Blog do Carmadélio

Novo estudo reforça que preferência das crianças por brinquedos voltados ao seu sexo tem origem biológica.

Um estudo publicado em novembro de 2017 na revista científica Infant and Child Development indicou que a escolha de brinquedos por meninos e meninas parece depender não apenas de fatores socioculturais, mas também de forças inatas.

Assinado por sete psicólogos britânicos, o artigo analisou 16 estudos realizados com 787 meninos e 813 meninas e constatou que a preferência de meninos por brinquedos voltados a meninos e de meninas por brinquedos voltados a meninas se mantém independentemente de localização geográfica, escolaridade, faixa etária e a presença de adultos durante a brincadeira.

Segundo os autores, a constância da preferência das crianças nas mais variadas circunstâncias indica “a probabilidade de que isso tenha origem biológica”.

O estudo apontou também que os meninos brincam mais com brinquedos de menino à medida que ficam mais velhos, o que não acontece com as meninas. “Isso indica que efeitos sociais estereotípicos permanecem por mais tempo nos meninos ou que há uma predisposição biológica mais forte por certas brincadeiras entre eles”, diz o texto.

Os pesquisadores perceberam também que em estudos mais antigos, tanto meninos quanto meninas brincavam mais com brinquedos voltados para o seu sexo – uma tendência que vem regredindo em estudos mais recentes.

Fonte Sempre Família


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio, postaram comentários que não cumprem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seguir

    1. CARÍSSIMO GILSON, toda pessoa deve ser respeitada independente de qualquer coisa. A ciência, que é quem pode dar uma posição mais abalizada dobre aquilo que é inato, não identificou nada a esse respeito, como, por exemplo, uma origem genética que justifique crianças trans. A Psiquiatria, por outro lado, identifica a transexualidade como “disforia de gênero”, que é um transtorno. Isso não muda nada no respeito que devemos ter por irmãos marcados por esse imenso desafio, nem nos dá o direito de emitir juízo de valor sobre a pessoa em sua individualidade, mas também por uma questão de honestidade intelectual, não podemos deixar de desejar a essas pessoas que elas se encontrem com a verdade escrita em seus corpos e que consigam ser felizes e plenas.