Homem segundo o coração de Deus

O toque amoroso do homem na mulher produz efeito analgésico e alivia a dor, diz estudo

Pais, prestem atenção: vocês podem ser mais úteis na sala de parto do que imaginam. Essa é a conclusão de um estudo divulgado que descobriu que quando o homem segura a mão da sua mulher que está com dor, o coração e as taxas respiratórias entram em sincronia e a dor diminui.

“Quanto mais empático o parceiro, mais forte é o efeito analgésico, conforme a sincronização entre os dois quando estão tocando”, disse o principal autor do estudo, Dr. Pavel Goldstein, pesquisador de pós-doutorado em dor no Laboratório de Neurociência Cognitiva e Afetiva na CU Boulder.

O estudo envolveu 22 casais e foi publicado na revista Scientific Reports. É o mais recente de um crescente corpo de pesquisas sobre “sincronização interpessoal”, o fenômeno no qual os indivíduos começam a espelhar fisiologicamente as pessoas com quem estão.

Os cientistas há muito sabem que as pessoas inconscientemente sincronizam seus passos com a pessoa com quem estão caminhando ou ajustam sua postura para espelhar a de um amigo durante a conversa.

Estudos recentes também mostram que quando as pessoas assistem a um filme emocional ou cantam juntas, seus batimentos cardíacos e ritmos respiratórios se sincronizam.

Quando líderes e seguidores têm um bom relacionamento, suas ondas cerebrais entram em um padrão similar. E quando casais românticos estão simplesmente na presença um do outro, seus padrões cardiorrespiratórios e de ondas cerebrais se sincronizam, mostrou a pesquisa.

O novo estudo, co-escrito com a professora da Universidade de Haifa, Simone Shamay-Tsoory, e com o professor assistente Irit Weissman-Fogel, é o primeiro a explorar a sincronização interpessoal no contexto da dor e do toque. Os autores esperam poder contribuir com alternativas para o alívio da dor em pacientes hospitalizados, sem a necessidade do uso de opioides.

Goldstein surgiu com a ideia depois de testemunhar o nascimento da sua filha, agora com 4 anos. “Minha esposa estava com dor e tudo que eu conseguia pensar era: ‘O que posso fazer para ajudá-la?’ Peguei a mão dela e pareceu ajudar”, lembra ele. “Eu quis testar isso no laboratório: pode-se realmente diminuir a dor com o toque e, em caso afirmativo, como?”.

Goldstein recrutou 22 casais heterossexuais que vivem juntos há um bom tempo, com idades entre 23 e 32 anos, e os fez passar por uma série de testes com o objetivo de imitar o cenário da sala de parto.

Aos homens foi atribuído o papel de observador; mulheres o alvo da dor. Quando os instrumentos mediam suas taxas de coração e respiração, eles se sentavam juntos, sem se tocar; sentados juntos de mãos dadas; ou sentou-se em quartos separados. Então eles repetiram os três cenários enquanto a mulher era submetida a uma leve dor de calor no antebraço por 2 minutos.

Como em estudos anteriores, o estudo mostrou casais fisiologicamente sincronizados em algum grau apenas sentados juntos. Mas quando ela foi submetida a dor e ele não podia tocá-la, essa sincronização foi cortada. Quando ele foi autorizado a segurar a mão dela, suas taxas caíram em sincronia novamente e sua dor diminuiu.

“Parece que a dor interrompe totalmente essa sincronização interpessoal entre casais”, disse Goldstein. “Mas o contato traz de volta.”

A pesquisa anterior de Goldstein descobriu que quanto mais empatia o homem mostrava pela mulher (medida em outros testes), mais a dor diminuía durante o toque. Quanto mais fisiologicamente sincronizados eles eram, menos dor ela sentia.

Ainda não está claro se a diminuição da dor é o que causa o aumento da sincronicidade ou vice-versa. “Pode ser que o toque seja uma ferramenta para comunicar empatia, resultando em um efeito analgésico”, disse Goldstein.

Mais pesquisas são necessárias para descobrir como o toque de um parceiro ameniza a dor. Goldstein suspeita que a sincronização interpessoal pode desempenhar um papel, possivelmente por afetar uma área do cérebro chamada córtex cingulado anterior, que está associada à percepção da dor, empatia e função cardíaca e respiratória.

O estudo não explorou se o mesmo efeito ocorreria com casais do mesmo sexo, ou o que acontece quando o homem é sujeito à dor. Goldstein mediu a atividade das ondas cerebrais e planeja apresentar esses resultados em um estudo futuro. Ele espera que a pesquisa ajude a dar credibilidade científica à noção de que o toque pode aliviar a dor.

Fonte


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *