Blog do Carmadélio

* Católico e maçom, é Possível conciliar?


DOM LÉLIS LARA

Tenho recebido muitas consultas sobre Maçonaria, por exemplo, se um católico pode se inscrever na Maçonaria, se um maçom pode comungar e outras.

Achei oportuno escrever este artigo sobre a matéria, imaginando que muitas pessoas também tenham as mesmas dúvidas e queiram se esclarecer. Para muitos a Maçonaria é uma entidade filantrópica, semelhante a um clube de serviço como Rotary e o Lions. Para esses poderia parecer implicância da Igreja Católica vetar aos seus fiéis o ingresso na Maçonaria.

Na realidade a Maçonaria não é mera entidade filantrópica. Ela se apresenta também como instituição com princípios filosófico-religiosos.

Por diversas vezes, ao longo dos séculos, a Igreja católica condenou a maçonaria. Nunca ficaram muito claras as razões aduzidas para essas condenações. Podemos talvez dizer que a Igreja condenava a Maçonaria por ser sociedade suspeita de heresia e de maquinar contra os poderes instituídos e contra a própria Igreja.

Com essa última conotação foi introduzida no antigo Código de Direito Canônico uma pena de excomunhão para os que ingressarem na Maçonaria.

Ficou claro para a igreja hoje que a Maçonaria é uma entidade com princípios filosófico-religiosos inconciliáveis com a doutrina cristã. Já não se considera o aspecto de “maquinação contra a igreja”. O novo Código de Direito Canônico não faz nenhuma referência à Maçonaria.

O Episcopado alemão, após seis anos de estudos, concluiu pela inconciliabilidade entre a igreja Católica e Maçonaria, pelos seguintes motivos:

a) o relativismo e o subjetivismo são convicções fundamentais na visão que os maçons têm do mundo;

b) o conceito maçônico da verdade nega a possibilidade de um conhecimento objetivo da verdade;

e) o conceito maçônico da religião é relativista: todas as religiões seriam tentativas, entre si competitivas, de anunciar a verdade divina, a qual, em última análise, seria inatingível. Tal conceito de religião implica uma visão relativista, que não pode conciliar-se com a convicção cristã; o conceito maçônico de Deus (Grande Arquiteto do Universo) é uma concepção marcadamente deísta: um “ser” neutro, indefinido e aberto a toda compreensão possível e impessoal, minando o conceito de Deus dos católicos e da resposta ao Deus que os interpela como Pai e Senhor;

e) a visão maçônica de Deus não permite pensar numa revelação de Deus, como se dá na fé e na tradição de todos os cristãos;

f) a idéia maçônica de tolerância deriva de seu relativismo com relação à verdade. Semelhante conceito abala a atitude do católico na sua fidelidade à fé e no reconhecimento do magistério da Igreja;

g) a prática ritual maçônica manifesta, nas palavras e nos símbolos, um caráter semelhante ao dos sacramentos, como se, sob aquelas atividades simbólicas, se produzisse algo que objetivamente transformasse o homem;

h) o conceito maçônico acerca do aperfeiçoamento ético do homem é absolutizado e de tal modo desligado da graça divina, que já não resta espaço algum para a justificação do homem, segundo o conceito cristão;

i) a espiritualidade maçônica pede a seus adeptos uma tal e exclusiva adesão para a vida e para a morte, que já não deixa lugar à ação específica e santificadora da igreja. Esta fica, de fato, sobrando.

No dia 26 de novembro de 1983, a Sagrada Congregação para a Doutrina da Fé, deu uma declaração, reafirmando o “parecer negativo da Igreja a respeito das associações maçônicas, pois os seus princípios foram considerados inconciliáveis com a doutrina da Igreja e por isso permanece proibida a inscrição nelas”.

