Alguma coisa estava errada com os pinguins, como são chamados os alunos do jardim de infância c, em um subúrbio arborizado ao sul de Estocolmo.

Os meninos eram barulhentos e mantinham contato físico. Eles gritavam e batiam. As meninas choramingavam para serem colocadas no braço. O grupo de crianças entre um e dois anos de idade, em outras palavras, dividia-se em linhas de gênero tradicional. E nesta escola, isso não estava certo.

Seus professores tiraram os carrinhos e bonecas da sala. E colocaram os meninos para tomar conta da cozinha de brinquedo. Eles fizeram as meninas praticamente gritarem: “Não!”

Os pesquisadores podem ainda estar divididos sobre se as diferenças de gênero estão enraizadas em nosso DNA ou na cultura, mas muitas das pré-escolas financiadas pelo governo da Suécia estão fazendo o que podem para desconstruí-las. O currículo estadual recomenda que os professores e os diretores adotem seus papéis como engenheiros sociais, pedindo-lhes que neutralizem os tradicionais papéis e padrões de gênero”.

Em muitos jardins de infância da Suécia, é normal que professores evitem se referir ao gênero de seus alunos. As brincadeiras são organizadas de uma maneira que evitem as crianças se classifiquem por gênero. Um pronome de gênero neutro, “hen”, foi introduzido em 2012 e foi rapidamente absorvido na cultura sueca.

Como exatamente esse método de ensino afeta as crianças ainda é incerto. Uma das poucas tentativas de avaliação do método por especialistas, publicada em 2017 na revista acadêmica Journal of Experimental Child Psychology, concluiu que alguns comportamentos desaparecem quando os alunos frequentam as chamadas pré-escolas “de gênero neutro”.

Por exemplo, as crianças nessas escolas não mostram uma forte preferência por colegas do mesmo gênero, e são menos propensas a fazer suposições baseadas em estereótipos. No entanto, os cientistas não encontraram qualquer diferença na tendência das crianças de notar gênero, sugerindo que isso possa estar sob influência genética.

Em uma recente sexta-feira no jardim de infância Seafarer, em Hammarbyhojden, Elis Sttoresund, a especialista em gênero da escola, sentou-se curvada sobre uma planilha com dois professores, revisando seus progressos em relação aos objetivos de gênero.

“Quando estamos desenhando”, disse Melissa Esteka, 31 anos, um dos professores, “vemos que as meninas – elas desenham muito – elas desenham garotas com muita maquiagem e longos cílios. É muito claro que elas são meninas. Então perguntamos, ‘garotos não têm cílios?’ E elas respondem, ‘Sabemos que não é assim na vida real’”.

Elis, 54 anos, assentiu concordando. “Elas estão tentando entender o que é ser uma menina”.

O experimento da Suécia sobre pré-escolas com neutralidade de gênero começou em 1996, em Trodje, uma pequena cidade próxima ao Mar Báltico. O homem que começou tudo isso, Ingemar Gens, era um jornalista que se interessava em antropologia e teoria de gênero. Recém-nomeado como “especialista em igualdade de oportunidades” no distrito, Gens queria derrubar a norma estoica e insensível da masculinidade sueca.

Ele começou um programa que foi chamado de estratégia de gênero compensatória em dois jardins de infância. Meninos e meninas eram separados durante parte do dia e treinados em aspectos associados ao outro gênero. Os meninos massageavam os pés uns dos outros. As meninas eram levadas para passear descalças na neve e estimuladas a abrir a janela e gritar.

A estratégia de separar meninos e meninas foi posteriormente deixada de lado em favor de uma abordagem “neutra em relação ao gênero” com a intenção de silenciar as diferenças. Ainda assim, o espírito do experimento de Gens havia se espalhado por meio do governo. Em 1998, a Suécia acrescentou uma nova linguagem ao seu currículo nacional exigindo que todas as pré-escolas “neutralizassem os tradicionais papéis e padrões de gênero” e encorajassem as crianças a explorar “fora das limitações dos papéis estereotipados de gênero”. E a adoção das práticas varia muito.

Os tradicionalistas organizaram protestos ocasionais, queixando-se de lavagem cerebral liberal. O Partido Democratas da Suécia, de extrema-direita, que ganhou cerca de 13% dos votos em 2014, prometeu reverter o ensino que “busca mudar o comportamento e a identidade de gênero de todas as crianças e jovens”.

Mas as políticas de igualdade de gênero contam com o apoio dos maiores partidos da Suécia, os Social-Democratas, de centro-esquerda, e os moderados de centro-direita.

Em Trodje, a primeira leva de crianças em idade pré-escolar a frequentar jardins de infância de gênero neutro está agora na casa dos 20 anos.

Elin Gerdin, 26 anos, fez parte do primeiro grupo e disse que há momentos em que sua educação infantil ressurge para ela.

Os amigos de Elin começaram a ter bebês e postam fotos deles no Facebook, envoltos em azul ou rosa, no primeiro ato de classificação da sociedade. Ela diz a eles, sinceramente, que eles estão cometendo um erro. Isso lhe parece uma responsabilidade.

“Somos um grupo de crianças que crescerá e terá filhos, e vamos falar com eles sobre isso”, disse ela. “Não é fácil mudar toda uma sociedade”.

No jardim de infância Seafarer, em uma manhã recente, as crianças saíam de volumosos trajes de neve. Debaixo do seu, Otto, um robusto garoto de 3 anos, usava um vestido.

Otto prefere usar vestidos porque gosta do jeito que eles se movimentam quando ele gira, e isso não o torna incomum aqui. Até agora, ninguém na vida de Otto disse a ele que os meninos não usam vestidos, segundo sua mãe, Lena Christiansson. E ela gostaria que isso continuasse pelo maior tempo possível.

Essa expectativa se tornou cada vez mais comum, disse Elis.

Agora, os pais nos perguntam: ‘O que você está fazendo em relação a gênero?'”, contou Elis. Ela está disponível para confrontar os conflitos na sala de aula: quando os meninos do grupo de crianças de 3 anos se recusaram a pintar ou dançar, e o grupo ameaçou se dividir em linhas de gênero, ela foi chamada para resolver o problema e persuadir os meninos a participar de maneira igualitária.

Izabell Sandberg, que dá aula para os “pinguins” no jardim de infância Seafarer, notou uma mudança em uma menina de 2 anos cujos pais a deixaram usar meias-calças e vestidos rosa-claros. A garota se concentrou em ficar limpa. Se outra criança pegasse seus brinquedos, ela choramingava.

“Ela aceitava tudo”, disse Izabell. “E eu pensei como isso era atrelado ao estereótipo de ‘menininha’. Era como se ela estivesse se desculpando por ocupar espaço”.

Até que, numa manhã recente, a mesma menina colocou um chapéu e arrumou sacolas, preparando-se para partir em uma expedição imaginária. Quando uma colega de classe tentou sair com uma de suas sacolas, ela estendeu a mão e gritou: “Não!”. Era algo que a menina e Izabell estavam praticando.

Em março, a menina tornou-se tão barulhenta que ela abafou os meninos da turma, disse Izabell. No final do dia, ela estava toda bagunçada. Segundo a professora, os pais da garota não ficaram contentes e relataram que a filha havia se tornado traquina e desafiadora em casa.

Mas Izabell tem muita experiência explicando a missão para os pais.

“Isso é o que fazemos aqui, e não vamos parar”, disse ela. 

