“Dar o melhor de si” é o nome do novo documento do Dicastério para os Leigos, Família e Vida do Vaticano, publicado no último dia 1 de Junho.

Apresentado pelo Cardeal Kevin Farrell, Prefeito do Dicastério, o documento, que é o primeiro na história da Igreja dedicado ao esporte, pretende ajudar atletas e equipes a entenderem a relação entre dar o melhor de si no esporte e também na fé cristã.

Padre Alexandre Awi Mello, Secretário do Dicastério para os Leigos, Família e a Vida, afirmou que documentos como esse, apresentado pelo Dicastério, são pontos de diálogo da Igreja com a sociedade. “A Igreja quer com este documento estimular a prática do esporte e os valores esportivos que estão também presentes no evangelho. O Papa Francisco dá tanta importância para o mundo do esporte, ele sempre manda mensagens para os esportistas, (…) por isso o documento recolhe todas essas informações não só do Papa, mas de todos os Papas anteriores, desde Pio X”, contou.

“Assim temos a possibilidade de ajudar o mundo do esporte a cultivar ainda mais os valores da Igreja, e a Igreja a estimular ainda mais a Pastoral do Esporte e todos aqueles que, no âmbito eclesial, trabalham com esportistas”, comentou o sacerdote.

Em carta divulgada pelo Vaticano, também nesta sexta-feira, 1, o Papa Francisco manifestou alegria em receber a notícia da publicação do documento que tem como título uma frase de sua autoria, dita aos jogadores de futebol e dirigentes do time “Villareal”, da Espanha, em fevereiro do ano passado, 2017.

O Santo Padre destacou na carta o importante papel da Igreja no mundo do esporte e como o esporte pode ser um instrumento de encontro, formação, missão e santificação. “A Igreja é chamada a ser sinal de Jesus Cristo no mundo, também através do esporte praticado em oratórios, paróquias, escolas e associações… Toda ocasião é boa para levar a mensagem de Cristo”, frisou.

Francisco aproveitou a oportunidade para retomar o chamado a santidade, tema de sua última exortação, Gaudete et exsultate. “Dar o melhor de si no esporte também é um chamado para aspirar à santidade. Durante o recente encontro com os jovens em preparação para o Sínodo dos Bispos, expressei a convicção de que todos os jovens presentes lá fisicamente ou através de redes sociais tinham o desejo e a esperança de dar o melhor de si mesmos. Usei a mesma expressão na recente Exortação Apostólica lembrando que o Senhor tem um modo único e específico de chamar a santidade para cada um de nós”, afirmou.

O pontífice prosseguiu citando a necessidade humana de aprofundar e estreitar a relação que existe entre o esporte e a vida: “O esforço para se superar em uma disciplina atlética também serve como um estímulo para sempre melhorar como pessoa em todos os aspectos da vida. Essa busca nos coloca no caminho que, com a graça de Deus, pode nos levar àquela plenitude de vida que chamamos de santidade”.

“O esporte é uma fonte muito rica de valores e virtudes que nos ajudam a melhorar como pessoas. Como o atleta durante o treinamento, a prática esportiva nos ajuda a dar o melhor de nós, a descobrir nossos limites sem medo e a lutar para melhorar a cada dia. Deste modo, todo cristão, na medida em que se santifica, torna-se mais frutífero para o mundo”, reforçou o Papa. O Santo Padre prosseguiu sua reflexão afirmando aos esportistas cristãos que a santidade deve ser um esporte vivo como meio de encontro, de formação, de personalidade, de testemunho e de proclamação da alegria de ser cristão.

“Que este documento produza frutos abundantes tanto no compromisso eclesial como no cuidado pastoral do esporte, como para além da esfera da Igreja. A todos os esportistas e agentes pastorais que se reconhecem na grande ‘equipe’ do Senhor Jesus”, peço-lhe que orem por mim”, concluiu Francisco.

Doutor Alexandre, escritor e coordenador geral do Movimento de Vida Cristã no Peru, comentou a publicação do documento e os efeitos positivos que ele causará em sociedade. “Esse ponto de encontro da sociedade, que é o esporte, (…) deve ser esse jogo limpo, de torcermos por um time, pela seleção, mas sempre priorizando o amor pelo próximo”. O escritor encerrou: “É um convite da Igreja para que vivamos esta unidade no corpo, na alma e no espírito”.

Fonte: Canção Nova

Sabendo que cada criança é única e tem o seu próprio ritmo, você pode (e deve) fazer a sua parte para incentivá-la em seu pleno desenvolvimento

Por volta do terceiro aniversário, o mundo de seu filho está repleto de fantasia e vívida imaginação. São anos de tremendo crescimento!

Mas quais são os marcos de desenvolvimento que a criança costuma atingir entre os 3 e 4 anos de idade?

Seguindo critérios da Academia Americana de Pediatria no livro “Caring for Your Baby and Young Child: Birth to Age 5”, vamos considerar algumas conquistas específicas que são próprias dessa idade:

Habilidades motoras gerais

  • Pular e se apoiar em apenas um pé durante até 5 segundos
  • Subir e descer escadas sem apoio
  • Chutar uma bola para frente
  • Lançar uma bola com a mão
  • Conseguir agarrar, na maioria das vezes, uma bola quicando
  • Mover-se para frente e para trás com agilidade

Habilidades motoras finas (mãos e dedos)

  • Copiar formas quadradas
  • Desenhar pessoas com 2 a 4 partes do corpo
  • Usar tesouras
  • Desenhar círculos e quadrados
  • Começar a copiar algumas letras maiúsculas

Conquistas na fala

  • Dominar algumas regras básicas da gramática
  • Construir frases de 5 a 6 palavras
  • Falar com clareza suficiente para ser entendido por estranhos
  • Contar histórias

Conquistas cognitivas

  • Saber o nome correto de algumas cores
  • Entender o conceito de contar e reconhecer alguns números
  • Lidar com problemas de um ponto de vista individual
  • Começar a ter clara noção do tempo
  • Seguir ordens de três partes
  • Lembrar partes de uma história
  • Entender os conceitos de “igual” e “diferente”
  • Participar de brincadeiras de imaginação e fantasia

Marcos sociais e emocionais nessa fase

  • A criança se interessa por experiências novas
  • Colabora com outras crianças
  • Torna-se cada vez mais criativa nas brincadeiras de imaginação e fantasia
  • Consegue se vestir e se despir
  • Negocia soluções para dilemas e problemas
  • É mais independente
  • Considera a si mesma como uma pessoa com corpo, mente e sentimentos
  • Frequentemente, não consegue distinguir entre fantasia e realidade

Lembre-se: cada criança se desenvolve no seu próprio ritmo!

Como cada criança se desenvolve à sua maneira, é impossível dizer exatamente quando ou como cada um deve aperfeiçoar certa habilidade específica. Esses marcos de desenvolvimento dão uma ideia geral das mudanças que podem ser esperadas à medida que as crianças crescem, mas você não precisa ficar alarmado se levar um pouco mais ou um pouco menos de tempo para que o seu filho os alcance. Cada criança é única!

A melhor maneira de apoiar as crianças no seu crescimento é estar perto delas, dedicar tempo a elas, estimulá-las entrando no seu próprio mundo e, acima de tudo, dar-lhes muito amor. Não é apenas a quantidade de tempo que passamos com elas: é também e principalmente a qualidade do tempo. As crianças se sentem estimuladas quando se sentem amadas e protegidas.

Fonte original: Aleteia