É inegável que as ciências médicas e biológicas prestam um grande serviço à humanidade e precisam ser apoiadas em seu desenvolvimento. Mas o progresso científico jamais pode ser um fim em si mesmo. É preciso lembrar que o fim último da ciência é o homem, cada homem e o homem inteiro.

 

 

A vida humana deve ser respeitada desde sua concepção até seu fim natural. Para que o progresso científico não seja uma ameaça à vida humana, mas sempre um meio de servi-la, os princípios morais não foram suficientes nas diversas culturas e sociedades diante dos conflitos médicos e nos diversos campos da ciência. Para isso, surgiu a Bioética, uma área de conhecimento que visa amparar e proteger a vida humana frente ao necessário progresso científico, médico, biológico ou biomédico que vemos nos tempos atuais.

O progresso técnico deve ser controlado e acompanhar a consciência da humanidade sobre os efeitos que eles podem ter no mundo e na sociedade para que as novas descobertas e suas aplicações não fiquem sujeitas a todo tipo de interesse.

Portanto, diante de conflitos éticos que colocam em risco a vida humana, a bioética serve como um luzeiro que ilumina a consciência dos diversos profissionais para que nunca se esqueçam quem está a serviço de quem, ou seja, não é a vida humana que está a serviço da ciência, mas a ciência que está a serviço da vida.

 

Por Renato Varges

barriga

Por favor, socorra-me! Há algo estranho acontecendo comigo e com meu marido: queremos um filho! Sei que não é nada comum alguém querer um filho hoje em dia, por isso estou pedindo socorro. Ocorre que queremos um filho. Queremos dar a vida, dar à luz, pôr no mundo, como você quiser chamar, mas queremos um filho.

O mais espantoso é que queremos um filho não para nós mesmos, nem para nossa realização nem para nos sentirmos bem ou curtirmos a experiência de sermos pais. Queremos um filho por ele mesmo! Não é incrível?!? Não o queremos para ter uma experiência gratificante. Queremos um filho como uma pessoa única, por quem ele é, seja ele como for.

Não me entendo, devo estar ficando maluca, mas queremos um filho seja ele feio ou bonito, inteligente ou burro, alto ou baixo, verde, azul, marrom, branco, vermelho, amarelo, não importa. Queremos por ele mesmo, não por nós, entende? Isso me deixa preocupada. Sou diferente de todas. Acho que influenciei meu marido. Por favor, ajude-me!

A coisa é tão grave, que queremos um filho mesmo que seja anencéfalo, mesmo que seja fruto de um estupro, mesmo que seja Down, mesmo que não ouça, não veja, não ande, não fale… Sim, sei que é grave, mas queremos um filho por ele mesmo!!!

Do mais profundo de nós mesmos, sobe um grito: queremos um filho para amá-lo, para nos entregarmos a ele, para servi-lo em sua dependência e fragilidade, em sua vulnerabilidade inicial. Queremos, em Deus, dar a vida para que ele tenha vida, você entende? Sei que é insano, mas queremos seguir seu crescimento, seu desenvolvimento vida afora, queremos gerá-lo para Deus e para a humanidade, ainda que isso nos custe a saúde, a beleza, a vida. Estranho, mas queremos um filho não por nós, mas por ele mesmo, não para nosso prazer, mas para que ele seja quem Deus quer que ele seja e queremos colaborar para isso com todas as nossas forças, em meio a alegrias e dores.

Está vendo como é grave? A imagem de Deus segundo a qual fomos criados nos empurra a fazer a oferta de nós mesmos a um filho, me empurra a ser mãe de um filho por ele mesmo. É mais forte do que eu! Ajude-me, o que faço?

Não sei explicar direito, mas é como se a fecundidade que Deus pôs em nós fosse mais que biológica, semelhante à dos animais. É como se fosse… deixe-me ver… ahn… uma participação do poder criador de Deus que é Pai e não somente continuador … preservador de espécie, entende? Que horror! Estou tão doente que só de falar em ter filho para preservar a espécie, para continuar a família, me sinto mal! Ajude-me! Sou chamada a ser mãe como Deus é Pai e não como uma gata é mãe! É grave, já lhe disse! Não me negue sua ajuda!

Para agravar mais ainda meu caso, queremos um filho de nossas entranhas, gerado em um ato conjugal, um belo presente-surpresa de Deus que não só participa, mas governa nosso matrimônio! É, ainda tem essa: meu marido e eu casamos virgens. Sou casada sempre com o mesmo homem, e casada na Igreja, como se diz.

 

Por favor, não se espante demais! Tenho medo de que me abandone, de que desista de me ajudar, mas preciso ser verdadeira: minhas entranhas são raham, como dizem os hebreus. São entranhas para dar a vida… Não me olhe assim, por favor. Acho que errei quando mencionei os hebreus, mas é que eles são meus irmãos mais velhos… Perdão se tenho que mencionar João Paulo II, sei que lhe desagrado.

Posso continuar?

Queremos um filho que não seja programado em um consultório médico. Queremos um filho home made, que não seja manipulado em laboratório. Não queremos escolher a cor de seus olhos, de sua pele, de seus cabelinhos. Não queremos programar ou aprimorar seu DNA, queremo-lo como Deus o quiser, queremos estender as mãos para o céu e recebê-lo como um presente de Deus colocado por meu marido em minhas entranhas. As entranhas raham têm de participar, entende?

Perdoe-me. Sei que não estou sendo moderna, nem emancipada, nem dona do meu próprio filho, como se faz hoje em dia. Sei que estou fora da mentalidade e fora da lei. É exatamente por isso que peço ajuda. Estou diferente demais dos outros. Devo estar doente.

Não tomo anticoncepcionais, não uso DIU, não aplico compressas hormonais, não fico como histérica preocupada a contar dias para lá e para cá, meu marido não usa preservativos. Sei que é extraordinário, mas queremos um filho que venha como fruto de sabermos que nossa fecundidade humana é apenas parcial e que a verdadeira fecundidade vem de Deus e não queremos inverter isso. Deus vem primeiro com relação ao meu filho. Eu até já digo a Ele que é o nosso filho. Não é de preocupar? Queremos um filho que não nasça da vontade da carne, que controla tudo, que pretende ter nas mãos as rédeas da criação. Queremos um filho que nasça do Espírito e no Espírito seja educado para Deus.

