viverdeblog-conquista

Às vezes parece que você está à deriva num imenso mar. Acima há apenas céu e ao redor também, não há nada para se segurar, nenhum barco à vista para te resgatar. Se sente ridiculamente só, como se ninguém estivesse te procurando e querendo saber como você está, se precisa de ajuda. Então pensa que é melhor afundar, que se mergulhar cada vez mais fundo toda a dor e agonia vão acabar, que não terá mais nenhum sentimento, pensamento e lembrança te atormentando. Que a água vai lavar o que há por dentro e que as sujeiras poderão se esvair, então finalmente sentirá paz.

Mas o que você pode não saber é que afundar não é o fim. Que a vida não acaba quando ela é interrompida aqui na Terra, que há um além que espera todo mundo, ele pode ser melhor do que tudo ou pior do que todo pesadelo. E o melhor caminho é aquele que te leva para junto do seu Criador, Daquele que te formou antes mesmo de você saber o que era a existência, que te conhece por inteiro e do avesso. Ele te desenhou, moldo, construiu. Ele ama seus olhos, seu cabelo e até o dedinho do seu pé. Ele quer te encontrar no seu verdadeiro lar e te fazer entender o que não pode saber aqui. Ele quer te dar a paz que durará por toda a eternidade e te fazer o sentir o amor que vem do próprio Amor.

Porém, a dor se tornou uma nuvem espessa diante dos seus sonhos, e por causa dela não consegue ver nada além dos problemas que te encurralam, das pessoas que te machucaram, das decepções que vem sofrendo e das feridas que parece que nunca irão se curar. Mas Deus quer que você confie Nele mesmo sem ver o que será de você no futuro, por isso o primeiro porquê que Ele te dá é para confiar Nele mesmo quando tudo dizer que não tem mais jeito, que a vida não faz mais sentido e que por isso você deve dar um fim a ela. Deus quer que você volte a acreditar que dias melhores virão mesmo que tenha sofrido anos de tempestades e furacões. Ele quer que você segure em sua mão e que não solte mesmo que a correnteza piore e que queria afundar.

O segundo porquê é que Deus cura o passado. Não importa o que você fez ou o que te fizeram, se a dor é constante, se as memórias te acompanham desde a hora que acorda até o momento que vai repousar, se isso te assombra ao ponto de você não conseguir fazer determinadas coisas e ir a alguns lugares, e impede até mesmo de você se relacionar com as pessoas, mas Deus quer que você saiba que Ele cura as lembranças, Ele apaga o que te faz chorar, mas não da forma que você esqueça completamente, porém do jeito que você irá lembrar e não sentirá um fio de dor sequer. Eu sei disso, pois já passei por esse tratamento e ele acontece quando você chora, grita e pede socorro, aos poucos algo vai mudando dentro de você e vai passando.

Mas para esse passado ser mesmo curado você precisa dar um passo de fé e ele se chama perdão, o terceiro porquê. Você precisará reconhecer que o outro errou e que ele é tão humano como você, assim ele erra, peca e machuca, mas que ele assim como você pode fazer isso querendo ou não, e que merecendo ou não ele precisa dessa libertação, pois a mágoa é uma âncora no problema que já passou faz tempo. Corte o que prende e não afunde com essa âncora, mas a deixe ficar lá no fundo sozinha. E seu coração precisa de paz, de leveza e de limpeza. E se você sente que decepcionou a si, se perdoe também, pois você não pode viver carregando culpa por aí, mas tem que se dar a chance de recomeçar e quem sabe errar de novo porque isso é ser humano.

E você aprenderá com tudo isso e nesse ensinamento está o quarto porquê de Deus. Porque nada que Ele permite na sua vida é por acaso. Podem ser coisas que você escolheu e acabou ocasionado muita dor, ou foram as escolhas de outras pessoas que de alguma forma te afetaram, mas se Deus permitiu não é porque Ele quer te ver sofrer, pois Ele não tem prazer no sofrimento que você passou, mas é que num mundo mal como esse coisas ruins acontecem o tempo todo por causa do pecado que existe. Porém, você terá amadurecimento, mais conhecimento, experiência e força. Não será a mesma pessoa de antes, não terá o mesmo pensamento, mas se você escolher o melhor caminho te levará para o lugar que você não iria senão tivesse passado por tudo isso.

Por isso existe o quinto porquê: Deus faz uma flor brotar da sua dor. Essa flor pode ser música, poesia, dança, pintura, frase, palestra, mão estendida para ajudar e levar ao menos favorecido o que lhe falta. Essa dor irá se tornar amor por algo que só você saberá fazer. Deus te dará um dom que será o seu proposito aqui na Terra, talvez você nem tenha visto antes, mas depois da dor perceberá que esse talento existe e que te completa, que te faz querer viver, sonhar, conquistar. Porque Deus botará em seu coração vontades que te farão querer continuar e não desistir, pois Ele quer te ver criando, já que você é a imagem e semelhança do Criador. E suas obras tocarão corações que sofreram como você e levarão a eles a cura que você recebeu antes.

Mas se você não sabe por onde começar, onde poderá aprender e saber o que fazer, como conseguirá saber o que Deus quer para sua vida tem dois porquês. O sexto diz respeito a leitura da Bíblia Sagrada. Deus a inspirou para você ter um manual que te ajudasse a viver, que te dar orientações e conselhos. Se aprofunde nessas palavras. Não apenas leia, mas medite, reflita e pense em tudo que ela diz, peça que o Espirito Santo esteja ao seu lado te fazendo entende-la e que Deus te dê sabedoria para compreender. Já o sétimo porquê é a oração. Deus quer ouvir a sua voz, quer saber o que você sente e o que pensa, onde dói e o que causou. Ele já sabe de tudo, mas Ele ama te ouvir e sabe que ao falar você sentirá um alivio instantâneo como se uma tonelada tivesse saído dos seus ombros. Ele não te julgará, pode falar tudo e ter a certeza de que Ele te responderá.

Nisso o oitavo porquê te diz que ao seu lado estará o Consolador, que enxugará suas lágrimas e sentirá o mesmo pesar que te rodeia, que Ele te entenderá e levará seus lamentos ao Trono do Todo Poderoso. Jesus o enviou depois de subir aos céus e voltar ao Pai, após sua estadia aqui na Terra onde morreu por nossos pecados. E esse Consolador é o Espirito Santo e da Verdade, que te fará entender muita coisa, abrirá seus olhos e falará na sua mente coisas que você nunca soube antes, mas que agora fará todo sentido e te acalmará. Ouça a voz Dele, não tape os ouvidos, não deixe a dor gritar, sua raiva e decepção falarem mais alto. Mas dê ouvidos ao Consolador, Ele tem mais razão que as emoções conturbadas que te enchem.

E o nono porquê é sobre a nova vida que você terá. Tenha fé de que nada será assim eternamente. Não importa o que esteja havendo neste exato momento. Não sei o que te aconteceu, mas Deus conhece sua história e Ele diz que ela não deve acabar assim. Que se você aguentar mais um pouco verá as nuvens escuras sendo sopradas para longe. Mas o décimo porquê diz que nem tudo você entenderá aqui, que tem perguntas que te atormentam que não terão respostas na sua vida terrena, porque você não suportaria ouvir, não conseguiria absorver tudo que precisa saber para assim entender. Porém que no céu, se você aguentar e não desistir, Deus te fará entender que toda dor é por enquanto e os motivos que as causaram, e porque Ele as permitiu.

O décimo primeiro porquê é que no tempo certo Ele enviará pessoas para cuidarem e amarem você, pois a solidão não é para a vida inteira, não ficará assim sem ninguém ao seu lado, terá sim alguém que te ame, valorize e respeite, que construirá uma família e que suportarão tudo juntos porque haverá amor. E que esse amor expulsará todo o medo de sofrer de novo e ser feito em pedaços, que você sentirá segurança e confiança novamente. Agora no porquê de número doze Deus quer que você saiba que Ele te amará mais que qualquer um poderia amar, que não importa o tempo, situação, erros e feitos, Ele te ama e quer que você se sinta amado por Ele. Que Ele te cuida como a menina de seus olhos mesmo que você não veja o seu agir.

