manipulação  genética
A engenharia genética é uma área de estudo que, no decorrer dos últimos anos, vem permitindo que seja possível manipular, identificar e multiplicar genes de um organismo, podendo modificar o DNA das células vivas. Com isso, a vida tornou-se “manipulável”.
Estudos futuros talvez possibilitem a criação de formas que descartem ou diminuam os efeitos de genes que codificam uma doença, dando liberdade aos pais de escolherem entre ter o filho ou não.
Fátima Oliveira, sem seu livro “Engenharia Genética: o sétimo dia da criação”, alega que as manipulações genéticas e seus produtos já existem, e mostra que manipular o DNA e modificar o código da vida é uma forma de conceber muito poder aos seres humanos.
Citando princípios de John Locke, Kant e John Stuart a respeito da autodeterminação – a autonomia do ser humano sobre si próprio, seu corpo e mente – podemos fazer uma analogia com o código genético: como propriedade individual, este indivíduo e somente ele, seria responsável pela escolha na modificação dos genes, decisão que poderia acarretar em uma mudança no curso natural da vida.
Lucien Sfez, professor de Ciências Políticas da Universidade de Paris I, alerta para o risco de essas manipulações poderem transformar a espécie humana em “desconhecida, monstruosa, anormal”. Esta ideia de suscetibilidade ainda levantou outras afirmações, como a de Joaquim Clotet, professor de Bioética da Pontifica Universidade Católica (PUC) do Rio Grande do Sul, de que “o genoma (código genético, DNA), ainda que propriedade de cada um, é componente de um patrimônio de toda a humanidade, já que o indivíduo está nela inserido”. Uma manipulação no genoma do indivíduo traria efeitos sobre seus descendentes e, consequentemente, sobre a humanidade.
Dentro de uma sociedade, a criação do código genético de um ser humano traz mais uma vez à tona, também, a discussão da eugenia – criar alguém como “bem-nascido” – prática que foi comum durante o nazismo. Bebês geneticamente “planejados” in vitro teriam seus genes alterados, a fim de retirar-lhes os causadores de doenças ou selecionar a ele as melhores condições físicas e mentais. Seguindo o raciocínio de preservação dos “bem-nascidos”, o padrão especificado pela sociedade (embrião alterado) seria mantido e os não utilizados seriam descartados.
E os poucos embriões que nascessem pela maneira convencional? Seriam eles considerados “inválidos”, já que apresentariam todos o histórico de doenças e problemas, não eliminados pela manipulação do DNA?
Atualmente, já existem testes genéticos capazes de prever a chance de certas doenças graves se manifestarem, e futuramente, a engenharia genética pode se desenvolver até que seja possível prevenir o aparecimento de certas doenças ou mesmo erradicá-las do genoma de nossos filhos (o que já ocorre com doenças ligadas ao cromossomo X, através da reprodução assistida).
Do mesmo modo, com o avanço da engenharia genética, talvez seja possível controlar as características codificadas pelos genes, podendo assim gerar indivíduos com características pré-determinadas como, por exemplo, pigmentação da pele, dos olhos e, quem sabe, até a inteligência.
Porém, a grande questão é: se pudermos manipular nossos genes para evitar doenças e outros problemas genéticos, o que evitará a manipulação de todas as outras características, simplesmente por conveniência e beleza?
Será isso, então, uma nova evolução da espécie humana, em que ela atua mais como um fator selecionador, do que como um indivíduo selecionado, gerando descendentes “perfeitos”, com as características mais desejáveis, elevando a humanidade a um estado evolucionário ainda mais superior? Ou estaremos transformando nossos filhos em nada mais que produtos, com características mais agradáveis a nós e à sociedade, criando uma nova forma de preconceito com os que não tem acesso a tal tecnologia ou mesmo não desejam se utilizar dela?
Será também que nossa humanidade, nossa identidade, nossa singularidade, não são resultados do acaso genético, do imprevisto, e a partir do momento que passamos a manipular os genes visando às características que eles codificarão, não estaremos “silenciando” o acaso e, por consequência, a nossa identidade e singularidade?