Será que estou com aquela doença de quem tem mania de ser Deus? Porque, na verdade, queremos um filho por ele mesmo porque, como disse João Paulo II … ops, desculpe! Mencionei outra vez… Bem, como ele disse, Deus nos quis por nós mesmos, únicos aos seus olhos, dons Dele dados ao mundo pela mediação das leis biológicas e desejo dos nossos pais. Como é mesmo o nome desta enfermidade na qual a pessoa pensa que é Deus ou um santo qualquer? Será que é ela que nos aflige, que nos faz tão diferentes das outras pessoas?

Ocorre que queremos entrar na alegria e experimentar o riso de Sara, participando da alegria de Deus ao acolher um filho por ele mesmo, sabendo que todas as criaturas de Deus são boas, como diz Timóteo. Queremos um filho para viver com ele a experiência da fecundidade que transcende a fecundidade biológica. Queremos um filho para nos darmos a ele e para recebê-lo gratuitamente e, juntos a ele, ordenarmos nossa vida para o amor.

Queremos um filho para criá-lo juntos, na mesma casa, sob o mesmo teto, sob as mesmas alegrias e dores, com um monte de outros irmãos. (É isso mesmo, esqueci de mencionar que, para tornar meu estado ainda pior, queremos muitos, muitos filhos). Não queremos uma “produção independente” ou um fruto de “gravidez assistida”. Não o queremos para entregar para que outros criem. Queremos criá-lo! Queremos vê-lo tornar-se santo e dar a nossa vida para que isso realmente aconteça! Oh meu Deus, devo estar maluca!

Você vê a que ponto cheguei? Vê a que ponto me tornei esdrúxula com relação às outras mulheres? Vê o perigo que corro de não ser aceita, de não ser compreendida, de não ser considerada normal?

Você percebe a que ponto influenciei o meu marido a pensar como eu? Percebe como sou um perigo para a sociedade, para o progresso da ciência e para a saúde financeira dos laboratórios, clínicas de fertilização e hospitais? Vê como sou uma ameaça à eugenia disfarçada que estamos a praticar? Vê como sou perigosa para algumas idéias nazistas que se vêm espalhando sorrateiramente? Percebe como me tornei fora da lei do nosso país que, na prática, permite o aborto sob vários disfarces? Entende como sou um perigo para a modernidade relativista, hedonista, individualista? Então, você tem ou não como ajudar-me a não ser tão perigosa?

Você me acusa de irônica, de desrespeitosa, de insolente… seu olhar enche-se de ódio… Ei! … O que está fazendo? Por que esta seringa? Por que este vidro de veneno? … Vai injetá-lo em mim!… É a solução que encontrou?!? Sim, entendo. É preciso matar-me para eu não atrapalhar, não ameaçar, não estragar tudo planejado e gotejado nas consciências há tantas décadas. Sei que não tenho como correr daqui. As portas estão fechadas. Não há janelas. Só você, grande e forte, com a seringa mortífera na mão, nesta sala minúscula.

Você me segura com muita força. Estou imóvel. Sei que você vai me matar. Esta é a solução encontrada: matar. Matar sempre, matar de várias formas, matar sob vários disfarces. Sei que vai me matar. Deus perdoe. Mas, preciso dizer-lhe, esta doença que trago é tão perigosa, é tão poderosa que, quando se mata um portador, ela se espalha, misteriosamente, em milhares de outros. É o vírus que inocula os que se sabem amados por Deus. É bom você catalogá-lo e especificar sua ação antes de acabar comigo, pois não há como constatar sua presença através de exames. Guarde bem o nome em sua memória e digite-o assim que meu corpo cair sem o que você chama de vida. É o perigoso vírus do martírio.

Artigo baseado em texto de Georgette Blaquière
Em “Femmes sélon le Coeur de Dieu”, ed. Fayard

Maria Emmir Oquendo Nogueira

Cofundadora da Comunidade Católica Shalom

em “Entrelinhas” da Revista Shalom Maná
TT @emmiroquendo
Facebook/ mariaemmirnogueira
Coluna da Emmir – www.comshalom.org

Audrey-Proveta-blog

Audrey Kermalvezen, advogada francesa, descobriu a verdade sobre si depois de casar-se com outro “filho da fecundação in vitro”. Em entrevista exclusiva, ela conta o medo que ela e seu marido têm em comum: os dois podem ser filhos do mesmo pai.

Perceber, desde criança e quase inconscientemente, que há algo de errado; descobrir que não “está tudo bem” nascer em um laboratório e de uma pessoa diferente daquela que te criou; ficar com raiva e, depois, perceber que a responsabilidade não é só dos próprios genitores, mas de todo um sistema; sofrer e, então, reagir, entrando na luta contra isso. É essa a história que fez Audrey Kermalvezen, uma advogada francesa de 33 anos, tornar-se uma das paladinas da luta contra a fecundação heteróloga e o anonimato dos chamados “doadores” de gametas.

Concebida em proveta. Kermalvezen é membro da associação Procréation médicalement anonyme (“Procriação medicamente anônima”). “Estamos aqui mais para testemunhar o quanto é difícil sermos gerados assim que para lutar por descobrir as nossas origens“, ela explica. A advogada usa o plural porque a sua história começa quando já era casada com um homem concebido em proveta, como ela. Ele, todavia, sabia desde criança que tinha nascido por fertilização heteróloga. Acaso? “Bem – continua a advogada –, quando eu era pequena não sabia de nada, mas sempre sonhava com um homem que chegava e me levava embora. Perguntava continuamente aos meus genitores se eles tinham me adotado. Com 23 anos, escolhi especializar-me em direito bioético, mesmo não sabendo ainda nada da minha história”. Em suma, tudo parecia empurrar Kermalvezen para o mundo da proveta.

