Já imaginou um pastor e quase toda sua congregação se convertendo à fé católica?

Esta é a história de Alex C. Jones, um homem nascido em 1914 e que em um momento de sua vida decidiu congregar-se em uma igreja Pentecostal e posteriormente chegou a ser pastor de sua própria congregação em Detroit, a igreja Maranatha.

Naquele tempo, ele não se definia como um homem anticatólico; era apenas indiferente. O que lhe parecia era que os católicos amavam a Deus, mas que tinham práticas estranhas como fazer o sinal da cruz ou inclinar-se muitas vezes durante seus cultos.

O começo de sua conversão ao catolicismo

Mas tudo mudou no ano de 1998. Enquanto se encontrava pregando sobre a primeira carta de São Paulo à Timóteo, em sua Igreja em Detroit, teve uma ideia que mudaria sua vida completamente. Alex achou que seria genial se tivesse em sua igreja um culto ao estilo Novo Testamento. “Eu só queria ser criativo e inovador”, comentou Alex C. Jones.
Logo depois de ter a aprovação de sua congregação, ele fez a promessa de que estudaria com profundidade o culto do Novo Testamento e que o realizaria em um prazo de 30 dias: “Vamos fazer como faziam os primeiros cristãos!”.

Nesse tempo ele estudou os Padres da Igrejas e se chocou com um cristianismo muito diferente ao que conhecia e vivia. Aquela Igreja primitiva não era a mesma que ele tinha. Essa Igreja dos primeiros apóstolos era litúrgica, com um sistema de adoração prescrita e seguida de maneira uniforme. Descobriu que a pregação não era o aspecto central de suas reuniões e nem as experiências com o Espírito Santo, e sim a Eucaristia.

Imagine quão estranho foi para um pastor pentecostal descobrir isso?

Sua surpresa foi maior quando descobriu que aqueles primeiros cristãos também afirmavam que naquela Eucaristia estava realmente o Corpo e o Sangue de Jesus. O pastor Alex simplesmente não conseguia acreditar! Porque até então ele achava que tudo isso era uma invenção católica na Idade Média.

Junto a maravilhosa realidade da Eucaristia, naqueles 30 dias também descobriu que a Igreja do Novo Testamento também era hierárquica (formada por diáconos, presbíteros e bispos), que honravam a Tradição apostólica tanto quanto as Sagradas Escrituras e consideram o batismo como necessário para a salvação. Todas as verdades que não pregava em sua congregação. E isso o fez se sentir em “apuros”. O que fazer com tudo o que havia descoberto? Já tinha prometido um culto como o dos primeiros cristãos e o grande dia se aproximava!

A reação de seu rebanho

Chegado o dia do culto que havia prometido, tentou fazer algo parecido com o que havia aprendido, uma tentativa de Missa com “eucaristia” incluída. Dividiu assim o culto dominical em liturgia da palavra e liturgia Eucaristica. Como era esperado, muitos começaram a abandonar sua Igreja acusando-lhe de ser “muito católico”, embora naquele momento não pensasse em converter-se. Só estava aplicando o que tinha aprendido e estava tratando de “ressuscitar” a Igreja dos Apóstolos.

No entanto, outros membros de sua congregação achavam as explicações que Alex dava muito interessantes e logo a maioria se deu conta de que Deus as chamava para a Igreja Católica. E no ano de 2001 fizeram uma votação em que 39 pessoas votaram a favor e 19 contra a opção de converter-se ao catolicismo. Em 10 de setembro do mesmo ano, todos os que estiveram à favor , junto a Alex, começaram a receber catequese na Igreja Católica de Santa Susana, em Detroit, e foram aceitos todos formalmente como fiéis católicos.

Outro dado interessante é que Alex C. Jones sentiu em seu coração o desejo de ser sacerdote, mas em obediência as normas da Igreja, por já ser casado e ter filhos, aceitou o diaconato, trabalho que desenvolveu até seu falecimento em 14 de janeiro de 2017.

Fonte Original: Editor ChurchPOP

A história parece ter saído do enredo de um filme de terror. Três corpos foram achados esquartejados, em setembro de 2017, dois deles eram de crianças entre 8 e 12 anos de idade. O outro é de uma mulher, que poder ser a mãe deles.

As investigações da Operação Revelação, da Polícia Civil do Rio Grande do Sul, apontam para um Templo Satânico no local onde os crimes teriam ocorrido. Ele era liderado pelo “bruxo” que está preso na Penitenciária Estadual do Jacuí, em Carqueadas.

Ele fica em um sítio localizado em uma estrada erma, de chão batido na estrada para Gravataí, na Região Metropolitana de Porto Alegre. O pentagrama no portão serve para ajudar a identificar o local.


Com poucas moradias no entorno, a residência laranja é cercada pelo mato alto. Do lado de dentro, uma estátua com a representação tradicional do demônio, vermelha e com chifres.

O templo está registrado e possui até CNPJ. Sua antiga sede era Porto Alegre. Os vizinhos do local, uma casa na zona norte da Capital, confirmaram que o bruxo morou ali e que fazia rituais no local. Ele se mudou para o sítio há cerca de um ano.

“A gente via de tudo ali. Ouvia, também. E todo tipo de pessoa frequentava. Pagavam um dinheirão. Um dia, uma mulher me disse que pagou R$ 10 mil”, contou um homem que trabalha nas redondezas, mas preferiu não se identificar.

O delegado Moacir Fermino, que lidera a investigação, disse que a suspeita maior é de que as duas crianças seriam argentinas. Um dos suspeitos presos juntos com o bruxo, que seria um aprendiz, é natural do país vizinho. Os exames de DNA ainda não ficaram prontos, mas poderão confirmar a tese da polícia. Caso seja comprovado que a mulher que foi enterrada no mesmo local também era estrangeira, isso resolveria a questão do porquê ninguém tinha denunciado o desaparecimento das crianças até agora.

Altar a Moloque

Conforme Fermino, o homem que se apresenta como “mestre e bruxo” seria uma referência no país e na América Latina em termos de magia negra. Ele se diz adorador do deus Moloque, nome de uma divindade pagã. Desde a antiguidade a figura é associada a sacrifícios de crianças.

O templo tem ainda um grande pentagrama, estrela de cinco pontas identificada com o satanismo, pintado no chão. Além da estátua grande e outras menores, de concreto, representando demônios, a polícia achou no local uma bacia com um crânio e sangue dentro, próximas a um altar em tons de vermelho.

Isso reforça a suspeita da polícia que o local era usado para rituais de magia negra. O delegado disse que um “ritual de prosperidade” foi encomendado por dois homens, que teriam pago R$ 25 mil, à vista. Um deles está preso junto com o bruxo.

“Esse ritual de prosperidade exigia duas crianças do mesmo sangue, irmãos. Por isso as duas vítimas foram escolhidas e trazidas, ao que tudo indica, da Argentina, especialmente para a magia”, explica Fermino.

Os policiais dizem ter conseguido provas, recolhidas no templo, de que “o [bruxo] suspeito já matou outras pessoas e animais também ao longo da carreira. Por mais que ele diga que é da “linha branca” do satanismo, temos fotos, provas, testemunhos que nos levam a acreditar que ele já cometeu muitos sacrifícios, de crianças, adultos, cabritos, galinhas”.

Via G Gospel

Com informações Zero Hora