Estadão via New York Times

Números estatísticos de um estudo conjunto do Instituto Católico de Paris e da St. Mary’s Catholic University, em Twickenham, região metropolitana de Londres, sobre a filiação religiosa de jovens com idade de 16 a 29 anos na Europa terão, sem dúvida, uma forte impressão nos participantes do encontro pré-sinodal que acontece nesta semana em Roma.

Em doze dos 21 países europeus estudados, mais Israel, a maioria dos jovens diz não ter religião. Este número sobe para 91% na República Tcheca.

Esta queda na filiação religiosa, que não deve ser confundida com a crença em Deus, forma uma das principais conclusões deste estudo estatístico.

O estudo baseou-se em informações coletadas pelas últimas duas sondagens feitas pela European Social Survey em 2014 e 2016.

Os autores fundamentam os resultados em subamostragens de várias centenas de jovensentre 16 e 29 anos de cada país, analisando suas crenças e práticas religiosas.

No entanto, estas amostras foram às vezes bastante limitadas em tamanho, o que significa que é preciso ter cautela na hora de considerar as conclusões alcançadas.

Assim, na França, 64% declararam-se viver sem uma religião em comparação com os 23% que se disseram católicos e os 10% que se identificaram como muçulmanos.

Todavia, uma outra pesquisa conduzida pela agência OpinionWay e encomendada pelo jornal La Croix em julho de 2016, com base numa amostragem muito maior e mais representativa, descobriu que 42% dos jovens entre 18 e 30 anos descreviam-se como católicos enquanto 47% diziam não ter religião.

Mas claro está que as referências religiosas estão em queda acentuada.

Crenças religiosas de jovens entre 16 e 29 anos na Europa e em Israel

“O que observamos é a situação de um declínio geral na prática religiosa”, disse o professor Stephen Bullivant, teólogo e sociólogo da religião da St. Mary’s University e um dos autores do estudo.

A frequência semanal à igreja está extremamente baixa com apenas quatro países – a saber: a Polônia (39%), Israel (26%), Portugal (20 %) e a Irlanda (15%) – tendo números de frequência acima dos 10% entre os jovens.

Por outro lado, há sete países em que mais da metade das pessoas envolvidas no estudo disse que nunca participar de cerimônias religiosas. (República Tcheca, Países Baixos, Reino Unido, Bélgica, França e Hungria).

Não obstante, os resultados não foram uniformes. Os bastiões católicos tradicionais resistiram à secularização de maneira mais forte do que as principais nações luteranase anglicanas.

Pondo de lado a Polônia, que é uma exceção com uma população de 82% de católicos, Portugal e Irlanda igualmente demonstraram um nível invejável de dinamismo. (A Itália não esteve entre os países pesquisados.)

“Muitas vezes se diz que a Irlanda está no processo de completa descristianização e que os jovens não vão mais à igreja”, afirmou Bullivant.

“Isso é verdade se olharmos para estes números ao longo do tempo, mas hoje, comparado com o restante da Europa, os jovens irlandeses ainda são extraordinariamente religiosos”, indicou.

A pesquisa também mostra que a religiosidade é mais forte entre pequenas minorias cristãs que não são afetadas por pressões sociais ou questões identitárias.

O exemplo mais notável aqui é a República Tcheca. Embora os católicos sejam um setor bastante pequeno da população (7%), os jovens católicos representam 24% dos que frequentam a missa pelo menos uma vez por semana e 48% dos que rezam semanalmente.

“O exemplo tcheco ilustra aquilo que Bento XVI chamou de ‘minorias criativas’”, disse Bullivant, que acha que o cenário tcheco prefigura os cenários da França e Espanha no médio prazo.

Este tipo de cristianismo de “pertença” em oposição a um cristianismo “cultural”, que está diminuindo, também aparece em menor grau no Reino Unido, nos Países Baixos e na França.

“As comunidades católicas são menores, mas, num reflexo majoritário, as pessoas estão mais comprometidas”, falou o teólogo François Moog, reitor da Faculdade de Educação no Instituo Católico de Paris.

“A pertença religiosa está se tornando cada vez mais existencial e engajadora. A transmissão pela família está mais forte assim como está o apoio entre os membros da comunidade”, explicou.

“Por outro lado”, segundo Moog, “estas minorias têm dúvidas sobre o modo deles de ser cristão hoje e sobre como se expressar no espaço público. Na França, vários livros recém-lançados abordam este tema”.

La Croix International

Números mostram que uma maioria de jovens adultos em 12 países não tem religião, com os tchecos sendo os menos religiosos.

A marcha da Europa em direção a uma sociedade pós-cristã está nitidamente ilustrada numa pesquisa que mostrou que uma maioria de jovens em uma dezena de países não segue religião alguma.

Um estudo com os jovens de 16 a 29 anos descobriu que a República Tcheca é o país menos religioso na Europa, com 91% deste grupo etário dizendo não ter nenhuma filiação religiosa. Entre 70 e 80% dos jovens adultos na Estônia, Suécia e nos Países Baixos também se classificam como não religiosos.

O país mais religioso é a Polônia, onde 17% dos jovens adultos se definem como não religiosos, seguido pela Lituânia com 25%.

70% dos jovens do Reino Unido se identificam como sem religião. O gráfico mostra como os jovens de 16 a 29 anos se identificam em termos religiosos.

No Reino Unido, apenas 7% dos jovens adultos se identificam como anglicanos, número abaixo dos 10% que se categorizam como católicos. Os jovens muçulmanos, 6%, estão próximos de ultrapassar os que se consideram parte da Igreja estabelecida do país.

Estes números estão publicanos no relatório intitulado “Europe’s Young Adults and Religion” [Os jovens adultos da Europa e a religião], de Stephen Bullivant, professor de teologia e sociologia da religião na St Mary’s University, em Londres. Os números se baseiam em dados tirados da Pesquisa Social Europeia 2014-2016.

Segundo se lê no texto do relatório, a religião está “moribunda”. Com algumas “notáveis exceções, os jovens adultos estão cada vez mais deixando de se identificar como religiosos e de praticar a sua religião”.

A tendência é a de estes números ficarem mais acentuados no futuro. “O cristianismo como padrão, como norma, se foi, e é provável que se foi de modo permanente – ou pelo menos para os próximos 100 anos”, escreveu Bullivant.

Mas houve também variações significativas. “Os países que são próximos uns dos outros, com fundos culturais e histórias parecidos, têm perfis religiosos amplamente diferentes”.

59% dos jovens no Reino Unido nunca frequentaram cerimônias religiosas. O gráfico mostra a frequência a templos religiosos, fora de ocasiões especiais, entre os jovens de 16 e 29 anos.

Os dois países mais religiosos (a Polônia e a Lituânia) e os dois menos religiosos (a República Tcheca e a Estônia) são Estados pós-comunistas.

A tendência da filiação religiosa se repetiu quando se perguntou aos jovens sobre a prática religiosa. Somente na Polônia, em Portugal e na Irlanda mais de 10% dos jovens disseram frequentar cerimônias religiosas pelo menos uma vez por semana.

Na República Tcheca, 70% dizem que nunca foram à igreja ou a algum outro local de adoração, e 80% diz que nunca rezam. No Reino Unido, na França, Bélgica, Espanha e Países Baixos, entre 56 e 60% disseram nunca ir à igreja, e entre 63 e 66% falaram que nunca rezam.

Entre os que se identificam como católicos, houve uma grande variação nos níveis de comprometimento. Mais de 80% dos jovens poloneses dizem que são católicos, com cerca da metade indo à missa pelo menos uma vez por semana. Na Lituânia, onde 70% dos jovens adultos dizem ser católicos, somente 5% afirmam ir à missa semanalmente.