A revelação. Mais tarde, em 2009, tendo completos 29 anos, os genitores da moça decidiram revelar, a ela e ao irmão, então com 32 anos, que ambos tinham sido concebidos em laboratório, com o esperma de um desconhecido. “Meu irmão se sentiu aliviado” porque sempre tinha desconfiado haver “qualquer coisa que não batia” entre ele e a sua família. Ao contrário, a reação de Kermalvezen foi de “raiva” contra os seus genitores, pelo fato de haverem mentido para eles, mesmo tendo compreendido, depois, “que não eram só eles os responsáveis pelo segredo, mas também os médicos criaram todas as condições para mantê-lo, escolhendo um doador que se assemelhava ao meu pai e dizendo a ele e a minha mãe para não nos contarem nada”.

“Nosso medo”. Para a advogada, todavia, a dor veio duplicada. “Com o meu marido eu divido um receio: o de sermos nascidos do mesmo genitor”, razão pela qual ele está tão engajado na batalha para ter acesso às suas origens. “Ele e suas duas irmãs sempre souberam que tinham sido concebidos por um doador de esperma, mas esperavam que os seus genitores lhes dessem as informações sobre a identidade do seu pai, uma vez que completassem os 18 anos. Mas isso não aconteceu: eles não tiveram acesso a nenhuma notícia a respeito”.

“Eles se recusam a responder-me”. Como foi concebida em 1979, a norma francesa que, desde 1994, estabelece a obrigação do anonimato para o doador, não é um problema. “É meu direito contatar o ‘doador’ e eles perguntam se ele quer permanecer anônimo ou não. Se disser que não quer me revelar a sua identidade, respeitarei a decisão”, ela explica. De uma coisa, porém, Kermalvezen não abre mão: “A lei protege só a identidade, mas a justiça francesa estabelece, ao menos, que não pode esconder se o meu irmão ou o meu marido e eu fomos concebidos do esperma do mesmo homem. Mesmo assim, eles se recusam a responder-me.”

“Não há nenhum remédio”. Kermalvezen conta a sua história no livro Mes origines, une affaire d’Etat (Max Milo), lançado em 2014. Infelizmente, é difícil para um filho de proveta reivindicar um direito quando a lei, permitindo a fecundação assistida, sempre joga o direito do não nascido para o segundo plano em relação àquele do adulto. “Esse é o problema pelo qual eles não nos respondem”, conclui. “Eis por que nós não estamos aqui, antes de tudo, para conhecer as nossas origens, mas para testemunhar o quanto é duro nascer assim”. Porque, para todo esse sofrimento, “não há nenhum remédio”.

Fonte: Tempi.it |

bebe de proveta

Desde o nascimento do primeiro bebê de proveta na Inglaterra em 1978, experiências similares através de técnicas cada vez mais avançadas em todo o mundo resultaram em outros 29 mil bebês concebidos de maneira artificial, como parte uma “indústria” que começa a ser cada vez mais questionada por seus protagonistas.

A primeira. Louise Brown é a primeira bebê de proveta do mundo e nasceu como resultado das experiências do professor Robert Edwards e o doutor Patrick Steptoe, os pioneiros britânicos na técnica de unir um espermatozóide e um óvulo para obter um zigoto no laboratório e implantá-lo em um útero feminino. A técnica, alguns anos depois, deixaria de ser empregada somente para “ajudar os casais estéreis” para tornar-se um lucrativo negócio cada vez mais aperfeiçoado cientificamente.

Avanços? Enquanto na concepção natural centenas de milhões de espermatozóides tratam de entrar em um óvulo e finalmente só um – o mais apto – pode fecundá-lo, técnicas como a micro-injeção de esperma dão aos especialistas a faculdade de selecionar qual espermatozóide determinará os traços do bebê. O desenvolvimento desta técnica, que desde 1992 permite a fecundação em um microscópio através da injeção direta de um espermatozóide em um óvulo, fez com que hoje seja muito fácil obter embriões com características específicas embora muitas vidas se percam no caminho.

Se bem no começo os óvulos fecundados eram colocados rapidamente no útero feminino, a criotecnologia desenvolveu métodos para manter vivos os embriões congelando-os até que algum casal decida continuar com seu ciclo de vida. Entretanto, nem tudo é tão simples, pois muitas vezes os embriões não são reclamados por seus “donos” e estes devem ser “desfeitos”, quer dizer mortos.

Um drama. A seus vinte anos, Louise se sente “orgulhosa” de ter a distinção de ser a primeira bebê conseguida por inseminação artificial e afirma que desde os quatro anos – quando soube que era uma filha de proveta – se sente contente de que seus pais tenham recorrido a este métodos para gerá-la e quer tenham repetido a técnica com sua irmã mais nova, Natalie, agora com 16 anos. entretanto, o caso de Louise não se repete com freqüência entre os filhos de proveta, que costumam enfrentar um autêntico drama existencial ao saber sobre sua origem. Um destes é Margaret R. Brown, uma jovem e brilhante estudante de biologia gerada in vitro com a ajuda de um doador anônimo dos Estados Unidos.

Sua história. “Tenho um sonho recorrente: me vejo flutuando em no meio da escuridão enquanto giro cada vez mais rápido em uma região sem nome, fora do tempo, quase não terrenal. Fico angustiada e quero por os pés no chão. Mas não há nada sobre o que plantar os pés. Este é meu pesadelo: sou uma pessoa gerada por inseminação artificial com esperma de doador e nunca conhecerei metade de minha identidade”. Este é o testemunho com o qual Margaret comoveu ao mundo a alguns anos atrás.

O golpe. Após conhecer o modo como foi concebida, Margaret decidiu denunciar o trauma de ser filha de proveta. “Sinto raiva e confusão e me vem milhares de perguntas: De quem são os olhos que tenho? Quem pôs na cabeça de minha família a idéia de que minhas raízes biológicas não importavam? Não se pode negar a ninguém o direito de conhecer suas origens biológicas”.

A fecundação. É muito provável que o processo de fecundação de Margaret tenha começado igual aos outros, com a seleção do doador de esperma, que deve cumprir com as usuais características requeridas pelos virtuais clientes, quer dizer a cor dos olhos, a pele o cabelo.

Segundo afirmou Margaret, de acordo a suas próprias pesquisas, “normalmente são feitas várias provas com um doador diferente de cada vez, fato que torna praticamente impossível determinar quem é exatamente o pai biológico, ainda mais quando depois da doação são eliminados os registros”. Ao mesmo tempo, obtém-se vários óvulos da mãe e então realiza-se a fecundação artificial. “Geralmente são realizadas várias inseminações como se fosse uma espécie de loteria de fecundação para obter melhores resultados”, explica Margaret.

