fome

A Justiça italiana determinou: quem rouba porque não tem nada e está passando fome, fome de verdade, não comete crime. A necessidade não gera culpa criminal. E a propriedade é um bem que não pode vir antes que o ser humano.

O CASO

O protagonista do caso que tem gerado polêmica no mundo inteiro se chama Roman Ostriakov: é ucraniano, está desempregado e tem 36 anos de idade.

Em 2011, Roman foi pego furtando de um supermercado em Gênova, na Itália, dois pedaços de queijo e um pacote de salsichas. Valor total: 4,07 euros (cerca de 16 reais na oscilante cotação nominal atual, mas, na prática, em termos de equivalência de custo de vida, é como se fossem 7 ou 8 reais). Roman foi condenado em primeira instância a seis meses de prisão em liberdade condicional, além de pagar multa de 100 euros. A sentença foi confirmada após recurso, mas agora acabou anulada pelo Supremo Tribunal italiano, que declarou: “O fato não constitui crime”. Para a corte suprema da Itália, não é punível aquele que, impulsionado pela necessidade, rouba de um supermercado pequenas quantidades de comida para “enfrentar” a “imprescindível exigência de alimentar-se”.

Roman Ostriakov já tinha praticado pequenos furtos similares. No caso pelo qual foi polemicamente condenado, um cliente do supermercado o tinha visto furtando os alimentos e avisou os seguranças.

SOLIDARIEDADE

A sentença do Supremo Tribunal italiano, de certa forma histórica, estabelece um precedente relevante ao invalidar os julgamentos anteriores alegando que não houve crime devido às circunstâncias de necessidade imediata que levaram o acusado a furtar aquela pequena quantidade de comida. Além disso, reforça a necessidade social de mais solidariedade.

Massimo Gramellini, editor do jornal italiano La Stampa, comenta que, para os juízes, o direito à sobrevivência prevalece sobre o direito à propriedade. Não se trata, segundo Gramellini, de uma simples discussão ideológica sobre “legitimar a expropriação proletária”; trata-se de comer para sobreviver. E a sentença lembra a todos, conclui o jornalista, que, num país civilizado, nem mesmo o pior dos homens pode morrer de fome.

O QUE DIZ A MORAL CRISTÃ?

Aleteia conversou como o pe. Mauro Cozzoli, professor de Teologia Moral na Pontifícia Universidade Lateranense e capelão de Sua Santidade.

Professor, o sétimo mandamento ordena “não roubar”, mas que tipo de aplicação da norma moral é encontrado na Tradição e no Catecismo?

Pe. Cozzoli: Na tradição moral católica, o direito à propriedade não é um direito primário, mas secundário. Primário é o destino universal dos bens: os bens da terra são para todos, destinados por Deus a toda criatura. Daí o direito primário de todos a se beneficiarem dos bens disponíveis, de forma justa. Traduzido na prática, isto significa a possibilidade moral de usar da propriedade alheia em casos de extrema necessidade, por razões de sobrevivência.

Os juízes estabeleceram, que, em essência, “a fome não é crime”. O que o senhor diz?

Pe. Cozzoli: A fome, própria ou de um dependente, pode ser um caso de extrema necessidade e, portanto, apropriar-se de comida alheia quando se está passando fome não constitui um furto.

Este caso nos traz à mente a lembrança constante do Papa sobre a misericórdia na vida de fé, contra o legalismo da mera norma escrita. É uma comparação adequada?

Pe. Cozzoli: O apelo por misericórdia é uma razão a mais para se compreender e justificar a pessoa que recorre à propriedade alheia tentando resolver uma necessidade elementar e básica, que, de outra forma, não poderia ser satisfeita naquele momento.

É crucial ter a consciência bem formada para não se abusar deste princípio, evidentemente. Pode-se (e deve-se) perdoar um pequeno furto cometido por objetiva necessidade de sobrevivência, apenas de um bem voltado à satisfação direta dessa necessidade urgente e somente na quantidade necessária para esse fim. O que não se pode é ser conivente com quem alega necessidade, mas, na prática, “seleciona” o que “deseja roubar” e rouba aquilo de que não está precisando para sobreviver. É preciso saber julgar com misericórdia, mas também com bom senso e imparcialidade.

Aleteia

Untitled-3

O Papa Francisco tem sido claro em destacar a “obrigatoriedade” do amor fraterno para com todas as pessoas, caso se queira ser autêntico na fé cristã e não apenas cristão da boca para fora. E o papa não está inventando absolutamente nada: foi ninguém menos que Jesus Cristo quem fez questão de declarar esta obrigatoriedade com toda a ênfase ao afirmar que até mesmo aos inimigos nós devemos amar e perdoar “setenta vezes sete” – expressão que quer dizer “sem limites”. Do contrário, pergunta o próprio Cristo, que mérito teremos?

Isto significa que nenhum cristão tem o direito de julgar e muito menos condenar o próximo.

Nenhum.

A ninguém.

A própria Igreja se declara incapaz de julgar o que há no coração e na consciência de quem quer que seja: e ela afirma esta impossibilidade claramente na célebre fórmula “De internis neque Ecclesia” (pronuncia-se “de intérnis nékue Eklésia”), ou seja: “Sobre as realidades internas, nem sequer a Igreja (pode julgar)”.

Somente Deus conhece o que há no interior de cada consciência e somente Ele pode (e vai) nos julgar.

Existe uma grande diferença, no entanto, entre julgar uma pessoa e julgar atos específicos praticados ou omitidos por uma pessoa. Embora seja humanamente impossível julgar as intenções, é perfeitamente possível julgar um ato ou omissão concretos e declará-los moralmente bons, maus ou neutros. Afinal, assim como é uma verdade básica da fé cristã que só Deus perscruta o íntimo dos corações e só Ele pode julgar as consciências, também é uma verdade básica da fé cristã que Deus é Bondade, Verdade, Beleza e Unidade Absoluta – e se Deus é a Referência do que é bom, verdadeiro, belo e uno, isto significa que existe, objetivamente, um parâmetro absoluto de bondade, verdade, beleza e unidade. Dito de outra forma, a verdade, a bondade, a beleza e a unidade não são relativas, como pretende a “elasticidade ética” da contemporaneidade laica, incoerente e ilógica na própria formulação de que o relativo possa ser parâmetro de alguma coisa. É o caráter absoluto da Verdade, da Bondade, da Beleza e da Unidade o que constitui a base da moral. Como dizer que algo é bom se não existe A Bondade?

Não se pode julgar uma pessoa porque não se sabe o que há em sua interioridade, mas pode-se julgar o que ela faz, diz ou deixa de fazer e dizer, já que o seu agir é patente. No cristianismo, esta lógica se traduz na máxima “Odiar o pecado, mas amar o pecador”. E é nesta lógica que muitos cristãos escorregam, confundindo pecador e pecado e julgando/condenando não atos ou omissões concretos, e sim pessoas, odiando-as em vez de amá-las.

Autor: Francisco Vêneto