Quase dois terços dos jovens do Reino Unido nunca rezam. O gráfico mostra a frequência de oração, fora das cerimônias religiosas, entre os jovens de 16 e 29 anos.

Segundo Bullivant, muitos jovens europeus “serão batizados e, depois, nunca entrarão numa igreja novamente. As identidades religiosas culturais simplesmente não estão sendo passadas adiante de pais para filhos”.

Os números concernentes ao Reino Unido explicam-se parcialmente pelo alto índice de imigração, acrescentou o autor o relatório. “Um em cada 5 católicos no Reino Unidonão nasceu aqui”.

“E sabemos que o índice de natalidade dos muçulmanos é mais alto do que a população geral, e eles possuem índices de retenção [religiosa] muito mais elevados”.

Na Irlanda, houve um declínio significativo na religiosidade ao longo dos últimos 30 anos, mas comparado a qualquer outro lugar da Europa ocidental, ele ainda parece bastante religioso”, explicou Bullivant.

“O novo cenário padrão é ‘sem religião’, e os poucos que são religiosos se veem como nadando contra a maré”, completou.

“Em 20 ou 30 anos, as igrejas tradicionais/predominantes estarão menores, mas as poucas que restarem serão altamente comprometidas”.

Harriet Sherwood – The Guardian, 21-03-2018

O panorama religioso da Europa vai ficar mais plural nas próximas décadas e um dos elementos da maior diversidade religiosa é o crescimento da população muçulmana, ao mesmo tempo em que diminui a proporção das filiações católicas e protestantes. Segundo projeções do Instituto Pew Research Center (novembro de 2017), a população muçulmana na Europa pode triplicar entre 2016 e 2050.

Em 2016 havia 25,8 milhões de muçulmanos na Europa (representando 4,9% da população total) e este número pode passar, no cenário de alta migração, para 75,6 milhões em 2050 (representando 14% da população total).

O gráfico acima apresenta três cenários para 2050. Em todos eles há um crescimento da população muçulmana. No cenário de zero imigração, a percentagem de muçulmanos que estava em 4,6% em 2015, passaria para 7,4% em 2050. No cenário médio de imigração a percentagem passaria para 11,2%. E no cenário de alta imigração a percentagem de muçulmanos na Europa chegaria a 14% em 2050.

O mapa abaixo mostra que os países com as maiores presenças de muçulmanos, em 2016, eram Chipre (25,4%), Bulgária (11,1%), França (8,8%), Suécia (8,1%), Áustria (6,9%), Alemanha (6,1%), Suíça (6,1%), etc. Em termos absolutos, a França lidera com 5,7 milhões de pessoas estimadas na prática da fé islâmica.

População muçulmana nos países da Europa em 2016

 

Segundo as projeções do Instituto Pew Research Center (novembro de 2017), apresentadas no mapa abaixo, a presença muçulmana na Europa em 2050, no cenário de alta imigração, pode chegar a 14%, sendo 30,6% na Suécia, 19,9% na Áustria, 19,7% na Alemanha, 18,2% na Bélgica, 17,2% no Reino Unido, 17% na Noruega, etc.

População muçulmana (em %) nos países da Europa. Cenário de elevada imigração, em 2050

Em termos absolutos, no cenário de alta migração, conforme mostra a tabela abaixo, o número de muçulmanos pode chegar a 17,5 milhões na Alemanha, 13,5 milhões no Reino Unido, 13,2 milhões na França, 8,3 milhões na Itália, etc.

Os muçulmanos na Europa são, em média, mais jovens (30,4 anos) do que os não muçulmanos (43,8 anos), o que significa também que há mais mulheres em idade fértil. Quase um terço da população muçulmana na Europa (27%) tem menos de 15 anos – quase o dobro da proporção entre não muçulmanos (15%).

O Instituto Pew estimara que uma mulher muçulmana terá 2,6 filhos em média, um a mais do que o 1,6 filho projetado para mulheres não muçulmanas que vivem na Europa. Embora nem todos os filhos nascidos de pais muçulmanos se identificam como muçulmanos, eles tendem a assumir a identidade religiosa de seus pais.

Evidentemente, é muito difícil antecipar o futuro, pois os fatores que impulsionaram os fluxos de migrantes e refugiados – como a instabilidade na África e no Oriente Médio – podem diminuir ou aumentar. Muito depende também da economia e dos governos europeus, que estão sujeitas a várias alterações.

O Pew Research Center baseou suas projeções em pessoas que se identificaram como muçulmanas, usando informações de 2.500 bancos de dados, incluindo estatísticas oficiais e pesquisas realizadas em países que não coletam informações sobre identidade religiosa.

Independentemente do que vai acontecer no futuro, a realidade atual é que existe um crescimento da presença muçulmana na Europa e uma diminuição da prática católica e protestante no Velho Continente.

Reportagem de Roberto Scarcella, publicada em La Stampa (11/12/2017) mostra que, na Europa, centenas de edifícios sagrados do cristianismo mudam de função e diversos viraram mesquitas. Na Grã-Bretanha, Alemanha, França, Suécia, Bélgica e Holanda são, cada vez mais, numerosas as comunidades cristãs que preferem tornar rentáveis os espaços, cedendo a outra religião os lugares de culto religioso abandonados pela evasão dos fiéis. Apenas na Frísia, no norte da Holanda, cerca de 250 das 720 igrejas fecharam suas portas e tornaram-se apartamentos, escritórios, restaurantes ou, em alguns casos, mesquitas.

A reportagem cita o caso da França, onde um filósofo existencialista romeno, adotado pelos parisienses, é citado sem parar, cada vez que se inicia um debate inter-religioso devido a uma frase contida em uma sua correspondência com o erudito austríaco Wolfgang Kraus: “Os franceses não acordarão até que Notre-Dame seja transformada em mesquita”.

Ou seja, o quadro religioso da Europa está mudando com o aumento da presença muçulmana, aumento do número de pessoas que se declaram sem religião e declínio do número de praticantes da fé católica. 

Referência

PEW. Europe’s Growing Muslim Population, PEW, 29 november 2017

Fonte EcoDebate

Da Sicília até a Escandinávia: no velho continente secularizado centenas de edifícios sagrados do cristianismo mudam de função.

Tapetes em vez de genuflexórios. O árabe que ecoa em locais onde, por séculos, rezou-se em latim e italiano. E, pendurados nas paredes, não mais retratos de santos, mas relógios digitais que marcam a hora e a posição da Meca. Essa é a segunda vida da igreja de San Paolino dos jardineiros, no coração da antiga Palermo, a poucos passos da Catedral. A primeira igreja da italiana convertida em mesquita, em 1990, hoje não é apenas o centro do Islã na Sicília, mas também um exemplo para novas mesquitas que estão surgindo em toda a Europa no lugar de igrejas agora vazias, desconsagradas e abandonadas. ( Veja fotos abaixo da Mesquita de Palermo, uma ex Igreja católica.)

Escritórios nos lugares sagrados

Na Grã-Bretanha, Alemanha, França, Suécia, Bélgica e Holanda são cada vez mais numerosas as comunidades cristãs que preferem tornar rentáveis os espaços, cedendo a outra religião os lugares de culto religioso abandonados pela evasão dos fiéis e que acabam por se tronar pior do que inúteis, apenas caros. Porque entre a manutenção de uma igreja onde ninguém mais entra e vender, a segunda opção hoje, pelo menos na Europa do Norte, está se tornando de longe a favorita. Apenas na Frísia, no norte da Holanda, cerca de 250 das 720 igrejas fecharam suas portas e tornaram-se apartamentos, escritórios, restaurantes ou, em alguns casos, mesquitas.