Bebê esquecido. Segundo Margaret, o problema radica em que “a inseminação artificial responde ao interesse da intimidade dos pais e do médico, em vez do interesse da criança… mas um filho não é uma mercadoria nem propriedade, é uma pessoa que tem seus próprios direitos”.

Não conta. Para Jacques Testart, o primeiro pesquisador francês a praticar uma inseminação artificial, este argumento nunca preocupou aos impulsores e empresários da fecundação in vitro, que souberam explorar o desejo de filhos em matrimônios estéreis ou mulheres solteiras para seus próprios interesses.

Há vários anos Testart se opõe rotundamente a estas práticas “porque não respeitam as normas morais e levam a tratar ao ser humano como uma mercadoria e não como uma pessoa”, algo que tristemente se comprova dia a dia a uma escala cada vez maior.

espermatozoide-humano-size-598

Cientistas britânicos afirmam ter criado espermatozóides a partir de células-tronco da medula óssea feminina – abrindo caminho para o fim da necessidade do pai na reprodução.

A experiência vem sendo desenvolvida por especialistas da Universidade de New Castle que, em abril do ano passado, anunciaram ter conseguido transformar células-tronco da medula óssea de homens  adultos em espermatozóides imaturos.

Em entrevista à última edição  da revista New Scientist, Karim Nayernia, um dos pesquisadores envolvidos no estudo, disse que agora os cientistas repetiram a experiência com células-tronco da medula óssea de mulheres, podendo “abrir caminho para a criação do espermatozóide feminino”.

No trabalho, ainda não publicado, Nayernia disse à New Scientist estar esperando a “permissão ética ” da universidade para dar continuidade ao trabalho, que consistiria em submeter os espermatozóides primitivos à meiose, um processo que permitiria a maturação do espermatozóide, tornando-o apto para a fertilização.

“Em princípio, eu acredito que isso seja cientificamente possível”, disse Nayernia.

O estudo, afirma a revista, poderia possibilitar que um dia, casais de lésbicas poderão ter filhos sem a necessidade de um homem, já que o espermatozóide de uma mulher  poderia fertilizar o óvulo da outra.

Fonte: http://portalsantoandreemfoco.com.br/

Nota do Blog Vida sem Dúvida:

É muito importante nos voltarmos para a verdade inscrita na natureza humana no que diz respeito aos aspectos presentes no ato conjugal. Não precisamos de grandes reflexões e análises rigorosas para concluirmos que a reprodução humana tem aspectos intrínsecos intocáveis. Substituir o papel do homem ou da mulher é ferir o cerne da reprodução e arrancar todo seu sentido. A fecundidade do ato conjugal está objetivamente ligada ao fato deste envolver macho e fêmea, cuja transmissão da vida foi confiada por Deus.

Nunca podemos esquecer que, “pela sua estrutura íntima, o ato conjugal, ao mesmo tempo que une profundamente os esposos, torna-os aptos para a geração de novas vidas, segundo leis inscritas no próprio ser do homem e da mulher. Salvaguardando estes dois aspectos essenciais, unitivo e procriador, o ato conjugal conserva integralmente o sentido de amor mútuo e verdadeiro e a sua ordenação para a altíssima vocação do homem para a paternidade… um ato de amor recíproco, que prejudique a disponibilidade para transmitir a vida que Deus Criador de todas as coisas nele inseriu segundo leis particulares, está em contradição com o desígnio constitutivo do casamento e com a vontade do Autor da vida humana. Usar deste dom divino, destruindo o seu significado e a sua finalidade, ainda que só parcialmente, é estar em contradição com a natureza do homem, bem como com a da mulher e da sua relação mais íntima; e, por conseguinte, é estar em contradição com o plano de Deus e com a sua vontade.” (Papa Paulo VI – Humanae Vitae n.12 e 13)

family with children on hands, sunset sky

Um hábito 100% natural, com fundamento científico, sem riscos para a saúde, que tem altíssimos índices de eficácia e respeita o corpo da mulher.

 

O planejamento natural da família (PNF) compreende uma série de métodos para adiar a gravidez ou para consegui-la, baseando-se, por um lado, na observação da fertilidade da mulher e, por outro, na educação da atividade sexual do casal. É uma ajuda para viver a paternidade de maneira responsável, tanto para conceber quanto para espaçar ou limitar os nascimentos dos filhos.

Como funciona o PNF?

Há vários meios de fazer um planejamento familiar com métodos naturais: o sintotérmico, o Método de  Ovulação Billings, o método do ritmo, entre outros. O que os assemelha é que todos partem de fatos cientificamente constatáveis:

– Que o homem é fértil todos os dias da vida, enquanto a mulher só o é em alguns dias do mês.

– Que a fertilidade da mulher tem sinais que o casal pode aprender a reconhecer, para que, abstendo-se de relações sexuais em tais dias, possa evitar uma gravidez – ou, pelo contrário, conseguir planejar a geração de uma nova vida.

Como se aprende o PNF moderno?

Os cursos, livros e oficinas que informam e ensinam sobre o PNF são orientados ao casal, para que, juntos, marido e mulher aprendam a reconhecer os sinais fisiológicos da fertilidade feminina (aumento do fluxo e viscosidade da mucosa vaginal, aumento da temperatura basal da mulher, pequenas pontadas no abdômen etc.) e possam regular sua atividade sexual de acordo com tais sinais, que a própria natureza oferece sem a necessidade de fecharem-se à transmissão da vida..

Esta aprendizagem é muito simples e sua prática exige apenas observação e o relato do que se observa. É importante ressaltar que não se trata de intuições ingênuas, sinais subjetivos ou observações abstratas do próprio corpo, mas a constatação de sinais fisiológicos claros, incontestáveis e confiáveis e que independem da duração do ciclo menstrual de cada mulher, ou seja, os métodos naturais se aplicam com a mesma eficácia científica para todas as mulheres e quando realizados com rigor e segundo a autenticidade dos métodos tem eficácia maior do que a maioria dos métodos artificiais, com a vantagem de não colocar a saúde da mulher e alma dos filhos em risco.