Por isso o porquê treze diz respeito a esse amor e o que ele foi capaz de fazer. Deus enviou Jesus e esse é sem dúvida o maior e mais importante motivo para te fazer jogar essas lâminas fora, junto com a corda, os remédios, as armas e todo o resto de coisas que podem te machucar e te fazer afundar. Deus enviou Jesus para morrer em seu lugar. No lugar da culpa, da dor, do trauma, do desespero, da solidão, da humilhação. Jesus morreu no lugar da vergonha, da raiva, do ódio, da vingança. Jesus morreu para você não se matar. Jesus sangrou para você não se cortar. Jesus provou aquele líquido numa esponja para você não tomar esses remédios. Jesus foi pregado numa cruz para você não rodear seu pescoço com uma corda. Ele já morreu e Ele já ressuscitou para te dizer que tem jeito sim, que sua dor pode acabar, que Ele vivo pode te curar, te fazer um novo ser humano.

Por que não aceita os motivos que Deus te dá? Esses porquês podem preencher algumas lacunas. Mas se quiser saber mais, é só experimentar esse amor e dar mais uma chance à vida incrível que você poderá ter ao lado Dele. Então, quer tentar de novo? Ele te espera e ficará profundamente triste se você escolher uma eternidade onde Ele não estará.

(Por Tatielle Katluryn, via Ela já foi verão)

20170410173143145128u

Hannah e a mãe no seriado: omissão familiar é um dos temas abordados. Foto: Netflix/Divulgaçã0

Lançada no fim de março, a série 13 reasons why, da Netflix, conquistou popularidade rapidamente e ensejou uma infinidade de análises e comentários sobre o principal (e delicado) conteúdo abordado na trama: o suicídio de uma adolescente. A produção da cantora Selena Gomez inspirada homônimo no livro de Jay Asher – expandido e transposto para as telas pelas mãos do premiado dramaturgo Brian Yorkey – narra as razões pelas quais uma colegial diz ter sido levada a tirar a própria vida. Gravadas em fitas cassetes e enviadas postumamente, as mensagens responsabilizam os colegas de convívio pelo desfecho trágico.

Leia também: Criador de 13 Reasons Why explica polêmica cena do suicídio de Hannah Baker

O tom de culpabilização coletiva e a abordagem crua – com direito a cenas explícitas de estupro e do próprio ato do suicídio – despertaram reflexão sobre a forma de tocar no assunto em uma produção audiovisual. Enquanto houve quem ressaltasse a tentativa benéfica de promover uma conscientização sobre a influência de bullying, assédio, machismo, violência e omissão na decisão de se matar, surgiram ponderações em torno do impacto nocivo provocado pelo tratamento dispensado ao tema central pelo seriado.

As críticas negativas veem na “glamourização” do suicídio e na utilização do autoextermínio como instrumento de vingança fatores de propensão ao chamado efeito Werther – termo científico pelo qual a publicidade de um caso notável serve de estímulo a novas ocorrências. Pessoas fragilizadas psicologicamente seriam mais inclinadas a vivenciar de forma negativa a forma como o suicídio é representado em 13 reasons why.

Psiquiatra, professor-doutor do Departamento de Psicologia Médica e psiquiatra da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Luís Fernando Tófoli elaborou 13 parágrafos para alertar sobre a série. O texto elenca fatores de risco, condena a abordagem do programa sob a luz da academia e faz advertência a pessoas em situação de vulnerabilidade.

Veja a lista elaborada pelo professor:

13 Parágrafos de Alerta sobre 13 reasons why para pais, educadores e profissionais de saúde
Luís Fernando Tófoli

1. A alardeada série da Netflix, “13 Reasons Why”, baseada em um livro homônimo de Jay Asher (publicado no Brasil como “Os 13 Porquês”), aborda uma série de questões sérias: bullying no ensino médio, machismo, LGBTfobia, abuso sexual e, de uma forma geral, a difícil missão de adolescer. A série, porém, é focada em uma questão central, pivô de toda a história: o suicídio de uma jovem de 17 anos, Hanna Baker, que faz 13 gravações em fitas cassetes, apontando o dedo as pessoas que a desapontaram em seu calvário na High School de uma pequena cidade americana.

2. Eu me vi na obrigação de assistir a todo o seriado para poder trazer algumas informações para pais e profissionais de saúde e educação. Não vou me estender na qualidade artística, até porque não é minha função aqui, eu penso. No entanto, afianço que apesar da tensão que prende a assistência até a resolução do mistério, os episódios são longos e cansativos demais. A sensação final é de ser chantageado a aguentar a narrativa arrastada só para poder saber por qual razão o protagonista e bom-moço Clay Jensen foi incluído nas fitas de Hannah.

3- A razão principal pela qual eu escrevo estes parágrafos é para focar na questão crucial de uma peça de ficção construída sobre um suicídio adolescente. O suicídio está entre as principais causas de morte na adolescência, competindo com acidentes causados por veículos e, no caso de países como o Brasil, violência armada. Como um agente de formação no campo da Psiquiatria e da Saúde Mental, me vejo na obrigação de fazer alguns comentários – e, porque não, alguns alertas – sobre esta série.

4. Há sinais preocupantes de que as taxas de suicídios de jovens estão crescendo no mundo e no Brasil. O país, aliás, está na contramão das estatísticas no mundo: também os índices gerais estão subindo – e já o estavam antes da crise econômica – ao invés de cair. Há várias hipóteses sobre o que pode estar levando isso a acontecer, mas acho que o mais importante é frisar que nunca tivemos uma campanha nacional responsável de prevenção do suicídio – apesar do reconhecidamente importante papel do voluntariado do CVV-Centro de Valorização da Vida – e de haver documentação sobre formas de se fazer essa política pública de maneira eficiente.

5. Meu ponto principal neste texto não é estragar a série ou dar spoiller, e sim de que pais, educadores e adolescentes estejam cientes de que o programa tem o potencial de causar danos a pessoas que estão emocionalmente fragilizadas e que poderão, sim, ser influenciadas negativamente. Não é absurdo inclusive considerar que, para algumas pessoas, a série possa induzir ao suicídio. Portanto, pessoas em situações de risco deveriam ser desencorajadas a assistir a série. Não estou sozinho nisso, já há pelo menos um crítico no Brasil, o Pablo Villaça, que explicitamente está recomendando que não se assista ao seriado (https://goo.gl/Z2Op17).

6. O principal erro da série é, de longe, mostrar o suicídio de Hannah. A cena, que acontece no episódio final, é absolutamente desnecessária na narrativa e claramente contrária ao que apregoam os manuais que discutem prevenção de suicídio e mídia. Chega a ser absurdo que os autores da série ignorem completamente o que indicam explicitamente as recomendações da Sociedade Americana para Prevenção do Suicídio, que foram publicadas após a morte do ator Robin Williams (https://goo.gl/vAQkg6) e cheguem à cara de pau de tocar (não neste episódio) a música “Hey, Hey”, de Neil Young, que foi citada na carta suicida do músico Kurt Cobain (https://goo.gl/droI3I).

7. É verdade que as recomendações são em geral destinadas à imprensa, mas chega a ser absurdo que os realizadores de uma produção sobre o tema não tenham se informado sobre os impactos do que é conhecido como ‘efeito Werther’ – cujo nome vem de uma obra de arte e não de uma ação de imprensa. O efeito é baseado no suposto impacto de Os Sofrimentos do Jovem Werther, livro do século XVIII que alçou Goethe à fama (https://goo.gl/2h4N8U).