Fonte: UNESP Rio Claro – Biosferas: Artigos sobre Biotecnologia

feto 2
Os fundamentos utilizados pelo movimento pró-aborto, na tentativa de legalização desta prática no Brasil, estão se configurando cada vez mais esdrúxulos, a cada dia que passa. Parece que os bilhões de dólares investidos na engenharia abortista não são o suficiente para virar o jogo para o lado pró-aborto. A população brasileira continua defensora da vida, mesmo com o escasso acesso a informações científicas corretas, muitas delas falsificadas pelos abortistas. Então, já que não conseguem conscientizar a sociedade civil que o aborto é algo benéfico à mulher e à própria sociedade, concentram seus esforços no Judiciário, e é lá que as atrocidades jurídicas e argumentativas acontecem, para espanto geral.
 
Na última investida pela legalização do aborto, o Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) encaminhou ação ao Supremo Tribunal Federal (STF) pedindo a descriminalização do aborto nos casos de gravidez de até 12 semanas. Uma das alegações utilizadas nesta ação (ADPF 442) protocolada pelo PSOL, é que o bebê em gestação não teria o amplo direito à vida pois NÃO SERIA PESSOA CONSTITUCIONAL. Menos tecnicamente, a ideia por trás desta alegação é que POR AINDA NÃO TER NASCIDO, O BEBÊ EM GESTAÇÃO NÃO ESTARIA PROTEGIDO PELA CONSTITUIÇÃO FEDERAL, ou seja, não devendo ser considerada PESSOA CONSTITUCIONAL, consequentemente não tendo acesso ao direito constitucional à vida. Mas notem como esta lógica é totalmente equivocada.
 
Sabe-se que o bebê em gestação é um ser humano em desenvolvimento, inclusive este ponto sendo afirmado na própria ação protocolada pelo PSOL. Estando em desenvolvimento físico e psicológico, o bebê em gestação encontra-se em momento único de sua vida inicial em que, por aspectos inerentes ao seu próprio estágio de desenvolvimento intrauterino, deva ser tratado juridicamente de forma diversa em relação aos seres humanos já nascidos. Mas aos afirmarmos que o bebê em gestação deva ser tratado de forma diferente dos seres humanos já nascidos, não estamos sequer cogitando que ele seja desprovido de suas principais proteções legais. Aqui aplica-se um velho ditado do Direito, que corresponde à equidade: tratar os iguais de forma igual e os desiguais de forma desigual.
 
Este tratamento diferenciado ocorre em diversas situações em nossa sociedade, diariamente. Como exemplo, temos os menores de idade (crianças e adolescentes), que não são responsabilizados, como os maiores de idade, em diversos atos civis e criminais. Da mesma forma, o servidor público militar, que por sua condição específica não pode, por exemplo, se candidatar a cargo eletivo. Outro caso é o do Juiz de Direito e do Promotor de Justiça que, em face de suas funções ocupadas, não podem advogar, tendo suspenso seu registro na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). Outro exemplo é o do preso ou do estrangeiro não naturalizado, que por suas condições específicas não podem se utilizar de alguns direitos civis, como votar e ser votado, respectivamente. Assim se repetem em diversos outros exemplos, todos os dias!
 
Vejam nestes casos exemplificados que TODOS os personagens são seres humanos (iguais), mas são tratados de modo desigual, por sua peculiar e temporária situação de vida em determinado momento da sua existência. Mas do tratamento desigual, da restrição de direitos diversos, um permanece intacto, sem qualquer limitação: o direito à vida. Nem para o caso de criminosos em estado de prisão pode-se limitar o seu direito à vida. O Estado, em face da proteção constitucional a ser dada ao ser humano que cumpre pena de prisão, por sua situação de vulnerabilidade e dependência, deve garantir que lhe sejam assegurados direitos mínimos de sobrevivência e que sua vida seja preservada, a todo custo.
Então por que esta mesma proteção estatal não se aplica A TODOS OS BEBÊS EM GESTAÇÃO, como outro ser humano em condição temporária de vulnerabilidade e dependência? Por uma situação específica de sua existência, os bebês em gestação devem ser tratados de modo diferente dos demais, com algumas situações civis limitadas, obviamente, MAS SEM QUE TENHAM SEU DIREITO MAIS NATURAL RESTRINGIDO, por qualquer fundamento jurídico ou outro direito, seja constitucional ou não!
 
