Rapadura Espiritual

É preciso agir e não reagir

Agir = comportamento pautado por valores, pela inteligência e pela vontade. Reagir = comportamento condicionado pelas emoções, pelos preconceitos e pelos rótulos Oi Filoteu! A partir destes conceitos, acho que temos uma dica para entender o quanto é importante que o nosso comportamento seja ditado pela razão e menos pela emoção. A emoção, as paixões, ou seja, essa área afetiva (a agressividade, os impulsos afetivo-sexuais, que não são necessariamente genitais) são combustível. E com o combustível se pode colocar o carro para funcionar ou por fogo no carro e torná-lo sucata. O controle das emoções se faz através da parceria entre a vontade que decide e determina e a inteligência que ilumina, pondera e racionaliza (e também usa as ferramentas e argumentos da fé). É preciso que, a partir disso, a vida da pessoa seja conduzida por este equilíbrio e as energias fabulosas dos afetos sejam guiadas, estejam sob as rédeas controladoras (e não repressoras) da vontade. As emoções entregues a si mesmas são terríveis! A vida sem emoção é caixão preto e quatro velas (é o fulano que morreu e esqueceram de enterrar). Santo Tomás de Aquino ensina que a vontade por sua natureza é boa, daí que também seu ato natural sempre é bom. E ao dizer ato natural da vontade entenda-se a que o homem por natureza quer: a felicidade, ser feliz, viver feliz e abraçar a bem-aventurança. Quando, porém, se trata do bem moral, a vontade em si considerada não é boa nem má, mas mantém-se em potência para o bem ou para o mal. Também Santo Tomás ensina que o demônio (espírito decaído), propõe o mal, sob a aparência de bem. Ele pode agir não diretamente sobre a vontade e a inteligência, mas pode agir na fantasia e sobre a memória, bem como sobre as paixões que residem no apetite sensitivo. Assim ele age indiretamente sobre a vontade.“a vontade permanece livre de consentir ou resistir aos movimentos das paixões” S. Tomás. Por isso, a fantasia, a memória e as paixões precisam constantemente serem protegidas e nunca perder a compreensão do grau de exposição que estas faculdades possuem ante as propostas do mal.São periféricas e por isso mesmo pontos que exigem uma vigorosa proteção, vigilância. A inteligência e a vontade precisam manter-las sob atenta observação para que elas não se agitem e venham a forçar a entrada da parte nobre do ser onde elas, as rainhas, a saber, a inteligência e vontade residem. Longe de ser algo fácil e poética trata-se de um exercício duro, exigente, árduo, mas fundamental para que a pessoa se torne livre do domínio tirânico de emoções descontroladas ou sem guia firme. A pessoa que age, comporta-se como um alguém livre, dona de seus atos, raciocina e pondera. A pessoa que reage tão somente é reflexo do ambiente, vive à reboque do comportamento dos outros. É aquele que dá as rédeas de sua liberdade para os outros decidirem e coitados, pensam que são livres! Quem reage é controlado pelos outros que ditam como o tal indivíduo deve comportar-se. Daí que a mansidão (que não significa ser bobo ou permissivo, nem fraco ou covarde) é aquele que com firmeza sabe posicionar-se, sem deixar-se arrastar pela agressividade, mas canaliza esta força afetiva para tantas obras boas de serviço, de produzir algo de bom, de belo e verdadeiro. Voltaremos a pensar e refletir sobre isso ainda. Um abraço e bênção pra você, Filoteu de Betânia.


Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da Comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio os comentários que não cumprirem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *