, incoerente e ridiculamente, o liberalismo moral com a ética de Jesus, reduzindo a própria ética de Jesus a um único princípio genérico: o amor ao próximo. Jesus, de fato, defendeu a ética do amor ao próximo, mas não pretendeu anular a moralidade tradicional, relacionada, por exemplo, com a sexualidade centrada no acolhimento da vida. Os “cristãos progressistas”, no entanto, argumentam que Jesus, a quem consideram um “gênio religioso e da ética”, não detalhou as implicações práticas do amor ao próximo.

E assim, nós, cristãos contemporâneos, graças a muitos séculos de “experiência” e à “inteligência” que adquirimos como homens e mulheres, agora achamos que amar o próximo significa tolerar, ou mesmo apoiar, práticas como a fornicação generalizada, a coabitação entre solteiros sem nenhum comprometimento, o aborto, o casamento homossexual equiparado ao casamento natural aberto à vida e até o suicídio assistido (e induzido, em muitos casos) para doentes terminais.

Eu temo que o liberalismo moral, que já destruiu o cristianismo em grande parte do autodenominado “mundo civilizado” (embora ainda perseverem redutos encorajadores de protestantes e católicos tradicionais), acabe mais cedo ou mais tarde destruindo a própria civilização.

Pense em certos tipos de conduta que passam a ser moralmente permissíveis quando se aceitam os “princípios” do liberalismo moral:

– Relações poligâmicas: basta que sejam consensuais e entre adultos.

– Adultério: basta que o cônjuge “inocente” consinta, expressa ou implicitamente, ou, se o cônjuge não deu o seu consentimento, que o adultério permaneça bem escondido, de maneira a não ferir os seus sentimentos.

– Incesto: basta que os parceiros sejam adultos, consintam ​​e tomem as precauções para evitar a gravidez.

– Pedofilia: basta que o menor de idade passe a ser considerado mais maduro psicologicamente do que a média, ou seja, maduro o suficiente para dar o seu consentimento.

– Sexo com animais: basta que o animal não sofra nenhuma dor.

– Suicídio: basta que a pessoa que o comete esteja consciente da decisão.

– Sacrifícios religiosos de seres humanos: basta que a vítima sacrificial seja adulta e consinta.

Eu não quero dizer que o liberalismo moral nos levará necessariamente a todas essas formas de conduta. Duvido, por exemplo, que o sexo com animais se generalize. Mas imagino que as próximas décadas sofrerão um aumento considerável dos casos de adultério. Assim como os jovens de hoje já pressupõem que o cônjuge teve um número considerável de parceiros sexuais prévios (já que quase ninguém mais leva a sério a virgindade antes do casamento), os casados do futuro tenderão a achar normal que os seus cônjuges tenham relações adúlteras ocasionais. Imagino que haverá um aumento notável nas relações poligâmicas e até no incesto. E não ficaria surpreso se os duelos até a morte voltassem a ser um esporte relativamente popular, como já foram no paganismo romano.

Mas não pretendo prever o futuro. Meu objetivo, com esse texto, é apenas propor três pontos de reflexão:

– Esses desenvolvimentos podem acontecer e, por lógica, devem acontecer numa sociedade que abraça o liberalismo moral;

– O liberalismo não pode ser aplicado à moral, já que essas consequências são a própria negação do conceito de “moral”, que envolve regras de comprometimento com o genuíno bem, próprio e do próximo;

– Uma sociedade que abraça uma pseudo teoria moral que nega a própria moral destruirá a si mesma.

Autor: David Carlin

(Visited 2 times, 1 visits today)

Deixe um comentário