Quem der o seu nome à Maçonaria, diz a Sagrada Congregação para a Doutrina da Fé, está em pecado mortal. “Teria sido mais exato dizer que pratica uma transgressão objetivamente grave” (Pe. Jesús Hortal, Nota ao cân. 1.374 do Código de Direito Canônico).

Outras denominações cristãs aos poucos vão chegando à mesma conclusão que a Igreja Católica. Entre outros, citamos a igreja Anglicana da inglaterra, a Igreja Metodista da Inglaterra, a Igreja Presbiteriana da Escócia, a Igreja Presbiteriana Independente do Brasil.

Como devemos agir na prática pastoral?

Parece-me que, de modo geral, em nossa região, a Maçonaria é considerada como uma espécie de clube de serviço, mais ou menos à semelhança do Rotary Club e Lions Club. Muitos de nossos fiéis, mesmo agentes de pastoral e outros bem engajados e participantes, são membros da Maçonaria. Estes dizem que não estão percebendo nada que contrarie a doutrina católica. Caso percebam contradições entre princípios da Maçonaria e doutrina da igreja Católica, devem fazer sua opção. Se, neste caso, optarem pela Maçonaria, já não serão católicos.

Se alguém nos consultar sobre se pode aceitar o convite para ingressar na Maçonaria, creio que devemos dissuadi-lo de aceitar tal convite, porque não há razões que justificam o ingresso de um católico na Maçonaria.

Com o abraço fraterno, Dom Lelis Lara, CSsR.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio, postaram comentários que não cumprem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seguir

  1. Aproveito a oportunidade para fazer uma pergunta pertinente. Primeiro deixe-me apresentar a situação em si. Durante uma reunião, com amigos católicos, falei que poderíamos planejar eventos e apresenta-los aos membros do Rotary e do Lions, para pleitear uma possível adesão destes dois clubes para apoiar os projetos, não só financeiramente, mas também participando destes.
    Ocorre que um destes amigos disse que o Rotary e o Lions são clubes que fazem parte da Maçonaria, motivo pelo qual não poderíamos solicitar o apoio e a participação de seus membros.
    Eu já fui a reuniões do Rotary e do Lions, e nunca percebi nada relacionado a Maçonaria, e inclusive, os membros que conheci eram católicos.
    Assim sendo, Carmadélio vou perguntar diretamente para você, existe algum problema em conseguirmos apoio do Rotary e do Lions em eventos da Comunidade?
    Pergunto a você, porque aqui a dúvida permace, e faz tempo que existe essa dúvida.
    Lendo agora esse artigo, acredito que possívelmente foi equívoco daquele irmão. Mas não custa perguntar, e isso pode ser uma dúvida de muitas outras pessoas.
    Obrigada.
    Shalom.

    1. Respondendo:

      Ao que me consta, Lions e Rotary não tem nada a ver com Maçonaria.pode até ter em seu meio Maçons,mas enquanto instituições não são sociedades secretas com a Maçonaria. Se alguém souber algo além disso,pode até clarear o assunto aqui no Blog.

  2. Oi Carmadélio!!!
    é muito comum ver aqui na nossa região ‘católicos’ que são maçons.
    Que o Senhor abençoe nossos irmãos e que eles vejam a verdade que é o próprio Deus.

    Shalom!!!

  3. É um pouco impossivel ser um catolico e um maçom, mas vendo pro outro lado a maçonaria apoia a Igreja ,mas ,porém a Igreja não apoia a maçonaria. Desde 1983 Há uma série de documentos onde a maçonaria é proibida dentro da Igreja ,então é impossivel haver conciliação entre ambos. Agora se alguem pode esclarecer algo a respeito eu agradeço.

  4. A Maçonaria jamais apoiou a Igreja, os maçons apenas se sentem confortáveis tanto numa missa, como num centro espírita ou de umbanda, por causa do relativismo propagado por eles. Historicamente falando, sabe-se que a Maçonaria trabalhou, sim, contra a Igreja, especialmente os clérigos.