8. Embora o aumento de suicídios na Alemanha atribuídos ao livro jamais possa ser objetivamente medido, há já um consenso entre suicidologistas de que o fenômeno sofre contágio pela mídia e de que há maneiras pelas quais ele não deva ser retratado. Uma delas, e na qual a série fracassa desgraçadamente, é em não romantizar ou embelezar um suicídio. Evitar a divulgação de cartas suicidas é outro ponto – e é desnecessário dizer que a série toda é uma enorme carta suicida, que embora ficcional, é ouvida pela voz da protagonista, a narradora póstuma da história.

9. Outro problema sério da história, especialmente para os sobreviventes (esse é o termo utilizado para os parentes e entes queridos de quem se suicida), é a ideia da culpabilização do suicídio. Grande parte da tensão da série gira em torno de quem é a “culpa” pelo suicídio de Hannah: ela, seus amigos, a escola (que é processada pelos pais da menina), a sociedade. Os especialistas entendem que a busca por culpados é dolorosa e improdutiva. O suicídio é, na sua imensa maioria das vezes, um ato complexo, desesperado e ambíguo, e achar que ele possa ter responsabilidade atribuível é equivaler sua narrativa à de um crime. Embora isso seja compreensível em uma peça de ficção, isso é muito deletério na discussão do tema no mundo real, onde ele de fato os suicídios acontecem.

10. Dois fatos chamam a atenção ainda, como erros essenciais da produção. Um é não tocar a questão do adoecimento mental, uma vez que a maioria das pessoas que se suicidam apresentam transtornos mentais. O suicídio de Hannah é discutido – como sói frequentemente aos americanos, um povo obcecado pela pretensa liberdade de escolha – como uma “opção”, esquecendo que na grande maioria das vezes a pessoa está aprisionada por um cenário falseado de opções causado pelo seu estado mental. O outro fato é a impressão passada pela narrativa – em especial no último episódio – de que buscar por ajuda é inefetivo, quando isso pode ser a diferença, literalmente, entre a vida e a morte.

11. Ainda sobre pedir ajuda, a divulgação da série pretende vender a ideia de conscientização – contando, no Brasil, inclusive com o apoio do CVV. Durante todos os 13 episódios que assisti no Netflix, no entanto, não há qualquer sinal, indicação ou legenda que aponte a hotline do CVV no Brasil (141) ou o seu site (http://www.cvv.org.br) para pessoas que necessitem de apoio e estejam assistindo a história. Após o fim da trama há um extra, meio documentário, meio making of que fala sobre prevenção de suicídio, mas seria necessário, no mínimo, divulgar meios de socorro no início e no fim de cada episódio.

12. Nunca é demais lembrar que indagar uma pessoa sobre seu risco de suicídio não aumenta a chance dele acontecer e pode ser a atitude salvadora em diversos casos. Isso é particularmente importante para profissionais de saúde e de educação, que têm muito medo de fazer essa pergunta. Na maioria das vezes, para um potencial suicida, essa pode ser a oportunidade de compartilhar seu desespero e abrir a chance para uma ajuda efetiva.

13. Concluindo, a premissa de “13 Reasons Why” é excelente: discutir a crueldade cotidiana dos jovens (que me parece ser a mesma crueldade dos humanos, embora em uma fase particularmente frágil da vida) e como ela pode nos afetar de forma devastadora, em alguns casos. No entanto, infelizmente, por negligência ou por pura arrogância, a série acaba fazendo provavelmente um desserviço maior do que sua beneficência. A oportunidade perdida de se discutir suicídio de uma forma cuidadosa se perdeu em meio ao hype, infelizmente.

Parágrafo adicional motivado por alguns comentários (considerem como a 14ª gravação, rs): 14. Gostaria de frisar que não defendo de maneira alguma a censura ou a proibição da série, e muito menos que se evite o debate das questões seríssimas do bullying, da violência de gênero e do estupro. A questão é de, sem querer ofender quem amou a série, refletirmos juntos se alguns cuidados poderiam ser tomados para evitar o prejuízo a pessoas fragilizadas. Elas são a minoria da população, mas o impacto já foi medido e mais de um estudo sobre o efeito Werther. A pergunta aqui é: será que o meu entretenimento vale a vida de alguém? Será que ao recusar ao olhar os vacilos da produção da série eu não estarei contribuindo de alguma forma para o suicídio de alguma Hannah da vida real? Grato a todo mundo pelo interesse.

Captura-de-Tela-2017-01-25-às-15.50.34

Quando li o livro, pela primeira vez estava viajando. Tinha decidido passar um mês fora e li por pura diversão. Agora que tive a chance de assistir ao seriado, fiquei com medo de como as pessoas, especialmente as que estão fragilizadas, vão entendê-lo. A primeira ideia é super bem vinda: vamos falar sobre suicídio! Algo extremamente necessário atualmente. Mas, à medida que fui assistindo à série, minha preocupação foi aumentando.

Aí vem os Spoilers, muitos spoilers! Se você não assistiu, não leia o que escrevi.
Primeiro vem a questão das fitas.

Cada fita é um motivo pelo qual Hannah decidiu se matar e está relacionada a diferentes pessoas. Entendi que as fitas foram gravadas como uma forma de se vingar contra as pessoas que a tinham feito mal. A ideia é: vou me matar, mas vou levar todos comigo.Ai vem o questionamento: até onde somos responsáveis pelo suicídio de alguém? Essa questão de encontrar culpados me preocupa, até porque vejo essa questão quase todos os dias no consultório, especialmente por quem está passando por situação parecida. 

Não à toa que um dos personagens também tenta suicídio e outro tem um baú cheio de armas de grande porte e, logo depois, começa a ver fotos de alunos como se fossem possíveis alvos para uma chacina.

Não podemos negar que o seriado levanta questões importantes sobre bullying, assédio moral e sexual, machismo, relação da escola com os alunos e dos pais com os filhos. Mostra como estas relações estão cada vez mais distantes e como cada vez mais aumenta o desrespeito entre as pessoas. 

Também ouvi várias pessoas falando sobre o aumento de ligações para o CVV. Em primeiro lugar, é claro que as ligações aumentariam: este é o efeito esperado de uma campanha de divulgação. Em segundo lugar, as ligações comprovam também que “Os 13 Porquês” tem um imenso potencial para disparar gatilhos. Gatilhos esses perigosos e que podem levar ao suicídio.

Ao encenar com detalhes o suicídio de Hannah, a série vai de encontro as várias as recomendações feitas pela própria Organização Mundial da Saúde (OMS) quanto à forma com que o suicídio deve ser tratado pela mídia. Aliás, duvido que eles tenham lido algo sobre como a OMS recomenda tratar questões relacionadas ao suicídio.

Quem está em depressão grave, pode confirmar na série que a única saída é mesmo o suicídio. Hannah em nenhum momento procura ajuda de verdade. De certa forma ela quer que as pessoas cheguem até ela para salvá-la, o que na maioria das vezes é impossível, pois não sabemos o que se passa dentro da cabeça do outro. Ela tenta falar com colegas que não a aceitam ou que já fizeram mal a ela, como conselheiro da escola que não tem formação profissional e a conversa com seus pais é extremamente superficial. O final é extremamente simbólico quando ela fala: “Eu não me importo mais, e vocês não se importaram o suficiente”. Novamente, a questão da culpa.

Ficaria muito mais tranquila se o seriado mostrasse que há, sim, saídas ao invés do suicídio. Sim, há angústias, maldades, mas que podem ser superadas. Locais onde a personagem poderia procurar ajuda de psicólogos, psiquiatras, grupos de apoio, igreja, etc., ao invés de mostrar o suicídio de Hannah de forma bem gráfica. 

No final, para mim, a intenção do seriado não vingou. Em vez de dar esperança às pessoas que estão com a vida por um fio, ele mostra que o melhor a fazer é arrumar culpados e depois se matar. A ideação suicida já é, por si só nociva. Reforçá-las com narrativas irresponsáveis é algo não só desaconselhável, mas também perigoso.

