MATRIMÔNIO – O sentimento aquece, o amor sustenta. Humanae Vitae responde Nº 4.

A construção do relacionamento de um casal poderia ser comparado à forma como acendemos uma lareira. Por baixo a palha, por cima a madeira mais grossa. A palha acende fácil, rápido e eleva fortemente o fogo, mas rapidamente apaga e sequer aquece o ambiente; a lenha mais grossa não acende rápido nem tão fácil, nem eleva tanto o fogo, mas quando é acesa pela palha, é capaz de manter a lareira aquecida por horas e horas levando calor para todo ambiente.

Por analogia, a palha seriam os sentimentos, o amor seria a madeira mais grossa! Qual a importância de cada um na construção de um relacionamento?

O matrimônio precisa de investimento, o amor conjugal maduro e duradouro não nasce pronto. É preciso o sentimento para aquecer a relação em vista de um amor que sustenta o matrimônio.

Veja o que diz a Encíclica Humanae Vitae:

“É, antes de mais, um amor plenamente humano, quer dizer, ao mesmo tempo espiritual e sensível. Não é, portanto, um simples ímpeto do instinto ou do sentimento; mas é também, e principalmente, ato da vontade livre, destinado a manter-se e a crescer, mediante as alegrias e as dores da vida cotidiana, de tal modo que os esposos se tornem um só coração e uma só alma e alcancem juntos a sua perfeição humana.” (HV, n.9)

Portanto, a dimensão física e afetiva do relacionamento é de extrema importância. No início do namoro é comum aquele amor apaixonado, aquele friozinho na barriga, aquele desejo de se encontrar e fazer tudo na companhia do outro. Com o tempo, isso arrefece um pouco, mas não acaba, apenas se transforma.

Como o passar dos anos, vamos conhecendo melhor o outro e da mesma forma que vem os encantos, vem também as decepções, as desilusões, os desentendimentos e tantos outros desafios que as paixões facilmente escondiam. Essa não é a hora de desistir, ao contrário, é a hora de amar! Se com o passar dos anos vamos perdendo aquele sentimento que aquece, não podemos perder as oportunidades que a vida oferece para deixarmos que o amor sustente o relacionamento.

Esse amor não nasce pronto, ele se constrói às custas de nossa decisão de escolher e reescolher o outro a quem nós demos a nossa vida e prometemos um amor fiel, total e para sempre. Se nas primeiras crises e dificuldades nós abandonamos o barco e desistimos, estamos fazendo como aquelas crianças que não tem paciência, perseverança, persistência e nem um olhar de esperança sobre si e acham que jamais aprenderão a fazer algo que hoje lhes parece impossível e irrealizável.

Que a decisão de amar nos cative e nos impulsione a determinadamente reinvestir em nossos relacionamentos de amor. Deixemo-nos surpreender pela alegria de ver o outro sendo alvo de nosso amor! Qua saibamos cultivar os sentimentos e os momentos que nos levam a eles, mas que nossas famílias não vivam levadas pelos ventos das paixões e dos sentimentos, mas sim pela firmeza de um amor maduro e decidido que tudo espera e tudo suporta.

Por Renato Varges

(Visited 1 times, 1 visits today)

Deixe um comentário