  5. Tenho curiosidade em saber porque eles sempre se ausentam na hora da comunhao e da consagracao durante a missa.

    testemunhei varias vezes esse comportamento com o pai de uma grande amiga consagrada na comunidade de vida e tambem em outros maçons que conheci.

  6. Caríssimo Don Lelis Lara.

    Lamento muito que em pleno século XXI ainda exista tal descriminação em relação à Maçonaria. Pelo contrário, a Maçonaria não descrimina nenhuma religião. Sou Católico e Maçom, confesso e comungo normalmente
    e não vejo mal nenhum e não conheço nenhum Maçom Católico que faça isso. Não devemos falar coisas que desconhecemos. Quem criou essas barreiras foi a Igreja e não o nosso Mestre Jesus Cristo.

    Fraternalmente,

    José Carlos Lopes

  7. A doutrina maçônica é inconciliável com o Cristianismo em vários pontos. Principalmente no que se refere à noção de Deus apregoada pela maçonaria, que é panteísta, negando a existência de um Deus pessoal, segundo ensina a doutrina cristã.

    A maçonaria procura sempre passar a impressão de que não é uma religião, mas os ritos lá existentes deixam uma certa “ambiguidade no ar”. Os maçons negam a divindade de Jesus Cristo, Divino fundador da Igreja, e negar a divindade de Cristo e o valor de seu Sacrifício na Cruz é pôr abaixo toda a revelação cristã.

    Depois disso tudo, como se pode dizer que se é católico e maçom ao mesmo tempo? É como água e óleo, as duas coisas não se misturam. E, finalmente, receber a comunhão, que é o Corpo e o Sangue de Cristo, filiado à maçonaria ou a qualquer outra sociedade secreta, é estar em estado de pecado mortal.

  8. querendo contribuir para um concenso é preciso que se atualize nossas informações para possamos evoluir nesta discussão, por gentileza veja o que em 02/04/2010 às 12:08h Dom Lélis Lara fala sobre relação da Maçonaria e Igreja Católica
    http://www.jvaonline.com.br/noticias.asp?id_noticia=74714
    Bispo Emérito e Consultor Jurídico da CNBB proferiu palestra para platéia de 200 pessoas, no Templo da Loja Maçônica União de Ipatinga
    e partir façamos uma nova analise.
    gratos e aguardo respostas.
    Ulisses frattari

    1. CONGREGAÇÃO PARA A DOUTRINA DA FÉ
      DECLARAÇÃO SOBRE A MAÇONARIA

      Foi perguntado se mudou o parecer da Igreja a respeito da maçonaria pelo facto que no novo Código de Direito Canónico ela não vem expressamente mencionada como no Código anterior.

      Esta Sagrada Congregação quer responder que tal circunstância é devida a um critério redacional seguido também quanto às outras associações igualmente não mencionadas, uma vez que estão compreendidas em categorias mais amplas.

      Permanece portanto imutável o parecer negativo da Igreja a respeito das associações maçónicas, pois os seus princípios foram sempre considerados inconciliáveis com a doutrina da Igreja e por isso permanece proibida a inscrição nelas. Os fiéis que pertencem às associações maçónicas estão em estado de pecado grave e não podem aproximar-se da Sagrada Comunhão.

      Não compete às autoridades eclesiásticas locais pronunciarem-se sobre a natureza das associações maçónicas com um juízo que implique derrogação de quanto foi acima estabelecido, e isto segundo a mente da Declaração desta Sagrada Congregação, de 17 de Fevereiro de 1981 (cf. AAS 73, 1981, p. 240-241).

      O Sumo Pontífice João Paulo II, durante a Audiência concedida ao subscrito Cardeal Prefeito, aprovou a presente Declaração, decidida na reunião ordinária desta Sagrada Congregação, e ordenou a sua publicação.

      Roma, da Sede da Sagrada Congregação para a Doutrina da Fé, 26 de Novembro de 1983.