Resumindo: se você está bem psicologicamente, assista a série. Mas se você está mal, com depressão grave e ideação suicida, não assista e procure ajuda profissional.

Autora: Luiza Braga (CRP 11/04767)
Psicóloga. Possui especialização em Psicologia da Saúde pela PUC/SP e Mestrado em Psicologia Clínica pela PUC/SP. 

untitled

Uma análise do período compreendido entre 1998 e 2010 apontou que mais de 30 mil pessoas se suicidaram no Japão em cada ano desse intervalo, taxa que, aproximadamente, continua se aplicando até o presente. Cerca de 20% dos suicídios se devem a motivos econômicos e 60% a motivos relacionados com a saúde física e a depressão, conforme recente pesquisa do governo.

O assunto é abordado pelo bispo japonês dom Isao Kikuchi em artigo divulgado pela agência Asia News. Ele observa que o drama se tornou mais visível a partir de 1998, “quando diversos bancos japoneses se declararam falidos, a economia do país entrou em recessão e o tradicional ‘sistema de emprego definitivo’ começou a colapsar”.

Durante os 12 anos seguintes, uma média superior a 30 mil pessoas por ano tirou a própria vida num país rico e avançado. O número, alarmante, é cinco vezes maior que o de mortes provocadas anualmente por acidentes nas rodovias.

Riqueza, tecnologia e… vazio na alma

Rodeados por riquezas materiais de todo tipo, os japoneses têm tido graves dificuldades em encontrar esperança no próprio futuro: perderam esperança para continuar vivendo, avalia o bispo.

Paradoxo: após histórica tragédia nacional, suicídios diminuíram

Um sinal de mudança, embora pequeno, foi registrado por ocasião do trágico terremoto seguido de tsunami que causou enorme destruição em áreas do Japão no mês de março de 2011: a partir daquele desastre, que despertou grande solidariedade e união no país, o número de suicídios, de modo aparentemente paradoxal, começou a diminuir. Em 2010 tinham sido 31.690. Em 2011, foram 30.651. Em 2012, 27.858. Em 2013, 27.283. A razão da diminuição não é clara, mas estima-se que uma das causas esteja ligada à reflexão sobre o sentido da vida que se percebeu entre os japoneses depois daquela colossal calamidade.

Motivos para o suicídio

Dom Isao recorda a recente pesquisa do governo que atrela 20% dos suicídios a motivos econômicos, enquanto atribui 60% a fatores de saúde física e depressão. Para o bispo, os estopins do suicídio são complexos demais para se apontar uma causa geral. No entanto, ele considera razoável e verificável afirmar que uma das razões do fenômeno é a falta de sentido espiritual na vida cotidiana dos japoneses.

O prelado observa que a abundância de riquezas materiais e o acesso aos frutos de um desenvolvimento tecnológico extraordinário são insuficientes para levar ao enriquecimento da alma. A sociedade japonesa focou no desenvolvimento material e relegou a espiritualidade e a religiosidade a um plano periférico da vida cotidiana, levando as pessoas a se isolarem e se sentirem vazias, sem significado existencial. E é sabido que o isolamento e o vazio de alma estão entre as principais causas do desespero que, no extremo, leva a dar fim à própria vida.

A ação da Igreja católica

A Igreja católica vem encarando esta questão há muito tempo no Japão.

Em 2001, o episcopado nacional dedicou uma campanha específica a esse tema, por meio da mensagem “Reverência pela vida”. Uma nova versão da mesma mensagem está sendo divulgada desde janeiro de 2017, com a abordagem direta do problema do suicídio e um apelo à população para prestar especial atenção ao isolamento das pessoas.

___________

Com informações da edição em espanhol da agência Gaudium Press

alimentos-para-depressão-nutricionista-em-sp-nutrição-joyce-rouvier-1

 

É terça-feira. Laura, 16 anos, chegou da escola. Seus pais estão trabalhando. Pulou o almoço e se trancou no quarto. Na internet, ela questiona se vale a pena continuar vivendo, mas ninguém se importa. A cena se repete com frequência, até que ela desiste de viver.

Laura é uma personagem fictícia, mas cenas como as citadas acima estão presentes no cotidiano de milhares de pessoas que tiram a própria vida todos os anos. Segundo dados da Secretaria Estadual da Saúde do RS (SES), três pessoas cometem suicídio a cada 24 horas no Rio Grande do Sul. Mais de mil por ano. Entre adolescentes de 15 a 19 anos, a morte autoprovocada aumentou 30% nos últimos e já é a segunda principal causa de óbito. No entanto, 90% dos casos poderiam ser evitados, é o que alerta a coordenadora da Residência Médica do Hospital Psiquiátrico São Pedro(HPSP), Roberta Rossi Grudtener.

Roberta salienta que o suicídio não tem uma única causa, mas muitos fatores. Ela afirma que o aumento dos casos tem a ver com o mundo estar mais competitivo, com mudanças no estilo de vida, com o surgimento do cyberbullying – principalmente na adolescência -, mas também está relacionado à falta de prevenção, especialmente de transtornos psicológicos.

Um dos caminhos para a prevenção seria justamente parar de tratar o tema como tabu e buscar a desestigmatização de pessoas sob risco de cometer suicídio.

Sinais de alerta

Em estudo recente sobre casos de suicídio por intoxicação no Estado, percebeu-se que, num período de 10 anos, o pico de incidência de tentativas de suicídios por intoxicação por adolescentes ocorria nas terças-feiras, das 19h às 21h. Não houve nenhum caso registrado no Dia da Criança e o segundo dia com menos ocorrências foi o Natal. Já entre os adultos, a maioria dos casos ocorria no final de semana. Por quê? “A criança e o adolescente tendem a ficar mais sozinhos durante a semana. Familiares estão trabalhando. Ela vai para o colégio, depois fica a tarde inteira sozinha. A noite dá o pico de desespero”, diz Roberta. “Entre os adultos, o pico ocorre no final de semana, porque durante a semana ele está trabalhando, onde pelo menos tem contato com outras pessoas”.

A coordenadora do HPSP alerta que é totalmente possível prevenir que suicídios ocorram, começando pelo simples fato de prestar mais atenção em mudanças comportamentais. “O adolescente tinha uma rotina. Ele muda essa rotina. Por exemplo, fazia uma atividade que gostava, tinha amigos que gostava. Daqui a pouco o pai e a mãe percebem que ele deixou de fazer atividades que gostava, deixou de ver alguns programas de TV, passou a ficar mais isolado no quarto. O olhar dele é diferente. Passou a comentar menos. Pergunta alguma coisa e ele não quer responder. Tem alguma coisa de rebeldia que é normal, mas os pais sabem a diferença entre o adolescente que está rebelde e o adolescente que está indiferente. É uma mudança sutil de comportamento”, diz a médica, salientando também que é preciso ficar atento a mudanças de padrão de alimentação, como deixar de comer ou aumentar muito a quantidade de comida ingerida, e piora nas notas escolares.

Outro sinal importante a ficar atento são frases de alerta, tais como: “A vida não vale mais a pena”, “Por que eu estou vivo?”, “Não queria estar vivo”, “Eu quero morrer”. “Não é normal um adolescente querer morrer”, afirma Roberta. “Quando alguém diz ‘eu não quero mais viver’, ele não está falando de opções em que ele mesmo teria condições de decidir. Não, isso é um sintoma. Noventa por cento dos casos de suicídios são atrelados a transtornos mentais, doenças – especialmente transtornos de humor e depressão – e uso e abuso de substâncias”.

A literatura médica salienta que a grande maioria dos casos de suicídio são precedidos por estes sinais de alerta e também por tentativas. Estima-se que, para cada caso de suicídio infantil, ocorram 300 tentativas. “Geralmente, as pessoas, um mês antes de virem a cometer suicídio, verbalizam essas frases de alerta”, explica Roberta.