É natural que um bebê em gestação não possa usufruir de vários direitos civis aplicados aos seres humanos já nascidos, como votar em eleições, candidatar-se a cargo público, ser responsabilizado por crime, ou mesmo julgar seus pares. Mas seu DIREITO NATURAL À VIDA DEVE SER USUFRUÍDO POR COMPLETO, SEM QUALQUER RESTRIÇÃO ESTATAL. Assim como não se admite a limitação do direito à vida do militar, do estrangeiro, do menor de idade, do juiz, do promotor, do preso, por suas condições peculiares e passageiras, não se pode limitar o direito à vida dos bebês em gestação, por sua condição peculiar e passageira. O Estado (leia-se Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário) deve realizar todos os esforços para proteger este período peculiar do desenvolvimento do ser humano, ainda em gestação. Desse modo, não há outro caminho que não tratar os seres em gestação como PESSOAS CONSTITUCIONAIS, COM AMPLA PROTEÇÃO LEGAL e detentores do principal direito existente: o direito à vida!
 
Pensar diferente é fazer uso de um discurso vazio da morte para encher os bolsos de dinheiro com a indústria abortiva.
Por George Mazza – http://www.georgemazza.com.br

“Meus bíceps agradecem quando o composto químico funciona, para matar o feto antes de retirá-lo”, disse a médica em um vídeo flagrante, explicando que o desmembramento de um bebê “exige força”.

Um novo vídeo flagrante, divulgado pelo Centro de Progresso Médico, mostra a diretora médica de uma clínica da ‘Planned Parenthood’ (rede abortista dos EUA) descrevendo graficamente como coletar as partes do corpo de um bebê durante um aborto tardio.

A Dra. DeShawn Taylor confirmou que faz abortos eletivos em fetos saudáveis de até 24 semanas. Ela disse ao investigador disfarçado que quando o bebê é retirado, ela tem que se preocupar sobre como sua equipe e outras pessoas se sentem diante de um aborto tardio, porque muitas vezes o corpo da criança já está em boa parte formado.

Taylor explicou que, no Arizona, se um feto sai da barriga da mãe com qualquer sinal de vida, ele deve ser transportado para um hospital. No entanto, quando questionada pelo investigador se há um procedimento padrão para verificar a existências de sinais vitais no bebê, o Dr. Taylor responde: “Bem, a coisa é, quero dizer, a chave é, você precisa prestar atenção em quem está na sala”.

Uma substância química chamada digoxina é frequentemente usada em abortos, para garantir que o bebê morra ainda dentro da barriga da mãe. No entanto, quando partes do corpo fetal são coletadas para venda – crime cujo funcionários da ‘Planned Parenthood’ já foram flagrados praticando – o produto químico não pode ser usado, pois danifica os membros do feto. Taylor observou que prefere usar a digoxina porque não requer tanta força muscular.

“Meus bíceps agradecem quando o composto químico funciona, para matar o feto antes de retirá-lo. Eu me lembro de quando eu era uma funcionária da ‘Planned Parenthood’ e estava em treinamento. Eu pensava: ‘Nossa! Eu tenho que frequentar a academia e fazer musculação para terminar isso”, disse Taylor ao investigador que usava uma câmera escondida.

A compra ilegal de tecido fetal humano (partes de corpos de bebês abortados) é considerada um crime federal nos EUA, punível com até 10 anos de prisão ou multa de até US$500.000.

O líder do projeto pró-vida ‘Centro de Progresso Médico’, David Daleiden, disse que esta filmagem recente mostra faz parte de uma investigação sobre médicos da ‘Planned Parenthood’, dispostos a vender partes dos corpos de bebês abortados para centros de pesquisas (para cosméticos e outras finalidades) e lucrarem com isso. Para ganhar mais dinheiro, os profissionais das clínicas se propõem a usar ferramentas especiais para deixar os membros dos bebês intactos.

“As autoridades do país devem parar de forçar os contribuintes a subsidiarem a indústria criminosa do aborto que é a ‘Planned Parenthood’, e o Departamento de Justiça deve abrir imediatamente uma investigação completa e processar esta rede abortista até o máximo da lei”, disse Daleiden.

O senador James Lankford, de Oklahoma, falou sobre os vídeos sobre a ‘Planned Parenthood’ nas mídias sociais.

“A ciência mostrou que as crianças de 20 semanas de idade já podem sentir dor, mas essas mesmas crianças são submetidas a abortos horríveis, sendo esmagadas e desmembradas. Alguns bebês, embora milagrosamente, sobrevivam a um aborto, em vez de receberem cuidados de salvamento, são abandonados em morrem em uma nas clínicas. É hora de aprovar a Lei de Proteção da Criança Não-Nascida e a Lei de Proteção aos Sobreviventes de Aborto Nascidos Vivos. Não podemos ser uma nação que faz isso com nossos filhos”, declarou.

