Os costumes da sociedade contemporânea “a fizeram recair em cheio no paganismo e na completa idolatria do sexo”

O frei Raniero Cantalamessa é o pregador da Casa Pontifícia. Tem cabido a ele, nos últimos anos, dirigir as reflexões de Quaresma do Papa Francisco e dos membros da Cúria Romana. Este ano, na Capela Mãe do Redentor, no Vaticano, as suas meditações partiram do convite “Revesti-vos do Senhor Jesus Cristo” (Rm 13,14).

Na quinta e última pregação de Quaresma deste ano, o sacerdote fez significativas considerações sobre os costumes da sociedade contemporânea que “a fizeram recair em cheio no paganismo e na completa idolatria do sexo”. Segundo o padre Cantalamessa, tenta-se justificar “toda licença moral e toda perversão sexual” com a ideia de que vale tudo “enquanto não houver violência contra os outros e não se lesar a liberdade de alguém“. O problema desse tipo de alegação já começa no próprio conceito de “violência” e “liberdade”, que, nesses contextos, são bastante questionáveis. O frade observa: “É destruída a família com uma leviandade extrema e se diz: ‘Mas o que é que tem? Eu tenho o direito de procurar a minha felicidade!’“.

A partir dos escritos de São Paulo, Cantalamessa refletiu sobre a dissolução sexual, à qual o Apóstolo contrapõe “a arma da luz e da pureza”. O frade capuchinho comentou:

“Sem dúvida, alguns juízos da moral sexual tradicional foram revistos e as modernas ciências humanas contribuíram para iluminar certos mecanismos e condicionamentos da psicologia humana, que tiram ou reduzem a responsabilidade moral de determinados comportamentos que, há um tempo, eram tidos logo como pecado, até mortais”.

Contudo, o progresso humano “nada tem a ver com este pansexualismo de certas teorias permissivas, que tendem a negar toda norma objetiva no campo da moral sexual, reduzindo tudo a um fato de evolução espontânea dos costumes, isto é, a um fato da cultura”.

“Se consideramos de perto o que veio a ser chamada de ‘revolução sexual’ dos nossos dias, percebemos, com horror, que ela não é simplesmente uma revolução contra o passado, mas, frequentemente, contra Deus e a natureza humana. [A sexualidade] não é mais pacífica; [foi transformada numa] força ambígua e ameaçadora, que nos arrasta contra a lei de Deus a despeito da nossa própria vontade”.

Esta realidade é demonstrada pela crônica cotidiana dos escândalos, mesmo entre o clero e as pessoas consagradas, sublinhou Cantalamessa. Ele recorda o estímulo do Espírito Santo a testemunharmos ao mundo “a inocência originária das criaturas e das coisas”, de modo a romper esta espécie de “narcose e embriaguez do sexo“. É preciso “restaurar no ser humano a nostalgia da inocência e da simplicidade, que ele carrega forte no coração”.

O frei Cantalamessa também citou as palavras de São Paulo, quando ele dizia que “não é lícito dar-se ao impudor; não é lícito vender-se”. De fato, os termos gregos ligados à palavra “porneia”, que dá origem ao nosso termo “pornografia”, têm o sentido de “vender-se”. E o Apóstolo, usando esse termo para quase todas as expressões de dissolução moral, nos diz que, em toda devassidão, não apenas na prostituição propriamente dita, há um aspecto venal, um vender-se – nem sempre em troca de dinheiro, mas, muitas vezes, em troca do prazer como fim em si mesmo, rebaixando a nós próprios e aos outros ao nível de mera mercadoria.

Em referência à pureza cristã, o capuchinho enfatizou que ela não consiste tanto em estabelecer “o domínio da razão sobre os instintos quanto o domínio de Cristo sobre toda a pessoa, razão e instintos”. E acrescentou:

“A pureza não se baseia no ‘desprezo do corpo’, mas, pelo contrário, na grande estima da sua dignidade. É um estilo de vida, mais do que uma virtude apenas, que envolve não só o corpo, mas também o coração, a boca, os olhos, o olhar”.

Em suma, a pureza cristã é um estilo de vida pleno, que nos envolve e realiza integralmente.

Aleteia

O Parlamento Português aprovou no dia 13 de abril uma lei que permite a mudança de sexo no registo civil aos 16 anos apenas mediante requerimento e sem necessidade de recorrer a qualquer relatório médico, o que desencadeou uma resposta enérgica da Associação dos Médicos Católicos Portugueses (AMCP), que considera que a dispensa de um parecer médico se reveste de uma enorme gravidade em termos de saúde pública e afirma que a lei tem mais fundamento na ideologia de gênero que na ciência ou na medicina.

Segundo um recente comunicado da Associação, “a lei aprovada exclui a medicina, não tem qualquer base científica, já que não se apoia em qualquer diagnóstico médico de disforia de género, e dispensa o tratamento médico necessário para estes casos”.

“A história ensina-nos que sempre que a medicina se subjugou à ideologia, os resultados foram desastrosos para a humanidade, pelo que a AMCP apela ao Sr. Presidente da República para que vete esta lei”, asseveram os médicos católicos.

Além disto, a AMCP diz que é estranho que seja permitida a mudança de sexo “numa idade em que se considera que os cidadãos não têm ainda maturidade para votar, conduzir um automóvel ou ingerir bebidas alcoólicas”.

“Nesta idade o córtex pré-frontal (envolvido nas respostas emocionais e na tomada de decisões) ainda não atingiu o desenvolvimento completo, pelo que não existem condições neurobiológicas de maturidade para uma tomada de decisão desta natureza”, diz o comunicado da ACMP.

“Esta lei, agora aprovada, não é baseada propriamente em novas descobertas científicas, nem tão-pouco foi pedida pelos médicos portugueses, mas é suportada por uma ideologia: a ideologia de gênero. Esta teoria assenta na ideia radical de que os sexos masculinos e femininos não passam de uma construção mental, cabendo à pessoa escolher a sua própria identidade de gênero”, asseveram os médicos católicos de Portugal.

“A ideologia de gênero é uma construção cultural, um produto da cultura e do pensamento humano, sendo totalmente desvinculada da biologia. A ciência — e a medicina em particular — não aceita a supremacia absoluta da dimensão psicológica/sociocultural sobre a identidade sexual. O ideal é que haja uma harmonia entre ambas, não sendo ético provocar desordens psicopatológicas artificiais, através da difusão de uma ideologia radical destinada a criar um “homem novo””, conclui o texto.

ACI

[Esta é uma livre tradução do texto “Is chastity possible?“, de T. G. Morrow, presente no site do Apostolado Coragem].

Para responder nossa questão, precisamos considerar três perguntas: o que é a castidade exatamente? Que comportamento está implicado na castidade cristã? E, como alguém vive a castidade?

O que é a castidade?

