Projeções de Fé

A Paixão de Cristo

l_7882_0335345_7f90d37aSinopse

No monte das Oliveiras, Jesus entrou em agonia e orava ainda com mais instância, e seu suor tornou-se como gotas de sangue a escorrer pela terra. Depois de ter rezado, levantou-se, foi ter com os discípulos e achou-os adormecidos de tristeza. Disse-lhes: Por que dormis? Levantai-vos, orai, para não cairdes em tentação. Ele ainda falava, quando apareceu uma multidão de gente; e à testa deles vinha um dos Doze, que se chamava Judas. Achegou-se de Jesus para o beijar. (Lc 44, 47) Os que haviam prendido Jesus levaram-no à casa do sumo sacerdote Caifás, onde estavam reunidos os escribas e os anciãos do povo. (Mt 26, 57). Logo pela manhã se reuniram os sumos sacerdotes com os anciãos, os escribas e com todo o conselho. E tendo amarrado Jesus, levaram-no e entregaram-no a Pilatos. (Mc 15, 1) onde fora interrogado pelo Governador Pilatos e condenado a morte de Cruz.

Análise

O objetivo do Blog Projeções de Fé é analisar filmes conforme a ótica católica. Portanto, sendo A Paixão de Cristo um filme católico, baseada sobretudo nos Evangelhos de João, Marcos, Mateus e Lucas e em fatos que a tradição legou a Igreja, podemos dizer que este filme é inegavelmente católico, por isso, penso eu se realmente devo observar apenas a ótica católica do filme ou se posso ousar-me em passar uma visão não católica dele, observando os seus diversos pontos técnicos ou não.

A verdade é que este filme foi, antes mesmo de seu lançamento, um dos mais comentados filmes de toda a história do cinema. Eram notícias veiculadas na TV, Revistas, Jornais e sobretudo na internet, que só pelo fato de ser dito pela crítica como “excessivamente polêmico” entre outras coisas, já foi um belo marketing gratuito para o sucesso de audiência de A Paixão de Cristo. Mas, convenhamos que não se precisa deste tipo de marketing quando se trata da pessoa de Jesus, sendo este o mais influente e impactante personagem da história da humanidade, seja para os que Nele creem ou não.

O filme A Paixão de Cristo foi um grande marco na história das produções religiosas no mundo do cinema, rompeu de maneira invariavelmente com aquelas produções que sempre pareciam teatralizar demais a vida de Jesus. Os cuidados técnicos com figurino, cenários, efeitos técnicos e sobretudo, pela sua espetacular fotografia, lançou o filme numa categoria elevada que ainda não havia sido atingida por outros filmes deste gênero. E não é só isso, A Paixão de Cristo influenciou e modificou os padrões dos filmes de gênero religioso no cinema.

Como já foi dito, o filme gerou inúmeras controvérsias, eram advogados entrando na Justiça para proibir a exibição do filme no Brasil, associações e confederações religiosas se manifestando fortemente contra o filme, notícias de pessoas que morreram ao assisti-lo entre outros fatos. Antes mesmo de sua estréia, suscitou debates sérios sobre o conteúdo do filme, seja pela sua fidelidade aos trechos do Evangelho ou pelas exposição brutal com que o filme exibe os sofrimentos de Cristo durante a sua paixão.

Alguém aí se lembra do comentário “é como foi”, supostamente atribuído ao Papa João Paulo II que teria dito a sentença após assistir o filme em particular? Apenas esta frase fez com que jornais e veículos de notícia do mundo todo acorressem a sala de imprensa do Vaticano para confirmar ou não a veracidade desta opinião do Santo Padre. Não adiantou tanta correria, não foi comprovada a menção da citada frase pelo referido Papa.

Este filme elevou a uma intensa reflexão sobre quem matou Jesus, quem foi o responsável pela sua morte. Não que a Igreja nunca havia tratado deste tema ou que este fosse um tema ignorado, mas certamente o tornou intenso. Enfim, a Igreja nos ensina que nem judeus, nem romanos, nem gregos e nem prosélitos mataram Jesus, mas que o gênero humano, devido a sua natureza imersa no pecado tenha rejeitado a Jesus Cristo e o Evangelho. “Veio para o que era seu, mas os seus não o receberam” (Cf. Jo 1, 1).

O filme, à sua época foi tão polêmico que Mel Gibson chegou a advertir o ator Jim Caviezel, “Você nunca voltará a trabalhar nesta cidade (Hollywood)’. Ao que o ator respondeu: “Todos temos que abraçar nossas cruzes. Jesus é tão polêmico hoje como sempre foi. As coisas não mudaram muito em dois mil anos”.

Como assistir a este filme?

