blogs
Blog do Carmadélio

* Mesmo com ouro e glória, Michael Phelps foi ao fundo do poço – mas Deus o tirou de lá.

AUSTIN, TX - JUNE 05: Michael Phelps prepares to swim the Men's 200 meter individual medley heat race during the Longhorn Aquatics Elite Invite on June 5, 2016 in Austin, Texas. Tom Pennington/Getty Images/AFP

O nadador “superstar” Michael Phelps, o atleta olímpico mais “medalhado” de todos os tempos, quase cometeu suicídio há dois anos.

Seu sucesso estrondoso lhe trouxe tanta atenção durante a última década que a mídia esportiva quase o adorava como a uma espécie de deus. Enquanto isso, o verdadeiro Phelps,o ser humano Phelps, travava em seu coração uma luta brutal e aterradora para encontrar a paz.

Ele se sentia vazio e tentava preencher a falta de sentido na vida com drogas e álcool – uma opção que o jogou numa espiral descendente rumo à destruição de si mesmo. Em 2009, foi suspenso da natação durante três meses por causa de uma fotografia que o mostrava fumando maconha. A suspensão não o impediu, porém, de continuar vivendo no limite: aliás, as coisas pioraram, culminando na sua segunda detenção por dirigir bêbado.

Phelps tinha chegado ao seu fundo do poço. Nos dias seguintes à sua prisão, ele se isolou – e continuou a beber. O astro admitiu depois, em entrevista à ESPN:

Eu não tinha autoestima. Não via meu valor próprio. Eu só pensava que o mundo ia ficar melhor sem mim. Achava isso a melhor coisa que eu podia fazer – acabar com a minha vida“.

Suas medalhas de ouro não o consolavam. Não havia mais propósito em continuar vivendo.

Providencialmente, sua família e amigos o convenceram a se internar e lidar com seus demônios. Ele relutou no começo; não foi fácil conseguir se abrir, mas, depois de algum tempo, aceitou sua situação e começou o caminho da recuperação.

Phelps tinha levado consigo o livro “The Purpose Driven Life” [“Uma Vida Com Propósito”], de Rick Warren, presenteado a ele por Ray Lewis, ex-atleta do Baltimore Ravens. Phelps não apenas o leu como o compartilhou com outros pacientes – ganhando o apelido, no centro de reabilitação, de “Preacher Mike“, algo como “Mike, o pregador”.

Michael Phelps agradeceu a Lewis pelo livro dizendo: “Cara, este livro é muito louco! A coisa que está acontecendo… ah, meu Deus… eu não tenho como agradecer o suficiente, cara. Você salvou a minha vida“. Phelps explicou, em uma entrevista, que o livrome fez acreditar que existe um poder maior que eu e que existe um propósito para mim neste planeta“.

Os atletas beijam suas medalhas, que validam o seu trabalho duro, mas que nunca correspondem ao beijo. Os elogios da mídia são uma brisa inconstante. Já o amor enraizado na fé ajuda a restaurar as perspectivas. Além de encontrar a fé durante a reabilitação, Phelps reconheceu que grande parte de sua falta de serenidade se devia à ausência do paina maior parte de sua vida. Os pais de Phelps tinham se divorciado quando ele tinha 9 anos. Foi para preencher esse vazio que o pequeno Michael recorreu às piscinas. Mas, depois que a água foi conquistada, a dor reprimida se manifestou com força.

Quando chegou a Semana da Família na clínica de reabilitação, Phelps retomou contato com o pai – e aquele foi um momento de cura para ambos. Eles se abraçaram pela primeira vez em vários anos e essa experiência ajudou Phelps a seguir em frente.

Poucos meses após a reabilitação, Phelps pediu Nicole Johnson, sua namorada de longa data, em casamento. A cerimônia está prevista para após o término dos Jogos Olímpicos do Rio. Pouco depois de planejarem se casar, os dois descobriram que Nicole estava grávida – e o nascimento recente do filho foi outro ponto de virada na vida de Phelps.

Ao pegar o bebê no colo, Phelps chorou:

Eu não achava que ia me emocionar tanto. ‘Este é o nosso filho’. E, de repente, você tem essa nova apreciação do que é realmente o amor“.

Com a nova responsabilidade de uma família, Phelps declarou ter planos de se aposentar depois da Olimpíada do Rio. Em uma entrevista recente, ele afirmou, em referência ao filho e a essa possibilidade: “Não me matem se eu voltar, mas eu só vou dizer que tê-lo aqui, assistindo às possíveis últimas provas da minha carreira, é algo que eu quero muito compartilhar com ele“.

Pela graça de Deus, Phelps pôde ser resgatado do fundo poço e trazido de volta à vida. Phelps pode não ser perfeito, mas a sua recém-descoberta fé cristã lhe deu um novo rumo. Seu sucesso ainda o mantém no alto do pedestal e a mídia continua a adorá-lo como a um deus, mas, agora, Phelps parece ter uma noção mais clara de quem ele é, dentro do grande panorama das coisas e daquilo que realmente importa.

Ele entende melhor, hoje, que as medalhas de ouro – não importa quantas possa acumular – não tiveram, não têm e não terão poder para salvá-lo.

Autor: Philip Kosloski

(Visited 17 times, 1 visits today)
Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio, postaram comentários que não cumprem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seguir