No Reino Unido, em Manchester, Bradford, Londres e algumas pequenas cidades, quem arrematou as igrejas foram as comunidades islâmicas, em busca de um lugar para seus fiéis. Os preços, em um país que vende as casas por uma libra nas áreas mais depauperadas, embora sejam mantidos em segredo, parecem ser verdadeiras barganhas.

No Midlands são várias as negociações em curso em cidades de médio porte. Por outro lado, muito prosaicamente, como explica um estudioso do Alcorão de Marselha que prefere manter o anonimato, “mesmo para as religiões vale a lei do mercado, se as pessoas já não entram mais na queijaria, mas querem comer peixe, o queijeiro fecha e entre as mesmas quatro paredes abre seu negócio um peixeiro”. O peixeiro que tomou o lugar do queijeiro em Palermo está encravado entre os três principais mercados da cidade: Ballarò, Il Capo e Vucciria. Na fachada tem uma placa bastante discreta, com a simples inscrição “mesquita” em italiano e árabe. A separação com a rua é feita por um longo portão preto e um pequeno quintal cimentado. À direita na entrada, as prateleiras onde deixar os sapatos. No canto, uma enorme cortina verde separa os lados: é onde as mulheres podem rezar, mantidas rigorosamente longe dos olhares masculinos.

A atmosfera é estranha, como confirma o fundador da Ucoii (União das comunidades e organizações islâmicas na Itália) Hamza Piccardo: “Afinal estamos em todos os sentidos dentro de uma igreja barroca, embora modificada”. Mesmo o altar desapareceu. Se for deixada de lado a instalação-provocação de Christophe Buechel, que em 2015 transformou uma igreja em mesquita na Bienal de Veneza – provocando um enorme rebuliço animado por ameaças, guardas municipais fazendo o isolamento, empurrões, insultos e documentos oficiais enviados até aos tribunais – na Itália são apenas duas igrejas hoje oficialmente transformadas em mesquitas, essa de Palermo e a de Agrigento, inaugurada em março de 2015, onde antes funcionava uma igreja evangélica.

Mas é, sobretudo, na Alemanha que a tensão tem aumentado nos últimos anos pelo elevado número de mesquitas já construídas ou em construção, graças às ricas doações vindas da Turquia e dos países árabes. De acordo com o Zentralinstitut Islam-Archiv são mais de 100 mesquitas cujos locais já estão em funcionamento ou vão abrir em breve, enquanto as igrejas fechadas, apenas de 2000 a hoje, seriam mais de quinhentas, entre católicas e protestantes. As mesquitas de duas cidades importantes, como Duisburg e Hamburgo, surgiram justamente sobre as cinzas de duas igrejas e foram as detonadoras de duras polêmicas políticas e conflitos raciais.

Coletas para a compra

Daniel Abdin, diretor do centro islâmico Al Nour de Hamburgo viveu pessoalmente o desgastante trabalho da compra, em 2012, e depois da construção: “Todos tentaram atrapalhar as negociações, associações cristãs, partidos políticos e pessoas comuns. A verdade é que aquela igreja já estava fechada há dez anos, ninguém a frequentava. Tornou-se um bastião do cristianismo somente depois que nós a compramos”. Os mesmos mecanismos estão sendo repetidos na Bélgica. E o mesmo discurso vale para França e Suécia: a mesquita de Graulhet, aberta na década de 1980 e em condições de unir a malha social bem mais do que afrouxá-la, e a super coleta de três milhões da igreja de Nacka para construir ao lado do edifício cristão uma mesquita, são dois casos emblemáticos da coexistência pacífica. Mas não são suficientes para compensar situações explosivas em lugares com alto índice de risco, tais como Malmoe.

Ou Marselha, onde deflagrou-se um rumoroso caso político em torno da sinagoga no centro da cidade comprada e depois convertida em mesquita. Ela está localizada na rue Saint Dominique, bem próxima da estação de Saint-Charles, a maior da cidade, e ao lado do cartão postal do Vieux Port. O edifício, anônimo, poderia ser qualquer coisa. A indicar a existência de uma mesquita é apenas a palavra ‘Associação Islâmica Al Badr’. Nas quintas-feiras não se vê ninguém e é mais animada a loja em frente que vende roupas islâmicas e fidget spinner, o brinquedo do momento. Mas, nas sextas-feiras, o dia islâmico da oração, é um intenso vai-vem de homens e crianças todos arrumados, com roupas brancas e elegantes. Entre o pessoal de 20-30 anos o “uniforme” é o do time de futebol local, o Olympique de Marseille. O portão aberto permite entrever as obras em curso e um teto do qual pendem uma série de cabos que parece infinita. Foi aberta há pouco mais de um ano, mas ainda é um canteiro de obras. Porém, para os católicos e os judeus extremistas, a mesquita Al Badr é o início de uma colonização, uma invasão.

Al Badr é também o nome de uma associação fundada em 2009 em Marselha para uma série de objetivos nobres: organização de viagens para os lugares sagrados do Islã, cursos para alfabetização, atividades sociais e recreativas. Mas quem não a vê com bons olhos, aponta o dedo para outra de suas atividades bem menos divulgada: Al Badr, de fato, recolhe fundos para comprar igrejas e sinagogas no sul da França e ao mesmo tempo serve de contato para encontrar vendedores. Até agora, a mesquita da Rue Saint-Dominique é sua única aquisição: antes era a sinagoga Or Torah. Mas o rabino que a vendeu por 400 mil euros, não se arrependeu. Zvi Ammar, presidente do Consistório israelita de Marselha, lembra que os judeus que viviam perto da sinagoga já haviam todos se mudado para outros bairros da cidade: “A sinagoga estava vazia há anos, e é preciso lidar com as mudanças sociais. Os judeus em Marselha são cerca de 70.000, e os muçulmanos mais de 220.000. No gueto, a sinagoga está sempre lotada, aqui não tinha mais razão para existir. Passamos de uma centena de pessoas em oração na década de 1970, para menos de vinte pessoas para o Shabat”.

“Há espaço para todos”

Os homens do lado de fora da sinagoga que se tornou mesquita não gostam de falar dos fins de associação. Numa primeira abordagem todos se dizem membros, próximos ao imã. Mas assim que o discurso se volta para as ambições expansionistas da Al Badr, ninguém sabe nada. Ahmed, vestindo a camiseta do ídolo de futebol local André-Pierre Gignac, sonha com uma “mesquita cintilante, construída a partir do zero, sem um passado complicado. Mas lá de onde eu venho, costuma-se dizer que o que você tem é muitas vezes mais do que aquilo que você merece”.

O amigo Omar, argelino, jovem, impetuoso e à procura de emprego, defende Al Badr, mesmo repetindo várias vezes que não conhece bem os mecanismos: “Os muçulmanos aumentam na França, é normal ver crescer também o número de mesquitas. E o problema, até onde eu sei, não são os sacerdotes e os rabinos que não querem vender, mas é a arrecadação de fundos. Eu não ficaria surpreso se dentro de quatro ou cinco anos as igrejas convertidas em mesquitas fossem cinco ou dez apenas na Riviera Francesa. Mas não se trata de uma guerra para ocupar posições, é simplesmente o mundo que está mudando”. Enquanto isso, outras cidades importantes como Lille e Nantes encontram-se com minaretes lá onde antes apareciam os campanários. Berlim está vivenciando um caminho oposto com a abertura da House of One, um lugar onde cristãos, muçulmanos e judeus podem orar todos sob o mesmo teto.