O que é a castidade? Acompanhando Tomás de Aquino podemos definir a castidade como a moderação habitual do apetite sexual conforme à reta razão. Note-se que não é somente a moderação do comportamento, mas dos mais simples desejos que levam ao comportamento sexual. Note-se, também, que a norma é a “reta” razão, isto é, a razão em conformidade com a Lei Eterna de Deus e não, meramente, uma razão mundana, que vê como “razoável” qualquer sexo que evita gravidez indesejada ou doenças.

O que é um comportamento casto?

Então, para que tipo de comportamento nos chama a castidade cristã? Em primeiro lugar, observamos as palavras de Jesus no Evangelho: “Porque é o interior do coração dos homens o lugar de onde procedem os maus pensamentos: devassidões, roubos, assassinatos, adultérios, cobiças, perversidades, fraudes, desonestidade, inveja, difamação, orgulho e insensatez. Todos estes vícios procedem de dentro e tornam impuro o homem.” (Mc 7, 21-23; ver também Mt 15, 19s). Acrescenta ainda São Paulo: “... sabei-o bem que ninguém que seja indulgente com a fornicação, com a impureza ou com a promiscuidade… pode herdar o Reino de Deus” (Ef 5, 3-7; ver também Gl 5, 19-21). 

Então, a Escritura é bem clara a respeito do sexo extraconjugal. Alguns buscam racionalizar seu caminho a esse respeito, mas isto acaba sendo uma recusa do ensinamento de Cristo e de Sua Igreja. A recusa de um ensinamento bíblico é muito pior do que o pecado sexual cometido sem ter sido por fraqueza. 

A Igreja Católica dá precisão a este tema bíblico: “O uso da função sexual tem sua verdadeiro sentido e retidão moral somente em um verdadeiro matrimônio”. (Declaração sobre a Ética Sexual, Congregação para a Doutrina da Fé, 1975, § 5*). No mesmo documento, § 10, nós encontramos o seguinte: “A ordem moral da sexualidade envolve valores da vida humana tão elevados que toda violação direta desta ordem é objetivamente grave”.

Considerando este e outros ensinamentos da Igreja, é possível para nós concluir que qualquer ato sexual voluntário fora de uma união conjugal normal (sem contracepção), entre um homem e uma mulher, é gravemente pecaminoso. Isto incluiria masturbação, fornicação, estímulos sexuais extraconjugais, adultério, atos homossexuais, e até mesmo pensamentos lascivos (Mt 5, 28). Para nosso mundo sobrecarregado de sexualidade isto pode parecer ultrajante, mas os ensinamentos morais de Cristo sempre foram uma pedra de tropeço para o mundo. O mundo não tem lugar para a cruz.

Por que essas coisas são erradas? Em resumo, porque (1) o sexo é um símbolo do amor marital com recíproco compromisso (e os estímulos sexuais preliminares são uma preparação para o sexo) e (2) o sexo pode gerar filhos, que deveriam ser concebidos e criados dentro da estável comunidade de amor do matrimônio.

Como viver a castidade?

Como alguém vive a castidade? Como alguém desenvolve a virtude da castidade de modo que habitualmente viva a castidade sem qualquer dificuldade, ou, como Tomás de Aquino formulou, “com alegria, com facilidade e com prontidão”?

Como um fruto do Espírito Santo, a castidade não é, certamente, algo que se possa alcançar sem considerável esforço e oração. Os frutos de uma árvore aparecem por último e assim é com os frutos do Espírito Santo: eles requerem um bom plano de cultivo por meio da graça de Deus. Assim, para começar a viver a castidade no nosso mundo, requer-se uma vida espiritual forte. Para qualquer um que espera alcançar essa virtude, parece essencial ter quinze minutos de meditação diária (o terço ou a meditação dos Evangelhos), mais ir à missa frequentemente e receber os sacramentos.

Mas existe algum método de que se possa valer para usar com mais eficácia a graça recebida das práticas espirituais a fim de crescer na castidade?

Sim, existem. Deve-se começar observando com Aristóteles e Tomás de Aquino (Suma Teológica I, q.83, a.3) que o apetite sexual escuta não apenas a razão, mas também os sentidos e a imaginação. Então, primeiramente, deve-se ter cuidado com o que se vê ou assiste. Assistir filmes ou vídeos de sexo explícito, ou pornografia, ou dar atenção a pessoas do sexo oposto vestidas de modo provocante é venenoso para aquele que busca a castidade. O pior de tudo é fazer uso de materiais pornográficos, uma vez que a pornografia apresenta o sexo como algo meramente recreativo, como também apresenta homens e mulheres como meros objetos de prazer. Ambas as coisas são mentiras terríveis.

A imaginação é outra área potencialmente perigosa. Quando alguém fica cônscio de um pensamento impuro, deve imediatamente tentar abafar esse pensamento com outro mais vivo, como um jogo de bola, um bonito pôr-do-sol, entre outros. Ademais, deve-se seguir o conselho de São João Vianney de fazer o sinal da cruz para afastar a tentação e, como Santa Catarina de Siena, dizer repetidamente o nome de Jesus no coração (modo como ela repeliu uma série de tentações torpes). Um pensamento impuro inesperado não é pecaminoso, porém, uma vez que a pessoa deseja a sua continuação, o pecado entra e, como Jesus disse, pode-se pecar seriamente no coração. 

Ademais, uma vez que existam vozes [interiormente] competindo pelo controle do apetite sexual,  lidar com o apetite “despoticamente” dizendo simplesmente “não” ao apelo do apetite, não funcionará a longo prazo. Se funcionar, apenas reprimirá o apetite no inconsciente, onde estará à espera de uma chance para explodir (Papa João Paulo II, em Love and Responsibility (Amor e Responsabilidade), Ignatius Press, p. 198). No momento de fraqueza, o apetite explodirá de fato com um acesso de atividade sexual. Isto é verificado em pessoas que se contém por semanas seguidas, mas que, então, vão para a farra e repetem esse ciclo de novo e de novo.  O intelecto deve agir “politicamente” com o apetite, reforçando os valores que serão ganhos por meio de uma vida de castidade, para compensar o valor do prazer sexual que é sacrificado.

*Mais precisamente: Cf. Persona Humana, Declaração sobre algumas questões de Ética Sexual, 29 de dezembro de 1975, final do § 5. Disponível no site do Vaticano .

Pode soar estranhíssimo para muita gente, mas você sabia que, ao ter ato conjugal com seu cônjuge dentro do matrimônio, estando ambos abertos à graça da vida, você está fazendo oração?

É simples de entender. A oração não é uma repetição de palavras: é uma atitude de união com Deus. Todas as nossas atividades, quando conscientemente oferecidas a Ele, são oração. Inclusive o sexo? E por que não?

São João Paulo II, na sua fascinante catequese sobre a Teologia do Corpo, nos fala da maravilhosa capacidade humana de experimentar, por meio da corporeidade, o atributo nupcial da expressão do amor. Nesse amor, cada cônjuge se torna um presente, um dom para o outro, e um dom completo, voluntário, consciente, que Deus torna fecundo em frutos magníficos como a realização pessoal, a realização mútua, a visão de sentido para a própria vida, a abertura para a nova vida nos filhos que vierem!