      Joseph Card. RATZINGER
      Prefeito

      + Fr. Jérôme Hamer, O.P.
      Secretário

  9. Bem os argumentos da Igreja para as proibições em relação à maçonaria deveriam ser argumentos plausíveis ao conhecimento geral da maioria dos Católicos, por isso as proibições são relativas apenas aos “ditos” princípios filosóficos-religiosos (apesar deles assim não se declararem), a palavra de Roma é final nesses casos, então para quem objetou se declarando ambos vê-se claramente a impossibilidade para tal dentro da Igreja Católica, quantos às outras citadas denominações podem facilmente serem englobadas na referida citação:
    “seguido também quanto às outras associações igualmente não mencionadas, uma vez que estão compreendidas em categorias mais amplas.”…
    Infelizmente o conhecimentos que nós temos de tais é em sua maioria da forma que nos são apresentadas e de maneira mais sutil aos “iniciados”, o que nos leva a julgamentos em sua maioria errôneo sobre o caráter de tais associações.

    O Segredo mais bem guardado é aquele que não existe. (ou esperam que acreditemos não existir).

    A verdade entre colunas é bem diferente e do conhecimento de poucos dentre os tais, menos ainda de outros fora. Acrescentada a um certo “risco” que não vale a pena proporcionarmos às nossas almas. Afinal não se pode esperar de “irmãos” os mesmos sentimentos de Pai e Mãe.
    A Sabedoria de Roma vai muito além de suas palavras. E para a maçonaria mais vale um membro dentro da Igreja do que fora dela, infelizmente pelas causas erradas.

    Vinde Senhor Jesus!

  10. Carmadélio,
    Queria que vc nos esclarecesse, pesquisasse, sobre o Rotary, pois ouvi li algumas coisas q é um praço da maçonaria, q seu fundador era maçon, e q tem muita ligação entre as duas instituições, estou preocupada porque menbros proximos a minha família estão se acossiando, e sempre achei muito estranho esse rotary, e quero embasamento para esclarecelos.
    Atenciosamente,
    Katiuscia – Consagrada Aliança Shalom

  11. Caros amigos, se perguntássemos ao demônio se ele é ruim e quer nos fazer algum mal, o que acham que ele responderia? Que sim?

    Por mais que interpelemos seguidores de tais seitas, a resposta não merece crédito.
    O fundador declarado do Rotary, é sim declaradamente maçom, basta colocar o nome “Paul Harris” numa busca na internet e verá todas as ligações que se apresentam, até “templos ou ordens” com seu nome. O mesmo vale para Lions, Rosa Cruzes, e etc.
    Um “iniciado” pelo fato de aparentemente participar de reuniões “secretas”, costuma considerar ignorância de outros que não sabem do que se trata, quando tentam lhes alertar dos perigos de tais associações, pois é tudo sempre baseado aparentemente em pura especulação e não em provas concretas, no entanto essa é a “prudência das serpentes” de que nos fala Jesus, e que nos alerta de um perigo invisível, sendo esses iniciados os maiores ignorantes que por ambição, acreditam em histórias e teorias complexas para torná-los “instrumentos” nas mãos de manipuladores, esses sim conhecedores dos verdadeiros objetivos por trás da “fraternidade”.
    Não é um rótulo que nos define e sim aquilo que fazemos, maçonaria, é apenas um nome entre muitos de um mesmo mal, basta ver suas declaradas ideologias (falsas, apenas para angariar incautos), todas semelhantes, e todas condenadas pela Igreja de Cristo:
    Relativismo, Laicismo, Crença no progresso contínuo, doutrina do juízo privado, Racionalismo, Deísmo…
    Em comentário anterior já foi colocado pelo Carmadélio o parecer da Igreja sobre tais associações, o unico que nos interessa, por mais que eles digam proceder diferente em relação a Cristãos. Repito, nenhuma palavra de maçom merece crédito. É como perguntar à um louco se ele assim se declara.