Uma transformação gradual

Uma experiência que Mustafa Abderrahmane, imã da mesquita de Palermo, não vê com bons olhos: “Cada religião precisa ter o seu próprio espaço, sem rivalidades, mas sim tentando se abrir para os outros, organizando reuniões nas igrejas e mesquitas. Nós fazemos isso há anos, e isso funciona. É tudo uma questão de criar um ambiente positivo”. A convivência entre os moradores de Palermo e a igreja local é o menor dos problemas para o imã, “porque a Sicília é um lugar de misturas culturais, como mostra a sua história”. Apesar de ser testemunha direta de uma experiência bem sucedida e acertada, ele adverte os outros contra tentar replicar, neste momento, o modelo de Palermo: “Muitas pessoas envolvida com a política iriam explorar a construção de uma mesquita em vez de uma igreja. Somando o medo com os atentados e a desinformação sobre as atividades do Islã na Europa, não é sábio jogar gasolina sobre a fogueira neste momento”. Paradoxalmente o imã vez de defender a expansão do número de mesquitas é a favor de sua redução, pelo menos em Palermo: “Temos onze centros de oração diferentes na cidade, porque todo mundo quer dar voz a sua fatia de Islã, mas eu acho que isso é dispersivo para os fiéis e um enorme trabalho para a polícia que deve fazer os controles. É preciso uma maior centralização”. Em sua mesquita, quase duas centenas de pessoas se reúnem para as orações da sexta-feira. Mas se entrar na tarde quarta-feira, não passarão de duas ou três. Mohammed, um tunisiano, não tem nenhum problema em interromper a sua oração, explicando que “a mesquita Palermo é um grande presente, uma oportunidade para todos os muçulmanos”. Para ele, o fato de que ela tenha sido edificada sobre uma igreja “não é relevante”. “Hoje é um lugar onde nós nos reunimos para rezar, ontem outros fizeram o mesmo. Aqui há espaço suficiente para todos”.

A nova paisagem urbana de Palermo

Na verdade ninguém quer fechar a mesquita, ou devolvê-la à Igreja. Giuseppe Vitale, que agora tem mais de 70 anos e se define como um “católico praticante há gerações”, nem repara mais na mesquita, mesmo vivendo há pouca distância: “É parte da paisagem, tanto quanto uma igreja, uma árvore, um bar ou um carrinho que vende cachorro-quente”. A placa com a palavra mesquita na entrada, enegrecida pela fumaça, ajuda na mimetização com a paisagem.

Assumindo que sirva.

Tudo parece fácil, na opinião do Imã e dos moradores do bairro. Mas hoje na Itália, replicar o modelo Palermo parece realmente ter-se tornado impossível. O ano de 1990, data da inauguração, parece muito distante, bem mais do que os 27 anos mostrados pelo calendário. Os católicos extremistas prontos para montar barricadas, se existirem em Palermo, não se expõem. Talvez esperem que surja um Emil Cioran italiano para falar por eles. Na França, o filósofo existencialista romeno adotado pelos parisienses atualmente é citado sem parar, cada vez que se inicia um debate interreligioso devido a uma frase contida em uma sua correspondência com o erudito austríaco Wolfgang Kraus: “Os franceses não acordarão até que Notre-Dame seja transformada em mesquita”.

La Stampa, 11-12-2017

 

 

 

As filiais belgas da Cruz Vermelha receberam uma mensagem de e-mail enviada pelo Comitê Provincial de Liège pedindo que todos os crucifixos sejam retirados dos centros que essa organização internacional de ajuda possui no país.

André Rouffart, presidente da entidade em Verviers, confirma o fato:

“Eles nos pediram para respeitar os princípios da entidade (…) sem distinguir entre raças ou crenças religiosas”.

Rouffart afirmou que voluntários e outros membros da organização manifestaram descontentamento com a decisão, que consideram uma forma de censura. Um voluntário entrevistado pela rede belga RTL denunciou:

“Esta é a decadência da Bélgica. Substituímos o Natal pelas férias de inverno. O mercado natalino de Bruxelas agora se chama ‘Prazeres de Inverno’. As cruzes foram retiradas das casas da Cruz Vermelha e, especialmente, de Verviers, por causa de certa parcela da população”.

Ele se refere a pressões que estariam sendo exercidas por grupos muçulmanos.

As objeções islâmicas a símbolos da Cruz Vermelha que evocam o cristianismo não seriam novidade.

Em 1876, o Império Otomano se queixou de que a bandeira da Cruz Vermelha evocava raízes cristãs e, portanto, era ofensiva para os soldados muçulmanos. Diante disso, o movimento decidiu oficialmente promover a ideia de que a bandeira da Cruz Vermelha não evocava religião alguma, tratando-se da inversão das cores da bandeira da Suíça, país natal da entidade e referência de neutralidade. Mesmo assim, a cruz foi sendo substituída em países muçulmanos pelo símbolo islâmico da meia-lua (ou lua crescente) – no Irã, chegou a ser usado até 1980 o emblema persa do leão e do sol, ambos em cor vermelha, mas hoje o país também usa a meia-lua islâmica. O próprio nome da Cruz Vermelha, nessas nações, foi trocado para Crescente Vermelho.

É relevante observar que o nome e o símbolo islâmicos, mesmo sendo abertamente religiosos, não despertam crítica alguma. Só os símbolos cristãos é que podem ser criticados e combatidos, “em respeito à neutralidade e à liberdade religiosa“… E isso que a própria Cruz Vermelha afirma (questionavelmente, diga-se de passagem) que a cruz da sua bandeira não teve origens cristãs.

Em resumo: nos países muçulmanos, a Cruz Vermelha pode (e deve) suprimir a própria identidade para dar lugar a símbolos abertamente islâmicos. Já na Bélgica, uma terra do âmbito cristão que deu origem a essa organização filantrópica, o crucifixo deve ser retirado e escondido para não “ofender” os seguidores do islã, que, no país, somam 6% da população.

A democracia manda lembranças..e a contradição também.

Aleteia

Polônia não abrirá o comércio aos domingos para dedicar esse dia a Deus, ao descanso e a família. O Congresso deste país aprovou na semana passada proteger o domingo, para impedir que as lojas abram neste dia e assim defender o descanso dos trabalhadores e respeitar o dia do Senhor.

A proposta foi apresentada pelos sindicatos do país Europeu, a qual foi acolhida pelo partido de governo Lei e Justiça, que é de caráter conservador, e pela mesma Igreja Católica, que deu as boas-vindas a esta iniciativa que busca manter o domingo como dia sagrado. A Conferência Episcopal deste país, através de um comunicado, felicitou a iniciativa.

Esta medida irá se implementar de maneira paulatina até 2020 quando as compras dominicais não serão permitidas. No ano de 2018 somente poderão abrir nos primeiros e últimos domingos do mês; e em 2019 somente no último. Já para 2020 todos os domingos serão festivos para os trabalhadores. Somente se permitirá abrir no domingo anterior a festas como Natal ou Semana Santa, além disso no último domingo de janeiro, abril, junho e agosto. Esta medida não se aplicará para o comércio online, nem para as padarias.

