A província de Ontário (CAN) aprovou a Lei n.° 89, também conhecida como Lei de Apoio às Crianças, Jovens e Famílias de 2017, cuja aprovação teve a margem de 63 votos favoráveis à legislação e 23 contra.

“A nova lei estipula que o serviço social infantil e os juízes da família tomem em consideração a ‘raça, ascendência, local de origem, cor, origem étnica, cidadania, diversidade familiar, deficiência, credo, sexo, orientação sexual, identidade de gênero e expressão de gênero’ ao determinar se uma criança permanecerá ou não com seus pais ou famílias de acolhimento (grifo nosso)”, escreveu o The Blaze.

Michael Couteau, Ministro dos Serviços para Crianças e Família e autor do projeto que se transformou em lei, disse que ele iria considerar alienação parental o fato de porventura os pais questionarem os filhos que escolham um sexo diferente do biológico. E arrematou: “Uma forma de abuso quando uma criança se identifica de uma maneira e o seu responsável está dizendo: ‘Não, você precisa fazer isso de maneira diferente.’”

A lei ainda permite a mais drástica penalidade aos pais que recusarem a aceitar o gênero que o filho(a) possa escolher (uma forma de abuso, segundo o autor da lei): a retirada do filho(a) da tutela dos pais.

Couteau justificou tal medida: “se é abuso, e se estiver dentro da definição de abuso, uma criança pode ser removida desse ambiente e colocada em proteção onde o abuso é interrompido.”

O artigo que permitia os pais criarem seus filhos de acordo com sua religião foi retirado da redação final da lei.

Jack Fonseca, estrategista político sênior da Campanha da Coalizão pela Vida, observou que “com a passagem da Lei n.° 89, entramos em uma era de poder totalitário do Estado, como nunca antes testemunhado na história do Canadá e que a nova lei é uma ameaça para as pessoas de fé.”

Nascida na França do século XII, Emelina foi uma alma devota, que desejava profundamente fazer a vontade de Deus. Ela foi guiada à abadia cisterciense de Boulancourt, em Longeville, França, mas não conseguiu entrar para a comunidade religiosa.

Emelina, porém, levou uma vida solitária nas proximidades da abadia e seguiu como pode a regra cisterciense. Teve uma vida de oração profunda, marcada por jejuns e sacrifícios extremos. Emelina andava descalça e seus dons proféticos atraíram rapidamente a atenção das pessoas.

Os peregrinos da região iam em massa até Emelina para pedir orientação espiritual. Sua capacidade de prever com precisão os acontecimentos futuros a tornou famosa.  A humildade marcou sua interação com todos, e ela nunca usou seus dons celestiais para benefício próprio.

Como ela nunca se casou nem fez os votos em nenhuma comunidade religiosa, a beata Emelina é conhecida como a santa padroeira das mulheres solteiras leigas. Sua festividade acontece em 27 de outubro.

Abaixo, uma oração para uma pessoa solteira, que quer reconhecer a presença de Deus em sua vida e pedir a Ele a orientação ao longo do caminho correto:

Deus eterno,

desde o útero da minha mãe

o Senhor me conhece e me ama

além do que eu posso imaginar.

 

Peço-te força para viver uma vida santa,

que a tua mão guie as minhas decisões

e que a tua misericórdia se estenda

quando eu buscar a minha própria glória, ao invés da tua.

 

Peço-te sabedoria para reconhecer a tua vontade para mim,

e, como Nossa Santa Mãe,

peço-te a força para dizer ‘sim’.

 

Que eu te encontre em todas as pessoas que eu conhecer,

e que minha vida se deslumbre com a tua bondade e teu amor

para que todas as pessoas sejam guiadas até Ti

através de Jesus, teu Filho,

que é Senhor, pelos séculos dos séculos.

Amém.