É algo único da pessoa humana: entregar-se conscientemente uma à outra como oferta de amor!

Nesse contexto, fazer amor é fazer oração porque é um ato de entrega mútua em que se participa do Amor divino e inclusive da divina criação.

Diz São João Paulo II a respeito dos cônjuges: eles “veem um ao outro com toda a paz do olhar interior que cria a plenitude da intimidade de pessoas”. Todos nós desejamos alguém que nos ame, nos aceite e nos respeite por completo, plenamente, porque isso nos preenche, nos eleva e, de modo literal, nos leva a experimentar o amor de Deus sensivelmente.

A união sexual no matrimônio é um ato de união a Deus porque, por meio dela, Ele nos torna partícipes do Seu Amor e do Seu Espírito e nos transmite as graças necessárias para perseverar e nos realizar no desafio envolvido nessa entrega diária – que não, não é fácil.

Importante: nenhum outro ato sexual pode ser descrito como “fazer amor”, porque Amor, em sentido pleno, é o Amor Absoluto, é o Ser Absoluto, é o Sentido Absoluto, é Deus; e nenhum ato separado d’Ele pode ser entendido autenticamente como amor. Nenhum outro ato sexual dignifica. O ato sexual fora desse contexto não apenas não nos une a Deus como, pelo contrário, nos afasta da participação na plenitude do Seu Amor.

________________

Adaptado de texto original de Luz Ivonne Ream

banner_curso_afetividade

A afetividade não está por assim dizer encerrada no coração, nos sentimentos, mas permeia toda a personalidade.

Estamos continuamente sentindo aquilo que pensamos e fazemos. Por isso, qualquer distúrbio da vida afetiva acaba por impedir ou pelo menos entravar o amadurecimento da personalidade como um todo.

Observamos isto claramente no fenômeno de “fixação na adolescência” ou na “adolescência retardada”. Como já anotamos, o adolescente caracteriza-se por uma afetividade egocêntrica e instável; essa característica, quando não superada na natural evolução da personalidade, pode sofrer uma “fixação”, permanecendo no adulto: este é um dos sintomas da imaturidade afetiva.

É significativo verificar como essa imaturidade parece ser uma característica da atual geração. No nosso mundo altamente técnico e cheio de avanços científicos, pouco se tem progredido no conhecimento das profundezas do coração, e daí resulta aquilo que Alexis Carrel, prêmio Nobel de Medicina, apontava no seu célebre trabalho O homem, esse desconhecido: vivemos hoje o drama de um desnível gritante entre o fabuloso progresso técnico e científico e a imaturidade quase infantil no que diz respeito aos sentimentos humanos.

Mesmo em pessoas de alto nível intelectual, ocorre um autêntico analfabetismo afetivo: são indivíduos truncados, incompletos, mal-formados, imaturos; estão preparados para trabalhar de forma eficiente, mas são absolutamente incapazes de amar. Esta desproporção tem conseqüências devastadoras: basta reparar na facilidade com que as pessoas se casam e se “descasam”, se “juntam” e se separam. Dão a impressão de reparar apenas na camada epidérmica do amor e de não aprofundar nos valores do coração humano e nas leis do verdadeiro amor.

Quais são, então, os valores do verdadeiro amor? Que significado tem essa palavra?

O amor, na realidade, tem um significado polivalente, tão dificil de definir que já houve quem dissesse que o amor é aquilo que se sente quando se ama, e, se perguntássemos o que se sente quando se ama, só seria possível responder simplesmente: “Amor”. Este círculo vicioso deve-se ao que o insigne médico e pensador Gregório Marañon descrevia com precisão: “O amor é algo muito complexo e variado; chama-se amor a muitas coisas que são muito diferentes, mesmo que a sua raiz seja a mesma”.

A imaturidade no amor

Hoje, considera-se a satisfação sexual autocentrada como a expressão mais importante do amor. Não o entendia assim o pensamento clássico, que considerava o amor da mãe pelos filhos como o paradigma de todos os tipos de amor: o amor que prefere o bem da pessoa amada ao próprio. Este conceito, perpassando os séculos, permitiu que até um pensador como Hegel, que tem pouco de cristão, afirmasse que “a verdadeira essência do amor consiste em esquecer-se no outro”.

Bem diferente é o conceito de amor que se cultua na nossa época. Parece que se retrocedeu a uma espécie de adolescência da humanidade, onde o que mais conta é o prazer. Este fenômeno tem inúmeras manifestações. Referir-nos-emos apenas a algumas delas:

– Edifica-se a vida sentimental sobre uma base pouco sólida: confunde-se amor com namoricos, atração sexual com enamoramento profundo. Todos conhecemos algum “don Juan”: um mestre na arte de conquistar e um fracassado à hora da abnegação que todo o amor exige. Incapazes de um amor maduro, essas pessoas nunca chegam a assimilar aquilo que afirmava Montesquieu: “É mais fácil conquistar do que manter a conquista”.

– Diviniza-se o amor: “A pessoa imatura – escreve Enrique Rojas – idealiza a vida afetiva e exalta o amor conjugal como algo extraordinário e maravilhoso. Isto constitui um erro, porque não aprofunda na análise. O amor é uma tarefa esforçada de melhora pessoal durante a qual se burilam os defeitos próprios e os que afetam o outro cônjuge […]. A pessoa imatura converte o outro num absoluto. Isto costuma pagar-se caro. É natural que ao longo do namoro exista um deslumbramento que impede de reparar na realidade, fenômeno que Ortega y Gasset designou por “doença da atenção”, mas também é verdade que o difícil convívio diário coloca cada qual no seu lugar; a verdade aflora sem máscaras, e, à medida que se desenvolve a vida ordinária, vai aparecendo a imagem real”.(E. Rojas)

– No imaturo, o amor fica “cristalizado”, como diz Stendhal, nessa fase de deslumbramento, e não aprofunda na “versão real” que o convívio conjugal vai desvendando. Quando o amor é profundo, as divergências que se descobrem acabam por superar-se; quando é superficial, por ser imaturo, provocam conflitos e freqüentemente rupturas.

– A pessoa afetivamente imatura desconhece que os sentimentos não são estáticos, mas dinâmicos. São suscetíveis de melhora e devem ser cultivados no viver quotidiano. São como plantas delicadas que precisam ser regadas diariamente. “O amor inteligente exige o cuidado dos detalhes pequenos e uma alta porcentagem de artesanato psicológico “.(E.Rojas)

A pessoa consciente, madura, sabe que o amor se constrói dia após dia, lutando por corrigir defeitos, contornar dificuldades, evitar atritos e manifestar sempre afeição e carinho.

– Os imaturos querem antes receber do que dar. Quem é imaturo quer que todos sejam como uma peça integrante da máquina da sua felicidade. Ama somente para que os outros o realizem. Amar para ele é uma forma de satisfazer uma necessidade afetiva, sexual, ou uma forma de auto-afirmação. O amor acaba por tornar-se uma espécie de “grude” que prende os outros ao próprio “eu” para completá-lo ou engrandecê-lo.