A votação ocorreu na sexta-feira, 24 de novembro, tendo como resultado um número significativo da votação: 254 deputados a favor de fechar o comércio aos domingos, 156 contra e 23 que se abstiveram de votar.

Para que a iniciativa seja estabelecida definitivamente resta somente que o Senado Polonês a ratifique antes de que seja assinada pelo presidente Andrzej Duda.

Em outros países europeus, como a Alemanha, a Constituição protege o descanso dominical. Assim diz o artigo 139: “o domingo e os dias reconhecidos oficialmente ficarão protegidos por lei como dias de descanso laboral e de recolhimento espiritual”.

O que diz o Catecismo

O debate sobre o tema também está aberto atualmente em países como França e Espanha, mas não se chegou a uma decisão que favoreça o descanso dominical.

O Catecismo da Igreja Católica em seu número 2176, diz sobre o Domingo como Dia do Senhor: “A celebração do domingo cumpre a prescrição moral, inscrita no coração do homem, de ‘dar a Deus um culto exterior, visível, público e regular sob o signo de sua bondade universal aos homens” (São Tomás de Aquino, Summa theologiae, 2-2, q. 122, a. 4). O culto dominical realiza o preceito moral da Antiga Aliança, cujo ritmo e espírito recolhe celebrando a cada semana ao Criador e Redentor de seu povo”.

O domingo é o dia por excelência para a celebração da Missa do Senhor. A este respeito o Catecismo assinala: “A celebração dominical do dia e da Missa do Senhor tem um papel principalíssimo na vida da Igreja. ‘O domingo, no qual se celebra o mistério pascal, por tradição apostólica, há de ser observado em toda a Igreja como festa primordial de preceito'”.

Gaudium Press

Susanne Pelger é uma ativista LGBT com muito reconhecimento na Suécia. Ela tem doutorado em genética e é professora de biologia e matemática na Universidade de Lund. Nas últimas semanas ela ficou no centro de um debate sobre a sexualização precoce de crianças.

O motivo foi seu polêmico livro sobre transexualidade direcionado para a primeira infância. Com o título de Hästen & Husse [O Cavalo e seu Pai], a obra de 31 páginas conta a história de um cavalo que deseja ser um cachorro e se comporta como tal. O dono do cavalo é um homem que se veste de mulher e usa maquiagem.

A autora diz que o objetivo do livro é ensinar às crianças o mais cedo possível que elas podem ser “o que elas quiserem”. Assim como um homem pode chegar do trabalho, tirar o terno, colocar um vestido e maquiagem, o cavalo pode se comportar como um cachorro, roendo ossos e perseguindo gatos.

Com a ampla distribuição nas pré-escolas do país, Pelger comemora o interesse de editoras europeias em traduzir a obra para outras línguas.

A Suécia é um país conhecido pela sua posição liberal sobre a ideologia de gênero. A posição de Pelger é que o tema deve ser tratado na pré-escola pois ela teria conhecido vários alunos que passaram por um “realinhamento sexual” com idade muito baixa. Ela diz que a maioria tinha vergonha por não se sentirem “ajustados à norma, o que cria um sentimento de solidão e insegurança”.

Cavalo quer ser cachorro – Hästen & Husse

Com o discurso militante afiado, a autora afirma que a orientação sexual não se limita à opção binária de “menino ou menina”. Para ela, não se trata de sexualização infantil pois ela não fala sobre a relação sexual em si. “O tema ainda há um grande tabu, é um campo minado”, avalia.

Aprovado pelo ministério da educação da Suécia, Pelger diz que somente as imagens normalmente já servem para uma discussão animada em sala de aula.

Ela leu o livro para algumas crianças e fazia perguntas do tipo “Um homem pode usar um vestido e pintar seus lábios?”, ao que as crianças geralmente respondiam “Sim”, afirma.

Conforme reportou recentemente a rede CNN, há um forte movimento na Suécia para se usar nas escolas o pronome neutro “hen” para todos os alunos, independentemente do seu sexo.

“Hen” é um novo pronome, que seria um meio-termo entre “han” (ele) e “hon” (ela). Ele é utilizado para fazer referência a uma pessoa sem revelar seu gênero, seja porque é desconhecido, porque a pessoa é transgênero ou porque quem fala ou escreve considera supérfluo referir-se ao gênero.

No Brasil já existem movimento que tentam popularizar o “e” em substituição aos tradicionais “o” para palavras masculinas e “a” para palavras femininas. Não é incomum encontrar-se textos que se referem a “todes”, “menines”, “queride”, “bonite” nas redes sociais e em textos que pretendem apresentar uma linguagem “inclusiva” por aqui também.

 Sputnik News   Via G Prime

Apesar dos esforços do governo em desassociar os imigrantes islâmicos da onda de violência na Alemanha, alguns jornais estão furando o bloqueio e reportando que pelo menos 200 ataques a igrejas na região da Baviera nos últimos dois anos. 

O The European relata que os danos são variados, indo de cruzes arrancadas das cúpulas – com machados ou serras – a imagens de Jesus e de santos sendo destruídas. Há relatos de invasão dos templos, tanto evangélicos quanto católicos, nas regiões de Längental, Sylvensteinstausee e Tirol. Em alguns locais cruzes expostas em lugares públicos, típicas da região, foram derrubadas. Em alguns casos, imagens de Jesus foram desfiguradas.

Na paróquia de St. Anton, em Passau, o padre Manuel Schlög lamenta que houve uma invasão durante a noite. Tudo que havia no altar foi jogado ao chão, peças de ouro roubadas e os vândalos tentaram atear fogo, mas felizmente não tiveram sucesso. Mais do que o dano, que custará algumas dezenas de milhares de euros, o líder da igreja lamenta: “Foi um ataque à nossa fé”.

A polícia não prendeu ninguém, pois nessa região rural da Alemanha não é comum que templos tenham sistemas de segurança. Segundo a imprensa, são os milhares de imigrantes muçulmanos que chegaram à região que estão tentando semear o medo na população.

Uma reportagem recente do jornal Express dá conta de que ataques a locais de culto cristão são uma ordem do Estado Islâmico aos seus simpatizantes.

G Prime

Na Suécia, a cúpula da Igreja também tem seu dia de eleições gerais. No domingo, 900 mil suecos foram às urnas para escolher os representantes da maior organização religiosa do país, a Igreja da Suécia, instituição protestante de confissão luterana. Foi o maior comparecimento na história das eleições da instituição desde 1950.

sistema eleitoral dessa instituição cristã é único no mundo. A cada quatro anos, os cidadãos filiados à igreja elegem uma espécie de Parlamento da Igreja Sueca(Svenska kyrkan), a que é a maior organização religiosa do país.

Esse Parlamento é composto tanto por representantes do clero como por leigos e tem o poder de decidir não só questões mundanas, como a reforma das paróquias e o valor de doações a países pobres, mas também assuntos de ordem teológica – a exemplo do casamento entre pessoas do mesmo sexo, aprovado pela Igreja Sueca em 2009.

“A Constituição sueca é clara: a Igreja deve ser democrática e aberta”, diz à BBC Brasil a pastora sueca Jenny Sjögren, chefe do Departamento de Teologia e Ecumenismo da Igreja da Suécia.

As eleições, contudo, estão atreladas à política tradicional. Representantes de três dos oito partidos políticos tradicionais do país disputaram o pleito, ao lado de grupos independentes. Os resultados preliminares indicam que o Partido Social-Democrata, nacionalista e anti-imigração, conquistou a maior parcela dos votos e aumentou sua participação na Igreja.

