O Papa Francisco nomeou este sábado três mulheres como consultoras da Congregação para a Doutrina da Fé, um dos organismos mais importantes da Cúria Romana.

As escolhas do Papa recaíram sobre a italiana Linda Ghisoni, susbcertária do Dicastério para os Leigos, Família e Vida (Santa Sé), especialista em Direito Canônico ( Abaixo)

 

Michelina Tenace, professora de Teologia na Universidade Pontifícia Gregoriana, de Roma (abaixo) 

 

 

e a belga Laetitia Calmeyn, professora de Teologia no Colégio dos Bernardinos, em Paris.

 

Em fevereiro, Francisco tinha nomeado a irmã Carmen Ros Nortes como nova subsecretária da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica (Santa Sé).

Em novembro de 2017, o Papa tinha nomeado duas mulheres como subsecretárias do novo Dicastério para os Leigos, Família e Vida (Santa Sé): a já referida Linda Ghisoni e e Gabriella Gambino, professora de Bioética.

A presença feminina na Santa Sé inclui responsabilidades nos departamentos da Cúria Romana e nas áreas dos arquivos, da história e da comunicação social.

Atualmente, a jornalista espanhola Paloma García Ovejero é vice-diretora da Sala de Imprensa da Santa Sé; Margaret Archer preside à Pontifícia Academia de Ciências Sociais; Barbara Jatta é a primeira diretora dos Museus Vaticanos desde janeiro de 2017.

Fonte: Cirios de Nazaré

O arcebispo emérito de Milão, Angelo Scola, participou da apresentação do livro de Massimo Borghesi intitulado Jorge Mario Bergoglio. Una biografia intellettuale (Ed. Jaca Book), (imagem acima) organizada pelo Centro Cultural de Milão.

Ao lado dele, além do autor do livro, estava o encarregado da vice-presidência da Pontifícia Comissão para a América Latina, Guzmán Carriquiry Lecour. Foi uma das primeiras saídas públicas do cardeal, depois de deixar a liderança da diocese. E foi também a oportunidade, graças ao livro de Borghesi, para desfazer aquelas que Scola chama de “lendas urbanas” sobre o Papa Bergoglio, seu pensamento, sua formação teológica.

Carriquiry – que teve um papel de interface entre Borghesi e o papa para com que o autor obtivesse as quatro preciosas gravações de áudio nas quais Bergoglio responde às perguntas do professor – começou lembrando “a abundância de publicações” que dizem respeito ao atual pontífice, uma abundância que muitas vezes dificulta distinguir e “hierarquizar” as várias contribuições.

Ele não poupou críticas à “superexposição midiática” do papa e à “autorreferencialidade” de muitas contribuições, que tendem “a separar a sua figura do povo de Deus”, tornando-o quase um super-herói. Tentativas de sinal diferente e às vezes oposto, que têm o efeito de olhar para o dedo que indica a lua, em vez da lua, isto é, para a pessoa e a personalidade do pontífice, em vez da sua mensagem.

“O livro de Borghesi – continuou – se separa claramente de toda essa superabundância de títulos e contribuições, e ajuda a conhecer melhor a sua personalidade, não apenas intelectual.” Carriquiry recordou que “o Papa Francisco não tem a pretensão de se definir como ‘teólogo’” e que a sua mensagem consegue passar graças à “gramática da simplicidade, que nunca é simplismo”, porque “se concentra no essencial”.

As raízes dessa abordagem, evidente no documento programático do pontificado, a exortação Evangelii gaudium, devem ser buscadas no documento final de Aparecida, redigido ao término do encontro do episcopado latino-americano no santuário mariano mais importante do Brasil, em 2007.

Por fim, o encarregado da vice-presidência da Pontifícia Comissão para a América Latina, de origem uruguaia, mas que passou a maior parte de sua vida trabalhando na Cúria Romana, lembrou a “tolice daqueles ambientes que olham de cima para baixo para o ‘papa latino-americano’”, com a mesma atitude daqueles que, no início do pontificado de João Paulo II, olhavam com arrogância para o “papa polonês”.

Tomando a palavra, o cardeal Scola sublinhou acima de tudo a importância do encorpado volume de Borghesi – embora lamentando com um sorriso o corpo tipográfico escolhido, “um pouco pequeno demais para quem tem a minha idade” – e o definiu como “um empreendimento difícil e complexo”, com “um resultado precioso para a Igreja universal”.

