Vida Sem Dúvida

Ex-presidente da Associação Médica mundial afirma: a eutanásia é sempre ato claramente ilícito, sob o ponto de vista da Moral Médica.

gentil_martins

Ao falar de eutanásia a primeira coisa que há que definir muito claramente são os conceitos. Significa etimologicamente morte suave, morte doce ou morte tranquila. No entanto, o que verdadeiramente interessa é que ela implica, necessariamente, a intenção expressa de antecipar a morte em relação ao que sucederia pela evolução natural das coisas. A eutanásia, mesmo que a pedido do doente, não passa de um “homicídio a pedido” ou uma “ajuda ao suicídio”, e sempre ato claramente ilícito, sob o ponto de vista da Moral Médica.

É comum dizer-se que a Deontologia deve respeitar a lei: contudo a Ética Médica pode estar por vezes acima da Lei. Quantas vezes não se verifica que as “Leis dos Príncipes” são contra a ética? É o caso da pena de morte (de que nos orgulhamos de ter sido dos primeiros a abolir), da amputação das mãos dos ladrões, do uso abusivo da psiquiatria, do exsanguinamento dos prisioneiros condenados à morte para obter sangue para transfusões, etc., etc.. Os juristas, com a sua habilidade, encontraram a solução para estes problemas, numa sociedade pluralista: a objeção de consciência. Só esta permite, hoje em dia, por vezes, aos médicos, respeitar integralmente o seu Código de Honra, milenar, e nomeadamente um dos seus princípios básicos: o não matarás.

É seguramente lícito que um médico use medicamentos que aliviem o sofrimento e a dor, mesmo que correndo o risco de poder, eventualmente, vir a encurtar a vida do doente, num processo de “duplo efeito”. Mas correr um risco decorrente da terapêutica é seguramente diferente da intenção expressa de provocar a morte!

O Código Internacional de Ética da Associação Médica Mundial afirma o dever do médico ter sempre presente a obrigação de preservar a vida humana, na linha de pensamento do Juramento de Hipócrates.

A Declaração de Veneza, sobre doença terminal, diz que é dever do Médico curar e, sempre que possível, aliviar o sofrimento, bem como atuar na proteção dos melhores interesses do Doente, não havendo exceções a esse princípio.

Em 1987, perante vozes advogando a Eutanásia em casos de doença incurável e terminal, a Associação Médica Mundial entendeu reafirmar firmemente a sua posição, ou seja, a de que a eutanásia mais não é que um “ato de assassínio”, e sendo assim, fundamentalmente, contra o Juramento básico da profissão médica, devendo os médicos abster-se de participar mesmo que a lei o permita.

Isto não impede, contudo, que na iminência de uma morte inevitável e a breve prazo, apesar de todos os métodos postos em ação, seja lícito tomar, em consciência, a decisão de renunciar aos tratamentos que mais não alcançariam do que um prolongamento precário da vida: a denominada e condenável obstinação terapêutica.

O Código Deontológico da Ordem dos Médicos é bem explícito quando afirma que o médico deve guardar respeito pela vida humana e que é expressamente proibida a prática da Eutanásia (Artigo 52º 2.).

O direito à vida é seguramente inalienável (aliás, isso até está definido na nossa Constituição da República…). E o doente terá sempre uma palavra a dizer, já que nenhum tratamento poderá ser imposto pelo médico que é, fundamentalmente, defensor, amigo e conselheiro e não dono ou juiz. O doente terá sempre o direito de aceitar ou recusar tratamentos, após ter recebido informação adequada, seguindo a doença a sua previsível evolução para a morte. Os verdadeiros médicos não podem é aceitar ver-se envolvidos no provocar deliberadamente a morte de alguém, mesmo a pedido.

Por detrás de um pedido de Eutanásia, expresso pelo doente, há sempre um pedido angustiado de auxílio e afeição, uma necessidade de calor humano: para que exista uma morte humanizada é importante que o sofrimento, e nomeadamente a dor, sejam mantidos dentro dos limites do suportável. São aqui fundamentais e imprescindíveis os chamados cuidados paliativos, e em que é fundamental a relação personalizada doente/médico.

A frase, infelizmente tão banalizada, de “morrer com dignidade” terá de reservar-se para a obrigação de dar cuidados integrais, nomeadamente nas situações mais graves, incapacitantes e quantas vezes terminais, com sensibilidade, compaixão, amor e ética, e nunca como meio de camuflar a eutanásia ou o suicídio assistido.

António Gentil Martins – Médico – Ex-presidente da Ordem dos Médicos e da Associação Médica Mundial

Fonte: http://www.jornalmedico.pt/

(Visited 37 times, 1 visits today)

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade dos autores e não representam a opinião da comunidade Shalom. É proibido inserir comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem os direitos dos outros. Os editores podem retirar sem aviso prévio, postaram comentários que não cumprem os critérios estabelecidos neste aviso ou que estejam fora do tema.

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Seguir