“Pode-se dizer que a Igreja da Suécia tem um sistema eleitoral único no mundo, no sentido de que todas as instâncias do poder decisório da instituição são eleitas de forma direta. Embora as igrejas protestantes de países como a Noruega realizem algum tipo de eleições, em geral os pleitos ocorrem apenas a nível paroquial. Já na Suécia, desde a virada do milênio o próprio Sínodo Geral, que pode ser definido como o Parlamento da Igreja Sueca, é eleito nas urnas”, acrescentou Sjögren, que se tornou padre há 17 anos: desde 1958, a Igreja da Suécia aceita a ordenação feminina.

Regras

Para participar das eleições – seja como eleitor, ou como candidato -, o cidadão deve ser membro da Igreja da Suécia. A idade mínima para votar é de 16 anos, e a partir de 18 anos é possível se candidatar ao pleito.

No total, 5,2 milhões de suecos têm direito a votar no país de cerca de 10 milhões de habitantes.

A eleição de bispos e arcebispos na Suécia também costuma ser realizada com a participação popular: 50 por cento do eleitorado deve ser composto por leigos.

“Em várias partes do mundo protestante, as eleições de bispos e arcebispos se dão através do voto tanto de clérigos como de leigos. Isto se dá por razões históricas, diz Jenny Sjögren.

Em 2013, a Suécia elegeu pela primeira vez uma mulher como ‘arcebispa’ – a até então bispa da cidade de Lund, Antje Jackelén.

Campanha Eleitoral

Na mídia sueca, a cobertura da campanha para as eleições gerais da Igreja segue, ainda que em menor dimensão, o figurino dos pleitos políticos. Nesta reta final da corrida eleitoral, candidatos leigos e religiosos duelam na TV e no rádio, jornais debatem as diferentes propostas, e os “partidos” – chamados de “grupos” – apresentam filmes de campanha publicitária. Nas ruas, cartazes e panfletos reforçam o clima de eleição.

Todo o processo das eleições eclesiásticas é muito semelhante ao processo eleitoral para o Parlamento, assim como as regras democráticas que regem o funcionamento das assembleias eleitas pelos membros da Igreja”, diz à BBC Brasil o membro da Igreja David Axelson Fisk, que participou do comitê organizador das primeiras eleições gerais, na virada do milênio.

“Até o ano 2000, a Igreja da Suécia realizava apenas eleições a nível paroquial, como ocorre em outros países protestantes. Mas quando a separação entre Igreja e Estado entrou em vigor, naquele ano, entendeu-se que a forma mais democrática de gerir a instituição deveria ser através de eleições gerais e diretas para todas as instâncias do poder eclesiástico”, observa Fisk.

As eleições da Igreja da Suécia são organizadas em três níveis, num único dia de votação: a nível local, os membros de cada uma das 2.225 paróquias do país elegem uma Assembléia da Paróquia (Kyrkofullmäktige). A nível regional, os eleitores das 13 dioceses escolhem a Assembléia da Diocese (Stiftsfullmäktige), com 81 representantes. E a nível nacional, é eleito o Sínodo Geral da Igreja da Suécia(Kyrkomötet) – a mais alta instância da instituição, composta por 251 integrantes.

arcebispa sueca é a representante da Igreja para eventos ecumênicos e conferências internacionais, mas a autoridade máxima de poder decisório da instituição é o Sínodo Geral. E pelas regras suecas, os bispos não fazem parte do Sínodo, embora devam estar presentes nas sessões do órgão.

“Os 13 bispos do país podem se pronunciar ou apresentar propostas nas sessões do Sínodo, mas não estão autorizados a votar”, esclarece Ewa Almqvist, do departamento de Comunicação da Igreja da Suécia. Por outro lado, segundo Jenny Sjögren, os bispos detêm influência no poderoso Comitê Doutrinário do Sínodo.

Em sua composição atual, 187 dos 251 assentos do Sínodo Geral são ocupados por representantes leigos. Entre os 64 clérigos da assembleia, estão 61 pastora e três diáconos. Os valores suecos da igualdade de gênero também se refletem na formação da assembleia nacional eleita no último pleito: são 124 mulheres e 127 homens, segundo dados fornecidos à BBC Brasil pela Igreja da Suécia.

Os representantes eleitos não ganham salário: recebem apenas compensação pelas horas que deixam de trabalhar em seus empregos regulares, a fim de exercer suas atividades do Sínodo. E em cumprimento às práticas suecas de transparência, as atividades e finanças da Igreja da Suécia também são disponibilizadas para a fiscalização pública.

Críticas

Um dos principais temas do debate da campanha eleitoral deste ano foi o questionamento sobre a participação política nas eleições da Igreja.
Embora as agremiações que concorrem ao voto não tenham a denominação de “partido”, o fato é que três dos oito partidos políticos tradicionais do país disputam o pleito com suas próprias legendas, ao lado de grupos independentes – o Partido Social-Democrata, o Partido do Centro e o Democratas da Suécia, de extrema-direita.

“Há diferentes pontos de vista, e o tema é complexo”, diz a padre sueca Jenny Sjögren.

“Um eleitor pouco familiarizado com as questões da Igreja, por exemplo, pode sentir-se mais seguro ao votar no candidato de um partido político com o qual ele tem afinidade. Este seria um lado positivo de se ter representantes de partidos políticos tradicionais na disputa. Por outro lado, muitos começam a questionar esse envolvimento político na igreja. Mas cada vez mais, surgem novos grupos independentes que não possuem conexão com partidos. Portanto, este é um processo em evolução”, ela ressalta.

Êxodo

Apesar do caro e complexo aparato democrático para a realização de eleições diretas nos três níveis decisórios da Igreja, o comparecimento às urnas tem sido relativamente baixo. Especialmente nestes novos tempos, em que a Igreja da Suécia enfrenta uma perda considerável de seu rebanho.

Nas últimas eleições gerais da Igreja, em 2013, apenas 700 mil pessoas votaram. O índice de comparecimento às urnas não costuma ultrapassar 15% do eleitorado – em claro contraste com o percentual registrado nas eleições políticas para o Parlamento sueco, que costuma girar em torno de 86%.

O êxodo têm preocupado as autoridades eclesiásticas. Em 2016, mais de 90 mil pessoas deixaram de ser membros da Igreja – praticamente o dobro do índice registrado no ano anterior. Segundo pesquisa conduzida pelo instituto sueco Norstat, o principal argumento dos fiéis que decidiram abandonar a instituição é franco: eles não acreditam em Deus.

A Igreja da Suécia abandonou a Igreja Católica Romana no século 16, quando aderiu à Reforma Protestante.

Na virada do milênio, quando a Suécia se tornou oficialmente um Estado laico, 82% dos suecos eram membros da Igreja da Suécia – mais por tradição, segundo muitos comentam, do que por uma real afirmação de fé. Atualmente, segundo os números oficiais, a instituição possui 6,1 milhões de membros (cerca de 62% da população). Mas cada vez mais, a tradição religiosa perde força neste país de descrentes.

Até meados da década de 90, os filhos de membros da Igreja da Suécia se tornavam automaticamente, ao nascer, também membros da instituição. Na era do Estado laico, a nova geração tende a desfazer esses tênues laços religiosos: hoje, pelos cálculos da agência central de estatísticas da Suécia (Statistiska centralbyrån), somente cinco por cento dos suecos costumam frequentar algum tipo de igreja.

Apenas 29% da população afirma ter alguma crença religiosa. E na hora de casar, um em cada três casais optam por uma cerimônia civil.

