Quantos filhos devemos ter? Quando ter? Se a decisão é espaçar um pouco os nascimentos, como fazer para viver a necessária e sadia vida sexual de forma lícita e moral, mas evitando a chegada de novos herdeiros?
Quando o assunto é filhos, entra em cena o que chamamos de PATERNIDADE RESPONSÁVEL. É por meio dela que o casal determina os meios e as ações que lançarão mão para decidir a respeito dos filhos, evitando a contracepção e as armadilhas da mentalidade contraceptiva.

 

 

Neste vídeo daremos início a uma sequência onde falaremos sobre a paternidade responsável e tudo aquilo que a envolve para que seja vivida corretamente pelo casal.

A encíclica Humanae Vitae começa sua explicação sobre a Paternidade responsável da seguinte maneira:

Sendo assim, o amor conjugal requer nos esposos uma consciência da sua missão de “paternidade responsável”, sobre a qual hoje tanto se insiste, e justificadamente, e que deve também ela ser compreendida com exatidão. De fato, ela deve ser considerada sob diversos aspectos legítimos e ligados entre si.Humanae Vitae, n.10

Por Renato Varges

Inscreva-se em nosso canal!

A situação é extremamente preocupante: no Brasil, há uma televisão de altíssimo nível técnico e baixíssimo nível de programação.

O Big Brother 2017 começou e mais uma vez os “Brothers da Rede Globo” vão encher nossa programação de lixo cultural e pornografia velada! Por mais inovador que a emissora tente tornar o programa, O BBB 2017 vem ai com as mesmas atrações de sempre: Culto ao  corpo, ao sexo, à idiotice, à super exposição da intimidade, à intolerância alheia, à discórdia … e a tantas e tantos outros comportamentos que corrompem e denigrem nossa moral e costumes.

Você vai dizer: mas o objetivo do programa é entreter e não educar as pessoas, além disso, o Big Brother é uma expressão da vida real! Mentira dupla! O BBB 2017, assim como as outras edições do Big Brother, tem sim um papel de influência no comportamento e nas opiniões da audiência do programa. Negar isso é negar o óbvio!

Que valores o programa ensina? Por que os participantes são chamados de heróis e guerreiros? Seriam eles verdadeiros modelos para nossa sociedade?

A situação é extremamente preocupante: no Brasil, há uma televisão de altíssimo nível técnico e baixíssimo nível de programação. Sem nenhum controle ético por parte da sociedade, os chamados canais abertos (aqueles que se podem assistir gratuitamente) fazem a cabeça dos brasileiros e, com precisão satânica, vão destruindo tudo que encontram pela frente: a sacralidade da família, a fidelidade conjugal, o respeito e veneração dos filhos para com os pais, o sentido de tradição (isto é, saber valorizar e acolher os valores e as experiências das gerações passadas), as virtudes, a castidade, a indissolubilidade do matrimônio, o respeito pela religião, o temor amoroso para com Deus.

Na telinha, tudo é permitido, tudo é bonitinho, tudo é novidade, tudo é relativo! Na telinha, a vida é pra gente bonita, sarada, corpo legal… A vida é sucesso, é romance com final feliz, é amor livre, aberto desimpedido, é vida que cada um faz e constrói como bem quer e entende! Na telinha tem a Xuxa, a Xuxinha, inocente, com rostinho de anjo, que ensina às jovens o amor liberado e o sexo sem amor, somente pra fabricar um filho… Na telinha tem o Gugu, que aprendeu com a Xuxa e também fabricou um bebê… Na telinha tem os debates frívolos do Fantástico, show da vida ilusória… Na telinha tem ainda as novelas que ensinam a trair, a mentir, a explorar e a desvalorizar a família… Na telinha tem o show de baixaria do Ratinho e do programa vespertino da Bandeirantes, o cinismo cafona da Hebe, a ilusão da Fama… Enquanto na realidade que ela, a satânica telinha ajuda a criar, temos adolescentes grávidas deixando os pais loucos e a o futuro comprometido, jovens com uma visão fútil e superficial da vida, a violência urbana, em grande parte fruto da demolição das famílias e da ausência de Deus na vida das pessoas, os entorpecentes, um culto ridículo do corpo, a pobreza e a injustiça social… E a telinha destruindo valores e criando ilusão…