    A todos os Católicos que possuem membros de família, ou conhecidos enveredando por esses caminhos (principalmente mulheres, pois são as que mais sofrem), geralmente não adianta uma confrontação direta, procure sim conhecer ao máximo à Doutrina de nossa Santa Igreja e viver Santamente os Sacramentos, para não ser levado à cometer atos contra sua própria Fé, por ignorância. E nunca deixe de rezar a Deus pelo seu ente querido pois existem “males de difícil correção”: …”esta espécie de demônio, só se pode expulsar à força de oração e de jejum.” (Mt 17,20)
    Infelizmente é ação de homens e não demônios, mesmo que guiados por tais.
    Todos que falam contra a maçonaria sempre correm o risco de serem taxados de paranóicos, lunáticos ou fanáticos, mas com o tempo você se acostuma, o valor que se preserva é bem maior que a ofensa sofrida.
    Coragem e Paz

    Vinde Senhor Jesus!

  12. Carissimo Jose Carlos Lopes,

    Sinto muito ter que lhe informar mas o sr. toda vez que comunga está se tornando réu do corpo e sangue de Cristo.

    Só esse ” pequeno detalhe” …

  13. Olá!
    Sabe, eu conheci um movimento em que Nossa Senhora fala com um sacerdote. Bonito como A Mãe “cuida dos seus”.
    Nestas mensagens, ela FALA CLARAMENTE das reais intenções da maçonaria, de cada “loja” e outras coisas (também sobre vários outros assuntos). Realmente, NÃO TEM NADA DE CRISTÃO nisso, á menos que alguns de seus menbros tenham se convertido para o cristianismo. Porém essa conversão deve ser feita de forma radical: não dá para ficar com “um pé em cada canoa”.

  14. Descordo dos comentários no artigo de Dom Lélis.

    Sou Católico,de família católica, creio em Deus criador do universo e em Jesus Cristo seu filho que deu a vida para nos salvar.

    E, com felicidade e enorme prazer sou Maçom, e luto pela liberdade de expesão, igualdade entre os homens e a fraternidade entre as nações.
    É como relata o salmo 133, que em sua primeira parte diz:Ó quão bom e quão suave é que os irmãos vivam em união.

    Em nossa luta perpétua contra a tirania, o despotismo e todo o mal que agride o homem,em momento algum citamos ou damos ao intender que essa ou aquela outra religião é correta ou errada,simplesmente para aquele que tem a religião como um consolo supremo, aconselhamos: Cultiva a tua religião ininterruptamente, segue as inspirações de tua conciência, ou seja, AMA A TEU PRÓXIMO.
    E, é com esse conceito que, engajados nessa luta, tivemos grandes membros da igreja católica lutando ao nosso lado em um passado não muito distante, nos quais posso citar alguns como: Monsenhor Rémond, Bispo de Nice que certa feita proferiu em discurso datado de 1938 aos congressistas da UNION FEDERALE DES ACIENS COMBATTANTS.( Todas as Civilizações devem unir-se, Católicos, Judeus,Protestantes e Maçons para combaterem o inimigo comum.)Entre muitos outros foram membros devotados a Maçonaria brasileira, os seguintes padres: CÔNEGO LUIZ VIEIRA, JOISÉ DA SILVA DE OLIVEIRA ROLIM, (ambos da inconfidêmcia mineira)JOÃO RIBEIRO PESSOA, FREI JOSÉ LABOREIRO, JOSÉ MARTINIANO DE ALENCAR, FREI FRANCISCO SAMPAIO, ANTÔNIO FÉLIX VELHO CARDOSO, FREI CANECA, ANTÔNIO DE ALBUQUERQUE MONTENEGRO ( Revolução Pernambucana de 1817. ) INÁCIO DE ABREU LIMA,conhecido por PADRE ROMA, FREI JOSÉ DE SANTA RITA, MONSENHOR MUNIZ TAVARES ( aotor da “HISTÓRIA DA REVOLUÇÃO PERNAMBUCANA DE 1817.) BISPO DOM JOSÉ JOAQUIM DE AZEREDO COUTINHO( Bispo de Olinda e Fundador do Seminário Episcopal de Olinda) PADRE MIGUEL IDALGO Y CASTILHO, (UM DOS FUNDADORES DAS LOJAS MAÇÔNICAS DO MÉXICO)PADRE FRANCISCO CALVO, ( FUNDADOR DA MAÇONARIA NA AMÉRICA CENTRAL). entre muitos outros se fosse citar, não caberia neste comentário. Por fim, cito ” O PAPA EX-MAÇOM ” ( GIOVANE FERRETI MASTAI, ou melhor, PAPA PIO IX ) espulso da maçonaria por perjuro e traição, foi o principal causador dos problemas e desavenças até hoje entre a igreja católica e a maçonaria, pois após ser espulso, revoltou-se contra a instituição e distribuiu bulas papais condenando e proibindo toda e qualquer manifestação maçônica, o que gerou conflito que perdura até hoje. aos interessados leiam “LITERATURA MAÇÔNICA CONTEMPORÂNEA ” do autor LUIS HUMBERT SANTOS.
    Desta feita caros irmãos, não vejo porque um Católico Cristão como esse humilde ser que vos escreve não possa ser um MAÇÔM, que no significado da palavra é apenas um PEDREIRO em busca de construir um mundo melhor pra todos.