A médica diz que os especialistas consideram que nove entre dez casos de suicídio poderiam ser evitados e que isso começaria por uma mudança de cultura em que, por exemplo, as frases de alerta passassem a ser tratadas como sintomas. “Jamais diga ‘isso é bobagem’, porque uma pessoa que diz essas frases está apresentando um sintoma”, afirma.

Ela faz ainda uma comparação entre os sintomas de risco de suicídio com o de doenças cardíacas, por exemplo. “Quando a gente pensa em infarto de miocárdio, o que a gente pensa de sintomas? Dor no peito. Suicídio? ‘Eu quero morrer’, ‘A vida não vale mais a pena’, isso aí são sintomas graves. É um sintoma, não é bobagem. De alguma forma essa pessoa está dizendo: ‘Por favor, socorro. Eu estou em intenso sofrimento’”.

Ela salienta que estes casos devem, inclusive, ser tratados como urgência ou até emergência pelas unidades de saúde. Urgência seria ela estar falando sobre isso. Emergência seria: ‘Eu vou me matar’.” Essa pessoa não pode ficar mais nenhum minuto sozinha até ela ser avaliada por uma equipe de saúde, por um médico psiquiatra, até ser vista qual é a melhor coisa a ser feita”, diz a médica. “Se chegar um baleado no posto de saúde, o que acontece? Para tudo e vai se atender o baleado. É a mesma coisa se chegar alguém que foi levar o seu bebezinho para fazer vacina e disser na sala de espera: ‘Ah, a vida não vale mais a pena’”, complementa.

Como prevenir

A médica diz que é importante a procura por atendimento especializado de forma espontânea, mas também é necessário que pessoas próximas, sejam familiares, responsáveis ou amigos, encaminhem pessoas com transtornos mentais para um tratamento. Ela salienta que o governo está capacitando os profissionais da rede básica de saúde para também estarem preparados para acolher estas pessoas, começando por uma escuta preparada.

Além da busca de tratamento médico, Roberta salienta que a prevenção a casos de suicídio começa, muitas vezes, com uma boa conversa. “No momento que se observa no adolescente uma mudança de comportamento, a melhor coisa que o pai, a mãe ou os responsáveis podem fazer é sentar e conversar com esse adolescente. ‘Vamos conversar aqui um pouquinho, cara. Me diz como tu tá se sentindo?’ Se vier esses sinais de alerta, vamos buscar ajuda, então’”.

Mas ela acrescenta que a prevenção também passa por campanhas permanentes. Um exemplo é o Setembro Amarelo, campanha promovida pela Organização Mundial da Saúde (OMS) desde 2006 e replicada no Estado.

No caso de crianças e adolescentes, ela salienta que as escolas tem papel fundamental através da realização de ações de defesa da vida. “Ações que vão promover a paz, promover o respeito das diferenças, promover o que cada criança tem de especial. Isso previne suicídios”, diz a médica.

“No momento que a gente previne bullying, que é um fator de risco, a gente está prevenindo, em última análise, a depressão, a busca por soluções mágicas, que é o uso de substâncias. Através de um ambiente mais saudável podemos promover a vida”.

Fonte: Sul21

150704011827_japao_executivo

No ano passado, no Japão, mais de 25 mil pessoas cometeram suicídio. Isso dá uma média de 70 por dia. A maioria delas, homens.

Estes números não representam a maior taxa de suicídio entre países desenvolvidos – o título ainda cabe à Coreia do Sul, com uma média anual de 28,9 suicídios por 100 mil habitantes. Mas estão muito acima de outras nações ricas.

O índice japonês de 18,5 suicídios para cada 100 mil habitantes é, por exemplo, três vezes o registrado no Reino Unido (6,2) e 50% acima da taxa dos Estados Unidos (12,1), da Áustria (11,5) e da França (12,3).

O assunto voltou a ter destaque com a auto-imolação de um homem de 71 anos em um trem bala na última terça-feira.

O que fez um pacato idoso a se matar desta forma em um vagão lotado?

Conforme ele derramava o líquido inflamável sobre si mesmo, teria se afastado de outros passageiros, segundo testemunhas, para não colocá-las em perigo. Algumas disseram que ele tinha lágrimas nos olhos ao fazer isso.

Agora, conforme seu passado começa a ser investigado pela mídia japonesa, surgem sinais de se tratar de um homem no limite. Ele vivia sozinho e não tinha emprego. Passava os dias coletando latas de alumínio para vendê-las para reciclagem.

Vizinhos disseram a repórteres que o ouviram quebrar uma janela ao se trancar do lado de fora de seu apartamento dilapidado.

Outros afirmaram raramente tê-lo visto fora de casa, mas ouviam com frequência a televisão ligada. Pobre, de idade avançada e sozinho. É um caso bastante familiar.

“O isolamento é o fator número um que antecede a depressão e o suicídio”, diz o psicólogo Wataru Nishida, da Universidade Temple, em Tóquio.

“Hoje em dia, são cada vez mais comuns histórias de idosos que morrem sozinhos em seus apartamentos. Eles estão sendo negligenciados. Os filhos costumavam cuidar de seus pais no Japão, mas isso não ocorre mais.”

‘Suicídio em nome da honra’

Muitas pessoas costumam citar uma antiga tradição de “suicídio em nome da honra” para a alta taxa do país.

Elas citam, por exemplo, a prática samurai de cometer “seppuku” e dos jovens pilotos “kamikazes” de 1945 para explicar por que razões culturais tornam os japoneses mais propensos a tirar suas próprias vidas.

De certa forma, Nishida concorda com este ponto de vista: “O Japão não tem história de Cristianismo. Então, o suicídio não é um pecado. Na verdade, alguns encaram como uma forma de assumir responsabilidade por alguma coisa”.

Ken Joseph, que trabalha no serviço de ajuda a suicidas do país, concorda. Ele diz que sua experiência ao longo dos últimos 40 anos mostra que idosos que têm problemas financeiros podem ver o suicídio como uma saída para esta situação.

“Os seguros de vida no Japão são muito ambíguos quanto ao pagamento por suicídio. Então, quando uma pessoa se mata, o seguro costuma ser pago”, afirma Joseph.

“Os idosos vivem sob uma pressão intolerável e acreditam que o melhor que podem fazer é tirar suas vidas para sustentar sua família.”

Pressão financeira

Por causa disso, alguns especialistas acreditam que a taxa de suicídios no Japão é na verdade muito mais alta do que os registros mostram.

Muitos casos de idosos que morrem sozinhos nunca chegam a ser completamente investigados pela polícia. De acordo com Joseph, a prática quase universal no país de cremar os corpos também significa que qualquer evidência de um suicídio é rapidamente destruída.

Mas não são apenas os idosos homens com problemas financeiros que estão tirando suas vidas. O índice vem crescendo rapidamente entre homens jovens, fazendo com que o suicídio seja a principal causa de morte entre os homens japoneses com idades entre 20 e 40 anos.

E as evidências apontam que estes jovens estão se matando porque perderam completamente a esperança e são incapazes de pedir ajuda.

Os números começaram a crescer após a crise financeira asiática de 1998 e aumentaram novamente após a crise financeira mundial de 2008.

Especialistas acreditam que estes aumentos estão ligados a um crescimento das “condições precárias de emprego”, em que jovens são contratados por curtos períodos de tempo.

O Japão já foi a terra do emprego vitalício, mas, enquanto muitas das pessoas mais velhas ainda desfrutam de estabilidade e benefícios generosos, quase 40% dos jovens japoneses não conseguem encontrar empregos estáveis.

A ansiedade causada por problemas financeiros e a instabilidade no trabalho é reforçada pela cultura japonesa de não reclamar. “Não há muitas formas de expressar raiva ou frustração no Japão”, diz Nishida.