É importante ressaltar que existem pessoas capacitadas e autorizadas pela Igreja para oferecer estes cursos, bem como aquelas designadas pelos diversos departamentos para a família, em muitas dioceses do mundo. No Brasil, um dos centros de capacitação mais conhecidos é o CENPLAFAM. Cada casal, seja de namorados, noivos ou casados, que deseja aprender esses métodos deve procurar em sua região instrutores que os ajudem no aprendizado, tomando sempre muito cuidado com a fidelidade e rigor que cada método exige para ter sua eficiência garantida.

Quais são as vantagens do PNF?

O PNF não oferece nenhum risco para a saúde das pessoas e é altamente eficaz, quando aplicado com verdadeira motivação e consistência, por parte do casal. Ele não requer o uso de medicamentos, aparelhos ou cirurgias.

Quanto à vida do casal, seus benefícios são incomparáveis. Os cônjuges se preservam de artifícios químico-mecânicos e permanecem fiéis às dimensões unitiva e procriativa do ato conjugal, sem ferir sua beleza intrínseca e seu ciclo natural, pois

um ato de amor recíproco, que prejudique a disponibilidade para transmitir a vida que Deus Criador de todas as coisas nele inseriu segundo leis particulares, está em contradição com o desígnio constitutivo do casamento e com a vontade do Autor da vida humana. Usar deste dom divino, destruindo o seu significado e a sua finalidade, ainda que só parcialmente, é estar em contradição com a natureza do homem, bem como com a da mulher e da sua relação mais íntima; e, por conseguinte, é estar em contradição com o plano de Deus e com a sua vontade. 

(Humanae Vitae n.13).

Além disso, pelo uso de métodos naturais, os cônjuges exercitam um grau mais elevado de autodomínio e um respeito mútuo mais profundo, que gera mais intimidade, união e consequente felicidade ao casal. Finalmente, marido e mulher se tornam mais conscientes da sua extraordinária e generosa contribuição e responsabilidade como cocriadores com Deus. Por isso, o fato de o PNF envolver sacrifícios e períodos de abstinência sexual, ao contrário de ser considerado um fator negativo, na verdade configura-se um imenso bem aos cônjuges.

O que é a paternidade responsável?

A Igreja Católica nos ensina que o dom da fertilidade é uma bênção para o casal, mas também uma grave responsabilidade, porque implica em acolher com amor, criar com responsabilidade e educar os filhos.

Por isso, a Igreja, no documento Humanae Vitae  (n. 8), nos recorda que “o exercício responsável da paternidade implica que os cônjuges reconheçam plenamente os próprios deveres, para com Deus, para consigo próprios, para com a família e para com a sociedade, numa justa hierarquia de valores”.

Por que a Igreja Católica não aceita a anticoncepção?

Os anticoncepcionais separam o ato conjugal, de forma arbitrária e até negativa, em suas dimensões intrínsecas de união e abertura natural à vida, destruindo ou obstaculizando a fertilidade e, com ela, o poder criador de Deus. São João Paulo II escreveu às famílias dizendo: “Quando os cônjuges, mediante o recurso à contracepção, separam estes dois significados que Deus Criador inscreveu no ser do homem e da mulher e no dinamismo da sua comunhão sexual, comportam-se como «árbitros» do plano divino e «manipulam» e aviltam a sexualidade humana, e com ela a própria pessoa e a do cônjuge, alterando desse modo o valor da doação «total». Assim, à linguagem nativa que exprime a recíproca doação total dos cônjuges, a contracepção impõe uma linguagem objetivamente contraditória, a do não doar-se ao outro: deriva daqui, não somente a recusa positiva de abertura à vida, mas também uma falsificação da verdade interior do amor conjugal, chamado a doar-se na totalidade pessoal.” (Familiaris consortio, n.32)

Em contrapartida, os métodos naturais, não interferem deliberadamente na abertura à vida, mas ajustam a união conjugal ao ritmo da fertilidade, levando o casal a evitar as relações sexuais quando desejem espaçar os nascimentos dos filhos ou, planejando-se, quando decidem acolher responsavelmente o dom de uma nova vida.

Por “anticoncepcionais” se compreende o aborto e todo tipo de método que interrompa ou impeça a dimensão procriativa do ato conjugal. Isso inclui todo uso antinatural do ato conjugal e a utilização de qualquer anticoncepcional, seja de barreira (como preservativos), químico (pílulas anticoncepcionais, injeções, implantes etc.) ou mecânico (como os dispositivos intrauterinos). Os métodos químicos e mecânicos podem ser abortivos e isso torna seu uso mais grave ainda.

topic (1)

Saiba o que me ajudou quando eu me sentia não apenas deprimido, mas também menos homem.

No início do nosso casamento, eu pedi que a minha esposa tomasse a pílula. Eu nem imaginava as repercussões dramáticas dessa escolha para a nossa vida futura.

Os médicos não nos avisaram dos efeitos da contracepção no longo prazo. Alguns métodos agem como verdadeiro veneno contra a fertilidade da mulher. Outros descontrolam e confundem o seu corpo, manipulando os hormônios.

Quando eu disse à minha esposa que queria parar de usar acontracepção, não foi por causa de questões morais. Eu simplesmente achei que estava pronto para ser pai. Mal imaginava eu o tempo de sofrimentos que precisaríamos enfrentar para chegar até o sonho da concepção de um filho.

Os hormônios afetados pela contracepção precisam de um bom tempo para voltar às condições adequadas e saudáveis. Tudo o que passa pelo nosso corpo contrariando os ciclos naturais implica tempo para o nosso corpo se recuperar depois.

De maneira alguma esperávamos uma gravidez imediata, é claro, mas, à medida que o tempo ia passando, eu comecei a sentir uma dor angustiante no coração. A depressão não era novidade para mim. Quando garoto, passei por um tratamento que me fazia ter a sensação de nunca estar no controle de mim mesmo.

