Blog do Carmadélio

* 7 respostas a 7 objeções sobre o terço.

2xlt0b6hxy63wmi5fuocdfblh-_jgffjupkjyan85mwmlmjyvlxejwjbxnr_rhql_4z2771sjowlgf3pne5szid8bvfe

É interessante constatar como cada vez mais pessoas rezam o terço, e não somente as católicas: também membros de outras confissões religiosas estão descobrindo a riqueza desta oração. E muitos devem sua conversão ao santo rosário.
 
No entanto, também existem os que não o rezam porque têm objeções. Então, aproveitando o mês de outubro, que é o mês dorosário, vale a pena responder a algumas dessas objeções:
 
1. O terço não está na Bíblia
 
Claro que está! Certamente, não como o conhecemos hoje, mas todas as orações do terço e os mistérios que meditamos têm sua origem na Bíblia. Não foi por acaso que o Papa João Paulo II chamou o terço de “compêndio do Evangelho”.
 
2. Onde a Bíblia diz que devemos rezar o terço?
 
A esta pergunta podemos responder com outra: onde a Bíblia diz que devemos fazer só o que a Bíblia diz? Desde sua origem, a comunidade cristã se guiou pela Sagrada Escritura, mas também pelos ensinamentos dos apóstolos (como pede a Bíblia).
 
E se você quer cumprir o que a Bíblia diz, lembre-se de que a Bíblia pede para meditar sobre a Palavra de Deus, orar e interceder uns pelos outros. E o terço é isso!
 
Não nos esqueçamos de que Maria disse que todas as gerações a chamariam de bem-aventurada. Como cumpre esta promessa de Maria quem não reza a Ela?
 
3. Maria foi uma mulher como todas, morreu e não ouve nossas orações
 
Consideremos estas 4 afirmações (irrefutáveis, dado que são bíblicas):
 
– Maria foi escolhida por Deus para ser a Mãe do seu Filho. Isso a torna superior a todas as mulheres.
 
– No Antigo Testamento, vemos a grande importância dada à mãe de um rei e seu poder de interceder por alguém diante de seu filho.
 
– O Senhor, que nos mandou honrar nossa mãe, sem dúvida honrou a sua. Como? Libertando-a da corrupção do pecado e da morte.
 
– Jesus disse que Deus não é um Deus de mortos, mas de vivos, porque todos vivem para Ele.
 
Estas afirmações permitem concluir que Maria, como Mãe do Filho de Deus, Mãe do Rei, está no céu, junto a Jesus, e Ele atende sua intercessão por nós.
 
4. O terço dá mais importância a Maria que a Jesus
 
Tudo no terço nos faz olhar para Jesus. Rezamos o Pai-Nosso, que Jesus nos ensinou. Nas Ave-Marias, nós o proclamamos “Bentito” e pedimos à sua Mãe que rogue por nós. Além disso, todos os mistérios estão relacionados à sua vida.
 
5. O terço é uma oração repetitiva, como as que Jesus condena
 
Jesus não condenou a repetitividade, mas o vazio das preces. Ele mesmo justificou um publicano que pedia perdão repetitivamente. Repetir as orações no terço equivale a repetir a alguém que você o ama, e não se cansa de dizer nem ouvir isso. A sequência de Ave-Marias acalma a alma e permite contemplar cada mistério.
 
6. É complicado rezar o terço
 
É fácil rezar o terço e é fácil aprender a rezá-lo. Há uma verdadeira abundância de folhetos explicativos e pessoas que boa vontade que podem lhe ensinar.
 
7. Rezar o terço é chato
 
Chato é rezar mecanicamente, pensando em outra coisa e esperando acabar logo. Se você aproveitar cada mistério para contemplar a cena e sobretudo para relacioná-la com o que você está vivendo, conversando sobre isso com Maria, então rezar oterço será fascinante, sempre atual, e você gostará mais dele, porque o renova constantemente.
 
Artigo publicado originalmente por Desde la Fe


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Gostei da postagem. Porém fiquei procurando a passagem bíblica que podemos comprovar a oração do terço, como bem falado na primeira resposta que não há claramente na bíblia a palavra Terço, porém sugiro que nas publicações também se coloquem as passagens, pois para nós esclarecer para os outros sobre o assunto e não ter algo objetivo é difícil.

    1. Os Mistérios do Santo Rosário
      Mistérios da Alegria ou Gozosos (segundas-feiras e sábados):

      1.º – O anúncio do Arcanjo São Gabriel a Virgem de Nazaré (cf. Lc 1, 26-38);

      2.º – A visitação da Virgem Maria a sua prima Santa Isabel (cf. Lc 1, 39-56);

      3.º – O nascimento do Menino Jesus em Belém (cf. Lc 2, 1-21);

      4.º – A apresentação do Menino Jesus no templo de Jerusalém (cf. Lc 2, 22-40);

      5.º – O encontro do Menino Jesus no Templo entre os Doutores da Lei (cf. Lc 2, 41-52).

      Mistérios da Luz ou Luminosos (quintas-feiras):

      1.º – O Batismo de Jesus Cristo no rio Jordão (cf. Mt 3, 13-17);

      2.º – Revelação de Jesus nas bodas de Caná da Galileia (cf. Jo 2, 1-12);

      3.º – O anúncio do Reino de Deus e convite à conversão (cf. Mc 1, 14-15);

      4.º – A Transfiguração de Jesus Cristo no Monte Tabor (cf. Lc 9, 28-36);

      5.º – A instituição da Eucaristia (cf. Lc 22, 14-20).

      Mistérios da Dor ou Dolorosos (terças e sextas-feiras):

      1.º – A agonia mortal de Jesus no Horto das Oliveiras (cf. Mt 26, 36-46);

      2.º – A impiedosa flagelação de Jesus Cristo (cf. Mt 27,26-31);

      3.º – A coroação de espinhos do Filho de Deus (cf. Mt 27,29);

      4.º – A subida dolorosa de Jesus Cristo ao monte Calvário (cf. Jo 19,17-24);

      5.º – A crucificação e morte de nosso Senhor Jesus Cristo (cf. Jo 19,18-37).

      Mistérios da Glória ou Gloriosos (quartas-feiras e domingos):

      1.º – A ressurreição de nosso Senhor Jesus Cristo (cf. Jo 20, 1-18);

      2.º – A ascensão de Jesus Cristo aos Céus (cf. Lc 24, 50-53);

      3.º – A vinda do Espírito Santo sobre os apóstolos no Cenáculo em Jerusalém (cf. At 2, 1-13);

      4.º – A assunção de Nossa Senhora ao Reino dos Céus (cf. Sl 44, 11-18);

      5.º – Coroação de Maria Santíssima como Rainha do Céu e da Terra (cf. Ap 12 ,1-4).