Blog do Carmadélio

Na atmosfera intelectual atual, o mundo não é a totalidade das coisas, mas apenas seus ‘significados’.

Era 1802 quando o ilustre físico Pierre-Simon de Laplace simbolicamente abre as cortinas para uma nova era no pensamento humano com um dos mais épicos diálogos da história da ciência. Diz a anedota que, Napoleão, quando se deparou com o cientista fez a pergunta que toda a Europa pretendia ter feito: “M. Laplace, me disseram que você escreveu este grande livro sobre o sistema do universo e jamais sequer mencionou seu Criador.” A resposta de Laplace foi incisiva: “Não foi necessária tal suposição.” Em 1814, após a morte de Napoleão, Laplace acrescentou que “a curva descrita por uma simples molécula de ar é regulada de modo tão certo quanto os planetas”, para depois concluir que o destino de todo átomo no universo é matematicamente previsível, em princípio, pelas forças da natureza. E assim as portas do determinismo científico foram escancaradas. Deem-nos as condições iniciais e as equações das forças da natureza e tudo o mais pode ser conhecido pelas leis do movimento. Se, em teoria, todos movimentos podem ser previamente determinados, então o corolário é óbvio: não há livre-arbítrio.

Cem anos se passaram, veio a teoria do caos, a mecânica quântica e as teorias sociais deterministas falharam miseravelmente. A modernidade então se descambou em puro pessimismo, mas sem perder a essência do corolário laplaciano. A busca da generalização, ao modo da ciência, passou a ser escarnecida como “positivismo”, e a “teoria” passou a se tornar um conjunto de reflexões pessimistas e obscuras sobre a inacessibilidade do outro e seus significados. Com efeito, Wittgenstein disse uma vez – no decorrer da formulação de sua filosofia inicial, subseqüentemente repudiada – que o mundo não é a totalidade das coisas, mas dos fatos. Na atmosfera intelectual atual, sente-se que o mundo não é a totalidade das coisas, mas os significados. Tudo é sentido e o significado é tudo, e a hermenêutica é seu profeta. Na pos-modernidade, o movimento e suas idéias são demasiados etéreos e voláteis para serem capturados e apreendidos com precisão. Dos fatos à linguagem foi a saga que a modernidade cumpriu e toda a subjetividade com respeito ao mundo externo trouxe uma certeza estonteante: mesmo que não pudéssemos ter certeza do mundo exterior, poderíamos pelo menos ter certeza de nossos próprios sentimentos, pensamentos e sensações. Se estas são engendradas por significados impostos a matérias-primas incipientes e incoerentes, e os significados vêm em pacotes culturais contraditórios, então essa certeza e ponto de descanso não podem ser encontrados dentro de nós, sequer por auto-reflexão, mas apenas socialmente. A verdade é então elusiva, polimorfa e subjetiva.

Nós somos construídos socialmente, argumentam os pós-modernos, e nós não estamos, mesmo enquanto adultos, conscientes da construção social por trás do nosso discurso. Nós podemos pensar que estamos falando livremente e fazendo nossas próprias escolhas, mas a mão invisível da construção social está fazendo de nós o que realmente somos. O que você pensa e o que você faz e mesmo como você pensa é governado pelas suas crenças subjacentes adquiridas por meio da linguagem e seus significados. Claro está, o corolário laplaciano segue: não pode portanto haver livre-arbítrio. Mas tudo fica ainda pior quando levamos o raciocínio ainda mais adiante. Vejamos. Se o discurso é em si algo distintivo porque constrói quem somos e está por trás de todas as ações nas quais nos engajamos e se, como uma forma de ação, ele pode e faz mal a outras pessoas, e se, por fim, toda a sociedade deve aceitar que qualquer forma de ação danosa precisa ser restringida por lei, então nós precisamos aceitar a censura. Tudo o mais no ativismo pós-moderno pode então ser resumidos nesta única palavra: censura. 

A vida em sociedade passa então a ser a luta de todos contra todos em uma indelével e inexorável jornada de agressões entre distintas comunidades linguísticas, pois se grupos diferentes são construídos de forma diferente, de acordo com sua linguística e origem distintas – brancos e negros, homens e mulheres são, por exemplo, construídos de formas diferentes -, e uma vez que universos linguístico-sociais e ideológicos distintos entram em conflito, então o discurso dos membros de cada grupo é visto como um veículo pelo qual os interesses concorrentes dos grupos entram em combate. E não haverá forma de resolver o conflito, porque dessa perspectiva você não pode dizer, “vamos resolver isso de forma racional”. O que a razão é, é em si construída por condições anteriores que fizeram quem você é. O que parece racional para você não é o que é racional para o outro grupo. E de fato, onde pode haver razão onde não há livre-arbítrio? Consequentemente, toda a discussão necessariamente se reduzirá a ver quem fala mais alto e o convívio social é todo reduzido a mera política. Não há portanto outra saída para a pos-modernidade senão a barbárie. 

Por Lacombi Lauss


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Muito boa reflexão, realmente faz pensar… Queria partilhar aqui o que pensei: nem toda ação é danosa, mas ocorre atualmente que quando pensamos diferente de outros grupos e agimos de acordo com nossa cultura ou referências que nos formaram e nos influenciam, há uma rejeição por parte desses grupos que saem em defesa de seus próprios pensamentos e ações. Tomam tudo a ponta de faca, tudo os ameaça. Não existe empatia, o diálogo é morto, não há escuta. Por isso a barbárie, uma luta constante e cansativa para se sobrepor ao outro, gerando uma verdadeira guerra de auto-afirmação sem aceitação do diferente, sem respeito ao próximo, sem liberdade de expressão. Embora sejamos todos cheios de referências: culturais, familiares, escolares, religiosas, etc, que nos formam e delineiam nosso pensamento, sentimento e ação, nos constroem subjetivamente, temos livre-arbítrio, somos capazes de escolher como ser e como agir. É verdade, nem todos vivem essa liberdade e têm consciência de sua bagagem interior e subjetiva, mesmo sendo adultos, infelizmente. Faz-se necessário aprender a dialogar, a escutar sem julgar, a acolher o outro, sua subjetividade, com o devido respeito e dignidade. É um caminho longo, interior e social, mas que é possível porque Cristo é a nossa paz, o seu anúncio no evangelho através das bem-aventuranças é um anúncio de paz. Podemos construir novas referências, ter novas influências, que mudarão nossas ações, contudo é preciso abrir os horizontes e o coração, enxergar, desejar, querer, e aí encontra-se novamente nossa liberdade. É um caminho difícil, mas difícil não é impossível!