E quando se questiona a qualidade da programação e se pede alguma forma de controle sobre os meios de comunicação, as respostas são prontinhas: (1) assiste quem quer e quem gosta, (2) a programação é espelho da vida real, (3) controlar e informação é antidemocrático e ditatorial… Assim, com tais desculpas esfarrapadas, a bênção covarde e omissa de nossos dirigentes dos três poderes e a omissão medrosa das várias organizações da sociedade civil – incluindo a Igreja, infelizmente – vai a televisão envenenando, destruindo, invertendo valores, fazendo da futilidade e do paganismo a marca registrada da comunicação brasileira…

Um triste e último exemplo de tudo isso é o atual programa da Globo, o Big Brother (e também aquela outra porcaria, do SBT, chamada Casa dos Artistas…). Observe-se como o Pedro Bial, apresentador global, chama os personagens do programa: “Meus heróis! Meus guerreiros!” – Pobre Brasil! Que tipo de heróis, que guerreiros! E, no entanto, são essas pessoas absolutamente medíocres e vulgares que são indicadas como modelos para os nossos jovens!

Como o programa é feito por pessoas reais, como são na vida, é ainda mais triste e preocupante, porque se pode ver o nível humano tão baixo a que chegamos! Uma semana de convivência e a orgia corria solta… Os palavrões são abundantes, o prato nosso de cada dia… A grande preocupação de todos – assunto de debates, colóquios e até crises – é a forma física e, pra completar a chanchada, esse pessoal, tranqüilamente dá-se as mãos para invocar Jesus… Um jesusinho bem tolinho, invertebrado e inofensivo, que não exige nada, não tem nenhuma influência no comportamento público e privado das pessoas… Um jesusinho de encomenda, a gosto do freguês… que não tem nada a ver com o Jesus vivo e verdadeiro do Evangelho, que é todo carinho, misericórdia e compaixão, mas odeia o fingimento, a hipocrisia, a vulgaridade e a falta de compromisso com ele na vida e exige de nós conversão contínua! Um jesusinho tão bonzinho quanto falsificado… Quanta gente deve ter ficado emocionada com os “heróis” do Pedro Bial cantando “Jesus Cristo, eu estou aqui!”

Até quando a televisão vai assim? Até quando os brasileiros ficaremos calados? Pior ainda: até quando os pais deixarão correr solta a programação televisiva em suas casas sem conversarem sobre o problema com seus filhos e sem exercerem uma sábia e equilibrada censura? Isso mesmo: censura! Os pais devem ter a responsabilidade de saber a que programas de TV seus filhos assistem, que sites da internet seus filhos visitam e, assim, orientar, conversar, analisar com eles o conteúdo de toda essa parafernália de comunicação e, se preciso, censurar este ou aquele programa. Censura com amor, censura com explicação dos motivos, não é mal; é bem! Ninguém é feliz na vida fazendo tudo que quer, ninguém amadurece se não conhece limites; ninguém é verdadeiramente humano se não edifica a vida sobre valores sólidos… E ninguém terá valores sólidos se não aprende desde cedo a escolher, selecionar, buscar o que é belo e bom, evitando o que polui o coração, mancha a consciência e deturpa a razão!

Aqui não se trata de ser moralista, mas de chamar atenção para uma realidade muito grave que tem provocado danos seríssimos na sociedade. Quem dera que de um modo ou de outro, estas linha de editorial servissem para fazer pensar e discutir e modificar o comportamento e as atitudes de algumas pessoas diante dos meios de comunicação…

E se alguém não gostou do que leu, paciência!

Por Renato Varges

Adaptado de Tiba – Blog.cancaonova

Quando se fala em aborto, baseada em que princípio a mãe decide sobre o filho ter ou não direito à vida?!

 

O aborto é sempre um assunto polêmico, cercado de paixões e argumentações! Isso todos percebem facilmente. Os pró-aborto, as feministas e a grande mídia financiada por grandes fundações, sempre recorrem aos direitos reprodutivos da mulher para justificar a descriminalização do aborto.

Os pró-vida, amparados pelos mais diversos campos da ciência, alegam que a vida humana merece respeito e deve ter seus direitos reconhecidos desde a concepção, o que faz do aborto um crime conforme nossa Constituição. Nos vemos então entre dois indivíduos humanos em conflito de direitos: os da mãe e os do feto!

A pergunta é: será que essa solicitação do aborto como um direito da mulher sobre o seu filho é correta?

Assista, compartilhe!