Na adolescência, o meu comportamento mudava com frequência. Eu cresci incrivelmente apático a tudo, não querendo participar de esportes de equipe, não querendo fazer os trabalhos escolares, lidando com uma autoestima muito baixa. Quem me conhecia, no entanto, nunca teria imaginado isso de mim: eu sempre fui visto, afinal, como o palhaço da turma, como a vida do grupo, como o cara que nunca dizia não ao desafio nem à diversão.

Mas era apenas encenação. Durante muito tempo, eu achei necessário atuar, ser uma pessoa que eu não era, como se fosse ficar sem amigos ou desapontar os meus pais caso não agisse de acordo com certos moldes. Foi aí que eu precisei dos antidepressivos.

Anos depois, quando notei que a minha esposa e eu não conseguíamos a gravidez com que tanto sonhávamos, aqueles sentimentos voltaram. Eu entendia, racionalmente, que as coisas demoravam por causa da questão hormonal. Mas, na minha cabeça, eu dizia a mim mesmo que a culpa era minha. Primeiro, por tê-la forçado a arruinar o seu corpo. Segundo, e principalmente, porque o meu próprio corpo não estava conseguindo “render o que seria de esperar” de um homem sadio.

Como homem, egoísta ou não, eu queria estar sempre em condições de dar à minha mulher o que ela quisesse, na hora que ela quisesse. Depois de tantas “tentativas” e piadas estereotipadas do tipo “a prática leva à perfeição”, eu comecei a me sentir menos homem.

Eu estava deprimido. Não desfrutava mais do sexo como antes, porque me sentia incompleto se não atingisse um determinado objetivo. Eu me sentia menos masculino. Meu estresse estava nas alturas. A minha interação social ficava comprometida por causa da minha incapacidade de engravidar a minha esposa.

As pessoas me perguntavam: “E aí, ela já está grávida?”. Ou diziam: “Eu já separei umas roupinhas para o bebê de vocês”. “Bom, talvez vocês não tenham sido feitos para ter filhos”. “Continuem tentando”.

Quando uma mulher não pode ser mãe com seu próprio corpo, o máximo que eu posso é supor o que ela sente. Mas, como homem, eu posso afirmar que a infertilidade não é brincadeira. Homens também querem filhos. Queremos ser pais e, como maridos, precisamos estar do lado das nossas esposas nesta problemática da infertilidade.

Para mim, tudo veio com o tempo. Hoje, eu quero deixar algumas sugestões aos casais para manterem seus casamentos sólidos durante a provação da infertilidade.

– Conversem. Discutam, mas permaneçam positivos. E, homens, conduzam a conversa: suas esposas precisam de vocês fortes.

– Consultem especialistas em fertilidade. Eles podem ajudar nesse momento difícil com orientações e apoio para vocês e para o seu casamento.

– Não se culpem. A última coisa de que vocês precisam é de um dedo apontado contra vocês. Especialmente se for o seu próprio.

– Mantenham a esperança. A segunda melhor maneira de vocês apoiarem um ao outro é a esperança. O seu casamento sairá mais forte da prova da pressão.

– Orem. Dividam as suas preocupações com Deus Pai, Filho e Espírito Santo. Ele já sabe de tudo e participa do seu sofrimento. Orem juntos. Assim como a intimidade sexual, a intimidade da oração também pode e deve ser compartilhada pelo casal.

Estes são os meus pensamentos e sugestões pessoais sobre ainfertilidade, para os homens e para os casais. Sintam-se livres para compartilhar as suas próprias sugestões nos comentários.

embriao-2

Aqueles que são favoráveis ao aborto, ao uso de “pílulas do dia seguinte”, uso de células tronco embrionárias para fins terapêuticos, etc., se esforçam para impor à população o conceito de “pré-embrião”, como se o ser humano só passasse a existir após um certo número de dias após a sua concepção. Acontece que a ciência, cada dia mais, deixa claro que não existe o “pré- embrião”.

Mais de 200 cientistas e professores universitários espanhóis tornaram público, em 11 dez 2006,  um Manifesto discordando com alguns dos conteúdos do Projeto de Lei de Pesquisa em Biomedicina, que se debaterá na próxima quinta-feira no Congresso dos Deputados da Espanha. (Zenit. org – Valência, 11 dez 06)

O Manifesto é acima de tudo contra o perigoso e sútil conceito de “pré embrião” e foi  promovido por Luis Franco Vera, da Real Academia de Ciências Exatas, Físicas e Naturais e catedrático de Bioquímica e Biologia Molecular da Universidade de Valência, e foi firmado por 14 acadêmicos, dois cientistas premiados com o Prêmio Jaime I, 39 catedráticos universitários e mais de 150 pesquisadores e professores.

Os pesquisadores afirmam que «desde um ponto de vista estritamente científico, não têm sentido as distinções semânticas como a que se introduz ao chamar pré-embrião o embrião obtido por fecundação in vitro».

Sabemos que este conceito de “pré-embrião” é uma maneira mascarada de se tentar legitimar a manipulação de embriões em experiências genéticas, geração e uso de células tronco embrionárias, aborto, “pílula do dia seguinte” e outras coisas que não se coadunam  com a dignidade do ser humano.

Os cientistas afirmaram no Manifesto que há dados que tornam “inadmissível desde um ponto biológico identificar o embrião como uma simples massa de células, nem sequer nos dias anteriores à sua implantação”, e que o embrião é «um organismo individual da espécie “Homo sapiens”, certamente em estado incipiente de desenvolvimento, mas não por isso merecedor de um estatuto biológico distinto do adulto».

Ainda sobre o uso terapêutico de células-tronco embrionárias, os pesquisadores querem evitar a «criação de falsas esperanças no seu uso», já que «essas células não deram lugar até agora a aplicações realmente terapêuticas em seres humanos». Eles afirmam que «a elevada taxa de proliferação das células embrionárias provoca, em mais de 60% dos animais em que se implantam, a aparição de tumores». Isto quer dizer que até agora o uso dessas células tronco embrionárias não deram resultado favorável.

Por outro lado os cientistas que assinaram o Manifesto, acreditam no emprego das células-tronco de origem adulta, que «deram lugar já ao tratamento de mais de 70 patologias humanas de diversos tipos e são numerosos os protocolos de experimentação clínica em andamento, com resultados promissores em muitos casos». Dizem eles que «são 544 os protocolos que utilizam células-tronco adultas, não se apresentou nenhum com células de origem embrionária».