“Esta é uma sociedade muito orientada por regras. Jovens são moldados para se encaixar em nichos existentes. Não há como alguém expressar seus sentimentos vendadeiros. Se são pressionados por seu chefe ou se deprimem, alguns acham que a única saída é morrer.”

Isolamento tecnológico

A tecnologia pode estar piorando esta situação, ao aumentar o isolamento dos jovens. O Japão é famoso por uma condição conhecida como “hikkimori”, um tipo de isolamento social grave.

O jovem nesta situação pode se fechar completamente ao mundo, permanecendo em um quarto por meses ou mesmo anos. A maioria deles são homens.

Mas esta é apenas a forma mais extrema de uma atual perda generalizada de socialização cara a cara. Uma pesquisa recente sobre o comportamento dos jovens em relacionamentos e sexo trouxe resultados impressionantes.

Publicada em janeiro pela Associação de Planejamento Familiar do Japão, o estudo indicou que 20% dos homens com idades entre 25 e 29 anos tinham pouco ou nenhum interesse em relações sexuais. Nishida aponta para a internet e a influência da pornografia online sobre isso.

“Os jovens japoneses têm muito conhecimento, mas pouca experiência de vida. Não sabem como expressar suas emoções”, afirma Nishida.

“Eles esqueceram como é tocar uma pessoa. Quando pensam sobre sexo, podem ficar ansiosos e sem saber como lidar com isso.”

E, quando jovens se encontram isolados e deprimidos, eles têm poucos lugares aos quais recorrer. Doenças mentais são um tabu no país, e a depressão é geralmente pouco compreendida. Quem sofre deste problema, normalmente tem medo de falar sobre o assunto.

Sistema de saúde ruim
O sistema de saúde para doenças mentais também é ruim. Faltam psiquiatras, e não há qualquer tradição destes profissionais trabalharem junto com psicólogos.

Pessoas com problemas mentais podem receber prescrições de medicamentos psicotrópicos fortes, mas, com frequência, isso não vem acompanhado de um acompanhamento psicológico.

O próprio mercado de psicologia do Japão é uma bagunça. Ao contrário de outros países, não há um sistema de ensino estabelecido pelo governo nem para qualificação profissional de psicólogos clínicos.

Qualquer um pode ser apresentar como tal, e é muito difícil saber se quem presta este tipo de serviço sabe o que está fazendo.

Não é um bom cenário, ainda mais porque, apesar da taxa de suicídio ter começado a declinar nos últimos três anos, ela ainda é muito alta.

Nishida diz que o Japão agora começa a debater mais sobre doenças mentais e não tratar isso como algo assustador e estranho que afeta apenas a alguns poucos. Mas o especialista acredita que ainda há um longo caminho a ser percorrido.

“Quando há uma discussão na TV sobre problemas mentais no Japão, eles ainda falam como se depressão fosse sinônimo de suicídio. Isso precisa mudar.”

Fonte: BBC Brasil

7cd219165be321505d2637fcfb3b15f9

O caso de Brittany Maynard, que se suicidou no dia 1º de novembro porque tinha câncer terminal e cujo drama está sendo usado para promover a eutanásia, despertou a reflexão sobre o destino das pessoas que acabam com a própria vida.

O Catecismo da Igreja Católica assinala que o suicídio é um ato grave e no numeral 2283 indica claramente que “não se deve desesperar da salvação eterna das pessoas que se suicidaram. Deus pode, por caminhos que só Ele conhece, oferecer-lhes a ocasião de um arrependimento salutar. A Igreja ora pelas pessoas que atentaram contra a própria vida”.

O Pe. Guillermo Leguía, professor de teologia moral da Faculdade de Teologia Pontifícia e Civil de Lima (Peru) explica que não é correto dizer que a pessoa que se suicida vai para o inferno.

Em declarações ao Grupo ACI, o sacerdote peruano indica que “sim é correto dizer que o ato de suicidar-se é um ato que está mal, mas ninguém pode fazer um julgamento sobre os elementos que ocorrem no coração da pessoa que fazem com que esse ato que está mal seja plenamente imputável”.

“Ninguém pode conhecer ou saber se a pessoa que se suicida vai para o inferno. Além disso, a Igreja não ensina isso”, precisa.

Para Dom Fernando Chomali, Arcebispo de Concepção (Chile), perito em bioética e membro da Pontifícia Academia para a Vida, no caso de um suicida é necessário considerar os aspectos psicológicos e psiquiátricos, assim como o fato de que para todas as pessoas “a misericórdia de Deus é muito grande”.

“Penso que há pessoas que chegam a um alto nível de desespero pela doença; e pode ser que a eutanásia ou o homicídio terminem sendo uma ‘resposta’ à grande solidão que essa pessoa sente”, comenta ao Grupo ACI.

O Pe. Leguía disse também sobre este caso que “é importante distinguir entre o ato que a Igreja ensina que está errado (suicídio) e o pecador a quem a Igreja sempre ama com um coração infinito e com uma misericórdia infinita. E bom, saber que às vezes há um conjunto de atos que embora estejam mal não são plenamente imputáveis ao ator”.

O sacerdote disse também que Brittany Maynard esteve “condicionada e saturada pela experiência da dor, da angústia, que é uma tragédia. Esta mulher sucumbiu ante um mar de tribulações e de emoções mal dirigidas que indubitavelmente diminuem a responsabilidade e a liberdade”. Entretanto, acrescentou, “isso não significa que o ato não seja um ato livre, mas podem haver atenuantes para a sua plena atribuição e responsabilidade”.

De outro lado, Dom Fernando Chomali, que publicou no dia 5 de novembro uma carta pastoral sobre a eutanásia que em países como o Chile o governo pretende aprovar, disse que é importante pensar “seriamente o que pode significar uma sociedade onde cada um possa dispor de seu corpo como se fosse uma propriedade pessoal. A verdade é que o corpo não nos pertence já que tem, ademais, uma dimensão social e é obvio outra sagrada que é preciso considerar”.

Depois de afirmar que diante de casos como o de Brittany é importante o “apoio espiritual, humano e psicológico” para que as pessoas não se suicidem, o prelado afirmou que “a sociedade empreende um caminho perigoso ao ser permissiva com a eutanásia”.

“A Igreja Católica diz não à eutanásia e ao encarniçamento terapêutico, e diz sim aos cuidados paliativos; e, sobretudo, sim a muito amor e muito acompanhamento”, concluiu.

suicidio

Novo relatório divulgado pela Organização Mundial de Saúde, a OMS, chama a atenção de governos para o suicídio, considerado “um grande problema de saúde pública” que não é tratado e prevenido de maneira eficaz.

Segundo o estudo, 804 mil pessoas cometem suicídio todos os anos – taxa de 11,4 mortes para cada grupo de 100 mil habitantes. De acordo com a agência das Nações Unidas, 75% dos casos envolvem pessoas de países onde a renda é considerada baixa ou média.

O Brasil é o oitavo país em número de suicídios. Em 2012, foram registradas 11.821 mortes, sendo 9.198 homens e 2.623 mulheres (taxa de 6,0 para cada grupo de 100 mil habitantes). Entre 2000 e 2012, houve um aumento de 10,4% na quantidade de mortes – alta de 17,8% entre mulheres e 8,2% entre os homens. O país com mais mortes é a Índia (258 mil óbitos), seguido de China (120,7 mil), Estados Unidos (43 mil), Rússia (31 mil), Japão (29 mil), Coreia do Sul (17 mil) e Paquistão (13 mil).

O levantamento diz ainda que a cada 40 segundos uma pessoa comete suicídio e apenas 28 países do mundo possuem planos estratégicos de prevenção. A mortalidade de pessoas com idade entre 70 anos ou mais é maior, de acordo com a pesquisa.