Mas esse amor, que não deixa de ser uma forma transferida de egoísmo, desemboca na frustração. Procura cada vez mais atrair os outros para si e os outros vão progressivamente afastando-se dele. Acaba abandonado por todos, porque ninguém quer submeter-se ao seu pegajoso egocentrismo; ninguém quer ser apenas um instrumento da felicidade alheia.

Os sentimentos são caminho de ida e volta; deve haver reciprocidade. A pessoa imatura acaba sempre queixando-se da solidão que ela mesma provocou por falta de espírito de renúncia. A nossa sociedade esqueceu quase tudo sobre o que é o amor. Como diz Enrique Rojas: “Não há felicidade se não há amor e não há amor sem renúncia. Um segmento essencial da afetividade está tecido de sacrifício. Algo que não está na moda, que não é popular, mas que acaba por ser fundamental”.

Há pouco, um amigo, professor de uma Faculdade de Jornalismo, referiu-me um episódio relacionado com um seu primo – extremamente egoísta – que se tinha casado e separado três vezes. No cartão de Natal, após desejar-lhe boas festas, esse professor perguntava-lhe em que situação afetiva se encontrava. Recebeu uma resposta chocante: “Assino eu e a minha gata. Como ela não sabe assinar, o faz estampando a sua pata no cartão: são as suas marcas digitais. Este animalzinho é o único que quer permanecer ao meu lado. É o único que me ama”.

O imaturo pretende introduzir o outro no seu projeto pessoal de vida, em vez de tentar contribuir com o outro num projeto construído em comum. A felicidade do cônjuge, da família e dos filhos: esse é o projeto comum do verdadeiro amor. As pessoas imaturas não compreendem que a dedicação aos filhos constitui um fator importante para a estabilidade afetiva dos pais. Também não assimilaram a idéia de que, para se realizarem a si mesmos, têm de se empenhar na realização do cônjuge. Quem não é solidário termina solitário. Ou juntando-se a uma “gatinha”, seja de que espécie for.

Fonte: A maturidade, Editora quadrante.

kori-doty

Fonte: G1

Uma das notícias mais comentadas nesta semana foi a de que um bebê canadense não tem gênero definido, medida que foi aprovada pelo estado. Eis um trecho:

Um bebê canadense de oito meses é provavelmente o primeiro caso no mundo de recém-nascido que recebeu um cartão de saúde sem um identificador de gênero.

Seu progenitor Kori Doty (foto acima) – uma pessoa transgênero não binária que não se identifica com pronomes nem no masculino nem no feminino – afirma que quer dar oportunidade ao filho de descobrir seu próprio gênero.

O cartão de saúde da criança terá um “U” no espaço reservado para “sexo”, letra que simbolizará “indeterminado” ou “não atribuído”.

Kori Doty agora está tentando omitir o gênero do filho também da certidão de nascimento.

Como já escrevi inúmeros textos sobre essa baboseira de “identidade de gênero”, e como estou de férias, tentei resistir à tentação de escrever mais um texto sobre o assunto, ainda que um chamado divino me jogue com força nessa direção, pois não dá para ver doença mental sendo tratada como “progressismo” pelos covardes por aí. Fiz, então, um pequeno desabafo no meu Facebook atacando a “progressista” CNN:

Estou descansando em minha semana de férias, e só por isso não escrevi nada sobre essa bizarrice que se deu no Canadá “progressista”. Mas vejam a CNN, claro!, festejando o fato de que bebês não terão o gênero definido no nascimento, para que não haja “restrições”.
Felizmente tenho amigos com bom senso e o mesmo chamado divino, então posso usar seus desabafos para compor meu artigo, na falta de tempo. É o caso de Leandro Ruschel, que comentou:

Segundo a “ideologia de gênero”, é errado definir o sexo de um bebê porque a identidade sexual seria uma “construção social”, ou seja, definida pela interação desse bebê com outras pessoas ao longo da sua vida.

Sem levar em conta o óbvio fator biológico, já que existe uma brutal diferença física e hormonal entre homens e mulheres, a “ideologia de gênero” não faz o menor sentido.

Ora, se a formação da identidade sexual dependeria da interação social do sujeito e a sociedade trata ele como alguém de gênero “neutro”, como então ele conseguirá definir o seu gênero?

A única coisa clara nessa história toda é o objetivo desse movimento: criar um estado de confusão mental constante dos cidadãos para facilitar o seu controle.

Se alguém não consegue nem mesmo definir o seu próprio sexo, não terá condição alguma de tocar a sua vida. Assim como dois mais dois são quatro, se você nasce com um pênis você é um homem, se você nasce com uma vagina você é uma mulher.

Milhares de anos de evolução humana para que isso tenha que ser reafirmado, o que demonstra o poder destruidor da esquerda.

Não há como discordar.

Quem se coloca como neutro diante de uma barbaridade dessas perdeu completamente o juízo. Quem acha que é um problema dos “pais” está ignorando o bebê, uma criança desamparada que jamais deveria ser tratada como rato de laboratório para experimentos bizarros.

O mundo enlouqueceu! O Canadá se acha moderninho e “liberal”, mas está apenas doente.

Rodrigo Constantino

apollo-and-muses
Os ‘progressistas’ sexuais alegam que estão a dar início a um “admirável mundo novo” repleto de liberdade, mas a sua “nova” moralidade é tão antiga como as montanhas.

Quantas vezes já ouviram os progressistas sexuais alegarem que aqueles de nós que defendem a moralidade sexual e o casamento tradicionais estão “do lado errado da história”? Mas como ressalva um livro recente, são os proponentes da revolução sexual que estão a abraçar uma moralidade sexual que a história deixou para trás há milênios – nas ruínas do Fórum Romano.

Sim, a civilização ocidental está a atravessar por uma mudança cultural dramática; no espaço de alguns anos, a nossa sociedade mudou de forma fundamental o entendimento do casamento, abraçou a noção de que os homens podem transformar-se em mulheres, e está agora a promover a ideia de que homens adultos podem-se sentir à vontade para partilhar instalações sanitárias com jovens mulheres. Sem surpresa alguma, estamos também a observar esforços rumo à normalização da poligamia, pedofilia e incesto.

É precisamente em tempos como estes que devemos de ter algum tipo de perspectiva histórica. E é precisamente por isso que o livro do pastor luterano Matthew Rueger com o título de “Sexual Morality in a Christless World,” (abaixo) é cronologicamente apropriado. Nele, Rueger mostra como a moralidade sexual cristã agitou o mundo pagão da Roma antiga. As noções do amor compassivo, da castidade sexual, e da fidelidade marital eram estranhos, e até chocantes para o povo dessa época.

smr

Citando estudiosos atuais, Rueger detalha a visão sexual do mundo romano que durou centenas de anos. As mulheres e as crianças eram vistas como objetos sexuais; os escravos – homens e mulheres – poderiam esperar serem abusados sexualmente; a prostituição estava amplamente difundida; e o homossexualismo predatório era comum. A moralidade sexual cristã (que limita a atividade sexual para o casamento entre um homem e uma mulher com idade para gerar filhos e filhas, cuidar do lar e ensinar os mandamentos bíblicos à descendência) pode ter sido vista como repressiva para os licenciosos, mas ela era um dom de Deus para as vítimas.

