Blog do Carmadélio

Saber separar a pessoa do seu comportamento é o primeiro passo para lidar com pessoas “tóxicas”

O comportamento humano pode ser “tóxico”. Às vezes, ele assume a forma de crueldade, conduta desafiadora da lógica, negatividade, manipulação sutil (ou explícita), agressão passiva, inconsistência ou narcisismo. E a lista é extensa. Porém, quando isso acontecer, é importante notar que, como Margarita Tartakovsky, M.S. (editora associada da Psych Central) disse em uma entrevista ao psicoterapeuta australiano Jodie Gale “não é que toda a pessoa seja tóxica. Em vez disso, o comportamento dela ou seu relacionamento com as pessoas pode ser “.

Fazer essa distinção – entre a pessoa e o seu comportamento – pode nos ajudar a entender três coisas fundamentais:

Primeiro, esse comportamento tóxico pode não ser a essência da pessoa e, portanto, pode ser mudado. Uma pessoa tóxica é, em primeiro lugar, uma pessoa, que merece respeito. Na maioria das vezes, as pessoas tóxicas estão profundamente feridas e não conseguem assumir a responsabilidade por seus próprios sentimentos e necessidades.

Em segundo lugar, a complexidade e o estresse desnecessários decorrentes dessa interação também estão envenenando a pessoa, que pode não saber como agir de forma diferente.

E, em terceiro lugar, existem algumas outras “partes” da pessoa a que você pode recorrer quando estiver em uma relação ou conversa tóxica.

Embora seja importante saber que não é sua responsabilidade “mudar” o comportamento do outro, também é importante entender que nós somos realmente responsáveis pelo nosso próprio comportamento. Temos a capacidade de rejeitar a toxicidade dos sentimentos, palavras e ações erradas da pessoa com a qual estamos interagindo. Em poucas palavras, mesmo que a pessoa tóxica não possa mudar (ou lidar com emoções e situações de forma diferente), nós podemos.

Interagir com uma pessoa tóxica é cansativo. Você tem medo, evita ou teme interagir com essa pessoa porque, certamente, ela não aceitará um “não” como resposta, seus valores e limites serão comprometidos ou porque você pode ser usado ou mal interpretado. Mas desistir dela, mesmo que essa seja uma reação perfeitamente saudável (e natural), pode ser uma ameaça. O estresse agudo por “luta ou fuga” é um mecanismo natural que ocorre em resposta a um evento prejudicial percebido, conforme descrito por Walter Bradford Cannon no início do século 20). Configura-se também apenas como uma das muitas maneiras possíveis de lidar com essas situações (e provavelmente não é a mais efetiva).

Uma vez que, como explicado por Travis Bradberry  na Revista Forbes, “o estresse pode ter um impacto negativo e duradouro no cérebro”, é preciso aprender a não se sentir estressado ao interagir com pessoas tóxicas. Aqui estão três coisas simples que podem ajudar:

Estabelecer limites

Não se trata de estabelecer novas relações de poder, mas de não permitir que o “poder” se torne a força motriz da sua interação. Uma pessoa tóxica sempre quer estar “no topo”. A definição de limites permite uma melhor compreensão do tipo de hierarquias em jogo: seu chefe pode dar-lhe responsabilidades que você deve exercer no trabalho. E só.

Ser assertivo (a)

Diga sempre à pessoa, de forma clara e simples, como você se sente ou o que você quis dizer. Uma pessoa tóxica pode tentar usar suas palavras contra você, interpretando-as da maneira exatamente oposta à que você realmente disse.

Fique atento às suas próprias emoções

Cuide-se. A toxicidade é, muitas vezes, irracional (isto é, segue sua própria lógica). Tenha em mente que você não deve responder nos mesmos termos emocionais, mas sim trazer algum raciocínio sóbrio para a cena. Isso pode implicar, às vezes, retirar-se, reagrupar e depois voltar com soluções. Se necessário, invista algum tempo nisso.

Aleteia

(Visited 310 times, 1 visits today)

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio, postaram comentários que não cumprem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seguir

  1. Caro Carmadélio, eu sempre gostei da maneira com vc fala,com linguagem fácil tornar-se compreensivel o cerne da mensagem.Quem dera os Sacerdotes,leigos e o povo cristão em geral compreendesse que todos nós somos amados por DeusVejo muito falatório dentro da Igreja e pouca prática do amor, pessoas que são capazes de comprar um celular por R$ 1.000,00 e negam R$ 10,00 para uma pessoa saciar sua fome, pessoas que compram um carro por R$ 50.000,00 mas não dão R$ 20,00 para o seu irmão colocar combustível.Ai eu te pergunto que Amor é esse que falamos sempre? A Igreja estar poluída por pessoas superficiais, por um egoísmo espiritual onde só pensam em obter de Deus o que precisam e querem construir com uma amizade profunda com Ele.