Dificuldades

Para a OMS, o tabu em torno deste tipo de morte impede que famílias e governos abordem a questão abertamente e de forma eficaz. “Aumentar a conscientização e quebrar o tabu é uma das chaves para alguns países progredirem na luta contra esse tipo de morte”, diz o relatório.

O estudo da OMS aponta que os homens cometem mais suicídio que as mulheres. Nos países ricos, a taxa de mortalidade de pessoas do sexo masculino é três vezes maior que a de óbitos envolvendo o sexo feminio.

Sobre as causas, o relatório afirma que em países desenvolvidos a prática tem relação com desordens mentais provocadas especialmente por abuso de álcool e depressão. Já nos países mais pobres, as principais causas das mortes são a pressão e o estresse por problemas socioeconômicos.

Muitos casos envolvem ainda pessoas que tentam superar traumas vividos durante conflitos bélicos, desastres naturais, violência física ou mental, abuso ou isolamento.

Resposta nacional

De acordo com a OMS, uma maneira de dar uma resposta nacional a este tipo de morte é estabelecer uma estratégia de prevenção, como a restrição de acesso a meios utilizados para o suicídio (armas de fogo, pesticidas e medicamentos), redução do estigma e conscientização do público. Também é preciso fomentar a capacitação de profissionais da saúde, educadores e forças de segurança, segundo o estudo.

Para a agência, os serviços de saúde têm que incorporar a prevenção como componente central. “Os transtornos mentais e consumo nocivo de álcool contribuem para mais casos em todo o mundo. A identificação precoce e eficaz são fundamentais para conseguir que as pessoas recebam a atenção que necessitam”.

Morte de Robin Williams

suicídio do ator Robin Williams, ocorrido há menos de um mês, reacendeu o debate sobre o tema. O histórico de depressão e de dependência de álcool, características apresentadas pelo ator Robin Williams, são dois importantes fatores de risco para o suicídio.

O ator de 63 anos morreu no dia 11, depois de se enforcar com um cinto, de acordo com a polícia local. Segundo a agente do ator, Mara Buxbaum, ele estava lutando contra uma depressão severa e já tinha sido internado várias vezes em clínicas de reabilitação por problemas com drogas e álcool. A última internação foi em julho.

Segundo o psiquiatra Geraldo Possendoro, professor convidado de Medicina Comportamental da Unifesp, em mais de 90% dos casos de suicídio, a pessoa já tinha alguma doença psiquiátrica. Ele acrescenta que não é incomum que pessoas com depressão e que não são tratadas adequadamente recorram a drogas e álcool para aliviar o sofrimento.

A psicóloga Karen Scavacini, cofundadora do Instituto Vita Alere de Prevenção e Posvenção do Suicídio, afirma que além dos sinais diretos que a pessoa emite quando tem a intenção de se matar – falar explicitamente que quer morrer, por exemplo – alguns sinais indiretos também podem ser percebidos.

“A pessoa começa a se despedir de parentes e amigos, pode apresentar muita irritabilidade, sentimento de culpa, choros frequentes. Também pode começar a colocar as coisas em ordem e ter uma aparente melhora de um quadro depressivo grave, de uma hora para outra. Muitas vezes, isso significa que já se decidiu pelo suicídio, por isso fica mais tranquila. É a falsa calmaria”, diz. Comportamentos de risco desnecessários podem ser observados nesse período.

Suicide enfant

Quase uma a cada cinco meninas adolescentes da França (20,9%) e 8,8% dos meninos de 15 anos confessaram que já tentaram se suicidar, conforme a conclusão de uma pesquisa publicada no jornal “Le Monde”.

O estudo foi publicado também pela revista de formação médica “Le Concours Médical”, edição de janeiro.

A pesquisa foi realizada em junho de 2012 com 1.817 jovens de 171 escolas das regiões de Poitou-Charentes (centro-oeste) e Alsácia (centro-leste).

A publicação do resultado da pesquisa coincidiu com o Dia Nacional para a Prevenção do Suicídio.

Segundo “Le Monde”, em 1993 só 9% das meninas e 4% dos meninos reconheciam que tentaram o suicídio. Em 1999, os tétricos números saltaram para 14,6 e 8,8%, respectivamente.

Agora se chegou a 20,9% e 8,8%. “O aumento das tentativas entre as jovens é muito impressionante”, declarou o clínico geral Philippe Binder, responsável por uma ala para adolescentes no hospital de Rochefort.

Para Xavier Pommereau, coordenador da edição de janeiro da “Le Concours Médical”, esses números confirmam a experiência hospitalar sobre o alto índice de admissão de adolescentes por tentativa de suicídio, e a diminuição da idade média que, em seus 20 anos de experiência, passou dos 17 aos atuais 15 anos.

O desfazimento da família, a frustração sentimental ligada a relações sexuais precozes, a imensa ausência da religião na vida, na escola e — também — nas igrejas, pesa decisivamente nessas desesperadas tentativas de se tirar a vida.

 Fonte: http://noticias.uol.com.br/ultimas-noticias/efe/2014/02/05/uma-a-cada-cinco-adolescentes-francesas-ja-tentou-se-matar-diz-estudo.htm

Folha de S. Paulo

Um milhão de pessoas se suicidam por ano no mundo, um número maior que o de vítimas de guerras e homicídios, segundo relatório da OMS (Organização Mundial de Saúde).

O documento do órgão da ONU foi elaborado para a décima edição do Dia Mundial de Prevenção de Suicídio, que aconteceu ontem.

As taxas de suicídio mais elevadas são a dos países do leste da Europa,(ex comunistas)  como Lituânia ou Rússia, enquanto as mais baixas se situam na América Central e do Sul, em países como Peru, México, Brasil e Colômbia.

EUA, Europa e Ásia estão na metade da escala. Não há estatísticas sobre o tema em muitos países africanos e do Sudeste Asiático.

Segundo o relatório, uma pessoa se suicida no mundo a cada 40 segundos. O número de tentativas de suicídio também é alto, com 20 milhões de tentativas por ano.

A organização diz ainda que o problema está se agravando e que o suicídio se transformou em um problema de saúde importante para a entidade.

Segundo o médico Shekhar Saxena, que apresentou o relatório à imprensa em Genebra, “o suicídio é uma das grandes causas de morte no mundo e, durante os últimos anos, sua taxa aumentou em 60% em alguns países”.

FACEBOOK

Uma nova estratégia nacional para prevenir suicídios nos EUA, especialmente entre os veteranos de guerra e jovens, recorre ao Facebook, a aplicativos de celular e a outras tecnologias.

O plano tem um novo serviço do Facebook, que permite que os usuários relatem comentários suicidas de seus amigos. O site então manda à vítima em potencial um e-mail pedindo que ela ligue para uma linha direta de apoio e ajuda e converse via chat com um conselheiro.

Folha

A procura por atendimento no CVV (Centro de Valorização da Vida) aumenta 20% durante as festas de fim de ano, de acordo com estimativas da entidade. O objetivo da instituição é atender gratuitamente pessoas que precisam de apoio emocional imediato.

Nesta época, a maior queixa das pessoas é a solidão de não ter com quem passar o Natal e o Ano-Novo, segundo a voluntária do CVV Adriana Rizzo, 41. Para ela, muitos sofrem ao ver que o mundo inteiro está em festa enquanto eles não conseguem aproveitar. “Quero que esta época passe logo para eu voltar à rotina” é um comentário feito por vários dos que ligam anonimamente à entidade em busca de ajuda.

A maior procura acontece durante a noite e aos finais de semana e o atendimento não é interrompido na véspera de Natal ou no Réveillon. Em muitos momentos, as linhas ficam congestionadas. A Folha tentou entrar em contato entre as 10h e 11h da manhã de quinta-feira (22) e por quatro vezes recebeu a informação de que todas as linhas estavam ocupadas. O mesmo fato se repetiu três vezes na noite de sábado (24).

