Rapadura Espiritual

Um rei e seu reino: com suas lições

Caro Filoteu

Celebra-se um rei, ao final do ano litúrgico da Igreja. De fato, o Verbo (a Palavra eterna – segunda Pessoa da SS. Trindade) já reinava com o Pai desde toda a eternidade. A realeza nele habita, Ele é Rei. Para manifestar seu amor, o Pai, pelo Verbo no poder do Espírito decidiu criar-nos. O pecado, no entanto, veio desviar a pessoa humana do caminho certo: a morte passou a marcar com sua sombra sinistra a história do mundo. Por isso, Deus interviu e veio ao encontro. Esse encontro aconteceu com a encarnação. O Filho eterno veio revelar seu Pai e nos deu seu Espírito. Um rosto misericordioso brilhou e se manifestou carregado de misericórdia, convidando-nos a viver como irmãos e irmãs, membros de uma família reunida pelo mesmo Pai.

Um rei se revela. E seu império manifesta-se na superação das forças que se opõem ao seu reinado. Quando se pensa nisso, vem à mente a ideia de um soberano vingativo que destrói quem se lhe opõe. E quem são os inimigos? É importante esclarecer. Os inimigos não são as pessoas, mas tudo quanto consegue separar a pessoa humana do Deus que se revela. Noutras palavras, o pecado. Convém que Ele reine. É fundamental que isso aconteça, ou melhor, é vital. A vitória dele significa vida plena, total. E essa vitória passa a coincidir, ou melhor, ser a mesma coisa que o assumir a vida que Jesus, o Cristo, assumiu.

Um rei que é servo: eis a identidade desse nobre que pastoreia, isto é, cuida, cura, salva, resgata, fortalece. Bem diferente de um poder que humilha, oprime, controla e submete. As consequências eternas deste reinado são notáveis. No juízo universal, como nos narra Mt 25, os imperativos: “Vinde” e “Afastai-vos” marcam de modo definitivo a sorte de quem viveu indo e vindo nas duas polaridades não opostas, mas complementares do amor a Deus e ao próximo. O encontro ou o desencontro passa por este amor ou pela falta dele.

Quem reza pedindo o Reino de Deus pede que ele desponte, dê frutos e chegue à perfeição. E o reinado divino acontece particularmente naquele que na obediência a Deus, acolhe a presença divina. Deus passeia na cidade bem administrada que é a alma que vive na graça do Senhor. “Se alguém me ama guarda meus mandamentos, meu Pai o amará, viremos a Ele e nele faremos nossa morada” (Jo 14, 23). Eis porque a conversão, processo empreendido pelos cristãos rumo à santificação, é o caminho para Deus reinar. “Passeie Deus em nós como em um paraíso espiritual e reine só ele, junto com seu Cristo; e que em nós se assente à destra de sua virtude espiritual, objeto de nosso desejo” (Orígenes).

Venha o teu Reino, Senhor! Seja essa tua oração constante caro Filoteu e teu grande desejo transformado em ações concretas.

(Visited 1.308 times, 1 visits today)

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio, postaram comentários que não cumprem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seguir