Clique no vídeo abaixo para conferir o flagrante (em inglês):

FONTE: guiame.com.br

Quando nos casamos, sem dúvida queremos ser felizes e o matrimônio é, por excelência, um caminho de comprovada felicidade e realização para quem é chamado a vivê-lo. Fazer quem nós amamos feliz é um projeto de vida nobre e excelente.

Quando homem e mulher prometem mutuamente uma aliança de amor por toda vida, este compromisso é sacramentado diante de Deus e dos homens e os dois tornam-se UMA SÓ CARNE!

 

Mas, quando é que se consuma o SER UMA SÓ CARNE do casal? No ato conjugal! Ali os esposos se unem, afirmam, renovam, fortalecem e edificam o amor prometido no altar. No entanto, o amor de um casal, na sua expressão mais bela e elevada, realizada por meio do ato conjugal, não está apontado apenas um ou para outro, mas para os frutos desse amor e dessa união. O SER UMA SÓ CARNE DE UM CASAL se concretiza e se expressa na geração e educação dos filhos. Eles são o maior dom na vida de um casal.

A encíclica Humanae Vitae diz no parágrafo 9:
“O matrimônio e o amor conjugal estão por si mesmos ordenados para a procriação e educação dos filhos. Sem dúvida, os filhos são o dom mais excelente do matrimônio e contribuem grandemente para o bem dos pais”.

Neste vídeo explico por que os filhos são este dom tão maravilhoso e excelente. Falo também do sentido que os filhos dão ao matrimônio, à vida conjugal e motivo aos casais que não tenham medo de se abrir aos filhos, pois foi pra isso que se uniram em santo matrimônio!

 

Por Renato Varges
Inscreva-se: https://goo.gl/I6JO66
Facebook – https://www.facebook.com/vidasemduvida

Em mais uma investida para a legalização do aborto no Brasil o Psol, partido ultra esquerdista, protocolou ação junto ao Superior Tribunal Federal -STF para que o crime seja permitido até a décima segunda semana de gestação. A relatora será a ministra Rosa Weber.

Movimento em favor da vida -Movida lançou um vídeo baseado em um experimento social que reflete a vontade da maioria dos brasileiros. A peça “A vida não tem defeito” foi desenvolvida pela Delantero Comunicação, uma das agências de publicidade mais premiadas do país. 

 

 

“É senso comum que a sociedade precisa tratar melhor as pessoas com deficiência. Neste sentido, já existem vagas de estacionamento reservadas, rampas de acesso, elevadores. Curiosamente, algumas pessoas que defendem corretamente esta causa querem cercear o direto mais básico das pessoas com deficiência: o direito à vida. É o chamado aborto eugênico. Pretende-se matar crianças no ventre da mãe, caso os bebês não sejam perfeitos.

É uma medida preconceituosa, de uma sociedade esquizofrênica que, ao mesmo tempo que diz defender as minorias, quer esmagá-las antes de nascer“, explica o diretor de criação da agência, Marcel Pinheiro.  A produção do vídeo é da Black Jack Films.

 

Fonte: http://blog.opovo.com.br/ancoradouro/

 

Quem é o homem? Qual a sua origem e seu destino? Qual o sentido da vida humana?

Perguntas tão importantes não podem ser respondidas de forma superficial, nem a partir de uma visão utilitarista e materialista do homem! Diante de questões tão decisivas é preciso ter uma visão integral do homem, olhar para suas verdadeiras aspirações e anseios. Sendo o homem um ser de natureza material e espiritual, olhá-lo apenas a partir de uma dessas duas dimensões é reduzi-lo e comprometê-lo em suas mais altas aspirações à felicidade.

Na origem da natureza humana uma sábia e essencial opção do Criador – FAZÊ-LO HOMEM E MULHER PARA VIVEREM NUMA UMA SÓ CARNE!