Assim, esses mais de 200 cientistas espanhóis desmascaram a mentira que é necessário usar células tronco embrionárias para fins terapêuticos. Contra fatos não há argumentos.

Eles ainda fazem «um chamado para que a discussão científica seja levada a cabo com ânimo aberto, de modo que, baseando-se em argumentos científicos, cada um possa emitir retamente um juízo ético sobre os diversos modos de atuar na pesquisa biomédica».

Entre os cientistas que assinaram o Manifesto figuram, entre outros, o professor Eduardo Primo Yúfera, Premio Jaime I; os acadêmicos Ramón Llamas, Adriano García Loygorri, Carlos Sánchez del Rio, Pedro Jiménez Guerra, Guillermo e Víctor Jiménez; os catedráticos em Bioquímica Concepción Abad, Eduardo Arilla, Eduardo García Peregrín, Ignácio Núñez de Castro, Esteban Santiago e José M. Vega; os catedráticos de Biologia Celular José Manuel García Verdugo, Antonio Pellín e Ricardo Paniagua; os catedráticos de Fisiología José M. Estrela e José Viña; os catedráticos de Química Orgânica Ramón Mestres e José María Marinas; o de Histologia, Amando Peydró; o de Anatomia e Embriologia Humana Francisco Sánchez do Campo; o de Genética, Nicolás Jouve da Barreda; e o catedrático de Patología Cirúrgica, Carlos Vara.

A ciência já comprovou cabalmente que o ser humano passa a existir desde a sua concepção e por isso, a Igreja afirma que sua vida, a partir deste instante, é inviolável; e qualquer ofensa à sua integridade é grave injuria ao ser humano mais indefeso.
O conhecido e famoso Dr. Jérôme Lejeune (1926-1994), médico geneticista e pediatra francês, que descobriu a causa genética da Síndrome de Down em 1958, dedicou-se integralmente ao tratamento das doenças genéticas que atingem as crianças. Durante o período em que foi chefe da unidade de Citogenética do Hospital Necker – Enfants Malades, em Paris, sua equipe estudou mais de 30.000 casos de doenças genéticas e tratou de mais de 9.000 pacientes com doenças que afetam a inteligência. Recebeu diversos prêmios acadêmicos e doutorados “honoris causa”, sempre garantiu que a vida humana começa na concepção.

O Dr. Jérôme afirma que «A célula original do ser humano é semelhante ao gravador com a fita. Mal o mecanismo se põe em funcionamento, a vida humana desenvolve-se de acordo com o seu próprio programa, e se o nosso organismo é efetivamente um aglomerado de matéria animado por uma natureza humana, isso se deve a esta informação primitiva, e somente a ela. O fato de o ser humano dever desenvolver-se no seio do organismo materno durante os seus nove primeiros meses não modifica em nada este fato. Para a mais estrita análise biológica, o princípio do ser remonta à fecundação, e toda a existência, desde as primeiras divisões celulares até à morte, não é senão a ampliação do tema originário.”

“A primeira célula que se divide ativamente, esse primeiro conglomerado celular em incessante organização, a pequena mórula que vai aninhar-se na parede uterina – será já um ser humano diferente da sua mãe? Sim. Não somente a sua individualidade genética já está estabelecida, como acabamos de ver, mas este minúsculo embrião, no sexto ou sétimo dia da sua vida, com um tamanho de um milímetro e meio apenas, é já capaz de presidir ao seu próprio destino. É ele, e somente ele, quem por uma mensagem química estimula o funcionamento do corpo amarelo do ovário e suspende o ciclo menstrual da sua mãe. Obriga assim a mãe a protegê-lo; faz já dela o que quer, e continuará a fazê-lo daí por diante.” (Fonte: “Laissez le vivre”, Éd. Pierre Lethielleux, Paris, 1975, pp. 17-29)

Ninguém pode desmentir essa afirmação científica. O ser humano começa no primeiro instante de sua concepção.

Prof. Felipe Aquino

EstudiantesMedicina_AutorPrevencionFremap_CC-BY-2.0

O Colégio Real de Obstetrícia e Ginecologia da Inglaterra incorporou polêmicos requisitos para conceder a certificação nesta especialidade discriminando os estudantes pró-vida.

As normas do colégio obrigam os estudantes de medicina que procuram especializar-se a prescrever anticoncepcionais e fármacos abortivos ainda contra suas crenças e princípios.

Vitória Weissman, estudante do último ano de medicina, explicou ao Catholic News Agency, agência do Grupo ACI, que “estas normas impedem que profissionais que, devido a seus valores, não estão dispostos a receitar anticoncepcionais possam especializar-se em uma área importante do exercício clínico”.

Segundo o jornal britânico The Telegraph, no mês de fevereiro a Faculdade de Cuidado Sexual e Reprodutivo do Colégio Real de Obstetrícia e Ginecologia da Inglaterra voltou a publicar a sua guia clínica de especializações em cuidado sexual e reprodutivo.

A faculdade informou que para obter a certificação é necessário completar todo o plano de especialização que inclui “a disposição a prescrever todo tipo de anticoncepcional hormonal, incluindo anticoncepcionais de emergência, independente das crenças pessoais”.

A atualização da guia diz que os médicos clínicos que se opõem a “qualquer método anticoncepcional” por princípios morais ou religiosos, não cumprirão totalmente os requisitos do programa e serão considerados inelegíveis para obter o título da especialização.

Weissman considerou que “o cuidado de saúde sexual e reprodutiva é muito mais que prevenir e tirar uma vida”. Acrescentou que as drogas abortivas atuam “uma vez que acontece a concepção, uma vez que a vida começa a existir. Elas impedem que esta vida se desenvolva, prospere, sobreviva”.

Estes medicamentos “fazem que atentemos contra o Quinto Mandamento e o Juramento Hipocrático”, argumentou.

Weissman afirmou que ir contra suas crenças “ajudaria a promover uma atitude na sociedade que não respeita a dignidade de cada vida humana, independente da etapa em que se encontre”.

Estas normas também preocuparam o medico Peter Saunders, alto executivo do Christian Medical Fellowship, organização que reúne médicos e estudantes de medicina cristãos do Reino Unido.