 

Para que a mãe tenha direito de ceifar a vida do filho, mediante aborto, alega direito sobre o próprio corpo. A pergunta é: O CORPO DO FILHO É PROPRIEDADE DA MÃE? Absolutamente NÃO! E ainda que fosse, se uma pessoa não tem autonomia e liberdade para fazer tudo que quiser com o próprio corpo sem causar-lhe dano grave (uso de drogas e suicídio, por exemplo), por que o teria para agir deliberadamente contra um corpo que não é seu, como no caso do aborto?

Para nos ajudar a entender um pouco essa questão, lançaremos mão de um importante princípio da bioética chamado “Princípio da Autonomia”, que é o princípio que garante as decisões do paciente visando seus interesses e sua integridade. Eis o conceito de autonomia:

Significa autogoverno, autodeterminação da pessoa de tomar decisões que afetem sua vida, sua saúde, sua integridade físico-psíquica, suas relações sociais. Refere-se à capacidade de o ser humano decidir o que é “bom”, ou o que é seu “bem-estar”. (Conselho Federal de Medicina, Iniciação à Bioética, 1998, p. 57)

Fica evidente que o princípio da autonomia é uma referência ao próprio indivíduo e não se estende a outros. No caso do aborto, a mãe não pode atribuir valor e direitos ao filho pelo simples fato de não desejá-lo. Isso é absolutamente injustificável sob qualquer ponto de vista. O próprio princípio da autonomia não é de forma alguma absoluto, por isso, o livro destaca os limites deste princípio:

 

Há um temor que a absolutização da autonomia individual gere um culto ao privativismo moral, um incentivo ao individualismo que seja insensível aos outros seres humanos, dificultando a existência de solidariedade entre as pessoas…. A autonomia não deve ser convertida em direito absoluto; seus limites devem ser dados pelo respeito à dignidade e à liberdade dos outros e da coletividade. A decisão ou ação de pessoa, mesmo que autônoma, que possa causar dano a outra(s) pessoa(s) ou à saúde pública poderá não ser validada eticamente. (Conselho Federal de Medicina, Iniciação à Bioética, 1998, p.60)

Portanto, não podemos de forma alguma justificar que o desejo da mãe determine o direito de viver de seu filho, basta analisar que, após o parto, esse direito é determinado pela sociedade e suas leis civis.

Certa vez li essa frase, que recordo aqui e deixo como reflexão: boas sociedades podem sobreviver com indivíduos que fazem coisas imorais. Mas uma boa sociedade não sobrevive se ela chama de moral algo declaradamente imoral!

Por Renato Varges

Para quem afirma que a “ideologia de gênero” não passa de uma farsa ou de uma invenção dos cristãos, a realidade oferece provas irrefutáveis do contrário. Essa teoria não só existe, como já está dando os seus frutos ao redor do mundo.

Para realizar a sua “colonização ideológica” – como denunciou o Papa Francisco –, um passo importante no avanço da agenda de gênero é conquistar os ambientes de educação e de comunicação: as escolas e a mídia. É decisivo para esses ideólogos conseguir o dinheiro público para entrar nos institutos escolares e formar as mentes de gerações e mais gerações de jovens e crianças na sua cartilha. Cursos e seminários sobre a “igualdade de gênero” ou a “homofobia” não passam, pois, de Cavalos de Troia, cuidadosamente introduzidos nas escolas e nas universidades para modelar e (de)formar as almas dos mais frágeis.

Ao mesmo tempo, ocupando papéis-chave nos meios de comunicação, os ideólogos de gênero visam influenciar mais massivamente a opinião pública, enunciando os seus princípios como uma ideia avançada de liberdade e descrevendo os seus opositores como retrógrados perigosos, que, motivados por pura maldade, querem limitar a liberdade dos outros. Descrições maniqueístas desse tipo estão espalhadas em toda a sociedade ocidental: constituem uma característica do plano de ação da ideologia de gênero, que pretende criar ícones homossexuais e transexuais, em oposição à ainda resistente opinião pública. Quem discorda é abertamente intimidado e atacado em sua liberdade de expressão. Daí a necessidade de criar leis criminais para punir os adversários e acabar com a objeção de consciência, promovendo, por outro lado, o linchamento midiático de quem não se adequa à nova ditadura ideológica.