Rueger escreve que: as alegações atuais de progressismo e avanços por via da aceitação de “visões sexuais dominantes em torno da sexualidade e do casamento [sic] homossexual” estão totalmente desinformadas… A visão contemporânea em torno da sexualidade nada mais é que um renascimento duma visão do mundo antiga e muito menos compassiva.

Mas ela é também o renascimento duma visão antiga e mais pobre do homem. Imaginem a reação duma escrava pagã romana que aprendia pela primeira vez que ela tinha valor – e não valor monetário como um bem para ser usado e descartado pelo dono – mas valor eterno visto que ela havia sido criada à imagem de Deus.

Ou imaginem a dor de consciência sentida por um marido romano infiel mal ele viesse a saber que Deus havia incarnado, tomado a forma dUm Homem, e que a maneira como ele cuidava do seu próprio corpo e do corpo dos outros era importante para Deus. Sem dúvida, que isto havia de ser importante.

Não podemos desviar o olhar e ignorar este renascimento profano da sexualidade pagã e da sua visão humilhante do ser humano. Mas também não podemos agitar as mãos temerosamente, ou desistir derrotados. Tal como Rueger salienta, Cristo e a Sua Igreja transformaram de maneira radical uma sexualidade mais cruel e mais caótica que a nossa.

Olhem para os crentes antigos que vieram antes de nós: Em vez de sucumbirem ou se acomodarem ao espírito da época, os novos convertidos da Igreja primitiva vieram a entender, tal como escreve Rueger, que

“a moralidade cristã fundamentava-se na pureza abrangente de Cristo e no amor auto-esvaziante… Os cristãos já não poderiam viver como os gregos ou como os romanos. A sua visão do mundo e a visão que eles tinham deles mesmos eram totalmente distintas. Eles agora eram um com Cristo, de coração e alma.”

Agora, escreve Rueger, a sua natureza distinta “não iria poupá-los do sofrimento, mas, sim convidar o sofrimento”. É totalmente claro que o mesmo se aplica a nós cristãos nos dias de hoje. Será que iremos dobrar os nossos joelhos a esta renascida sexualidade pagã, ou será que iremos disponibilizar a liberdade e o plano de Deus para a sexualidade humana para um mundo que desesperadamente necessita dele?

***

Os limites que a civilização cristã colocou no comportamento sexual (colocando de lado a sexualidade pagã), resultaram em liberdade, enquanto que os comportamentos sexuais que a civilização pós-cristã está a promover sob a bandeira da “liberdade sexual”, irão ter como consequência a perda da liberdade.

“Respondeu-lhes Jesus: Em verdade, em verdade vos digo que todo aquele que comete pecado é servo do pecado. Ora o servo não fica para sempre em casa; o Filho fica para sempre. Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres.” – João 8:34-36

Publicado originalmente em CNS News – http://www.cnsnews.com

formacao_como-chegar-a-maturidade-sexual-no-casamento-

Para tentarmos entender um pouco sobre o tema, em primeiro lugar devemos compreender o que significa maturidade, para posteriormente buscarmos uma reflexão sobre a questão da maturidade sexual no casamento.

Segundo Maria Cristina Griffa e José Eduardo Moreno, no livro “Chaves para a psicologia do desenvolvimento”, o amadurecimento que envolve a personalidade só pode ser atingido na idade adulta. O ser humano, diferente do que acontece com os animais, não só vive, mas dirige sua vida, orienta-se para um determinado caminho.

Ter maturidade pessoal não significa estar pronto, mas é buscar, é descobrir suas qualidades, é ter aceitação das limitações e possibilidades tanto externas quanto internas. É assumir responsabilidade, é estar disposto a cuidar e permitir ser cuidado, é ter compromisso consigo mesmo e com os demais, é ter autocontrole, é ser, de certa forma, independente, é analisar as escolhas porque elas têm consequências, é ter certo grau de autoconfiança, é buscar perdoar e ser perdoado, é ter outras características, e sobretudo, pensamentos e comportamentos que o faça viver de forma mais autêntica. É importante ressaltar que a maturidade pessoal interfere na maturidade sexual no casamento.

No que se refere à maturidade sexual no casamento, temos um caminho de amadurecimento que não ocorre de um dia para o outro, ele tem um processo, está presente em toda a nossa história. Nosso amadurecimento sexual inicia-se na concepção e caminha durante toda a nossa vida. Na adolescência, a manifestação da sexualidade acontece mais nitidamente e na vida adulta ela pode ser vivida de maneira mais madura, conforme veremos a seguir.

Todo o ser humano em um período denominado por “adolescência”, tem o seu impulso sexual voltado para todos os outros além dele, ou seja, para um outro diferente dele, no caso do homem voltado para as mulheres e para as mulheres voltadas para todos os homens e por isso ele e ela treinarão neste período a olharem para todos a sua volta. Este comportamento de olhar para todos é muito importante, é um elemento essencial neste período, pois somente através desta atitude a pessoa poderá um dia encontrar aquela ou no caso da mulher, aquele, que será de fato o escolhido. Portanto é nesta etapa da vida, que se inicia a integração da sexualidade com a afetividade no ser humano.

Após este processo de olhar e desejar a muitos, surge um novo tempo, justamente quando é encontrada aquela pessoa com a qual iremos nos casar. Neste momento, aquele treinamento da adolescência não se desfaz magicamente, agora inicia um novo treinamento, onde a pessoa deverá exercitar constantemente o olhar para uma única pessoa, aquela que foi escolhida para ser a esposa ou esposo. O desafio dos casados é manter o “olhar” para uma única pessoa, a pessoa amada que escolheu!

Segundo Victor Franckl, uma pessoa madura sexualmente é aquela que consegue canalizar o seu impulso sexual para uma única pessoa do sexo oposto. E diante deste novo treinamento, a pessoa irá amadurecendo, crescendo sexualmente no casamento.

O que significa impulso sexual?

Podemos dizer que o impulso sexual é uma energia, neste caso uma energia sexual direcionada para uma meta, uma finalidade. O impulso sexual está presente em todos os seres humanos, sendo estes alimentados pelas fantasias de conteúdos sexuais.

Portanto, ser sexualmente maduro é ser capaz de canalizar este desejo, impulso sexual, e consequentemente suas fantasias sexuais para a pessoa com a qual nos casamos. Mas manter o impulso, o desejo, as fantasias para o esposo ou esposa, não é como em um conto de fadas. Ele deve ser exercitado. Isto é, um treinamento!