Adriana, que é voluntária do CVV há 13 anos, conta que já foi escalada para passar uma noite de Natal atendendo ligações. Ela diz que foi gratificante passar o momento comemorativo trabalhando: “Foi interessante. Muitas pessoas ligavam para desabafar e outras que foram ajudadas por nós queriam agradecer e desejar feliz Ano-Novo”.

Para ela, não existe um conselho único para ser dado às pessoas que se sentem mal nesta época. O que ela costuma fazer é ficar aberta para ouvir tudo o que a pessoa quer e precisa falar. “O momento é dela”, diz.

As conversas não tem tempo predeterminado. A duração pode variar entre cinco minutos e uma hora, de acordo com a necessidade.

Anualmente o CVV recebe aproximadamente 1,2 milhões de ligações telefônicas, o principal canal de atendimento. Dentre elas, pouco mais da metade são pedidos de ajuda (excluindo enganos e procura por informações).

Como o anonimato é preservado, não é possivel identificar qual a faixa etária ou sexo predominante entre os que procuram o serviço.

SUICÍDIO

Desde 1962, quando a entidade foi criada, o foco do atendimento mudou. Inicialmente, o objetivo era a intervenção com pessoas que estavam prestes a se matar. Atualmente, a filosofia do grupo é dar oportunidade para que as pessoas precisando de ajuda possam desabafar e falar de seus sofrimentos antes de pensarem em suicídio.

Adriana já atendeu pessoas que falavam em suicídio. Segundo ela, após alguns minutos de conversa a pessoa costuma se acalmar. Nesse momento, cabe ao voluntário tentar entender qual o motivo do sofrimento. Mesmo assim, em muitos casos é impossível saber qual foi a decisão da pessoa e o que aconteceu depois.

Alessandro (nome fictício), 55, nunca conversou com alguém que dizia explicitamente estar disposto a se matar, apesar de algumas pessoas atendidas contarem que já tinham pensado nisso. Voluntário há um ano, ele conta que é comum que as pessoas digam que se sentem melhor ao final da ligação, após conseguir verbalizar seus problemas.

SERVIÇO

Os atendimentos do CVV são feitos 24 horas, a partir da central telefônica 141, por e-mail, Voip, por correspondência ou pessoalmente em uma das 71 unidades espalhadas pelo Brasil. O site também oferece um serviço de chat em que se pode conversar com um voluntário reservadamente.

Os atendentes são voluntários que passam por uma seleção e por um treinamento de três meses.

No final do mês passado, uma história causou comoção na Índia.

A menina Mumpy Sarkar, de 12 anos, fazia parte de uma família muito pobre de Jhorpara, na região de Bengala. Mridul, seu pai, precisava de um transplante de córneas pois estava ficando cego. Ao mesmo tempo, a família sofria com a doença de Monojit, irmão de Mumpy, que precisava de um transplante de rins para não morrer. Como a família não tinha condições de pagar pelas cirurgias e achar doadores compatíveis é sempre um desafio, o desespero tomou conta de todos.

Mumpy acreditou que tinha a solução para todos os problemas. Ela iria se matar e seus órgãos seriam doados para seus entes queridos. Porém, o bilhete suicida em que explicou seus motivos e o desejo de ajudar o pai e o irmão só foi encontrado após ela ser cremada, como é costume na Índia. Somente então Monica, irmã mais velha de Mumpy, contou que sabia do plano da caçula que tentou inclusive convencê-la a fazer o mesmo, caso algo desse errado. Mas Monica não aceitou.

Mumpy bebeu uma grande quantidade de pesticida sozinha e morreu mesmo depois de ter sido levada a um hospital da região. ”Demoramos muito para entender os sentimentos de uma criança muito sensível”, lamenta Mridul. Sua esposa, Rita, teve de ser internada após entrar em estado de choque com a notícia.

Ao saber do ocorrido, políticos locais se comprometeram a ajudar a família oferecendo auxílio médico.

http://www.dailymail.co.uk/news/article-2012186/Girl-ends-life-eyes-dad-kidney-brother-cremated-wish-known.html

Quarto para membros da Dignitas, organização de Zurique para suicídio acompanhado, em Zurique.
Quarto para membros da Dignitas, organização de Zurique para suicídio acompanhado, em Zurique.

Maioria dos eleitores no cantão de Zurique, Suíça, refuta nas urnas propostas de lei que restringiriam a prática do suicídio acompanhado.

Segundo a imprensa helvética, o resultado mostra que a maioria do povo aprova a política “liberal” em relação à eutanásia.

A iniciativa popular “Não ao turismo da morte no cantão de Zurique”, votada juntamente com vários outros plebiscitos locais, foi refutada nas urnas por 218.602 eleitores, o que corresponde a 78,4% do eleitorado.

Nessa proposta, os autores pediam a proibição completa da prática do suicídio acompanhado para as pessoas que não vivem há pelo menos um ano no cantão de Zurique. Se aprovada, muitos estrangeiros e suíços residentes em outros cantões, e que costumam procurar os serviços de organizações como Exit ou Dignitas, estariam impedidos de vir ao cantão para tirar suas vidas através de coquetéis químicos especialmente preparados.

A rejeição da segunda iniciativa, intitulada “Pare com a ajuda ao suicídio” foi ainda maior nas urnas: 234.956 eleitores riscaram “não” na cédula, o que correspondeu a 84,4% do eleitorado. Ela exigia a intervenção do cantão no Parlamento federal em prol de uma proibição total do suicídio acompanhado em todo o país.

As duas iniciativas foram autoria dos partidos EDU (em português, União Democrática Federal) e EVP (Partido Evangélico Popular).

Repercussão na imprensa

O resultado dos plebiscitos em Zurique teve repercussão na imprensa nacional e internacional. No diário germanófono NZZ, o articulista avalia que o eleitorado “deu um sinal claro para a manutenção da prática liberal de lidar com o suicídio assistido” e considera que “os meios das igrejas livres, fracassaram claramente na sua proposta”.

O NZZ lembra que, há 34 anos, os eleitores do cantão de Zurique já haviam aprovado uma iniciativa que permitia a ajuda ativa ao suicídio para pessoas gravemente enfermas.

Para o articulista, não estava claro que o cantão enviaria esse sinal ao governo federal. “Pois a ajuda organizada ao suicídio se transformou nos últimos anos em um constante tema polêmico. A razão está na organização Dignitas, que fornece ajuda ao suicídio para pessoas, cujos países proíbem esse tipo de prática”.

A análise do conceituado jornal zuriquense é que “o veredito popular espelha o reconhecimento amplo do direito de autodeterminação do indivíduo.

A BBC Brasil também publicou uma nota sobre os resultados do voto cantonal, ressaltando também que o debate não termina no plebiscito de 15/05. “As pesquisas indicam que os eleitores querem uma legislação nacional mais clara, estabelecendo os casos nos quais a prática é permitida – apenas para os doentes terminais ou também para aqueles com outras doenças crônicas ou até mesmo mentais. Também há um grande desejo de que o governo estabeleça regras sobre as organizações que oferecem o suicídio assistido”, escreve. O portal afirma que o governo suíço deve propor uma nova lei sobre o tema nos próximos meses.

Reações

Bernhard Sutter, vice-presidente da organização Exit, declarou à agência suíça de notícias SDA estar satisfeito com os resultados. “Isso mostra que os fundamentalistas religiosos não teriam sucesso. Foi bom ver que os cidadãos de Zurique fundamentalmente apoiam a ajuda ao suicídio.”

Já no diário Tagesanzeiger, um dos autores da proposta não escondeu sua insatisfação. “Estamos decepcionados com o fato dos zuriquenses não terem apoiado os valores da Bíblia e a palavra de Deus”, declarou Hans Peter Häring, do partido EDU. Porém ele considerou correta a tentativa. “Foi válido ter tematizado a problemática da ajuda ao suicídio”.

Alexander Thoele, swissinfo