*

Resistir pressupõe, em primeiro lugar, conhecer os princípios que regem essa “colonização ideológica” ainda em curso. Será realmente verdade que a ideologia de gênero não existe? Cada um, observados os fatos, pode julgar por si só. A realidade pode ser admitida ou negada. Podemos permanecer de pé e enfrentar com coragem a batalha que está por vir ou, ao contrário, podemos fingir que nada está acontecendo, ficar de braços cruzados e deixar que a caravana passe. A escolha é individual. Cada um deve escolher se quer deixar para os seus filhos um mundo construído sobre a verdade, ou sobre a falsidade de uma ideologia.

Leia aqui os posts sobre o, , e mandamentos da ideologia de gênero.

Com informações de Tempi.it

Para quem afirma que a “ideologia de gênero” não passa de uma farsa ou de uma invenção dos cristãos, a realidade oferece provas irrefutáveis do contrário. Essa teoria não só existe, como já está dando os seus frutos ao redor do mundo.

Se a família natural não passa de um estereótipo, a consequência inevitável é a dessexuação da paternidade. Os filhos deixam de ser frutos da relação sexual entre um homem e uma mulher para serem gerados artificialmente por qualquer grupo social. Promove-se a fecundação in vitro e sustentam-se práticas objetivamente brutais, como a da “barriga de aluguel”.

 

 

Falar do direito de uma criança ser educada por um pai e uma mãe é considerado ofensivo. Os homossexuais não só passam a ter o “direito” de adoção, como as suas relações são alçadas à categoria de “modelo”, não obstante as sérias e abalizadas objeções de quem viveu na pele o drama de ser criado por pares do mesmo sexo:

“A maior parte das crianças criadas por ‘pais gays’ tem dificuldades com sua identidade sexual, está se recuperando de abusos emocionais, lutando contra o vício nas drogas, ou estão tão feridas por sua infância, que lhes falta a estabilidade de vir a público e encarar os ataques de um lobby gay cada vez mais totalitário, que recusa a admitir que haja algo errado em tudo isso.”

 

Veja os posts sobre o, e o mandamentos da Ideologia de Gênero.

Para quem afirma que a “ideologia de gênero” não passa de uma farsa ou de uma invenção dos cristãos, a realidade oferece provas irrefutáveis do contrário. Essa teoria não só existe, como já está dando os seus frutos ao redor do mundo.

 

Este post é a terceira parte de uma série de 5 publicações sobre os 5 mandamentos da ideologia de gênero. O terceiro mandamento da Ideologia de Gênero afirma que a família natural é uma invenção cultural do homem, um estereótipo.

Família natural? Um estereótipo.

Para os ideólogos de gênero, a família natural, composta por pai, mãe e filhos, não passa de um estereótipo cultural baseado na antiga opressão do homem sobre a mulher – agora superada pela liberação sexual feminina e pelas várias definições abstratas de gênero. Superado o esquema homem-mulher, até mesmo a ideia tradicional de família vem abaixo. O plural passa a ser obrigatório: não existe mais “a” família, mas “as” famílias, que incluem todo agregado social fundado sobre um conceito genérico de “amor”. Entram na lista, obviamente, até mesmo os relacionamentos chamados “poliafetivos”, que constituem o mais novo objeto de reivindicações políticas e sociais.

Da Holanda, por exemplo, vem o curioso caso de Jaco e Sjoerd, Daantje e Dewi, dois pares homossexuais que decidiram formar, os quatro, uma só “família”. Ambos os “casais” já têm os seus relacionamentos registrados no civil, mas, agora, anseiam pelo reconhecimento de um “quinteto amoroso”. Tudo porque Jaco e Sjoerd decidiram compartilhar a sua “união” com outro homossexual, Sean. Agora, Daantje está esperando um filho de inseminação artificial e quer ver os seus parceiros como pais da criança. “Cinco genitores com iguais direitos e deveres, divididos em duas famílias”, ela diz. “São essas as condições do contrato que todos nós assinamos e submetemos ao cartório.”

Leia também os posts sobre o 1º Mandamento e o 2º Mandamento da Ideologia de Gênero

Este post é a segunda parte de uma série de 5 publicações sobre os 5 mandamentos da ideologia de gênero. Aqui você pode ver o primeiro post sobre o 1º mandamento da ideologia de gênero que afirma não haver diferença entre homens e mulheres.

II. O sexo biológico é modificável

A ideologia de gênero vê o sexo biológico como um dado transitório e maleável, que pode ser tranquilamente transformado pela escolha de um “gênero” diferente, não importando a idade em que a pessoa se encontre. Comportamentos como a transexualidade são encorajados e vistos como demonstração de liberdade e emancipação individuais. ( Embora, na verdade, não seja nada disso.)