Ao olhar para fora do casamento, para as outras pessoas que não deixaram de ser atrativas, o esposo ou a esposa não deverá manter-se fixo neste impulso para outros, mas, direcioná-lo novamente e constantemente para o cônjuge.

Não é uma tarefa fácil, e nem para ser realizada em um único dia. Ela deve ser treinada diariamente como exposto acima. O casamento é esta oportunidade que a vida nos dá para exercitarmos e atingirmos a maturidade sexual.

Como exercitar o impulso sexual para uma única pessoa?

Confira algumas dicas:

1. Reconhecer e trabalhar as tendências à traição advindas da história de vida.

2. Ressignificar através de um processo de cura as fantasias adquiridas ao longo da vida a partir da adolescência. Muitos utilizaram meios para produzirem fantasias, como vídeos e filmes pornográficos, imagens, etc. A partir do casamento nem todas as fantasias são possíveis. Muitas delas fazem com que os cônjugues não se sintam amados.

3. Olhar diariamente para a pessoa escolhida, buscando descobrir o que ela tem de atrativo sexualmente. Nenhuma pessoa precisa ter um corpo perfeito para ser desejada, os cônjuges devem acompanhar as transformações físicas que ocorrem com o tempo. Sempre existe algo atrativo.

4. Buscar a reconciliação: mágoa pode afastar os casais da vivencia sexual.

5. Buscar o enamoramento: os cônjuges devem promover o namoro, vivenciando o romantismo entre eles. A afetividade humaniza potencializa a sexualidade.

6. Diálogo sexual: é importante conversar sempre a respeito da sexualidade. Esta conversa deve ocorrer antes, durante e após o ato sexual. Dentro desta realidade do diálogo sexual surge uma questão: você conhece e respeita a história sexual do seu cônjuge?

Um casal maduro sexualmente não trata um ao outro como objeto de prazer, no qual somente um quer satisfazer as necessidades fisiológicas; não utiliza o outro como uma coisa, um objeto, sem respeitá-lo; não o obriga a certas práticas que o levam a uma percepção depreciativa de si. O casal sexualmente maduro não se masturba no outro! O casal sexualmente maduro é aquele que entende a sexualidade como um bem partilhado que faz com que ambos se sintam de fato um.

Aleteia

100

A identidade sexual é um processo psicológico individual elaborado na infância, em que as crianças se identificam como pertencentes a um dos sexos.

Geralmente, este processo começa aos 2 anos e meio ou 3. É curioso que, se 6 meses antes você tentar comprovar se elas sabem a qual sexo pertencem, as crianças encolhem os ombros. Com o passar do tempo, se fizermos a pergunta: “Você é menino ou menina?”, certamente elas ficarão ofendidas diante da dúvida. Porém esta etapa tem limitações e depende da aparência externa, das roupas e dos acessórios. E pode mudar, já que a etapa estará mais concreta perto dos 8 ou 9 anos.

É uma etapa em que são marcadas as diferenças entre os sexos. O menino percebe as diferenças entre seu pai e sua mãe. Não só físicas, mas também em relação a funções e papéis. A criança estabelece quem pertence ao grupo dos homens e quem está no grupo das mulheres, e o uso da linguagem começará a diferenciar a posse dos objetos, roupas e utensílios de cada sexo.

O pequeno irá se adequando, pouco a pouco, à imagem ideal do seu próprio sexo, e escolherá como modelo o progenitor do seu mesmo sexo, já que as crianças aprendem por imitação. Da mesma forma que o menino imitará seu pai na forma de vestir, de se pentear, nos gostos, nos gestos e na forma de falar, também o fará na questão do desempenho dos papéis.

Estas diferenças estarão mais ou menos marcadas segundo o que está no seio da família. Existem lares onde tanto o pai quanto a mãe saem para trabalhar fora, dividem as tarefas de casa, a educação e o cuidado com os filhos. Além disso, o casal se trata de igual para igual. Nestes casos, o filho não marcará tanto as diferenças entre homens e mulheres no que diz respeito às funções de cada um.

(…) 

Em resumo, a criança constrói a imagem ideal de seu próprio sexo em razão do ambiente em que se desenvolve: depende do comportamento dos adultos que a rodeiam e da relação que ela tem com eles. Mas também intervêm os estereótipos de gênero que a sociedade impõe e o status em que se insere a família a que a criança pertence.

A identidade psicossexual tem grande importância na vida posterior da criança. Sua adaptação social, sua relação com pessoas de outro sexo, assim como sua atitude na vida amorosa e nas relações sexuais serão resultados da forma como se desenvolveu essa identificação.

É necessário trabalhar para que nossos filhos tenham sucesso neste grande desafio que é se sentir bem com seu próprio corpo e todas as características que marcam a diferença sexual nos campos físicos, emocionais, psicológicos, sociais e espirituais. Conseguir isso implica ser feliz por “ser mulher” ou ser feliz por “ser homem”.

Aleteia

castidade-648x372

A castidade não é uma repressão? Você, católico, saberia responder a esta pergunta?

É comum ouvir, seja da boca de médicos ou de psicólogos, que a castidade cristã é uma forma quase neurótica de repressão sexual; há quem diga ainda, sem pôr freio à língua, que se trata de algo semelhante à castração. A figura do monge casmurro, que de tanto afogar os próprios desejos vê-se obrigado a lançar-se em espinheiros ou a meter-se em banheiras de água fria, já integra hoje o imaginário algo sombrio que muitas pessoas têm a respeito dessa virtude, por assim dizer, “medieval”: a santa pureza.

Os que defendem coisas tais, porém, costumam esquecer-se de que toda pessoa, ao relacionar-se com os demais, busca fundamentalmente amar e ser amada [1]. Com efeito, ao ensinar a seus filhos os caminhos que levam ao Céu e, por isso mesmo, à plena realização do homem, a Igreja Católica sempre fez questão de ressaltar que a castidade, longe de representar certa recusa ou falta de estima pela sexualidade humana [2], é justamente a expressão de uma vida sexual sadia e equilibrada; é, numa palavra, escola de amor.

Escola de amor, porque é por meio da pureza de corpo e coração que o homem, na medida em que vai aprendendo a ter domínio de si mesmo, consegue proteger “o amor dos perigos do egoísmo”, estimulado pela ânsia de gozar e usar do outro, “e da agressividade” [3], fruto natural de uma vontade escravizada por suas paixões. Ser casto, nesse sentido, significa ter uma personalidade madura, que sabe relacionar-se com os outros, respeitando-lhes a dignidade e vendo neles “pessoas dignas de veneração enquanto criadas à imagem de Deus e, pela graça, filhos de Deus, novas criaturas em Cristo que ‘vos chamou das trevas à sua luz admirável’ (1Pd 2, 9)” [4].

Está gostando dessas reflexões? Quer saber mais sobre o que a Igreja ensina de fato sobre a castidade? Então se inscreva agora no nosso site! Tornando-se nosso aluno, você terá a oportunidade de aprender conosco #ComoSerFamília!