“Isto impedirá que os médicos pró-vida se especializem em saúde sexual e reprodutiva. Do mesmo modo, fará muito mais difícil que os médicos não especializados obtenham trabalho nos programas de família ou saúde reprodutiva”, indicou Saunders e advertiu que a nova política poderia constituir uma discriminação ilegal contra quem defende uma crença moral ou religiosa.

Fonte: acidigital.com

barriga

As coisas têm um preço, mas o ser humano tem uma dignidade: o corpo da mulher não é uma ferramenta de produção.

Conheça as razões pelas quais a Igreja se opõe à prática das barrigas de aluguel:

1. A Igreja se preocupa com o sofrimento das mulheres afetadas pela esterilidade, mas se opõe à descriminalização das barrigas de aluguel em nome do respeito à dignidade humana.

A Igreja recorda que a intenção legítima e excelente de dar vida a um filho não confere um “direito” ao filho, que permitiria que os pais exigissem do Estado qualquer meio para chegar a este objetivo.

O fim não justifica os meios, reafirma a Igreja, protegendo um dos maiores princípios da vida moral pessoal e coletiva.

Para promover o respeito à dignidade humana neste tema, ela se apoia em numerosos argumentos racionais dirigidos à mãe e ao filho, como se apresentam a seguir.

2. A prática da barriga de aluguel se baseia na instrumentalização do corpo da mulher, transformando-o em ferramenta de produção.

Com relação à barriga de aluguel, a instrumentalização da pessoa é manifesta. O contrato tem, de fato, a intenção de proporcionar um “empréstimo” do útero, em troca de remuneração ou compensação à mulher que se entrega a isso, conferindo um direito patrimonial sobre o seu corpo, incompatível com a dignidade humana.

Colocando seu corpo à disposição dos que o requerem, a mãe de aluguel produz um filho por meio do seu instrumento de trabalho, o útero, o que leva a uma confusão entre gravidez e simples fabricação de mercadoria.

Como a prostituição separa a sexualidade da vida íntima para transformá-la em serviço disponível no mercado, o uso de uma mulher como gestante separa a maternidade da vida pessoal e privada para transformá-la em trabalho e serviço.

3. A prática da barriga de aluguel contradiz o princípio de indisponibilidade do corpo humano.

Alguns podem argumentar que a mãe de aluguel é voluntária e perfeitamente consciente do que faz. Mas a prática da barriga de aluguelcontradiz o princípio de indisponibilidade do corpo – componente, ele mesmo, da dignidade da pessoa humana.

Como o corpo se identifica com a pessoa, deve se beneficiar desta indisponibilidade. Este princípio tem uma virtude essencial: preserva-nos da mercantilização do corpo humano. Isso permite evitar que os mais pobres sejam tentados a abdicar da sua dignidade vendendo o único que têm: seu corpo. De fato, você já viu mulheres ricas emprestando seu útero a mulheres pobres?

4. A prática da barriga de aluguel trata o filho como se fosse uma coisa da qual podemos nos apropriar.

Se a barriga de aluguel instrumentaliza a mulher, transformando-a em uma ferramenta viva, também implica em uma coisificação do filho, que ofende sua dignidade. De fato, a mãe de aluguel se compromete a ceder o filho colocando um ato de disposição relativo a uma pessoa. A isso segue uma coisificação do filho, tratado não como um sujeito de direito, mas como um objeto de crédito ou como algo devido, em razão de um contrato.

O ato de renunciar a um filho e entrega-lo em troca de uma retribuição o coloca no mundo das coisas apropriáveis e disponíveis, ao contrário da pessoa, radicalmente indisponível. As coisas têm um preço, o ser humano tem uma dignidade: esta é uma das leis da nossa civilização.

Reduzindo o filho a algo comercial, é lógico que se questione a qualidade do produto negociado no contrato. O que aconteceria se o filho não respondesse ao desejo dos que o encomendaram, se nascesse com alguma deficiência ou má-formação? Para evitar esta possibilidade, geralmente se propõe uma cláusula de ruptura de contrato, exigindo da mulher que exerça seu “dever de abortar”.

5. A prática da barriga de aluguel destrói a delicada relação que se estabelece entre mãe e filho ao longo da gestação.

Considerando sensato responder, a qualquer preço, aos desejos dos adultos, a prática da barriga de aluguel fere uma criança que não tem preço.

A mãe de aluguel se compromete a abandoná-lo no nascimento, depois dos nove meses de gravidez. Coloca-se, portanto, obrigatoriamente (não fazê-lo seria só um mecanismo de defesa), em situação de abandono psicológico desse filho.

Mas poderá ser assim realmente quando ela sentir o filho mexendo-se em seu interior? Como acreditar que o ato dessas mulheres estará isento de complexidades neurológicas potencialmente patológicas para elas, para seus próprios filhos e para aquele a quem ela abandona?

6. A prática da barriga de aluguel não é uma modalidade de adoção.

Os pais que adotam socorrem uma criança que já existe e é órfã dos seus pais naturais. A magnífica escolha da paternidade e maternidade adotivas não se encontra na origem da criança, não causa sua existência, não fabrica o bebê. Esta é a grande diferença. Os pais adotivos se situam em uma lógica de acolhimento de uma criança já nascida; abrem seus braços e seu lar a essa criança de passado doloroso.

A criança não é construída para satisfazer um capricho, mas recebida do outro, ou seja, dos seus pais desaparecidos. Os pais adotivos entram, assim, em uma dinâmica de participação em uma história, em um desígnio que os supera e do qual não são os primeiros responsáveis.

As pessoas podem sofrer por não ter filhos e a adoção nem sempre é fácil. Mas sempre haverá crianças a quem amar, sustentar, acompanhar, inclusive sem vínculo de parentesco genético. Mas sem possessão.

Esta é a fecundidade – exigente, mas fonte de alegria – que a Igreja mostra sempre que oferece seu discernimento em matéria de assistência médica à procriação.

(Por Pierre-Olivier Arduin, responsável pela comissão de bioética do Observatório sociopolítico da diocese de Fréjus-Toulon, França)

Fonte: aleteia.org