A própria definição de ser humano, ainda que a nível burocrático, passa a ir além dos dois sexos biológicos universalmente reconhecidos (masculino e feminino), adaptando-se a infinitas e fantasiosas nuances de gênero. As redes sociais já se adequaram a essa ditadura ideológica. No formulário de cadastro do Facebook, por exemplo, constam 56 diferentes formas de uma pessoa definir a própria sexualidade. Enquanto isso, as legislações de alguns países afora já reconheceram, além dos sexos masculino e feminino, um fantasmagórico gênero “neutro”.

 

Para quem afirma que a “ideologia de gênero” não passa de uma farsa ou de uma invenção dos cristãos, a realidade oferece provas irrefutáveis do contrário. Essa teoria não só existe, como já está dando os seus frutos ao redor do mundo.

O Brasil não é o único país a lutar contra a ideologia de gênero. Na Itália, as escolas reabriram recentemente o debate sobre o assunto, graças ao protesto da ministra da educação, Stefania Giannini, para quem todo esse alvoroço não passa de ” truffa” (em bom português, uma fraude).

Um regime autoritário não poderia fazer melhor. De fato, o que unem a ministra italiana, a comunidade LGBT e as grandes manchetes é a negação das evidências. Para o movimento gay, “a ideologia gender não existe”, “é uma invenção do Vaticano”. Para La Repubblica, “é um fantasma que ronda a Itália”. Para a BBC, “é só uma invenção retórica, um ídolo polêmico cheio de nada”. Junto a esses grandes veículos de comunicação, está uma multidão de programas de TV, blogs e pequenos jornais, todos alinhados com a causa negacionista.

Mas, será mesmo a “ideologia de gênero” uma “invenção de católicos”?

Os “estudos de gênero” (gender studies) – que começaram a surgir nas universidades ainda na década de 1960, evoluindo nos anos 80 para a proteção das chamadas “minorias LGBT” – não nos deixam mentir. A teoria gender não só existe, como já está dando os seus frutos ao redor do mundo.

Para entender como funciona essa ideologia, seguem aqui alguns dos seus principais “mandamentos”, princípios sem os quais toda a farsa desmorona e não se pode ir adiante no processo revolucionário.
I. Não há diferenças entre homens e mulheres

A finalidade original dos “estudos de gênero” ( gender studies) nos anos 60 era afirmar a absoluta igualdade entre homem e mulher, a fim de libertar e emancipar esta última da “discriminação”. Era preciso negar a distinção entre masculino e feminino, contestando, por exemplo, a existência de profissões tipicamente masculinas e outras tipicamente femininas, além de negar as especificidades dos papéis materno e paterno na educação dos filhos. Para a ideologia de gênero, homem e mulher são intercambiáveis em qualquer função. A importância do papel da mulher, particularmente no âmbito familiar, não passaria de uma convenção social e de uma opressão histórico-cultural, da qual ela se deveria libertar.

Curiosamente, um dos países com as mais altas taxas de “igualdade de gênero”, a Noruega, sempre viu a engenharia civil repleta de homens e a enfermagem repleta de mulheres, não obstante os múltiplos esforços educacionais para incutir na cabeça dos jovens que não há nada de diferente entre os sexos. Foi o que observou o documentário Hjernevask (“Lavagem Cerebral”), exibido pelo comediante nórdico Harald Eia. Há alguns anos, ele gravou um documentário expondo ao ridículo os “estudos de gênero”. O resultado pode ser acompanhado abaixo:

Veja aqui a 2ª parte

 

Muitas pessoas compram e usam ABORTIVOS achando que são meramente CONTRACEPTIVOS.

Qual a diferença entre os dois? Porque existe tanta confusão envolvendo esse assunto?

Entenda o que um método contraceptivo se propõe, quando ele se torna abortivo e conheça a verdade!

Inscreva-se em nosso canal clicando aqui
Curta nossa página Facebook

Assista também: A pílula do dia seguinte é abortiva?

530O Corpo tem regras e a Teologia do Corpo nos ajuda nessa compreensão. Não podemos usar o nosso corpo da forma que bem entendermos como se fossemos nós os donos e os juízes daquilo que é bom ou mal. Não temos liberdade para isso, pois existem uma ordem e uma finalidade intrínseca em nosso corpo que aponta para sua realização. Nosso corpo foi feito para amar e somente buscando o cumprimento desta finalidade seremos verdadeiramente felizes.

Assista e compartilhe!