Referências

Cf. Pedro Trevijano, Orientación Cristiana de la Sexualidad. Madrid: Voz de Papel, 2009, p. 55.
Cf. João Paulo II, Encíclica “Familiaris Consortio“, de 22 nov. 1981, n. 33 (AAS 74 [1982] 122).
Id., ibid.; cf. Catecismo da Igreja Católica, § 2339.
Conselho Pontifício para a Família, Sexualidade Humana: Verdade e Significado, de 8 dez. 1995, n. 17.

Fonte: Aleteia

HctorAguer_ArzobispadoLaPlata_240816

Dom Héctor Aguer, Arcebispo de La Plata (Argentina), denunciou que “o vício da fornicação se converteu em algo corriqueiro, comum, insubstancial” e, portanto, é necessário um remédio para enfrentar uma “cultura” que desumaniza as pessoas.

Em um artigo publicado no dia 23 de agosto no jornal argentino ‘El Día’, o Prelado explicou que usa a palavra “vício” para se referir à fornicação, porque o dicionário define o “fornicador” como “aquele que tem o vício de fornicar. Ele ou ela em princípio, embora hoje em dia a ‘igualdade de gênero’ permite outras combinações antinaturais”.

Ante esta realidade, prossegue o Prelado, “o laborioso remédio de uma cultura fornicadora, do desenfreio, ‘akolasía’ como o chama Aristóteles, é a ‘sofrosyne’, a temperança”.

“Para nós, cristãos, a destemperança do incontinente é curada com uma espécie muito concreta da temperança chamada castidade”, explicou.

O também Acadêmico de Número da Academia Nacional de Ciências Morais e Políticas criticou em seu artigo intitulado “A fornicação” que hoje em dia a sexualidade foi banalizada e citou como exemplo dois casos.

Em primeiro lugar se referiu às seções de celebridades onde falam das mulheres que trocam de “namorado” várias vezes por ano; e em segundo lugar, no caso das Olimpíadas Rio 2016, onde o Ministério de Saúde do Brasil enviou à cidade nove milhões de camisinhas, das quais 450 mil estavam destinadas à vila olímpica, onde estavam os esportistas.

“A cultura fornicadora que está sendo estendendo sem nenhum escrúpulo é um sinal de desumanização, não é própria de mulheres e homens segundo sua condição pessoal. Algo de não humano, de animalidade apareceria nesse comportamento”, assegurou o Arcebispo.

Além disso, afirmou que assumindo a realidade biológica e psicológica do ser humano, “é fácil compreender que o ato sexual tem um duplo sentido: é unitivo e procriativo. O gesto da união corporal acompanha, ratifica e incentiva a união das almas”.

Por conseguinte, advertiu que a fornicação converte a sexualidade “em uma ginástica superficial e provisória, própria de casais desiguais, sem o compromisso de toda a vida que integra a expressão sexual no conjunto da convivência matrimonial, com a abertura aos filhos”.

“A banalização que assinalei implica deste modo uma confusão fatal acerca do amor: não é simplesmente uma efusão sentimental, nem apenas uma atração física, mas especial e essencialmente um ato eletivo da vontade”.

“O propriamente humano é que tal decisão eletiva seja para sempre, como sinal de maturidade, preparada em uma educação para o respeito mútuo, a amizade sem fingimento, a disposição a enfrentar juntos – ele e ela – as dificuldades da vida tanto como as grandes alegrias. Assim, tem sentido a união sexual de um homem e uma mulher”, acrescentou.

Do mesmo modo, criticou as consequências pessoais e sociais do concubinato, ou seja, a relação conjugal entre um homem e uma mulher sem estar casados, entre as quais está a “orfandade afetiva de tantas crianças e adolescentes e a quantidade superior de abusos registrados precisamente dentro dessas formas de ‘união’, que não são verdadeiras famílias”.

O problema da generalização das relações sexuais entre os adolescentes, precisou, faz com que não possamos “esperar nada bom” porque cada vez “começa mais cedo a banalização do sexo”.

Por outro lado, Dom Aguer criticou o negócio dos anticoncepcionais, que oculta “a sábia disposição da natureza que ordena na mulher os ritmos de fertilidade”.

“Tudo foi bem feito pelo Criador e o capricho humano se nega a utilizá-lo, brinca com seu prazer”, ressaltou.

Em seguida, mencionou a existência da fornicação “contra natura” que atualmente é avalizada por leis “que destruíram a realidade natural do matrimônio” e que se fundam “na negação do conceito mesmo de natureza e da noção de lei natural”.

“A discriminação dos antidiscriminadores chegou a limites inconcebíveis, como por exemplo o de negar o direito das crianças a serem criadas e educadas por um pai e uma mãe; isto percebemos na adoção de crianças por ‘casamentos igualitários’”, denunciou.

Finalmente, expressou que “o propriamente humano é que a potência sexual e sua atuação se integrem harmoniosamente à riqueza da personalidade e que esse exercício se desenvolva na ordem familiar. Esta é a vitória da virtude”.

ACI

newborngaypride

Um novo estudo que analisa outras 200 investigações sobre orientação sexual e identidade de gênero revelou que não existe evidência científica para afirmar que uma pessoa nasce transgênero, questionando a comum argumentação dos coletivos LGBT.

A prestigiosa revista ‘The New Atlantis’ publicou a investigação realizada pelos peritos Lawrence Mayer, epidemiologista e membro do departamento de Psiquiatria da reconhecida Universidade de Medicina John Hopkins; e o psicólogo e psiquiatra Paul McHugh, “talvez o psiquiatra mais importante dos últimos 50 anos”, assinala a publicação.

O estudo é intitulado “Sexualidade e Gênero: Descobertas das ciências biológicas, psicológicas e sociais”.

Os estudos científicos não corroboram a hipótese de que a identidade de gênero seja uma propriedade inata e fixa do ser humano e independente do sexo biológico: ou seja, que uma pessoa seja ‘um homem preso em um corpo de mulher’ ou ‘uma mulher presa em um corpo de homem’”, assinala uma das revelações da investigação.

O editor da revista, Adam Keiper, explica que “ao examinar investigações das ciências sociais, biológicas e psicológicas, este relatório mostra que algumas argumentações que escutamos com frequência sobre sexualidade e gênero não têm apoio na evidência científica”.

O relatório “tem como tema central as altas taxas de problemas mentais entre a população LGBT e questiona a base científica da tendência do tratamento de crianças que não se identificam com seu sexo biológico”.

Os peritos assinalam que “embora um menino pequeno seja considerado – inclusive por ele mesmo – uma menina, isso não o converte biologicamente em uma menina. A definição científica do sexo biológico é, para quase todos os humanos, claro, binário e estável, o qual reflete uma realidade biológica subjacente que não se contradiz com as exceções à conduta sexual habitual e não pode ser alterada pela cirurgia ou condicionamentos sociais”.