Assistir filmes é muito bom e importante para o desenvolvimento do senso crítico, relacionado à fé ou não, o que não podemos é permitir nunca é que as nossas emoções tomem as rédeas da nossa Fé e da nossa razão. Pode ser que aconteça que a emoção transmitida pelo filme, afinal, esta é uma das razões de existir filmes, atinja o telespectador de maneira positiva ou negativa e isso não nos é conveniente. Devemos manter o espírito crítico com relações a obras cinematográficas, aproveitar de suas emoções e ao fim, tratar as coisas como elas mesmas são. Ou seja, o filme não substitui em nenhuma forma os ensinamentos da leitura bíblica ou os adquiridos na freqüência às Santas Missas.

Qualidades da Produção

A produção do Filme, bem como todos os cuidados relacionados a esta, foi muito criteriosa e isso não se pode negar. A fotografia do filme foi inspirada nas ilustrações de Caravaggio e vemos esta relação, sobretudo nos momentos iniciais do filme, ainda no quando no Horto das Oliveiras. Luzes e sombras se harmonizam e prestam uma impressão artística e de relevo estético à obra.

Foi considerado também como “assustadora” a reconstrução do idioma aramaico, suposta língua nativa de Cristo. Tanto o trabalho de tradução do inglês para o aramaico, realizado pelo Padre Jesuíta William Fulco, os atores tiveram um intenso treinamento para articular o idioma do filme. Uma curiosidade é que a princípio o filme não possuiria legendas e nem dublagens, isso não aconteceria nem nos DVDs, ou seja, assistiríamos ao filme sem entender nada e esta era uma intenção do Diretor, mas comercialmente poderia ser ruim e as distribuidoras exigiram que o filme tivesse a possibilidade de legendas e assim permaneceu.

O Roteiro é um bem selecionado trechos dos Evangelhos de Mateus, Marcos, Lucas e João. Há momentos fidelíssimos aos trechos extraídos dos Evangelhos e as cenas foram filmadas sem aquela velha expressão teatral, o que nos impacta de maneira positiva pelas expressões que nos causam. Uma história bi-milenar conhecida vista sob um ponto de vista que não a agride em sua essência e que nos consiga despertar sentimentos e questionamentos interessantes.

The Passion of The Crist recebeu 3 indicações ao Oscar, nas seguintes categorias: Melhor Fotografia, Melhor Maquiagem e Melhor Trilha Sonora.

Roteiro

É bem verdade que entre os trechos evangélicos há também outras fontes, como a própria Via Sacra e a cena de Verônica (que não é o nome da mulher do tecido e sim do tecido que teria sido usado para enxugar o rosto de Cristo). Inserções de reflexões Bíblicas que variam entre contextos presentes no Gênesis e no Apocalipse. Outra fonte freqüente é o livro de Anna Catherine Emerick, uma freira que escreveu “visões místicas” chamadas de A Dolorosa Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo. Estes escritos foram publicados pela primeira vez em 1833. A Freira Anna Catherine Emerick foi beatificada pelo Papa João Paulo II em outubro de 2004.

Resumindo

Realmente resumindo, a finalidade do filme é mostrar uma coisa só:

“Ele tomou sobre si nossas enfermidades, e carregou os nossos sofrimentos: e nós o reputávamos como um castigado, ferido por Deus e humilhado. Mas ele foi castigado por nossos crimes, e esmagado por nossas iniqüidades; o castigo que nos salva pesou sobre ele; fomos curados graças às suas chagas.” Isaías 53, 4-5.

EXCELENTE

IMPORTANTE: Filme não indicado para menores de 14 anos. Contem cenas que pode ferir a sensibilidade das pessoas.

Ficha Técnica

Título Original: The Passsion of the Christi
Gênero: Drama/Religião
Ano: 2004
Direção: Mel Gibson
Elenco: Jim Caviezel, Maia Morgenstern, Monica Bellucci, Hristo Shopov, Hristo Jivkov.
Produção: Icon Productions

Trailer

FILME COMPLETO LEGENDADO

https://www.youtube.com/watch?v=iy-HYodBvNs

(Visited 1.282 times, 1 visits today)

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

  1. Estou muito triste cenas caminho para a cruz. É um grande trabalho que fez Mel Gibson em A Paixão de Cristo, é definitivamente uma grande grande filme, sem hesitação, embora muito cruel e triste para o meu gosto. Este filme me lembra Ressurreição, uma adaptação interessante centrado na ressurreição de Cristo, do ponto de vista de um ateu. Adicionando o contexto romano essencial, então temos uma natureza sugestiva com uma gama infinita de decisões e reações que não diferem da nossa percepção emocional. Um roteiro decente por Kevin Reynolds, que também atua como diretor. Além disso, ressuscitado poderia servir como uma sequela de A Paixão de Cristo.