blogs
Blog do Carmadélio

* Pais querem filho sem gênero: “o bebê decidirá se será menino ou menina”.

O nome da criança é Ariel Carneiro dos Santos, mas seus pais decidiram que ela será criada como “agênera”, isso é, caberá a ela decidir se será menino ou menina.

Curiosamente, no mesmo dia em que Ariel nasceu, 4 de julho, a imprensa noticiava o caso do primeiro bebê no mundo que recebeu um cartão de saúde sem identificação de gênero. O canadense Searyl Atli usa um “U” na área reservada ao sexo, o que seria uma letra identificando como sexo indefinido.

Lá, como cá, um dos pais é transgênero. O “pai afetivo” de Ariel é Yudi dos Santos, 25 anos, que já teve uma identidade feminina. Em 2015, ele teve um relacionamento com Taynan dos Prazeres, a mãe de Ariel. Contudo, durou pouco tempo. Aos 17 anos, Taynan conheceu André dos Santos, o pai biológico da criança.

Acabaram se separando e, durante a gravidez, Yudi e Taynan reataram. Hoje, tentam criar Ariel em um arranjo familiar mais baseado em uma ideologia que na natureza“Se olham no meu braço e falam ‘é lindo”, eu continuo a conversa. Se falam ‘é linda’, não corrijo a pessoa e deixo quieto. Entendo que é uma questão cultural que nos leva ao binarismo”, explica a mãe.

Por decisão dos pais, a criança só vestirá roupas em cores neutras (branco, amarelo, verde ou colorido em tons pastéis). Seus brinquedos incluirão carros, martelos, cozinhas com florzinhas e bonecas. “Porque só precisa brincar com o brinquedo que tiver vontade e ser o que ele quiser”, insiste a mãe.

O discurso está ensaiado: quando perguntam se Ariel é menino ou menina, os dois respondem de pronto: “É apenas uma criança. Um bebê livre”.  Taynan participa de movimentos LGBTs em Pernambuco e acredita que deu à luz a uma “criança fora dos padrões”.

“Na verdade, Ariel acrescentou na nossa militância”, diz Yudi que é vice-coordenador do Instituto Brasileiro de Transmasculinidade em Pernambuco e segundo-secretário da Associação de Homens Trans e Trans-masculinidade.

Eles acreditam que estão gerando uma tendência. “Começamos a ver outros casos de gestação iguais à de Taynan e de pessoas que querem os mesmos para seus filhos”, afirmaram ao jornal O Globo.

Fonte: Gospel Prime
(Visited 60 times, 1 visits today)
Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio, postaram comentários que não cumprem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seguir