Isso não é um detalhe! Isso não é acidental, nem opcional! É uma escolha de Deus que aponta seu desígnio de amor para nossa natureza. Deus nos fez para o casamento! Em primeiro lugar para um casamento eterno com Ele, as núpcias do Cordeiro do Apocalipse, e para que compreendêssemos essa vocação altíssima, Deus nos criou vocacionados a um outro casamento, o casamento de Gênesis, de ordem natural, elevado em Cristo à sacramento entre os batizados. Não podemos ignorar que Deus inscreveu em nossa alma a esponsalidade, a inclinação à comunhão de vida, ESSA É UMA BELEZA QUE SÓ ENCONTRAMOS NO AMOR HUMANO! O casamento da terra aponta para o casamento do Céu e de certa forma é uma prefiguração dele.

Por que isso é tão importante? Simples… porque se não entendemos esse plano, essa analogia, faremos do casamento algo infinitamente mais baixo e mais rasteiro, mais mundano e superficial, mais natural e menos edificante do que ele é chamado a ser na sua origem.

O Papa Paulo VI, muito corajosamente, escreveu em 1968, uma encíclica magnífica e absurdamente importante para casados e não casados! Ela se chama Humanae Vitae e fala sobre a Vida Humana e o Controle da Natalidade. Diz o Papa:

O problema da natalidade, como de resto qualquer outro problema que diga respeito à vida humana, deve ser considerado numa perspectiva que transcenda as vistas parciais – sejam elas de ordem biológica, psicológica, demográfica ou sociológica – à luz da visão integral do homem e da sua vocação, não só natural e terrena, mas também sobrenatural e eterna.“(Humanae Vitae, n.7)

O Papa começa o documento falando sobre a origem do amor conjugal, do amor de um casal e revela coisas maravilhosas…

Esse é o primeiro de uma série de publicações e vídeos sobre esse documento tão importante!

Assista, compartilhe!

 

Por Renato Varges

O Natal se aproxima e nosso coração se enche de alegria pela beleza da Festa. Na origem da festa está a escolha de Maria que acolheu a beleza da vida mesmo em condições adversas.

Como as pessoas acolhem a notícia de uma gestação atualmente, é sinal de alegria ou de tristeza?

Infelizmente muitas pessoas ainda preferem colocar a lente do relativismo para determinar se uma vida é digna ou não ser acolhida. Mas, sabemos que a vida humana é sempre um bem, é sempre um dom de Deus.

Então, quais são as 5 lições podemos aprender com Maria, ao acolher o Menino Jesus mesmo em condições adversas?

Assista no vídeo abaixo e entenda.

 

 

 

Infelizmente vivemos numa sociedade que tem se tornado indiferente ao valor da vida humana.

Diante disso, precisamos reafirmar o valor da vida e onde reside seu verdadeiro valor. Uma vida humana nunca é mais vida do que outra, pois existe uma dignidade intrínseca em cada vida que nada nem ninguém pode modificar ou determinar, apenas reconhecer.

A Vida humana é sempre pois possui 4 características primordiais que nos levam a reconhecer esse valor:

1. A vida humana é um bem nela mesma
2. A vida humana tem valor inestimável.
3. A vida humana tem valor absoluto.
4. A vida humana é inviolável.

Entenda melhor cada um deles assistindo o vídeo acima.

Hoje, 29/11/2016, acordamos com a terrível notícia da queda do avião que levava o time da Chapecoense e alguns jornalistas e convidados para a Colômbia, onde a Chapecoense enfrentaria amanhã o Atlético Nacional pela final da Copa Sulamericana.

Como um ambiente universal e que reúne todo tipo de expressão, imediatamente na internet surgem aqueles que se solidarizam e desejam ajudar as famílias das vítimas e de certa forma se envolver positivamente na tragédia, levando conforto e honrando as vidas perdidas.

Mas, por outro lado, também surgem os exploradores das fatalidades os adeptos da libertinagem virtual e que compartilham sem nenhum critério ético e moral as imagens chocantes de jogadores mortos, corpos mutilados das vítimas, sem pensar nas consequências deste ato.

Esta atitude é considerada vilipêndio de cadáver, portanto, é um crime de desrespeito aos mortos, especificado no artigo 212 do Código Penal Brasileiro, que ainda estende a penalização para cadáver e suas cinzas. A pena prevista é de detenção de um a três anos, além de multa.

Mas, para além da letra da lei, está a nossa consciência!

Banalizar um corpo é também a banalização de uma vida humana. Um corpo leva consigo uma história, uma dignidade e não pode ser explorado como uma mercadoria a venda em vista de interesses comerciais ou sociais.

É preciso respeitar a intimidade, a vulnerabilidade, a honra e a dignidade de um corpo como se respeita uma pessoa.