Fonte: BBC Brasil.

O próximo 31 de outubro se completarão 500 anos desde que Lutero afixou suas 95 teses na porta da igreja do castelo de Wittenberg. Era o início da Reforma Protestante que mudou o curso da história ocidental: do ponto de vista religioso, social, cultural e político. Seguiram-se décadas de guerras e séculos de divisões dentro do mundo cristão. Hoje, um estudo duplo – um na América e outro na Europa – do Pew Research Center registra que católicos e protestantes veem as suas crenças mais semelhantes do que diferentes. Em um mundo onde as divisões religiosas voltaram a se manifestar com toda a ênfase, é interessante notar que cinco séculos depois do cisma de Martinho Lutero diferenças permanecem, mas a tendência é por uma visão da religião e da vida convergentes.

Nos Estados Unidos, entre os protestantes, 57% considera que os dois credos são semelhantes, contra 41% que os considera diferentes. Entre os católicos, as percentagens são, respectivamente, 65 e 32.

Na Europa, a situação é mais complexa, mas não se desvia da tendência. Entre os protestantes europeus, os alemães caracterizam-se por serem aqueles que menos percebem a diferença: para 78% as duas religiões são semelhantes e apenas 19% as considera claramente diferentes.

Na Holanda, as opiniões dividem-se em 65% contra 28%, na Grã-Bretanha, 58 contra 37 e assim por diante, com uma predominância em todo lugar de quem vê mais pontos de compartilhamento do que de discordância. O mesmo vale para os católicos do Velho Continente, com exceção dos britânicos, onde 45 contra 41 veem mais divisão do que unidade.

Na Holanda, Áustria, Suíça e Alemanha, entre os católicos a percepção de semelhança é bastante evidente.

Na Itália, menos: 47% veem mais proximidades contra 41% que ressalta as divergências.

Ainda mais interessante é observar as opiniões sobre como obter a salvação eterna. De acordo com Lutero, somente por meio da fé. A maioria dos protestantes de hoje (com exceção dos noruegueses) considera que é alcançada através da combinação de fé e boas ações, que é substancialmente a posição tradicional da Igreja Católica.

Mas deve-se notar que na Europa, tanto entre os protestantes como entre os católicos, as pessoas praticantes são uma minoria: apenas 14% dos primeiros e o 8% dos segundos afirmam participar dos serviços religiosos pelo menos uma vez por semana. Cinco séculos depois, podemos dizer que, no Ocidente, as guerras religiosas acabaram.

Fonte: Corriere della Sera.

Historia-Europa

Minha avó paterna costumava soltar frases inteiras em italiano quando conversava entusiasmadamente. Seus filhos nascidos nos Estados Unidos lhe recordavam: “Mamãe, você está na América. Nós não falamos mais essa língua“.

No álbum de família, minha avó faz parte de uma narrativa que começa com imigrantes empobrecidos e avança rapidamente para a imagem de um dos seus filhos erguendo um carro, de tão forte que era. Sua irmã aparece em pose de estrela, num modesto maiô. Há fotos de um casamento e, de repente, o álbum revela uma forte mudança para o lado irlandês, à medida que as culturas iam se misturando.

A mobilidade ascendente faz uma breve aparição antes do baque financeiro. Uma breve recuperação permite belas cerimônias de batismos, casamentos e primeiras comunhões antes de um segundo desastre, quase aniquilador. Depois, o álbum perde o seu significado. Deixa de haver uma história porque não há mais coerência: apenas imagens formais, geralmente seguindo a tendência da época. Um carro aqui, um bolo ali, a próxima casa acolá.

A narrativa terminou porque a família, em sua essência, terminou. A própria palavra “família” deixou de ter significado para muitos de nós.

Nós não falamos mais essa língua”.

No entanto, aqueles que conseguiram se manter ligados a esta palavra e à linguagem do amor em que ela se enraíza construíram novas narrativas, sanaram-se e fortaleceram-se no paradoxo do sacrifício e do serviço a algo que é maior que nós e que nos torna plenos, livres e suficientemente destemidos para não desprezar o antigo dialeto, mas reaprendê-lo e reabraçá-lo.

Estes pensamentos me surgiram depois de ler esta descrição da Casa da História Européia, que me parece um álbum de família incoerente e morto:

“Os andares dedicados às atrocidades do século XX, a Primeira e a Segunda Guerras Mundiais, são particularmente impressionantes. O visitante chega a essa parte da exposição no escuro, sentindo-se desorientado. É uma experiência física do estado mental de quem atravessa a impressionante exposição da Casa sobre o Holocausto.

Após essas imagens agitadoras, o último andar é realmente decepcionante. Ele é reservado a uma visão geral das instituições da União Europeia, como o Parlamento Europeu, o Conselho Europeu e a Comissão Europeia (…) Mas o mais notável nessa Casa é que, para ela, é como se a religião não existisse na Europa – e não só na atualidade: é como se a religião nunca tivesse existido nem impactado a história do continente”.

Sem o reconhecimento da sua história espiritual, esse museu de Bruxelas está dizendo, em essência, “Nós não falamos mais essa língua. E não queremos nenhuma ligação com as nossas raízes”.

Se for isso mesmo, se a Europa estiver mesmo empenhada em eliminar a língua e a memória da fé, então a sua narrativa chegará a um final rápido, deliberado e sem glória. A Europa se sepultará no túmulo “sustentável” que ela própria já está cavando.

Elizabeth Scalia

britain-sick-baby-fran

O hospital infantil britânico Great Ormond Street anunciou nesta que reavaliará novas possibilidades para tratar um bebê gravemente doente após as intervenções do papa Francisco e do presidente americano, Donald Trump.

O hospital londrino tinha previsto deixar de manter o bebê Charlie Gard vivo após uma decisão da Justiça contra à qual os pais se opuseram. Charlie tem 10 meses e sofre de uma doença genética rara e terminal.

“Dois hospitais internacionais e seus pesquisadores nos indicaram nas últimas 24 horas que havia novos elementos para o tratamento experimental que propuseram”, explicou o hospital em um comunicado.

“Consideramos, assim como os pais de Charlie, que é justo explorar esses elementos”, acrescentou.

O hospital disse que solicitou a um tribunal britânico “uma audiência sobre o caso de Charlie Gard à luz do anúncio de novos elementos relacionados a um possível tratamento de sua doença”. “Não é uma questão de dinheiro ou de recursos, trata-se unicamente do que é justo para Charlie”, acrescentou a instituição.

O hospital afirmou que os seus médicos “testaram todos os tratamentos médicos” e que outro tratamento “seria injustificável […] e prolongaria o sofrimento de Charlie”. “Nosso ponto de vista não mudou”, acrescentou.

“Acreditamos que seja justo contar com a opinião da Alta Corte sobre os supostos novos elementos”.

Em abril, um tribunal britânico afirmou que os médicos deveriam interromper o tratamento que mantinha Charlie Gard vivo – ele sofre de uma rara doença genética e seu cérebro está muito prejudicado.

O Tribunal Europeu de Direitos Humanos (TDH) ratificou a decisão. Os pais do bebê de 10 meses lutam para que o seu filho possa receber tratamento nos Estados Unidos.

O tribunal decidiu que manter o bebê vivo somente prolongaria o seu sofrimento. A doença mitocondrial que o atinge deteriora os tecidos musculares.

O Papa Francisco deu o seu apoio aos pais do bebê em suas tentativas de transferir o menino, enquanto o presidente Trump ofereceu ajuda.

G1