    Um Fraternal abraço do Irmão em Cristo,

    GEORGE OLIVEIRO .´.

    1. CARÍSSIMO GEORGE,

      A posição do Bispo reflete a posição da Igreja. De fato, não são compatíveis a maçonaria com o catolicismo, a não ser que se passe por cima das diferenças negando-as, como se não existissem.

      A citação de padres que foram maçons infelizmente parece ser verdade em muitos casos, mas isso não muda nada da posição da Igreja nem minimiza as diferenças. Alguns sacerdotes às vezes tem posições pessoais incompatíveis com a fé e a Igreja que servem, INFELIZMENTE.

  15. Definitivamente esse pessoal que se diz católico mas também maçom, espírita, admiradores dos evangélicos, que criticam a doutrina católica etc, deveriam tomar uma decisão de fato, mesmo que saiam da Igreja, restando rezar pela conversão desses indivíduos.

    Antes ficava com muito medo do abandono de fiéis mas cheguei a conclusão de que é melhor termos somente os católicos que são de fato fiéis em nossa Igreja. E acredito que a porcentagem de católicos no Brasil ainda vai cair ainda mais.

    Como disse Hilaire Belloc, escritor anglo-francês: “É da natureza da Igreja provocar ira e ataque do mundo”.

    Os piores inimigos da Igreja estão dentro dela, (…) E claro, muitos “fiéis”, muitos deles maçons, infelizmente. Não sabem o quanto essa sociedade secreta fez mal ao Catolicismo. Basta ver a situação dos católicos de hoje…

    Esses pretensos católicos sabem que a Igreja é contra a participação de seu membro em sociedades secretas, contra o uso de contraceptivos artificiais, contra a ideologia marxista-socialista, mas tem muito “católico” que participa e apóia as coisas que citei.

    Prefiro mil vezes um ateu/protestante/espírita verdadeiro do que um indivíduo que se diz “católico” mas que “não vai à missa todo o domingo porque a missa é chata”, “é católico mas não se confessa com (…) padre” (escutei isso de um amigo meu), “que não gosta de imagem”, etc, etc e etc.

  16. Porque que a Igreja não fala mais sobre este assunto… Pois nos temos que saber qual a posição dá Igreja sobre estas questões……ou os bispos é padre só fala o que agrada para não ter conflito com esta falsa doutrina…