Nenhum sucesso de postagens e acessos em redes sociais vale mais que a dignidade da vida.

No vídeo abaixo falo um pouco sobre isso.

moms-letter-to-doctor-exlarge-169

Segundo a norte-americana Courtney Baker, o especialista disse que a criança dificultaria a qualidade de vida do casal. “A minha prece é para que nenhuma outra mãe tenha que passar pelo que passei”, disse na carta aberta, que já foi compartilhada milhares de vezes nas redes sociais.

Mais de um ano após o nascimento da pequena Emersyn Faith, a norte-americana Courtney Baker decidiu que era hora de responder ao médico que tentou encorajá-la a interromper a gestação.

Emmy, como foi apelidada ao nascer, foi diagnosticada com síndrome de Down durante o pré-natal. Assim que a notícia foi dada aos pais, Courtney diz ter sido aconselhada pelo médico a abortar. “Ele disse que a nossa qualidade de vida e a dela seria horrível”, escreveu em seu perfil do Facebook.

Ainda tomada por esta lembrança, Courtney decidiu escrever 15 meses depois do nascimento de sua filha uma carta ao especialista. O conteúdo foi publicado na página Parker Myles, que destaca conteúdos inspiradores sobre crianças com Down, e já foi compartilhada milhares de vezes. “Ele estava tão equivocado”, disse ela.

A seguir, leia a carta na íntegra:

“Caro Doutor,

Uma amiga me disse recentemente que, quando seu especialista em pré-natal via o seu filho nas ultrassonografias, ele sempre comentava: ‘Seu filho é perfeito’. Assim que seu filho nasceu com síndrome de Down, ela visitou o mesmo médico. Ele olhou para o bebê e voltou a dizer: ‘Eu te disse. Seu filho é perfeito’.

Essa história me tocou profundamente. Apesar de eu estar feliz pela experiência da minha amiga, me enchi de tristeza ao pensar no que eu deveria ter feito. Gostaria que você tivesse sido este médico.

Te procurei no momento mais difícil da minha vida. Eu estava assustada, ansiosa e completamente perdida. Ainda não sabia a verdade sobre meu bebê, e era isso que eu precisava desesperadamente de você. Mas em vez de apoio e coragem, você nos sugeriu acabar com nossa filha. Eu te disse o nome dela, e você nos perguntou novamente se havíamos entendido o quão baixa seria nossa qualidade de vida com um bebê com síndrome de Down. Sugeriu que a gente reconsiderasse nossa decisão de seguir com a gestação.

Deste encontro em diante, nós passamos a temer nossa responsabilidade. O momento mais difícil da nossa vida se tornou quase insuportável, porque você nunca nos disse a verdade.

Minha filha era perfeita.

lvdown9n

Não estou brava. Não estou amargurada. Só estou muito triste. Estou triste porque os corações minúsculos que você vê todos os dias não o enchem de admiração. Estou triste que os intrincados detalhes e o milagre daqueles pequenos dedos e pés doces, pulmões e olhos e orelhas nem sempre lhe dão uma pausa. Estou triste que você estava tão errado para dizer que um bebê com síndrome de Down iria diminuir a nossa qualidade de vida. E eu estou de coração partido por pensar que, ainda hoje mesmo, você pode ter dito a mesma coisa para uma mãe. Mas estou ainda mais triste porque você jamais terá o privilégio de conhecer a minha filha, Emersyn.

Porque, veja, Emersyn não só está dando mais qualidade à nossa vida, como também tocando os corações de milhares de pessoas. Ela nos deu um propósito e uma alegria que é impossível expressar. Nos deu sorrisos maiores, mais risadas e os beijos mais doces que já tivemos. Abriu os nossos olhos para a verdadeira beleza e o amor puro.

Assim, a minha prece é para que nenhuma outra mãe tenha que passar pelo que passei. Minha prece é para que você também veja agora a verdadeira beleza e o amor puro em toda ultrassonografia.

E a minha prece é para que, quando você se deparar com o próximo bebê com síndrome de Down, cuidadosamente escondido no ventre de sua mãe, você olhe para que mamãe, que me veja em seguida, e diga a verdade: ‘Seu filho é perfeito’”.

Em entrevista à ABC News, Courtney disse desconhecer o efeito que a carta possa ter surtido ao médico, mas espera que ele possa “ver a verdadeira beleza do amor puro em cada ultrassom”.