O papado de Francisco, explicou o arcebispo emérito de Milão, assumindo a imagem usada muitas vezes pelo pontífice, “é um papado poliédrico, e é um magistério poliédrico”. Scola disse que o livro de Borghesi ajuda “a superar certas lendas urbanas” e ressaltou que o pensamento de Francisco é “muito sólido”. “É preciso desfazer um preconceito – continuou –, aquele de acordo com o qual um pensador católico, especialmente um teólogo, deve necessariamente ser um acadêmico. Não é assim”.

Os papas teólogos são uma exceção na série dos sucessores do apóstolo Pedro e, em todo caso, explicou Scola, “não é necessário que um pensamento forte venha de um acadêmico”. Depois, o cardeal se deteve na novidade representada pelo primeiro papa latino-americano que, com seu modo de testemunhar a fé, envolve também os mais distantes com uma abertura de 360 graus, “que passa muito através dos gestos e das imagens, e não apenas através das palavras, como, ao contrário, nós, europeus, estamos acostumados”, herdeiros de visões intelectualistas.

E aqui Scola fez uma pergunta sobre a recepção do pontificado a cinco anos da eleição de Francisco, que representou “um soco no estômago ou, melhor, um despertador para nós”. “Eu não sei o quanto assumimos esse despertador, ou o quanto ainda estamos nos defendendo do desafio que ele representa.” Com atitudes que, em vez de levar a sério o testemunho do papa, a conversão pastoral que ele pediu a toda a Igreja, são de defesa e, às vezes, tentam reduzir o pontificado ou de enquadrá-lo nas cômodas categorias do latino-americano que não entende a Europa, em vez de se deixar pôr em discussão.

O cardeal recordou depois que, nos anos 1960 e 1970, os futuros membros da Companhia de Jesus eram educados durante ao estudo aprofundado de pensadores importantes, bem identificados no livro de Borghesi, como Erich Przywara, Henri de Lubac, Gaston Fessard e Romano Guardini. “A formação do Papa Francisco– explicou Scola – é uma formação não acadêmica, mas nem por isso menos sólida.”

O arcebispo emérito de Milão concluiu dando alguns exemplos da influência desses autores, alguns dos mais citados no livro, lembrando também o tema da polaridade e do “pensamento tensionador” caro a Bergoglio, que o busca em Fessard e em Guardini, propondo a imagem de uma Igreja inclusiva, englobante e capaz de unir os polos opostos sem anulá-los. E lembrou também que, a partir dos anos 1990, o então arcebispo Bergoglio conhecera os textos do Pe. Luigi Giussani.

No seu agradecimento final, Borghesi contou brevemente alguns dos resultados da sua viagem através do pensamento dos mestres sobre os quais Bergoglio foi formado. A formação intelectual do futuro papa permite “compreender o olhar complexo e poliédrico que guia o atual pontificado. Tendo-se formado na escola dos jesuítas, dos franceses em particular, Bergoglio assimilou a mensagem de Santo Inácio através da leitura, ‘dialética e mística’ ao mesmo tempo, de um dos mais importantes filósofos do século XX: Gaston Fessard. Daí surge a ideia do catolicismo como ‘coincidentia oppositorum’que o leva ao encontro com a antropologia polar de Romano Guardini e com o pensamento do mais relevante intelectual católico latino-americano da segunda metade do século XX: Alberto Methol Ferré”.

Entre os exemplos citados no livro, está o que diz respeito à “relação entre graça e liberdade, entre ação divina e humana”, que “demonstra estar vivo apenas como pergunta e não como uma fórmula ‘perfeita’: trata-se de uma persuasão que estará no centro do pensamento de Bergoglio. Sua crítica ao ‘doutrinarismo’, ao dogmatismo abstrato, à petrificação da Revelação se originam a partir daqui: da ideia de que a fé, antes de ser uma resposta, é uma pergunta, uma abertura do coração a uma Presença de graça. Essa pergunta deve ser vivida, deve se tornar experiência, verificação de uma relação real, entre o ser humano e Deus, no cenário da história”.

Do encontro milanês, além do evidente convite à leitura do livro, surgiu principalmente uma modalidade autenticamente eclesial de se relacionar com o papa (com o atual, assim como com todos os outros), a partir não do preconceito ou do juízo pessoal sobre este ou aquele aspecto do pontificado, mas sim a partir do olhar de fé e, portanto, da pergunta sobre o passo que o Espírito Santo pede que cada um dê, levando a sério o testemunho e o magistério do sucessor de Pedro.

Fonte: Vatican Insider