O estudo explica inicialmente que “as provas científicas não respaldam a visão de que a orientação sexual é uma propriedade inata e biologicamente fixa do ser humano: a ideia que os indivíduos ‘tenham nascido assim’”.

Problemas de saúde mental

Os peritos também enfatizam que “os estudos comparativos da estrutura cerebral de pessoas transgênero e não transgênero demonstraram a existência de correlações frágeis entre a estrutura cerebral e a identificação transgênero. Essas correlações não constituem uma prova de que a identificação transgênero tenha uma base neurobiológica”.

Sobre os problemas de saúde mental que as pessoas não heterossexuais sofrem, o estudo assinala que “têm um risco mais elevado de padecer diversos problemas de saúde geral e saúde mental”.

É “especialmente alarmante – prosseguem – que na comunidade transgênero, a taxa de tentativas de suicídio ao longo da vida e para todas as idades seja calculada em 41%, enquanto é menos de 5% para a população geral dos Estados Unidos”.

Em comparação com a população geral, “os adultos submetidos a cirurgia de resignação de sexo” têm “aproximadamente 5 vezes mais probabilidades de tentar se suicidar e 19 vezes mais de morrer através do suicídio”.

Crianças transgênero?

Os investigadores expressam sua preocupação pelas crianças e no estudo explicam que “somente uma pequena minoria dos que manifestam uma ‘identificação de gênero cruzada’ durante a infância continuam manifestando-a na adolescência e na fase adulta” e advertem que “não existem provas de que todas as crianças com pensamentos ou condutas de gênero atípicas devam ser estimuladas a converter-se em transgênero”.

No prefácio do estudo, o Dr. Mayer afirma que esta investigação foi feita pensando no bem-estar das crianças. Acima de tudo, escreve, “dedico às crianças que lutam com sua sexualidade e gênero”.

Em declarações ao National Catholic Register, o Dr. Paul McHugh assinalou que atualmente “estamos em um mundo no qual todos dizem ‘queremos medicina baseada na evidência para tomar um antibiótico, mas sem evidência também querem fazer coisas radicais às crianças”.

Os autores também assinalam que “a evidência científica recolhida sugere que tenhamos uma perspectiva cética para a afirmação de que os procedimentos de mudança de sexo proporcionam os benefícios que se esperam ou que resolvem os assuntos subjacentes que contribuem aos altos riscos mentais da população transgênero”.

Sem medo da polêmica

Nas conclusões, os peritos explicam que elaboraram o estudo a fim de que possa ser acessível aos especialistas e ao público em geral; e comentam que, “embora haja muita controvérsia em relação a como a sociedade trata aos membros LGBT, nenhuma visão política ou cultural deve nos desalentar para entender os assuntos clínicos e de saúde pública, para ajudar as pessoas que sofrem de problemas mentais que podem estar relacionados com sua sexualidade”.

Nesta exaustiva investigação, finalizam, “tentamos sintetizar e descrever um complexo corpo de estudos científicos relacionados a estes temas. Esperamos que isto contribua ao debate público sobre a sexualidade humana e a identidade. Sabemos que haverá respostas enérgicas que serão bem-vindas”.

ACI

O artigo original é bem amplo, aqui publicamos um pequeno resumo. Clique no link abaixo

Fonte original em inglês

9aazy66i0j12gbplnmceke6uz

Um número cada vez maior de homens jovens está sofrendo problemas de saúde sexual, como disfunção erétil, por causa do consumo exagerado de pornografia virtual. O alerta é de uma das principais psicoterapeutas britânicas.

Segundo Angela Gregory, da Universidade de Notthingham, homens entre 18 e 25 anos são os mais suscetíveis a sofrer com o vício em pornografia online. Ela acrescenta que grande parte dos acessos ao material pornográfico se dá por meio de celulares e laptops.

“O que eu vi nos últimos 16 anos, particularmente nos únicos cinco anos, foi um aumento no número de pacientes relatando problemas de saúde sexual”, diz ela. “No passado, homens com disfunção erétil que nos procuravam eram mais velhos, e o problema estava associado a diabetes, esclerose múltipla ou doenças coronarianas. Mas essa situação mudou”, acrescenta.

Angela destaca que os pacientes mais jovens não apresentam nenhuma dessas doenças. “Eles não têm nenhuma doença orgânica; já foram consultados por clínicos-gerais e tudo parece normal”, explica.

Mas mesmo assim apresentam disfunção erétil. Por isso, uma das primeiras perguntas que faço aos pacientes é sobre o volume de pornografia que eles consomem, bem como seus hábitos de masturbação. Isso pode ser a raiz do problema para entender por que eles não conseguem manter uma ereção com seu(sua) parceiro(a)”, acrescenta.

Vício

O britânico Nick (nome fictício) confessa que começou a consumir pornografia na internet quando ganhou seu primeiro laptop, aos 15 anos. “Rapidamente, fiquei viciado. Via pornografia todos os dias”, diz.

“Não havia nada que me estimulasse. Por causa disso, com o passar do tempo, passei a procurar conteúdo cada vez mais exagerado para conseguir ter uma ereção”, relata. “Isso passou a prejudicar minha vida. Nunca sonharia em colocar em prática o tipo de pornografia que consumia”, acrescenta.

Não demorou muito para que Nick começasse a sofrer com problemas de saúde sexual.

Sem ereção

“Descobri que quando estava na cama com uma mulher, apesar de me sentir atraído e querer fazer sexo com ela, nada me excitava. Meu impulso sexual estava totalmente focada na pornografia”.

“No meu ápice, provavelmente via pornografia online por duas horas todos os dias.”

Quando percebeu que tinha um problema, Nick decidiu procurar ajuda. “Tive uma consulta com uma médica, e ela me disse que eu não tinha nenhum problema de saúde. Por outro lado, me falou que vinha ouvindo relatos similares de muitos pacientes com o mesmo problema.”

Como parte de sua reabilitação, Nick passou 100 dias sem consumir pornografia virtual e ficou aliviado quando as coisas começaram a voltar ao normal. 

“Minha libido voltou e encontrei uma menina. Foi ótimo”, conta. “Pela primeira vez, fui capaz de flertar e depois de algum tempo fazer sexo normalmente. Me senti equilibrado e feliz”. ( A percepção cristã do sexo sempre o associa a uma expressão humana bela e divina plenamente vivida dentro do matrimônio aberta à vida, nota do blog)

Apoio

Depois de vencer o vício, Nick passou a oferecer apoio a outros usuários com o mesmo problema. “Quando me recuperei, passei bastante tempo em fóruns na internet para ajudar outras pessoas que estavam passando pela mesma situação”.

“Hoje, há muito mais informação disponível do que no passado. Você deve conversar com seus amigos, pessoas que estão próximas de você ou naquelas em quem você confia. Não se preocupe, há muitas pessoas no mesmo barco”, recomenda.

 

Fonte: Saúde – iG @ http://saude.ig.com.br/2016-08-16/vicio-pornografia.html